Publicidade

Posts com a Tag Instalações

terça-feira, 15 de outubro de 2013 Olimpíadas | 19:09

Britânicos vão invadir Minas Gerais em 2016

Compartilhe: Twitter

Team GBO BOA (sigla em inglês para comitê olímpico britânico) já definiu onde fará sua preparação final para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Nesta quarta-feira, o inglês Sebastian Coe, representante da entidade e ex-presidente do comitê organizador dos Jogos de Londres 2012, assinará um acordo de parceria com o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, além de representantes do Minas Tênis Clube, prevendo a utilização das dependências do clube pelos atletas britânicos, na fase final de preparação para as Olimpíadas.

Além de definir o seu quartel-general para a preparação para os Jogos do Rio, o acordo incluirá ainda o compromisso de criar programas de intercâmbio, além de compartilhar conhecimentos na área de medicina esportiva. Além do Minas Tênis, os britânicos selecionaram também as instalações o Centro de Treinamento Esportivo da Universidade Federal de Minas Gerais e do Clube Mineiro de Caçadores de Santa Luzia.

Veja também: Natação da França avalia instalações do Sul para o Rio 2016

Outro comitê olímpico que manifestou interesse em fazer sua preparação em Minas Gerais foi o da Irlanda. O chefe-executivo da entidade, Stephen Martin, entregou uma carta de intenções à prefeitura de Uberlândia, após visitar as instalações do Complexo Municipal Virgílio Galassi, Praia Clube, Sesi Gravatás e Universidade Federal de Uberlândia.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 10 de outubro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 08:00

Brasil recebe equipamento inédito para a ginástica artística. Pena que chegou depois do Mundial

Compartilhe: Twitter
Novo aparelho de solo, de última geração, adquirido pelo Grêmio Náutico União

Novo aparelho de solo, de última geração, adquirido pelo Grêmio Náutico União

Após encerrar sua participação no Mundial de ginástica artística, que terminou no último domingo em Antuérpia, o brasileiro Diego Hypólito comentou a diferença que sentiu nos equipamentos que estavam à disposição na competição, em especial o solo. Pois um equipamento idêntico ao utilizado na Bélgica chegou ao Brasil esta semana. Mas com um “pequeno” atraso, não é?

O Grêmio Náutico União, de Porto Alegre, recebeu nesta última segunda-feira uma série de equipamentos de última geração para a ginástica artística, fruto de um convênio firmado com o Ministério do Esporte, no valor de R$ 3,2 milhões.

Entre o lote, composto por argolas, cavalo com alça, barras assimétricas etc (além de equipamentos para esgrima, remo e natação também), está um aparelho para solo da marca Moscow. Fabricado na Alemanha, o equipamento (que teve modelo idêntico usado no Mundial) é composto por molas de uma qualidade especial e que fazem toda a diferença para o ginasta. “O Diego comentou que é uma mudança brusca no treino. Acho que até eu vou voltar a treinar”, disse o ex-atleta olímpico Mosiah Rodrigues, comentarista do Sportv durante o Mundial e que treinou no clube gaúcho.

Veja também: O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

É excelente que um clube brasileiro tenha condições, mesmo com a ajuda do Ministério do Esporte, para adquirir equipamentos de primeira linha no esporte mundial. Isso já contribuí no treinamento e preparação de seus atletas de alto rendimento, além de ajudar a fomentar o esporte nas categorias de base. Mas cá entre nós, é lamentável que apenas atletas de um clube tenham à disposição condições dew trabalho tão favoráveis.

Será que o tão famoso “legado olímpico” que tanto ficam alardeando será permitir que as confederações esportivas brasileiras tenham centros de treinamento decentes e com equipamentos de última geração?

Quem viver, verá.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quarta-feira, 2 de outubro de 2013 Olimpíadas | 09:21

Natação da França avalia instalações no Sul para o Rio 2016

Compartilhe: Twitter

logo2016A menos de três anos para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, alguns países já começam a planejar sua preparação para a competição. Um deles é a França, que enviou integrantes da federação francesa de natação a Porto Alegre para visitar as instalações do Grêmio Náutico União, uma das principais forças nas piscinas do Brasil, e que tem uma nadadora na seleção brasileira, Graciele Hermann.

Segundo o diretor técnico da entidade francesa, Lionel Horter, as instalações do clube gaúcho agradaram bastante. “Realmente o local é muito bom e vamos levar essa impressão para lá e debater sobre esta possibilidade de vir treinar em Porto Alegre”, afirmou o dirigente.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 9 de setembro de 2013 Candidaturas, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas | 15:33

COI admite que falta de patrocinadores preocupa para 2016

Compartilhe: Twitter

Gerhard Heiberg é diretor de marketing do COI

Aos poucos começam a ficar mais claros os motivos para o surgimento do tal “documento sigiloso”  que estaria circulando dentro do COI (Comitê Olímpico Internacional), demonstrando preocupação com a organização das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.  Nesta segunda-feira, em entrevista à agência AP em Buenos Aires, onde acontece a Assembleia Geral do COI, o diretor de marketing da entidade, Gerhard Heiberg, afirmou que os organizadores dos Jogos do Rio enfrentam dificuldades na captação de patrocínios que ajudem a bancar o evento.

Para Heiberg, houve uma mudança nos rumos da economia brasileira, que passa por um momento de desaceleração, tornando as empresas privadas menos dispostas a investir como patrocinadoras do evento. Coincidentemente, no começo de agosto, em um evento que marcou os três anos para o início dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, o diretor de operações do Rio 2016, Leonardo Gryner, falou que haveria um aporte de US$ 700 milhões (R$ cerca de 1,4 bi) de recursos públicos para equilibrar o orçamento dos Jogos.

Logo em seguida o prefeito do Rio, Eduardo Paes, interrompeu o discurso de Gryner para dizer que a ideia é não repassar este valor.  “Nossa intenção é que o comitê organizador custeie toda sua operação e não precise de dinheiro público”, disse Paes na ocasião, causando um certo clima de constrangimento na cerimônia.

Por mais que o próprio COI tenha dito que o tal “relatório secreto” é um documento padrão em organização de grandes eventos, a verdade é que existe uma preocupação dos prazos para os Jogos de 2016. Alguns esportes ainda não sabem como e onde disputarão as Olimpíadas, além de atrasos em licitação de obras importantes, como o do complexo de Deodoro, sede prevista para as disputas do pentatlo moderno, hipismo, tiro esportivo, canoagem e hóquei sobre grama.

Até mesmo Jacques Rogge, que nesta terça-feira deixará a presidência do COI, deixou o seu recado. “Muitas obras de infraestrutura deveriam ser aceleradas. Os prazos estão apertados e têm que ser respeitados. Mas estamos otimistas”, afirmou.

Enquanto isso, Carlos Arthur Nuzman, presidente do Rio 2016 e também do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), ao ser questionado durante uma sabatina por integrantes do COI sobre os problemas de transporte público do Rio de Janeiro, tranquilizou-os dizendo que “quase todos os taxistas da cidade sabem falar inglês”.

Então tá, né?

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 1 de setembro de 2013 Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Paraolimpíadas, Política esportiva | 11:40

COI não desmente documentos secretos, mas nega ‘sinal vermelho’ para 2016

Compartilhe: Twitter

Projeto da arena de Deodoro, um dos pontos críticos apontados no relatório secreto do COI

Como não poderia deixar de ser, repercutiu como uma bomba a divulgação, por meio de reportagem exclusiva do jornalista Jamil Chade, de “O Estado de S. Paulo”, publicada neste sábado, sobre a existência de um relatório sigiloso que circula no COI (Comitê Olímpico Internacional). O documento, segundo a reportagem, diz, com todas as letras, que os Jogos Olímpicos de 2016, marcados para o Rio, correm risco em razão de atrasos nas obras das arenas, problemas na infraestrutura de transporte da cidade, déficit no número de quartos de hotel, falta de recursos de patrocinadores, entre vários pontos abordados. Estaria, portanto, segundo o tal documento, ligado o sinal vermelho para o Rio 2016.

Se confirmada a existência de tal relatório – e não tenho a menor razão para duvidar disso, conhecendo a seriedade e competência de Jamil Chade –, será o maior golpe recebido pela organização das próximas Olimpíadas, faltando menos de três anos para o evento acontecer. A partir deste domingo, quando a comissão de coordenação do COI estiver reunida no Rio, o clima certamente não será de amenidades. A cobrança deverá ser forte e pesada em cima dos integrantes do Rio 2016.

Procurado pelo blog ainda no sábado, o COI tratou de botar panos quentes na polêmica. Neste domingo, Andrew Mitchell, porta-voz da entidade, não negou a existência de um “documento sigiloso” que trata dos problemas do Rio 2016, mas fez questão de tirar o peso das informações que estão contidas nele. “Produzimos uma série de documentos em nossas reuniões, que são usados para orientar as discussões. Estes documentos são produzidos com base em critérios diferentes e você não pode simplesmente somar as cores com as quais eles são classificados para dizer que há questões importantes em áreas específicas”, explicou Mitchell, por email.

O porta-voz disse ainda que a envergadura de um projeto como o da organização dos Jogos de 2016 permite diferentes estágios de avaliação do COI. “É padrão para as comissões organizadoras ter diferentes padrões de cor durante os preparativos, como forma de separar os estágios de determinados setores da organização dos Jogos. E neste caso, pode ocorrer que alguns pontos fiquem na condição ‘vermelho’ até o final do período de preparação, embora eles serão entregues de acordo com o que foi planejado”, afirmou Mitchell, lembrando que mais informações serão fornecidas durante entrevista coletiva desta segunda-feira com a presidente da comissão de coordenação, a marroquina Nawal El Moutawakel.

Por uma infeliz coincidência, tudo isso ocorreu na mesma semana em que o Rio de Janeiro teve seu único laboratório reconhecido pela Wada (agência mundial antidoping) descredenciado, após uma série de falhas, criando uma enorme dor de cabeça para os organizadores e o próprio governo brasileiro. Afinal, é no Ladetec que seriam realizados todos os exames de dopagem das Olimpíadas e Paraolimpíadas, algo em torne de seis mil análises, no mínimo. A batalha agora é que o recredenciamento ocorra a tempo dos Jogos.

É bom, portanto, que tanto o prefeito do Rio, Eduardo Paes – que acha que vai tudo bem com a organização das Olimpíadas – e Carlos Nuzman, presidente do Rio 2016, estejam preparados, pois o COI deverá ser bem mais contundente com as cobranças desta vez.

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 6 de agosto de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Paraolimpíadas, Política esportiva | 13:58

Três anos para o Rio 2016. Temos motivos para festejar?

Compartilhe: Twitter

Integrantes do Comitê Rio 2016 comemoram a data de três anos para o início dos Jogos

Nesta última segunda-feira, passou meio despercebida uma efeméride importante:  atingiu-se a marca de exatos três anos para o início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que terá sua abertura oficial ocorrendo em 5 de agosto de 2016. No dia 22 do mesmo mês, haverá a abertura dos Jogos Paraolímpicos. Ou seja, o relógio anda correndo rápido demais para os organizadores. Só que uma sensação incômoda de que muita coisa ainda está para ser feita é permanente. Será que temos momentos para festejar?

>>> Veja também: TCU aponta irregularidades em obras para os Jogos de 2016

Se duvida disso, acompanhe:

1) Como festejar os três anos para 2016 se simplesmente o orçamento final do evento ainda não foi anunciado pelo comitê Rio 2016? Inicialmente, previa-se um custo de R$ 7 bilhões, mas essa conta é da época do dossiê de candidatura. O que devemos esperar até o final deste ano?

2) Como festejar se  o TCU (Tribunal de Contas da União) aponta indícios de sobrepreço (no popular, superfaturamento) nas planilhas orçamentárias da reforma do Ladetec, o laboratório que será responsável por todos os exames antidoping dos Jogos de 2016?

3) Como festejar se o mesmo TCU divulgou relatório demonstrando extrema preocupação com os atrasos “injustificáveis”, nas palavras do órgão fiscalizador, do início das obras do Complexo de Deodoro e que nem foram licitadas ainda? Lá serão realizadas competições de tiro, canoagem, hóquei sobre grama, ciclismo e pentatlo moderno. Os atrasos, segundo o TCU, podem afetar até mesmo a realização de eventos-testes para 2016.

4) Como encontrar motivos para fazer festa se o Ginásio do Maracanãzinho está ameaçado de não receber os jogos de vôlei, por conta da suspensão da demolição do estádio de atletismo Célio de Barros e do Parque Aquático Júlio Delamare, segundo revelou o jornal Lance! nesta terça-feira? A suspensão, extremamente positiva para o esporte brasileiro, irá atrapalhar exigências do COI (Comitê Olímpico Internacional), que pede a instalação de quadras de aquecimento ao lado ginásio.

E para que ninguém pense que se tratam apenas de críticas vazias. O ex-nadador russo Alexander Popov, membro do COI, disse em Barcelona, durante a disputa do último Mundial de esportes aquáticos, em entrevista ao Lance!, que o sinal vermelho está ligado para o Rio. “A principal preocupação é sobre quando as pessoas começarão a fazer alguma coisa”.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 31 de julho de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Paraolimpíadas | 18:33

TCU indica irregularidades em obras para os Jogos de 2016

Compartilhe: Twitter

Imagem do projeto final do Ladetec, laboratório no Rio de Janeiro que realizará todos os exames antidoping das Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016

Muito se fala sobre gastos excessivos e problemas para a Copa do Mundo de 2014, mas tem gente de olho aberto na organização dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. O TCU (Tribunal de Contas da União) publicou em seu site dois comunicados que expressam de forma preocuopante como as coisas estão caminhando na organização das próximas Olimpíadas.

Em uma das notas à imprensa, a fiscalização do TCU identificou encontrou irregularidades no orçamento e contrato das obras na reforma do Ladetec, laboratório oficial que será usado durante o evento e que fará todos os controles antidopagem das Olimpíadas e Paraolimpíadas. Entre os problemas encontrados, a análise do TCU mostrou “quantitativos subestimados na planilha orçamentária em comparação com o projeto executivo, além de execução da obra em dois turnos ao invés de três, como previsto em contrato”. Segundo o TCU, a diferença nestes quantitativos permitiria a solicitação de aditivos no contrato, o que poderia ocasionar sobrepreço (em bom português, superfaturamento).

>>> Veja também: Parque Olímpico 2016, presente e futuro

Para o relator do processo, ministro Raimundo Carneiro, a isso chama-se de “jogo de planilha”, que diminui o desconto global obtido inicialmente na licitação da obra.

A outra reclamação do TCU tem como alvo as obras no Complexo Esportivo de Deodoro, que abrigará as modalidades de hipismo, tiro, esgrima, pentatlo moderno, canoagem, ciclismo e hóquei sobre grama. Para o órgão fiscalizador, os atrasos nas obras são injustificáveis.

>>> Leia também: Rio 2016 já tem prejuízo acumulado de R$ 149 milhões

Se os prazos iniciais forem mantidos, de acordo com a análise do TCU, algumas destas obras terão conclusão posterior a da realização dos eventos-testes previstos pelo COI (Comitê Olímpico Internacional). Para o ministro Raimundo Carneiro, “os riscos potenciais identificados nas atividades de implantação do complexo esportivo são deveras danosos à administração, podendo levar a práticas emergenciais que resultam em majoração dos gastos públicos, a fim de concluir as obras no prazo necessário”.

>>> E mais: A “cidade olímpica” e o choro de Monica

Para quem quiser mais detalhes sobre o processo, basta clicar aqui.

Com a palavra, o Comitê Rio 2016…

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 24 de julho de 2013 Olimpíadas, Paraolimpíadas, Política esportiva | 13:06

Parque Olímpico de 2016, presente e futuro

Compartilhe: Twitter

Primeiros blocos de estacas são instalados no terreno onde será erguido o Parque Olímpico de 2016

Com pouco mais de três anos para a cerimônia de abertura, os primeiros blocos dos três pavilhões esportivos começaram a ser instalados no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, que receberá boa parte das competições das Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016. Os primeiros trabalhos nas fundações começaram no último dia 1º de julho e 310 estacas foram concretadas, sendo 237 no pavilhão 3 e 73 no pavilhão 2. Esses números representam 16,85% de um total de 1.839 estacas. Todos estes números foram divulgados pela Empresa Olímpico Municipal, do Rio.

LEIA MAIS SOBRE AS OLIMPÍADAS DE 2016

>>> As lições que os protestos no Brasil deixam para 2016
>>> Rio 2016 já tem prejuízo acumulado de R$ 149 milhões
>>> Confira as novas imagens do Parque Olímpico de 2016

Os pavilhões esportivos do Parque Olímpico receberão as competições de basquete, taekwondo, judô (olímpico e paraolímpico), luta greco-romana, luta livre, basquete em cadeira de rodas, bocha paraolímpica, vôlei sentado e rúgbi em cadeira de rodas.

Abaixo, a imagem projetada do Parque Olímpico de 2016, quando ficar pronto. Muito bonito, em teoria. Mas cabe a todos nós ficarmos de olho e fiscalizarmos atentamente como serão os gastos destas obras, tendo como base os astronômicos custos da Copa do Mundo de 2014.

Imagem do projeto final do Parque Olímpico do Rio de Janeiro. Será que vai ficar assim mesmo?

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 10 de maio de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva | 16:53

Rio 2016 já tem prejuízo acumulado de R$ 149 milhões

Compartilhe: Twitter

Visão geral de como ficará a Vila Olímpica durante os Jogos de 2016, no Rio de Janeiro

Preocupante, para dizer o mínimo, os números demonstrados no balanço financeiro de 2012 do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio 2016. O diretor geral do Rio 2016, Sidney Levy, apresentou o resultado do último exercício fiscal da entidade organizadora das próximas Olimpíadas, que teve um déficit de R$ 90.637.209,00 em 2012. No acumulado de 2011 e 2012, o prejuízo  chega a R$ 149.773.968,00.

Chama a atenção no balanço o aumento no item “Despesos com pessoal”, que saltou de R$ 43,6 milhões em 2011 para R$ 76,8 milhões no ano passado. Também aumentou os valores gastos com eventos: R$ 58,5 milhões, contra R$ 2,9 milhões gastos em 2011. Em 2012, foram realizados inúmeros eventos promocionais para 2016, inclusive em Londres, durante os últimos Jogos Olímpicos, como por exemplo a participação do Brasil na cerimônia de encerramento.

O que serve de sinal de alerta em relação aos números apresentados pelo pessoal do Rio 2016 é que o orçamento final para a realização das Olimpíadas e Paraolimpíadas ainda não foi divulgado. Segundo o Portal da Transparência, os gastos estimados para a organização dos dois eventos passa dos R$ 12,5 bilhões. Mas uma revisão final está sendo feita e prometida para ser anunciada em julho. E os gastos com instalações esportivas, tomando como base a experiência com os estádios da Copa do Mundo de 2014,  pode elevar ainda mais o tamanho do prejuízo.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 12 de abril de 2013 Imagens Olímpicas, Olimpíadas, Paraolimpíadas | 13:57

Confira novas imagens do Parque Olímpico de 2016

Compartilhe: Twitter

Nesta sexta-feira, a Empresa Olímpica Municipal, responsável pelos projetos do Rio para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, divulgou no Twitter novas projeções de imagens de duas das instalações que serão usadas no evento.  Na teoria, ficará muito bonito. Na teoria, vejam bem…

Confira as imagens do Centro de Esportes Aquáticos e do Centro de Tênis, que serão erguidos no Parque Olímpico, em Jacarepaguá:

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. Última