Publicidade

Posts com a Tag Mundial de Handebol

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 20:50

Aviso aos navegantes: o Brasil não é zebra na final do Mundial de handebol

Compartilhe: Twitter
Jogadoras da seleção feminina de handebol comemoram a histórica vitória sobre a Dinamarca

Jogadoras da seleção feminina de handebol comemoram a histórica vitória sobre a Dinamarca

Atualizado

Após alguns minutos da (mais uma) vitória épica da seleção brasileira feminina de handebol sobre a Dinamarca, por 27 a 21, garantindo a vaga para uma inédita final no Campeonato Mundial da Sérvia, é possível fazer algumas análises com um pouco mais de tranquilidade:

1) Exceto por alguns minutos no segundo tempo, quando as dinamarquesas chegaram a diminuir a diferença para apenas três gols, em nenhum momento o Brasil correu um risco real de perder a partida. As jogadoras comandadas pelo técnico Morten Soudbak tiveram domínio total do jogo;

2) Se a defesa foi o ponto fraco na dramática vitória sobre a Hungria nas quartas de final, desta vez a marcação brasileira soube anular com competência os ataques das rivais e sem apelar tanta para as faltas em que a jogadora precisava ficar dois minutos afastada de quadra;

3) Mais uma vez, a goleira Babi foi o ponto alto da seleção, realizando defesas sensacionais ao longo da partida. Aliás, goleira não é problema nesta seleção até agora, pois a reserva Mayssa também fechou o gol nas vezes em que foi utilizada;

4) O Brasil chega à decisão do Mundial com o a única equipe invicta da competição, com oito vitórias em oito jogos. A Sérvia, adversária das brasileiras na decisão, perdeu somente um jogo – justamente para o Brasil, na primeira fase do torneio, por 25 a 23;

5) A fanática torcida pode ser a grande arma da Sérvia na decisão. Nesta sexta-feira, com as arquibancadas lotadas, o time atropelou a Polônia por 24 a 18;

6) Para que ninguém fale em golpe de sorte, vale lembrar que o Brasil derrotou uma seleção que já foi três vezes campeã olímpica;

7) Nas 21 edições anteriores dos Mundiais femininos de handebol, apenas duas vezes um país não europeu esteve entre os três primeiros – Coreia do Sul, ouro em 1995 e bronze em 2003. O Brasil é o segundo a entrar neste seleto grupo.

8) Uma modalidade sem badalação da grande mídia no país, sem o mesmo apoio financeiro e a estrutura do vôlei, por exemplo, chega à decisão em igualdade de condições com seu oponente. A seleção feminina de handebol não será zebra na final deste domingo.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 19:15

O papel histórico que o handebol feminino terá no esporte brasileiro após o Mundial da Sérvia

Compartilhe: Twitter
Jogadoras da seleção feminina do Brasil de handebol comemoram a vitória sobre a Hungria, após duas prorrogações

Jogadoras da seleção feminina do Brasil de handebol comemoram a vitória sobre a Hungria, após duas prorrogações, nas quartas de final do Mundial da Sérvia

A foto acima representa um dos momentos mais marcantes (e foram vários) do esporte brasileiro em 2013. No primeiro ano do ciclo olímpico para as Olimpíadas do Rio 2016, a seleção feminina de handebol pode ser responsável pela 27ª medalha obtida por atletas do país em campeonatos mundiais ou torneios equivalentes após a classificação da equipe para a semifinal do Mundial da Sérvia, após derrotar a Hungria em uma partida dramática, por 33 a 31, após duas prorrogações. Seu adversário será a Dinamarca, que eliminou a Alemanha por 31 a 28.

Para se ter uma ideia da dimensão do feito da equipe comandada pelo dinamarquês Morten Soubak (doce ironia), foi a primeira vez que uma equipe de esportes coletivos olímpicos alcança a condição de estar entre as quatro primeiras do mundo, fora vôlei e basquete. O futebol, apesar de fazer parte do programa olímpico, não entra nessa conta, afinal, as Copas do Mundo não tem absolutamente nada a ver com o universo olímpico, a começar pelos atletas que a disputam.

O estágio em que a seleção feminina de handebol se encopntra é de um país em franca evolução. Isso em uma modalidade que embora tenha tradicionalmente muitos adeptos na fase escolar, não consegue criar uma liga nacional forte e representativa. A maior prova disso é que praticamente a seleção inteira joga em clubes da Europa, divididas pela Áustria, Rússia, França, Dinamarca e Hungria. É inegável que a experiência internacional e o sério trabalho de Morten resultou em uma equipe que tem chances reais de sair da Sérvia com uma medalha (leia mais aqui). Sempre é oportuno lembrar que nas Olimpíadas de Londres esta mesma seleção ficou em um honroso sexto lugar, eliminada apenas pela Noruega, que seria a campeã olímpica

Como o time masculino não está no mesmo nível (a seleção sequer classificou-para as Olimpíadas de Londres 2012), esta seleção terá um papel fundamental na história do handebol brasileiro. Algo no nível do que o time feminino representou para o futebol dos Estados Unidos. Esta quinta-feira foi histórica para o esporte do Brasil.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 23:09

Com novo status, handebol feminino estreia no Mundial com chance real de medalha

Compartilhe: Twitter
Morten Soubak orienta as jogadoras da seleção durante o treino. Ele acha possível ganhar uma medalha na Sérvia

Morten Soubak orienta as jogadoras da seleção durante treino. Ele acha possível ganhar uma medalha na Sérvia

Esqueça as épocas de vacas magras, de mero figurante em competições internacionais. Neste sábado, o handebol feminino do Brasil inicia sua participação no 21º Campeonato Mundial feminino, que foi aberto nesta sexta-feira na Sérvia (vitória da equipe da casa sobre o Japão por 28 a 26) com chances bastante reais de conseguir uma inédita medalha. A partida de estreia será contra a Argélia, válida pelo Grupo B, a partir das 15h (horário de Brasília), na cidade de Nis, com transmissão do canal Esporte Interativo.

Não se trata de uma previsão excessivamente otimista. A seleção feminina de handebol vem sendo a mais grata surpresa entre os esportes olímpicos coletivos do Brasil, com uma evolução inegável. O primeiro sinal veio na belíssima participação no Mundial de 2011, realizado em São Paulo, quando a equipe ficou em quinto lugar.

 >>> Relembre: O premiado começo de ano do esporte olímpico do Brasil

Depois, para provar que não havia sido obra do acaso, a seleção terminou em sexto lugar os Jogos Olímpicos de Londres 2012, fazendo uma campanha excepcional, com a equipe sendo eliminada apenas pela Noruega, que viria a ficar com a medalha de ouro. No começo desta ano, ainda teve eleito a pontaAlexandra Nascimento escolhida como a melhor jogadora do mundo pela própria IHF (Federação Internacional de Handebol).

Desta vez, as brasileiras não escondem a ambição de chegar ainda mais longe. Em entrevista ao blog, o técnico dinamarquês Morten Soubak falou da expectativa em relação à participação brasileira e avisa: o Brasil chega para levar uma medalha.

É possível repetir o desempenho no Mundial de 2011, quando o Brasil ficou em 5º lugar, ou diante do que a equipe mostrou em Londres, já se pode pensar em uma colocação melhor? 

Morten Soubak – Sempre pensamos em uma colocação melhor. Temos feito um bom trabalho e conquistado bions resultados. Estamos evoluindo bastante e nossa meta é ganhar uma medalha. Sabemos da qualidade das outras equipes, mas acreditamos que é possível ganharmos uma medalha.

O desempenho nos Jogos Olímpicos já trouxe algum reflexo em termos de maior respeito dos adversários pela equipe do Brasil?
Sim, hoje somos uma equipe conhecida e até apontada como uma das favoritas. Os adversários já estudam mais o nosso jogo e isso nos obriga a ter ainda mais cuidado. É muito gratificante.

O fato de ter sido eleita a melhor do mundo torna a Alexandra sua principal jogadora nesta equipe?
Não considero assim. Somos um grupo muito unido e todas tem um papel muito importante para a equipe.

Faça uma breve análise dos adversários do Brasil na primeira fase e, em sua opinião, quem é o favorito para ficar com o título?

Não sabemos muito sobre a Argélia, mas por ser a nossa estreia temos quer estar muito atentos. O primeiro adversário sempre somos nós mesmos. Japão e China têm um estilo diferente de jogo, são sempre muito velozes. A Sérvia tem a vanatagem de jogar em casa e também é uma equipe muito forte. A Dinamarca tem grande tradição no handebol e chega com jogadoras jovens que estão se saindo muito bem na seleção, então sabemos que será uma primeira fase bem difícil, mas estamos preparados.

Jogadoras que não foram chamadas para este Mundial, como a goleira Chana, poderão voltar a ter chance com você em novas convocações?
Acredito que sim. Hoje, temos muitas jogadoras brasileiras de qualidade, mas infelizmente é preciso fechar um grupo de apenas 16. Ela é uma excelente goleira, assim como outras brasileiras que atuam no país e na Europa. Todas têm chance de fazer parte da equipe.

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 19:43

Um pesadelo que custa R$ 5,4 milhões

Compartilhe: Twitter

Fernanda vibra após marcar um de seus cinco gols diante da Croácia, no Mundial de 2011. Hoje, a CBHb sofre para quitar as dívidas referentes à organização do torneio

Chega a ser irônico que justamente no ano que em o handebol alcançou sua maior visibilidade, após a excepcional campanha nas Olimpíadas de Londres 2012, com o sexto lugar obtido pela seleção feminina, a modalidade esteja passando pelo sufoco de ver ameaçada sua participação em competições internacionais, por causa de uma dívida de 2,37 milhões de francos suíços, cerca de R$ 5,4 milhões. Tudo por causa de um empréstimo que a CBHb (Confederação Brasileira de Handebol) fez com a IHF (Federação Internacional de Handebol) para organizar o Campeonato Mundial feminino, há exatamente um ano, em São Paulo.

Conversei há pouco com Manoel Luiz Oliveira, presidente da CBHb. A íntegra do papo você pode conferir aqui. Ele esbanja otimismo e diz que o Brasil irá quitar a dívida, acabando assim com a ameça de ser excluído, por exemplo, do Mundial masculino, que será realizado em janeiro, na Espanha.

O dirigente resolveu falar por conta de diversas notícias que começaram a respingar em redes sociais nesta segunda-feira, originadas em sites especializados, dando conta que o Brasil seria substituído pelo Uruguai, justamente pelo não pagamento da dívida. Oliveira contesta, assegura que prorrogou o prazo até 15 de dezembro e que tudo não passa da boa e velha fofoca. A fonte seriam jornalistas argentinos, incitados pela federação local, que segundo Oliveira infla uma rivalidade exagerada com o Brasil.

O fato é que o Brasil deu um passo maior do que as próprias pernas para organizar o Mundial. É a mesma coisa que você, leitor(a), decidir comprar um carro importado quando o orçamento cabe, no máximo, um bom popular 1.0 made in Brazil. Claro que os efeitos de trazer um Mundial para o país – além da boa campanha, com aquele histórico quinto lugar – são inquestionáveis.

O pesadelo para conseguir quitar a dívida, contudo, vem tirando o sono de Oliveira. Mas ele não se arrepende em ter feito o torneio. “Do contrário, como iriam conhecer todo o potencial desta seleção feminina? Hoje, o Brasil é um dos países mais bem conceituados na IHF”, diz o dirigente.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 11 de setembro de 2012 Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:29

Prêmio de Morten Soubak é um pouco do Brasil também

Compartilhe: Twitter

Morten Soubak foi escolhido pelo segundo melhor técnico do handebol feminino do mundo

Não se pode levar muito a sério enquetes na internet. A princípio, elas servem apenas para dar uma amostragem do que pensa, num determinado momento, o internauta que frequenta determinado site. O maior exemplo foi quando, em 2000, a Fifa quis saber quem foi o melhor jogador do século e a galera escolheu Maradona, antigo desafeto da entidade. Como a Fifa queria premiar Pelé de qualquer maneira, o jeito foi dar ao craque argentino o prêmio de melhor jogador do século escolhido “pela internet”, enquanto o Rei do Futebol acabou sendo o escolhido pelo “colégio eleitoral” da casa…

Mas ressalvas à parte, foi muito importante a escolha do dinamarquês Morten Soubak como o segundo melhor técnico de handebol feminino do mundo, de acordo com pesquisa realizada pelo site da IHF (Federação Internacional de Handebol). E o motivo para se festejar o resultado é simples: a escolha de Soubak como um dos melhores técnicos do mundo reflete o excelente momento pela qual passa o handebol feminino do Brasil, que é dirigido pelo dinamarquês desde 2009.

Pois foi com o trabalho competente e sem estrelismo de Soubak que o Brasil, um país sem tradição alguma na modalidade, conquistou em menos de um ano os melhores resultados de sua história, que foram o quinto lugar no Mundial de 2011, realizado em São Paulo, e o sexto lugar nos Jogos Olímpicos de Londres, quando cumpriu uma campanha brilhante, parando apenas nas quartas de final, sendo eliminado pela Noruega, que foi a campeã olímpica.

O prêmio de Morten Soubak também é do handebol feminino brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 20 de junho de 2012 Olimpíadas, Seleção brasileira, Uniformes | 18:59

Handebol feminino vai de clima ecológico em Londres 2012

Compartilhe: Twitter

Animada com bons resultados em amistosos disputados neste ano, e especialmente após o quinto lugar no Campeonato Mundial realizado em São Paulo, no final de 2011, a seleção brasileira feminina de handebol irá para as Olimpíadas de Londres 2012 de roupa nova. Nesta terça-feira, as jogadoras participaram do lançamento do novo uniforme da equipe, da marca Asics, em São Paulo.

A principal novidade ficou por conta do design das peças, todas com estampas inspiradas na fauna brasileira, com desenhos de araras e estampas de onça sobreposta. As jogadoras aprovaram os novos modelos, gostando especialmente do novo short, com forro por baixo. “Como sempre pulo bastante, às vezes, com o antigo uniforme, tinha que tomar mais cuidado com os movimentos. Agora, não vou precisar me preocupar”, brincou a ponta Jéssica.

Confira algumas fotos dos novos uniformes do handebol feminino do Brasil nas Olimpíadas:

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 27 de março de 2012 Olimpíadas, Seleção brasileira | 23:07

Handebol feminino merece um olhar mais atento

Compartilhe: Twitter

A armadora brasileira Duda foi o principal destaque no empate de 25 a 25 diante da Noruega

O fato passou meio despercebido neste final de semana, com tantos pré-olímpicos sendo disputados por aí, mas ainda merece ser destacado. A seleção brasileira feminina de handebol cumpriu uma série de três amistosos preparatórios para as Olimpíadas de Londres 2012. A vitória sobre a pouco experiente seleção da Grã-Bretanha, por 30 a 18, nem merece ser tão festejada assim. As britânicas só estão nos Jogos por ser o país-sede, não tem tradição alguma no handebol.

Em compensação, é necessário dedicar um olhar mais atento aos dois empates obtidos diante da Noruega, simplesmente a atual campeã mundial da modalidade, título obtido no recente torneio realizado em dezembro de 2011, no Brasil.

No primeiro jogo, na última quinta (22), houve um empate em 29 gols. No sábado, atuando nas instalações do Olympic Park, mesmo local que receberá as partidas nas Olimpíadas, as brasileiras arrancaram novo empate, desta vez por 25 a 25, depois de estarem perdendo por quatro gols de diferença no final da etapa final.

Sem pachequismo – e quem me conhece sabe o quanto este traço do torcedor brasileiro padrão me irrita -, é preciso admitir que algo muito positivo vem ocorrendo com a seleção feminina de handebol, sob o comando do sério e competente dinamarquês Morten Soubak. A participação no Mundial do Brasil, quando terminou em quinto lugar, poderia até iludir, não fossem vitórias históricas sobre França e a Rússia.

Agora, com estes dois empates diante da atual campeã mundial (e também última campeã olímpica, em Pequim 2008, é bom ressaltar), é preciso que se olhe o handebol feminino com mais atenção. Para mim, a coisa está longe de ser somente uma feliz conjunção de astros e estrelas. Alguma coisa boa pode estar pintando por aí. De repente, até mesmo em Londres 2012.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 7 de março de 2012 Ídolos, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 23:50

Sem Bruno Souza, vaga do handebol masculino fica distante

Compartilhe: Twitter

Nova lesão no joelho afastou Bruno Souza da seleção que disputará o Pré-Olímpico de handebol

Se já era considerada como uma missão praticamente impossível, o sonho da seleção brasileira masculina de handebol de ir aos Jogos de Londres 2012 tornou-se praticamente impossível nesta quarta-feira, com a notícia do corte do armador Bruno Souza. O principal nome da modalidade no Brasil teve confirmada uma nova lesão nos ligamentos cruzados do joelho direito e foi cortado da seleção, que se prepara na cidade de Maringá (PR) para a disputa do Pré-Olímpico da Suécia, em abril.

Aos 34 anos, Bruno retornava à seleção pela primeira vez desde 2009. Ficou ausente do Pan de Guadalajara, também por conta de uma lesão neste mesmo joelho direito. Estava bastante animado com o retorno, mas durante um treino na última segunda-feira, sofreu uma entorse no mesmo local operado em 2011. Agora, terá que passar por nova cirurgia.

Ao contrário da seleção feminina, que conseguiu sua vaga olímpica no Pan de Guadalajara e fez uma brilhante participação no Mundial realizado em São Paulo em dezembro de 2011, terminando na quinta posição, a equipe masculina vive uma fase de transição. Após ver a vaga escapar pelos dedos com a derrota na final do Pan para a Argentina, a seleção masculina contava  com a experiência de Bruno Souza para ao menos sonhar com a possibilidade de brigar por uma das duas vagas no Pré-Olímpico, quando terá pela frente Suécia, Hungria e Macedônia.

Sem Bruno, nem isso sobrou à equipe brasileira. Para o handebol masculino, só resta torcer para que os Jogos Olímpicos de 2016 cheguem rápido!

Autor: Tags: , , ,

sábado, 4 de fevereiro de 2012 Almanaque, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 15:30

Brasil desafia retrospecto ruim no Pré-Olímpico de handebol

Compartilhe: Twitter

O técnico espanhol Javier Cuesta, da seleção masculina de handebol, terá problemas no Pré-Olímpico

Se não bastasse a decepção de ter perdido a chance de classificação direta para os Jogos Olímpicos de Londres 2012, ao ser derrotada pela Argentina na final dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, a seleção brasileira masculina de handebol pegou um grupo “encardido” no Pré-Olímpico mundial da modalidade.

Entre 6 e 8 de abril, os brasileiros vão encarar Macedônia, Hungria e a anfitriã Suécia. Outras oito seleções estarão divididas em mais dois grupos e somente os dois primeiros de cada chave vão para Londres 2012. No caso do Brasil, há ainda um outro problema: o retrospecto contra os seus rivais é simplesmente horroroso.

Veja também: O calendário pré-olímpico do Brasil em 2012

A seleção comandada pelo técnico espanhol Javier Cuesta tem larga desvantagem diante dos seus adversários. Em competições oficiais da IHF (Federação Internacional de Handebol), o Brasil disputou sete partidas diante de seus rivais no Pré-Olímpico, tendo conquistado uma mísera vitória.

Ou seja, o que já seria naturalmente complicado – conquistar uma vaga olímpica diante de países com muito mais tradição no handebol mundial e fora de casa – torna-se quase impossível diante de números tão negativos.

Confira abaixo os confrontos diretos do Brasil com seus adversários no Pré-Olímpico masculino de handebol:

– Suécia 22 x 15 Brasil – Olimpíadas de Barcelona (1992)
– Brasil 21 x 27 Hungria – Olimpíadas de Barcelona (1992)
– Brasil 21 x 29 Suécia – Campeonato Mundial da Islândia (1995)
– Brasil 30 x 27 Macedônia – Campeonato Mundial do Egito (1999)
– Suécia 29 x 21 Brasil – Campeonato Mundial de Portugal (2003)
– Hungria 20 x 19 Brasil – Olimpíadas de Atenas (2004)
– Hungria 36 x 24 Brasil – Campeonato Mundial da Suécia (2011)

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 18 de dezembro de 2011 Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 20:49

Acertos e erros do Mundial feminino de handebol

Compartilhe: Twitter

Jogadoras da Noruega comemoram a entrega do troféu de campeãs mundiais no Ibirapuera

O encerramento do 20º Mundial feminino de handebol neste domingo, que viu a consagração da Noruega, ao faturar no Ginásio do Ibirapuera seu segundo título da história (o primeiro veio em 1999), traz consigo o momento ideal para se fazer um balanço sobre o que de bom e ruim aconteceu durante o evento, que nos últimos 16 dias movimentou ginásios em São Paulo, Barueri, São Bernardo do Campo e Santos.

A) A melhor coisa, sem dúvida, foi a participação da seleção brasileira. Se no continente americano a equipe é soberana – conquistou o tetracampeonato pan-americano em Guadalajara no mês de outubro -, o mesmo não ocorre no cenário mundial, quando ainda está longe das grandes forças. Por isso, o quinto lugar conquistado neste domingo, com uma incrível vitória por 36 a 20 sobre a Rússia, bicampeã mundial, precisa ser muito festejado. Foi o melhor resultado do Brasil na história;

B) Da mesma forma que fez história ao derrotar as desmotivadas russas (isso não importa, diga-se de passagem, se elas jogaram de freio de mão puxado é problema delas), o Brasil conquistou três resultados altamente expressivos ao longo do torneio: uma vitória de virada sobre a vice-campeã mundial França, depois de estar perdendo por seis gols de diferença, e triunfos sobre tradicionais escolas europeias, Romênia e Croácia. Ainda fez um jogo parelho com a Espanha (medalha de bronze no torneio) nas quartas de final, sendo eliminada somente após sofrer um gol nos 15 segundos finais;

Chana Masson foi eleita a melhor goleira do Mundial de handebol

C) O torneio ainda viu o Brasil terminar com a melhor goleira (a incansável e carismática Chana Masson) e a artilheira do Mundial (Alexandra Nascimento, com 57 gols);

D) Agora, vamos aos problemas. O principal deles foi a falta de divulgação. Além da imprensa e dos vizinhos dos ginásios onde os jogos foram disputados, praticamente ninguém sabia que um Mundial de handebol estava acontecendo em São Paulo. Ginásios às moscas em todos os jogos, mesmo os do Brasil, recebendo um pouco mais de público nas partidas que reuniam países tradicionais da modalidade, como Suécia, Dinamarca, Noruega. A partida final foi a que teve o melhor público (cerca de 6 mil pessoas);

E) A venda de ingressos foi uma tremenda confusão, com funcionários dando informações desencontradas ao público. Este problema gerou uma bela crise entre os cartolas da IHF (Federação Internacional de Handebol) e o comitê organizador do torneio;

F) O Brasil quase foi protagonista de um vexame internacional, porque o evento deveria ter ocorrido originalmente em Santa Catarina. Mas divergências políticas entre o governo catarinense e a CBHD (C0nfederação Brasileira de Handebol) fez o estado desistir de sediar a competição. Por sorte, São Paulo aceitou receber o evento, mas isso também não impediu de ocorrer problemas. Na sexta-feira, dia 2/12, horas antes da abertura do Mundial, com o jogo entre Brasil e Japão, funcionários ainda arrumavam as instalações do Ibirapuera, acertavam detalhes da quadra e estrutura para a imprensa. Lamentável;

G) Apenas um canal, o Esporte Interativo, que é transmitido em UHF, na internet e em algumas operadoras de TV a cabo, transmitiu os jogos. Faltou competência à CBHd (Confederação Brasileira de Handebol) tentar negociar os direitos com mais uma emissora. Para um esporte que ainda luta para deixar de ser desconhecido, este tipo de divulgação era fundamental;

H) Falta de coerência e também de força política do Brasil, ao deixar que a definição do 5º lugar, contra a Rússia, neste domingo, fosse disputado às 9h da manhã deste domingo, antes do jogo que decidiria o 7º lugar, entre Angola e Croácia. Isso sem esquecer que neste mesmo horário, jogavam Barcelona e Santos, pelo Mundial de Clubes da Fifa. Nem 1.000 pessoas estavam no Ibirapuera naquele horário;

O Mundial feminino de handebol foi um torneio muito bacana. Pena que pouca gente ficou sabendo. Que os dirigentes brasileiros aprendam com os erros cometidos, para que a lista de acertos em um próximo evento fique muito maior.

Autor: Tags: , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. Última