Publicidade

Posts com a Tag Instalações

domingo, 18 de maio de 2014 Imagens Olímpicas, Olimpíadas, Política esportiva | 13:04

Londres 2010 x Rio 2014: semelhanças e diferenças

Compartilhe: Twitter

Um dos pontos abordados pela polêmica reportagem do diário londrino London Evening Standard no último dia 9, quando trouxe a informação de que o COI (Comitê Olímpico Internacional) estudava levar os Jogos de 2016 de volta a Londres, era a questão dos atrasos em várias obras de arenas esportivas do Rio de Janeiro para receber as Olimpíadas. Negada pelo próprio COI, a reportagem do jornal afirmava que a entidade mostrava temor pelo fato de apenas 10% da infraestrutura dos Jogos do Rio estaria pronta, faltando dois anos para o evento. Como comparação, o London Evenig Standard citava que Londres tinha a marca de 60% de obras finalizadas no mesmo período anterior às Olimpíadas de 2012.

Duas fotos abaixo retratam bem o momento do estágio de obras em Londres, em 2010, e no Rio, em 2014. É claro que apenas duas fotos não servem como parâmetro total de comparação – vale lembrar que a infraestrutura de transporte londrina ganha de goleada da que existe no Rio, e isso não é mostrado nas fotos. Da mesma forma, não é exibido o maior gargalo das Olimpíadas de 2016, o Complexo de Deodoro, que receberá nove modalidades e com licitações em andamento, mas cujas obras só deverão começar até o final do ano. Não foi à toa, portanto, a reclamação dos presidentes de federações internacionais e que motivaram uma espécie de intervenção do COI no comitê do Rio 2016.

De qualquer forma, a título de curiosidade, vale o registro: como estava o Parque Olímpico de Londres em 2010 e como está o Parque Olímpico do Rio de Janeiro, em 2014? Veja e tire suas conclusões.

Parque Olímpico de Londres – julho de 2010

 

Parte do Parque Olímpico de Londres, ainda em obras, há exatos dois anos antes das Olimpíadas

Parte do Parque Olímpico de Londres, ainda em obras, há exatos dois anos antes das Olimpíadas

Parque Olímpico do Rio de Janeiro – maio de 2014

 

Visão aéra do Parque Olímpico do Rio, em Jacarepaguá, feita em maio

Visão aéra do Parque Olímpico do Rio, em Jacarepaguá, em maio deste ano. Há muito o que fazer

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 16 de maio de 2014 Com a palavra, Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva | 16:22

O ‘inesperado’ elogio da federação de hóquei ao Rio 2016

Compartilhe: Twitter

“No geral, a mensagem que estamos passando é bastante positiva. Vimos um senso de urgência e uma dinâmica aqui, o que é bastante reconfortante. Acredito que nos foi demonstrado muito progresso e isso foi realmente positivo para nós”



Diante da enxurrada de críticas e cornetadas públicas que vários dirigentes de federações internacionais têm feito nas últimas semanas aos atrasos nas obras das Olimpíadas do Rio 2016 – a ponto de obrigar o COI a fazer uma espécie de intervenção no comitê organizador, colocando uma pessoa de sua confiança praticamente morando na capital carioca – causa espanto um comunicado emitido nesta sexta-feira pelo comitê Rio 2016 trazendo elogios dos representantes da IHF (sigla em inglês para Federação Internacional de Hóquei), elogiando os preparativos para as próximas Olimpíadas.

Projeção da arena de hóquei sobre grama que será construída em Deodoro para o Rio 2016

Projeção da arena de hóquei sobre grama que será construída em Deodoro para o Rio 2016

De acordo com o comunicado, o executivo-chefe da IHF, Kelly Fairweather, disse ter ficado bastante aliviado a respeito de uma atualização de informações a respeito das obras no Complexo de Deodoro, principal ponto de atraso nas obras para 2016 e que receberá as competições de hóquei durante os Jogos. “Tínhamos muitas perguntas, abordamos uma a uma e 95% delas foram respondidas, então eu considero que avançamos bem”, afirmou o dirigente.

É de fato espantoso que justamente o hóquei sobre grama, uma das modalidades que integra o complexo esportivo mais atraso para as Olimpíadas – a ponto de atrapalhar a programação de eventos-testes destes esportes – tenha feito tantos elogios a Deodoro. Mas justiça seja feita, após a definição das licitações no local, a tendência é que as obras comecem a correr de fato a partir de agora.

Só que dando uma pesquisada nos arquivos do blog, desconfio ter encontrado aqui uma das razões para que a IHF fizesse elogios às atrasadas obras olímpicas.

 

 

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 15 de maio de 2014 Olimpíadas, Política esportiva | 15:49

Fiscalize os Jogos de 2016 em um clique

Compartilhe: Twitter

Foi lançado nesta quinta-feira um portal que irá acompanhar todos os passos dos gastos das obras previstas para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Iniciativa dos tribunais de contas dos três poderes (União, Estado e Município), o Fiscaliza Rio 2016 (www.fiscalizario2016.gov.br) irá permitir que qualquer pessoa, inclusive no exterior (o portal tem versões em inglês e espanhol),  possa ficar por dentro dos gastos, execução de projetos, legado e notícias referentes aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. O site pode ser acessado neste link.

Situação no canteiro de obras da Vila dos Atletas, em Jacarepaguá, em fevereiro de 2014

Situação no canteiro de obras da Vila dos Atletas, em Jacarepaguá, em fevereiro de 2014

E logo em seu lançamento, já traz alertas importantes. Chama a atenção, por exemplo, um dos artigos publicados, no qual o TCU “constatou riscos para a governança dos Jogos Rio 2016, após verificação da estrutura dos agentes envolvidos na gestão dos eventos”. Segundo o texto, entre os riscos encontrados na auditoria, está o de “após o fechamento das operações do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016, os governos terem de realizar aportes significativos a fim de cobrir as obrigações assumidas pela entidade, com as conhecidas limitações do controle a posteriori, sobretudo em se tratando de empreendimentos temporários, os quais não deixam vestígios para aferição da sua efetiva realização”. O texto completo pode ser visto aqui.

O portal permitirá que o internauta acompanhe a atuação dos três Tribunais. O TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro), por exemplo, é o órgão responsável por fiscalizar ações que envolvem recursos estaduais, como por exemplo, as obras de mobilidade urbana de trem e metrô e da adequação do Parque Aquático Júlio Delamare.

Já o TCU (Tribunal de Contas da União) está centrado para ações realizadas com recursos da União e de instituições financeiras federais, como BNDES e CEF, acompanhando as obras de energia elétrica, as do Complexo Esportivo de Deodoro e do velódromo. O TCMRJ fiscaliza projetos executados com recursos dos cofres municipais, ou através de parcerias público-privadas, tais como as de insfraestrutura do Parque Olímpico.

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 13 de maio de 2014 Olimpíadas | 13:46

Com data provisória, federação de tiro confirma evento-teste no Sambódromo para setembro de 2015

Compartilhe: Twitter

Enquanto segue a guerra fria entre dirigentes de federações internacionais e integrantes do comitê do Rio 2016 a respeito dos atrasos na entrega das instalações para as próximas Olimpíadas, existe quem esteja pensando de forma prática e divulgando seu planejamento até os Jogos. Este foi o caso da Fita (Federação Internacional de Tiro com Arco), que anunciou na última sexta-feira seu calendário de competições internacionais para a temporada de 2015 e nele consta a data do evento-teste da modalidade para o Rio de Janeiro em setembro do ano que vem, ainda com data a ser confirmada.

O sambódromo receberá as provas do tiro com arco nas Olimpíadas de 2016

O sambódromo carioca receberá as provas do tiro com arco nas Olimpíadas de 2016

Nos Jogos do Rio, as provas do tiro com arco irão acontecer no Sambódromo, na prática uma das poucas instalações olímpicas que já estão prontas. No calendário da Fita, foi reservada a data do evento-teste para o período de 17 a 24 de setembro de 2015. A data, contudo, ainda precisa ser oficializada pelo comitê do Rio 2016.

Outras modalidades esportivas já começam a se mexer para marcar eventos que irão testar as instalações olímpicas, mas a maioria depende do cronograma de obras (que está muito atrasado) no Rio de Janeiro. O primeiro evento-teste do Rio 2016 ocorrerá entre 2 a 9 de agosto deste ano, com a disputa de uma competição de vela na Baia da Guanabara. Até maio de 2016, os organizadores programam organizar 45 eventos que irão testar as instalações dos Jogos.

Entre os meses de julho a outubro de 2015, estão previstas competições ao ar livre, como triatlo, maratona e vôlei de praia. De novembro de 2015 a janeiro de 2016, a previsão é que se realizem eventos nos ginásios que já estiverem prontos. O último período de competições será entre março e maio de 2016, quando acontecerão alguns dos maiores eventos-teste, como atletismo e natação, quando todas as operações envolvendo os Jogos serão avaliadas. O Rio 2016 pretende divulgar o calendário completo ao longo deste ano. A conferir.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 16 de abril de 2014 Isso é Brasil, Olimpíadas, Paraolimpíadas, Política esportiva | 18:41

Jogos de 2016 já estão R$ 5,4 bi mais caros que Londres 2012

Compartilhe: Twitter
Imagem do projeto final do Parque Olímpico da Barra da Tijuca

Imagem do projeto final do Parque Olímpico da Barra da Tijuca para as Olimpíadas de 2016

Demorou, mas saiu! Depois de um atraso absurdo, que acabou culminando em uma intervenção do COI (Comitê Olímpico Internacional) na própria organização dos Jogos Olímpicos de 2016, finalmente nesta quarta-feira foram divulgados os custos totais das Olimpíadas do Rio de Janeiro. E a conta ficará salgada. Os governos Municipal, Estadual e Federal anunciaram o Plano de Políticas Públicas – Legado dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio 2016, que contém 27 projetos, dos quais 24 custarão R$ 24,1 bilhões.

Somado aos valores já anunciados no início do ano de R$ 7 bilhões, por parte do comitê organizador Rio 2016, e mais R$ 5,6 bilhões provenientes da Matriz de Responsabilidades, com obras ligadas diretamente ao evento, como a construção do Parque Olímpico, por exemplo, o custo total dos das Olimpíadas do Rio de Janeiro está em R$ 36,7 bilhões, por enquanto – o orçamento na construção das arenas olímpicas ainda pode mudar, especialmente no Complexo de Deodoro, cuja licitação ainda não saiu.

Só a título de comparação, vale citar aqui o custo total dos Jogos Olímpicos de Londres 2012: R$ 31,3 bilhões. São R$ 5,4 bilhões a menos do que o que será gasto no Brasil.

>>> E mais: COI fará um plano de ação para salvar o Rio 2016

É claro que os políticos e dirigentes responsáveis pela organização dos Jogos poderão argumentar que a maior parte do custo diz respeito à obras que não têm ligação direta com as Olimpíadas e que poderiam ser feita a qualquer momento. O sistema de transporte público de Londres, um dos mais amplos do mundo, consumiu muito menos dinheiro do que o Rio está gastando para facilitar o acesso do público às instalações olímpicas, por exemplo. Isso é indiscutível.

Mas vale lembrar ainda que o custo apresentado no dossiê de candidatura brasileira, em 2009, era de R$28,8 bilhões, cerca de 28% a menos

Custos divulgados, os dirigentes brasileiros precisam agora é arregaçar as mangas e tentar descontar o atraso vergonhoso na finalização das obras olímpicas. Chegou o momento de falar menos e trabalhar mais.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 1 de abril de 2014 Olimpíadas, Política esportiva | 14:25

Saída de Maria Silvia Bastos ocorre após nova bronca do COI

Compartilhe: Twitter
Maria Silvia Bastos estava no comando da EOM desde agosto de 2011

Maria Silvia Bastos estava no comando da EOM desde agosto de 2011

O anúncio feito nesta terça-feira da saída de Maria Silvia Bastos da presidência da EOM (Empresa Olímpica Municipal) representa um duro golpe na organização dos Jogos Olímpicos do Rio 2016. A EOM é a empresa responsável simplesmente pela coordenação e execução de todos os projetos e atividades municipais relativas às Olimpíadas e Paraolimpíadas do Rio, e a saída de Maria Silvia ocorre coincidentemente dez dias depois da última visita de avaliação do COI (Comitê Olímpico Internacional) à cidade-sede.

Como se sabe, novamente os integrantes da comissão do COI deixaram o Brasil extremamente preocupados com os atrasos em diversas obras de arenas esportivas e de mobilidade urbana, além da indefinição da matriz de responsabilidade dos três poderes (municipal, estadual e federal), que deveria ter sido fechada em reunião na última semana, em Brasília, com a presença da própria presidente Dilma Rousseff. O encontro ficou agendado para ocorrer ainda esta semana.

Maria Silvia ocupava um cargo importantíssimo na engrenagem da organização dos Jogos do Rio. Ela alegou razões pessoais para deixar o cargo, que ocupava desde 2011 e será agora ocupado por Joaquim Monteiro de Carvalho, que já trabalhava na prefeitura do Rio, como chefe-executivo do Imagem Rio.

Maria Silvia Bastos foi a segunda baixa importante na organização do Rio 2016. Em agosto do ano passado, Marcio Fortes já havia pedido demissão da presidência da APO (Autoridade Pública Olímpica), cargo que é ocupado agora pelo general Fernando Azevedo e Silva.

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 21 de março de 2014 Isso é Brasil, Olimpíadas | 18:37

Após visita, COI dá novo puxão de orelhas no Rio 2016

Compartilhe: Twitter
Carlos Nuzman, Nawal El Moutawakel, Gilbert Felli e Eduardo Paes visitam as obras do Parque Olímpico da Barra da Tijuca: dias de novas broncas

Carlos Nuzman, Nawal El Moutawakel, Gilbert Felli  (da comissão do COI) e o prefeito Eduardo Paes visitam as obras no Parque Olímpico da Barra: novas broncas

Nesta sexta-feira, a Comissão de Coordenação do COI (Comitê Olímpico Internacional) encerrou sua sexta visita de avaliação ao Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos de 2016. E como tem se tornado rotina toda vez que a entidade encerra sua passagem por estas bandas, mais uma vez sobraram puxões de orelha aos organizadores. A diferença é que agora a bronca foi mais explícita, exibida no próprio release oficial, a começar pelo próprio título: “COI diz ao Rio 2016 que não há um minuto mais a perder”.

No longo texto distribuído à imprensa, são vários os exemplos mostrando que a paciência dos dirigentes do COI anda cada vez mais reduzida. “A comissão de coordenação do COI encerrou sua sexta visita à cidade-sede do Brasil (10-21 de março) com uma mensagem clara aos organizadores que cada segundo conta”, dizia o texto do COI.

RELEMBRE OUTRAS BRONCAS DO COI EM 2016

>>> Nova bronca do COI liga sinal amarelo no Rio 2016
>>> Primeiro puxão de orelhas na organização do Rio 2016
>>> COI não desmente documentos secretos, mas nega ‘sinal vermelho’ para 2016

Mais adiante, novas cobranças. “A Comissão reconheceu os progressos realizados em várias áreas , desde a sua última visita, em setembro de 2013, e a visita do presidente do COI, Tomas Bach , em fevereiro de 2014, como a finalização do plano diretor geral local , a validação do orçamento vida do Comitê Rio 2016 (…) Uma série de decisões importantes , todavia, precisam ser tomadas. Em 27 de março , ocorrerá um encontro crucial entre as autoridades federais e do comitê organizador terá lugar em Brasília, onde espera-se que as responsabilidades para cada projeto sejam esclarecidas, bem como o respectivo financiamento, a fim de evitar mais atrasos significativos no entrega do projeto”.

O pior ainda estava por vir. “Os prazos de entrega de alguns dos locais para eventos-teste dos Jogos têm enfrentado atrasos e agora não deixam margem para quaisquer novas derrapagens”, afirmou o COI, em sua nota oficial, referindo-se às obras nas regiões da Barra da Tijuca (onde estará instalado o Parque Olímpico e a maior parte das arenas) e Complexo de Deodoro, o principal ponto de críticas e que está com suas obras mais atrasadas.

VEJA AINDA: Relembre outros vexames do Brasil a caminho do Rio 2016

Mas não sobraram apenas broncas por parte da comissão de avaliação. Sob o comando da marroquina  Nawal El Moutawakel, os representantes do COI elogiaram a mudança de atitude justamente em relação a Deodoro, desde que as “autoridades da cidade assumiram a responsabilidade pela entrega”. Coincidentemente, o período corresponde ao que tomou posse o general Fernando Azevedo e Silva, presidente da APO (Autoridade Pública Olímpica), órgão criado para coordenar as ações das três esferas públicas (federal, estadual e municipal) na organização dos Jogos.

A comissão do COI também elogiou a preocupação do Rio 2016 em deixar um legado sustentável após as Olimpíadas e Paraolimpíadas, com  o futuro aumento no uso do transporte público na cidade (60%), melhoria no tratamento de esgoto na Baia da Guanabara, criação de 75 novos hotéis e cerca de 11 mil novos postos de trabalho em razão dos Jogos. “Embora os progressos estejam aparecendo, cada decisão que foi adiada e cada atraso subseqüente terão um impacto negativo sobre a entrega . Portanto, é necessário o foco total”, avisou a marroquina El Moutawakel.

Nem na hora de ser elogiado, o Rio 2016 deixa de levar um puxão de orelhas.

Autor: Tags: , , , , , , ,

sábado, 28 de dezembro de 2013 Imagens Olímpicas, Jogos de Inverno, Olimpíadas | 18:12

Conheça os locais de competição de Sochi 2014

Compartilhe: Twitter

Faltam apenas 40 dias para a abertura oficial dos Jogos Olímpicos de inverno em Sochi 2014, marcada para 7 de fevereiro de 2014. Quel tal então conhecer as instalações construídas pelos russos para receber as próximas Olimpíadas?

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 26 de novembro de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva | 13:18

Reativação do Célio de Barros esbarra na burocracia

Compartilhe: Twitter
O que restou do Célio de Barros, antes de ser poupado da destuição total pelo governador Sergio Cabral

O que restou do Célio de Barros, antes de ser poupado da destuição total pelo governador Sergio Cabral

Salvo de virar um belo estacionamento para os “reis dos camarotes” do remodelado Maracanã, muito por causa do temor do governador Sérgio Cabral diante dos protestos de junho, o estádio de atletismo Célio de Barros ainda não sabe quando voltará à ativa. Na verdade, sua reconstrução esbarra na velha e boa burocracia da máquina pública.

Ao contrário do vizinho Parque Aquático Júlio Delamare, que também escapou de ser demolido e tornou-se uma das sedes dos esportes aquáticos para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio – o local receberá as competições da fase preliminar do polo aquático -, o Célio de Barros servirá, no máximo, como pista auxiliar de treinamento para os atletas durante as Olimpíadas. Mas independentemente de virar ou não um equipamento olímpico, a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) conta com sua completa reforma para utilizá-lo em competições nacionais ou internacionais.

Relembre: Foi a ‘reflexão’  de Sérgio Cabral ou as pesquisas eleitorais que salvaram o Célio de Barros?

“Será necessário reconstruir o Célio de Barros. Só não derrubaram a arquibancada”, afirmou ao blog o presidente da CBAt, José Antonio Martins Fernandes, o Toninho. Segundo ele, o cenário atual do mais tradicional estádio do atletismo brasileiro é desolador. A reconstrução do Célio de Barros, porém, depende da liberação de verbas. De acordo com o secretário de esportes do Rio, André Lazaroni, o custo da reforma seria de R$ 10 milhões. O governo carioca solicitou uma ajuda ao Ministério do Esporte, que mostrou interesse em ajudar na reforma.

A liberação desta verba, contudo, depende do envio do projeto da reforma do estádio por parte do governo do Rio, para as devidas análises de engenharia e orçamento. Só então os recursos para a reconstrução do Célio de Barros estarão disponíveis. O prazo inicial previsto para a obra é de seis meses.

Enquanto a burocracia não termina, o Célio de Barros fica ali, quietinho em seu canto, esperando voltar a funcionar. Sabe-se lá quando.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 16 de outubro de 2013 Olimpíadas, Paraolimpíadas | 16:41

Presença britânica em MG pode ajudar hóquei do Brasil

Compartilhe: Twitter
O hóquei na grama brasileiro poderá ser beneficado com a presença dos britânicos em Minas Gerais

O hóquei na grama brasileiro poderá ser beneficado com a preparação dos britânicos em MG para 2016

A assinatura do contrato de parceria do BOA (Comitê Olímpico Britânico), com o governo de Minas Gerais e o Minas Tênis Clube, como sede da preparação de atletas britânicos para as Olimpíadas do Rio 2016, conforme anunciado no blog nesta terça-feira, poderá trazer um ganho indireto a uma modalidade praticamente desconhecida no Brasil: o hóquei na grama.

Como a modalidade é uma das prioridades para a Grã-Bretanha – foram 4º lugar no masculino e bronze no feminino em Londres 2012 – haverá a necessidade de se construir um campo específico para o treinamento dos atletas. Isso não existe atualmente em Minas Gerais. Com isso, a secretaria de esportes do estado já entrou em contato com a CBHG (Confederação Brasileira de Hóquei na Grama) para que seja iniciado um trabalho de ativiação da modalidadena região.

O resultado é que o equipamento e a estrutura que serão construídos para os britânicos poderão servir como o início de um futuro polo de desenvolvimento do hóquei na grama no Brasil, que hoje tem seu centro principal de treinamento no Rio de Janeiro, no Complexo Esportivo de Deodoro.

O hóquei na grama do Brasil praticamente não existe e inclusive terá inúmeros problemas até para se classificar em 2016 (não tem vaga automática). Logo, qualquer ajuda é pra lá de bem-vinda.

No rastro da Grã-Bretanha, outros comitês olímpicos também começaram a visitar possíveis instalações em Minas. Além da Irlanda, que negocia com Uberlândia (incluindo a equipe paraolímpica), também visitaram instalações mineiras nas últimas semanas delegações do Canadá e Austrália.

Seria o hóquei em Minas Gerais um dos legados dos Jogos de 2016?

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última