Publicidade

Arquivo da Categoria Seleção brasileira

sábado, 5 de outubro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 14:48

O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

Compartilhe: Twitter
Arthur Zanetti exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de Antuiérpia

Arthur Zanetti exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de Antuérpia

Post atualizado

Fenômeno é pouco para definir o paulista Arthur Zanetti, novo campeão mundial nas argolas, em título confirmado neste sábado, na cidade de Antuérpia, na Bélgica. Mesmo com uma pontuação ligeiramente menor do que a obtida no ouro nas Olimpíadas de Londres 2012 (15.800 neste sábado, contra 15.900 no ano passado), Zanetti conseguiu deixar para trás seu maior rival, o chinês Yang Liu, que o superou na prova de classificação. O brasileiro, com isso, igualou-se a Diego Hypólito (ouro no solo em Melbourne 2005 e Suttgart 2007) e Daiane dos Santos (ouro no solo em Anaheim 2003) como os campeões mundiais brasileiros na ginástica artística.

Zanetti, que já havia sido vice-campeão mundial nas argolas, em Tóquio 2011, também repetiu o feito de outros dois monstros do esporte brasileiro, igualmente campeões olímpicos e mundiais: Cesar Cielo, na natação (50 m livre), e Robert Scheidt, na vela (clase laser).

É ótimo para o esporte brasileiro poder contar com um atleta do nível de Arthur Zanetti, ainda mais com as Olimpíadas do Rio 2016 batendo na nossa porta.

A dúvida que martela a minha cabeça é se o esporte brasileiro merece um  fenômeno como Arthur Zanetti.

Há cerca de um mês, durante a disputa do Brasileiro juvenil de ginástica artística, realizado em Aracaju, um ginasta de São Bernardo do Campo (Leonardo Finatti), sofreu uma fratura exposta durante a coimpetição. Não havia médicos ou ambulância no local. Ele precisou ser socorrido pelos fisioterapuetas presentes, que fizeram uma tala e o levaram para um hospital.

Veja também: O desabafo de Zanetti é uma vergonha para o Brasil Olímpico

Aracaju é a sede da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica). Apenas isso.

Alguém pode argumentar e dizer que se tratou de um caso isolado. Mas como uma de minhas poucas qualidades é a de ter uma boa memória, eu faço questão de recordar que o próprio Zanetti, há apenas sete meses, precisou abrir a boca para reclamar das condições vergonhosas que tinha para treinar. O iG Esporte esteve no ginásio de São Caetano e registrou as cenas. Clique aqui e reveja. É de envergonhar um país que vai receber as próximas Olimpíadas.

E as condições só melhorarm, através de uma intervenção do Ministério do Esporte, com a liberação de verbas para a compra de aparelhos, após o próprio Zanetti, talvez cansado de tantas promessas não cumpridas, desabafar em uma entrevista ao programa “Esporte Espetacular”, da Rede Globo, que não descataria apossibilidade de se naturalizar para competir por outro país, caso as condições de treinamento para ele não melhorassem.

Leia ainda: Dois tristes retratos do Brasil Olímpico

Se antes já considerava quase impossível que Zanetti cumprisse esta ameaça, após este título mundial acho impossível.

Mas é importante que tudo isso seja colocado neste momento de festa, de celebração e possivelmente muito oba-oba, para que não se perca o foco. A estrutura que está por trás dos poucos fenômenos brasileiros no esporte é ainda muito limitada, para não dizer inexistente.

Este título mundial é de Arthur Zanetti, e que nenhum oportunista tente tirar uma casquinha dele.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 15:51

Sem Yamaguchi, seleção irá desfalcada ao Mundial de boxe

Compartilhe: Twitter
Yamaguchi Falcão  (de vermelho)  luta contra Egor Mekhontcev, da Russia, na disputa do bronze em Londres

Yamaguchi Falcão (de vermelho) luta contra Egor Mekhontcev, da Russia, na disputa do bronze em Londres

A opção do boxeador brasileiro Yamaguchi Falcão em assinar um contrato profissional com a Golden Boy Promotions, empresa que pertence ao ex-boxeador americano Oscar de la Hoya, foi recebida com certa surpresa pela CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe). Embora a entidade reconheça que é normal o desejo de boxeadores em partir para uma carreira no profissionalismo, a entidade estranhou a maneira rápida com que tudo ocorreu. A confirmação da assinatura de contrato de Yamaguchi veio nesta quarta-feira, segundo site da empresa de De La Hoya.

Mas a escolha do boxeador – que foi medalha de bronze na categoria até 81 kg durante os Jogos Olímpicos de Londres 2012 – acabou trazendo uma dor de cabeça extra para a CBBoxe. Yamaguchi estava selecionado para defender o Brasil na disputa do próximo Campeonato Mundial de boxe amador, que será realizado na cidade de Almaty, no Cazaquistão.

Leia também: Ouro inédito no boxe mostra que há vida além do COB

Com sua decisão repentina em optar pelo profissionalismo, a seleção brasileira estará desfalcada na competição, que começa no próximo dia 14. É que o reserva imediato de Yamaguchi, o carioca Michel Borges, está com uma inflamação nos olhos e não poderá disputar o torneio. Assim, o Brasil estará representado em apenas oito categorias no Mundial. Entre eles Éverton Lopes, que defenderá o título mundial conquistado em 2011 na categoria 69 kg, e Esquiva Falcão, irmão de Yamaguchi e que foi prata em Londres na categoria 75 kg.

E para a CBBoxe, a opção de Yamaguchi em tentar a carreira no boxe profissional enterra definitivamente qualquer possível pretensão dele em disputar as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quarta-feira, 2 de outubro de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 09:55

Após crise, final feliz para o campeão mundial de canoagem

Compartilhe: Twitter
Isaquias Queiroz exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de canoagem

Isaquias Queiroz exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de canoagem

Há uma semana, o baiano Isaquias Queiroz expôs em sua página no Facebook seu descontentamento por não ter recebido premiação por conta da inédita conquista do título  na categoria C1 500 m, do Mundial de Canoagem Velocidade, realizado em agosto, na cidade alemã de Duisburg. Após ter sido desmentido pela CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) e de estar ameaçado de receber uma punição pela entidade, Isaquias finalmente pode comemorar uma boa notícia.

Nesta terça-feira, o Ministério do Esporte confirmou ao blog que Isaquias Queiroz será contemplado com o teto máximo da Bolsa Pódio, programa de apoio criado pelo governo para ajudar na preparação dos principais atletas brasileiros com chance de conquistar medalhas nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. O canoísta baiano receberá R$ 15 mil mensais, por sua performance no Mundial, onde além do ouro no C1 500 m (prova não olímpica), levou o bronze no C1 1.000 m.

Além de Isaquias, outros três canoístas serão contemplados com o Bolsa Pódio: Nivalter Santos de Jesus, Ronilson Matias Oliveira e Erlon de Souza Silva. Os valores destes atletas ainda não estão definidos, pois estão sendo feito um processo de revisão por conta da participação no Mundial. Os valores pagos no programa são de R$ 5 mil, R$ 8 mil, R$ 11 mil e R$ 15 mil.

Relembre: Esporte brasileiro ficará mais rico para evitar mico em 2016. Mas vai dar tempo?

Além da canoagem, o Ministério do Esporte definiu também a concessão do prograna de incentivo para mais dois atletas: Yane Marques, prata no Mundial de pentatlo moderno realizado em agosto, em Taiwan, e Guilherme Dias, bronze na categoria até 58 kg no Mundial de Taekwondo, realizado em Puebla (México), no mês de julho. Os dois receberão também o valor máximo do programa, R$ 15 mil mensais.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 30 de setembro de 2013 Almanaque, Histórias do esporte, Ídolos, Olimpíadas, Seleção brasileira | 23:01

Os 25 anos da primeira grande glória do judô brasileiro

Compartilhe: Twitter
Aurélio Miguel comemora a conquista da medalha de ouro nas Olímpíadas de Seul

Aurélio Miguel comemora a medalha de ouro nas Olímpíadas de Seul, ao derrotar o alemão Marc Meiling

Bom, sejamos justos, tudo começou de fato lá no distante 1972, com o japonês naturalizado brasileiro Chiaki Ishii ganhando a primeira medalha nos Jogos de Munique, um bronze, na categoria até 93 kg. Depois de 12 anos, Douglas Vieira (prata), Walter Carmona e Luiz Onmura (ambos bronze) voltaram a subir no pódio, numa brilhante participação do país nos Jogos de Los Angeles.

Mas a primeira grande glória só veio há exatos 25 anos, mais precisamente num 30 de setembro de 1988. Para encerrar o mês de setembro em grande estilo, o blog relembra o aniversário da primeira medalha de ouro do judô brasileiro, que veio com Aurélio Miguel, na categoria até 95 kg (meio-pesado), nas Olimpíadas de Seul, derrotando na final o alemão Marc Meiling de maneira incontestável.

Veja também: A maior vergonha da história das Olimpíadas

Uma medalha que veio com quatro anos de atraso, é bom lembrar, pois já se esperava que Aurélio participasse em Los Angeles, mas uma briga com o então presidente da CBJ (Confederação Brasileira de Judô), Joaquim Mamede (sempre ele), acabou adiando a conquista. Em seu lugar, acabou sendo convocado Douglas Vieira, que faturou a prata na ocasião.

Aurélio ainda participaria de mais dois Jogos, em Barcelona 92 (quando teve sua participação confirmada apenas meses antes, após novo embate com a CBJ) e em Atlanta 1996, ocasião em que levou o bronze. Mas é inegável que a conquista de Aurélio Miguel, há 25 anos, abriu o caminho para tornar o judô, com suas 19 medalhas, em um dos pilares do esporte olímpico brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 26 de setembro de 2013 Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 19:07

Confederação de canoagem rebate campeão mundial e punição não está descartada

Compartilhe: Twitter
A Confederação Brasileira de canoagem rebateu as acusações de Isaquias Queiroz

A Confederação Brasileira de canoagem rebateu as acusações de Isaquias Queiroz. Vem punição por aí?

Não demorou nem 24 horas para que a CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) negasse as pesadas críticas feitas por Isaquias Queiroz na última quarta-feira, menos de um mês depois de tornar-se o primeiro brasileiro  campeão mundial de canoagem de velocidade, ao faturar o ouro na categoria C1 500 m (prova não olímpica), além do bronze no C1 1.000 m. Nada mais lógico que viesse a resposta da entidade.

Em longo texto publicado no site oficial da entidade e reproduzido em reportagem do portal Ahe!, o presidente da CBCa, João Tomasini Scwertner, rebateu uma a uma as fortes pancadas desferidas por Isaquias em sua página no Facebook, negando, entre ouitras coisas, que havia promessa de pagamento por premiação em caso de título mundial e de algum tipo de preconceito com atletas de diferentes regiões do Brasil.

Preocupado em escolher as palavras e não colocar mais lenha na fogueira, Scwertner preferiu no comunicado exaltar a “estrutura nunca vista antes na Canoagem Brasileira oferecida” aos atletas e aos programas oficiais de remuneração aos quais os atletas têm acesso, como Bolsa-Atleta e o Bolsa-Pódio, voltado para as principais esperanças de medalha nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Ausente do Brasil – está em viagem ao Leste europeu – João Tomasini Scwertner não pôde atender ao iG nesta quinta-feira para comentar as declarações de Isaquias Queiroz. Oficialmente, a entidade não tem nenhuma posição sobre a aplicação de alguma medida disciplinar no atleta. Mas pessoas próximas à entidade disseram que nenhuma hipótese está sendo descartada neste momento.

Em outras palavras, acho que dificilmente Isaquias Queiroz escapará de pelo menos receber uma multa. Punição que o próprio canoísta disse esperar, em seu post no Facebook.

Tanto o dirigente quanto o atleta deverão se encontrar a partir da próxima semana, no Centro de Treinamento de alto rendimento da CBCa, localizado em São Paulo.

Para não me acusarem de ficar em cima do muro: até prova em contrário, acredito nas palavras do atleta, a despeito do completo e longo comunicado da Confederação Brasileira de Canoagem. Ninguém sai batendo daquele jeito sem ter motivos. E os anos de estrada no jornalismo esportivo me ensinaram a receber com extremo cuidado estes comunicados oficiais…

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

quarta-feira, 25 de setembro de 2013 Com a palavra, Isso é Brasil, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 18:16

O tratamento que o esporte do Brasil dá a um campeão mundial

Compartilhe: Twitter
Isaquias Queiroz exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de canoagem

Isaquias Queiroz exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de canoagem. Esforço em vão?

“Agora tenho que assinar uns documentos da Confederação, pedem para dizer que tenho 2 remos que na verdade nunca chegou em minhas mãos, dedico minha vida inteira a canoagem e a Confederação nada faz por mim, tenho um documento em mãos que quando ganhei o mundial em 2011 meu ex-treinador ganhou 10 mil por medalha e naquela ocasião ganhei duas, na soma são 20mil reais e para mim o presidente me levou para comer no Mc Donald’s”

Passa o tempo, mas alguns hábitos vergonhosos ainda insistem em sobreviver no esporte brasileiro. O último exemplo foi mostrado em oportuna reportagem do portal de esportes olímpicos Ahe!, parceiro do iG Esporte, trazendo o desabafo do baiano Isaquias Queiroz, que no início deste mês de setembro tornou-se o primeiro brasileiro campeão mundial de canoagem, na categoria C1 500 m (prova não olímpica), em Duisburg, na Alemanha. Ele também faturou o bronze na prova C1 1.000 m. Trata-se, portanto, de uma esperança de medalha para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Na hora, foi aquela festa, a CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) estampou a notícia com destaque em seu site, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) e Ministério do Esporte também tiraram suas respectivas casquinhas, exaltando que o feito foi obtido com a ajuda de recursos financeiros e técnicos das duas entidades (o que é verdade, diga-se de passagem).

O problema é que passado quase um mês da histórica conquista, o que Isaquias Queiroz ganhou além do que tapinhas nas costas? Nada, absolutamente nada.

>>> Veja também: As boas novas do esporte brasileiro não vieram apenas do judô

Além de demonstrar uma profunda decepção por não ter recebido qualquer recompensa pelo resultado histórico, ainda desabafou ao recordar uma esdrúxula punição de R$ 1.000,00 por ter aparecido em uma fotografia sem estar usando o uniforme oficial da CBCa. E fez uma denúncia mais grave, ao revelar que um atleta baiano, prata no Pan do Rio 2007, nada recebeu por sua conquista, ao contrário de outros atletas, do Sul do país, que teriam sido recompensados financeiramente pelas medalhas.

Sem falar na surreal história do McDonald’s…

O pior de tudo é que provavelmente Isaquias Queiroz será punido pela sua confederação, pelo desabafo feito via Facebook (situação que, por sinal, ele mesmo previu no próprio texto).

Um fato que precisa ficar muito claro é que a CBCa, assim como todas as confederações olímpicas, recebem verbas da lei Agnelo/Piva, que destina 2% do que é arrecado nas loterias brasileiras. Ou seja, elas têm a OBRIGAÇÃO de prestar contas de forma clara à população. Só a título de curiosidade, o presidente da Confederação, João Tomasini Schwertner, está no cargo desde 1989! Ele é um dos cartolas que terá vida curta no esporte nacional, com a aprovação da MP 620, que limita o mandato de dirigentes de entidades esportivas, aprovada tanto na Câmara Federal quanto no Senado, e que aguarda sanção da presidenta Dilma Rousseff.

>>> Leia também: A maior vitória do esporte brasileiro. Só falta Dilma assinar

Ainda há um longo caminho a ser percorrido para mudar a estrutura podre do esporte brasileiro, que em muitos casos continua tratando muito mal seus campões.

Com a palavra, COB e Ministério do Esporte.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 19 de setembro de 2013 Seleção brasileira | 19:53

‘Geração 2020’ experiementa clima olímpico em estreia de nova competição

Compartilhe: Twitter
Atletas da delegação do Brasil que participa, a partir desta sexta-feira, dos Jogos Sul-Americanos da Juventude

Atletas da delegação do Brasil que participa, a partir desta sexta-feira, dos Jogos Sul-Americanos da Juventude

Começa nesta sexta-feira, com a cerimônia de abertura programada para às 21h30 (horário de Brasília) a edição inaugural dos Jogos Sul-Americanos da Juventude, voltados para atletas com idade com até 17 anos e que terá como palco a cidade de Lima, no Peru. Ao todo, estarão presentes cerca de 1.200 atletas representando 14 países do continente, disputando um total de 22 modalidades esportivas. O Brasil estará presente com uma delegação de 100 atletas. A disputa por medalhas começará no sábado, dia 21.

Mas na prática, qual é a real importância de um evento como este? Nem mesmo nos principais jornais peruanos desta quinta-feira era possível encontrar uma nota a respeito da competição.

Se alguém estiver preocupado com resultados, marcas, recordes e quadro de medalhas, é bom botar o pé no freio e diminuir o foco de suas expectativas.

Estamos falando de atletas que, embora alguns com grande potencial – e muitos deles certamente estarão representando seus países nas Olímpíadas de Tóquio, em 2020 -, estão ainda em fase de formação. Mal comparando, é a mesma coisa que ocorre com a já famosa Copa São Paulo de Juniores, evento que abre o calendário do futebol no mês de janeiro: muitos candidatos a craques passam incógnitos e só acabam despontando mesmo depois do torneio.

O objetivo da Odesur (sigla em espanhol para Organização Desportiva Sul-Americana) é justamente preparar os atletas que não tem qualquer experiência em competições poliesportivas para as Olimpíadas da Juventude, que estão marcadas para 2014, na cidade de Nanjing (China).

Neste ponto, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) acerta em dar aos garotas e garotas tratamento semelhante às delegações que participam de Olimpíadas e Pan-Americanos, inclusive realizando um evento em São Paulo para distribuição de uniformes e orientações diversas sobre o evento.

E mesmo tendo na delegação atletas de muito potencial – como é o caso de Mirna da Silva, semifinalista dos 100 m rasos do Mundial juvenil de atletismo deste ano, na Ucrânia -, o objetivo brasileiro deveria ser apenas educativo, ou seja, começar a preparar esta garotada desde cedo, mesmo em competições menores, para que ninguém fique deslumbrado quando estiver entrando em uma Vila Olímpica, por exemplo. A quantidade de medalhas conquistadas deve ficar em segundo plano.

Pena que pouca gente valorize isso.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 16 de setembro de 2013 Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 17:44

Após 'susto' do COI, luta faz seu Mundial de olho em mudanças

Compartilhe: Twitter

Amit Kumar, da Índia (de vermelho) e Hassan Rahimi (Irã) disputam a final dos 55 kg, categoria livre

Pouco mais de uma semana depois de ter sido confirmada pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) no programa das Olimpíadas de 2020, em Tóquio, e de 2024, a luta olímpica ainda tenta se recuperar do susto em plena disputa do Mundial da modalidade, que começou nesta segunda-feira em Budapeste, na Hungria. Mas a competição – que conta com uma delegação de nove atletas do Brasil, nas categorias livre, greco-romana e luta feminina – servirá especialmente para que o esporte consiga se moldar às exigências feitas pelo COI e que por pouco não custaram sua exclusão no programa olímpico.

Desde o último domingo, o conselho executivo da FILA (Federação Internacional de Lutas Associadas) está reunido para discutir um plano de ação com  objetivo de modernizar a modalidade, uma críticas da comissão do COI que havia votado pela exclusão da luta olímpica, em fevereiro. “A FILA não chegou a fazer um acordo com o COI, mas está consciente que as mudanças precisam ser feitas ou estamos arriscados no futuro a nunca mais termos nossa posição de esporte principal dos Jogos ou passarmos por uma situação semelhante à que tivemos agora”, disse Pedro Gama Filho, presidente da CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas) e um dos mais ativos dirigentes na briga pela manutenção das lutas no programa olímpico.

A atuação do sérvio Nenad Lalovic, que assumiu a presidência da FILA no último mês de fevereiro, também foi apontada pelo dirigente brasileiro como fator importante para a decisão do COI. Isso porque de forma rápida foram implantadas algumas mudanças na modalidade assim que ele tomou posse, segundo Gama Filho. “De mais importante, houve o aumento de duas categorias femininas já para os Jogos de 2016, no Rio, e a diminuição de uma categoria masculina em cada estilo, para promover uma maior igualdade. Também foi criada uma comissão de atletas, com direito a voto no Bureau da FILA, e que será escolhida pelos próprios lutadores”, disse o brasileiro.

Relembre: COI rasga sua própria história ao excluir a luta dos Jogos

A entidade tornou ainda seu departamente de arbitragem um órgão independente, conseguindo assim mais autonomia. E por fim, alterou de forma profunda algumas regras dos combates, para facilitar o entendimento do esporte ao público. “O atleta com estilo mais ofensivo, que se arrisca mais, leva vantagem clara. Também não há mais o sorteio que decidia os rounds em caso de empate e houve uma própria mudança na estrutura do combate, agora disputado em três rounds com placar acumulativo”, disse Gama Filho.

As novas categorias que passarão a participar do programa olímpico no Rio de Janeiro serão aprovadas ao longo do congresso do comitê executivo da FILA, que está sendo realizado em Budapeste.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 2 de setembro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 23:26

As boas novas do esporte brasileiro não vieram apenas do judô

Compartilhe: Twitter

As atenções no esporte olímpico do Brasil no último final de semana estavam concentradas no Campeonato Mundial de judô, como não poderia deixar de ser. Mas a despeito da bela campanha da equipe brasileira – em particular da fantástica participação da seleção feminina e seu recorde de cinco medalhas -, não foi apenas o tatame que trouxe boas novas.

O último final de semana deu ao Brasil dois novos campeões mundiais. E ambos com grande potencial para brilhar nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. No sábado, o jovem Jorge Zarif, de apenas 21 anos, conquistou o Mundial da classe Finn, disputado na raia de Tallin, na Estônia. Foi a primeira conquista brasileira na competição desde 1972, quando Jorg Bruder faturou o título. Zarif tornou-se ainda o mais jovem campeão mundial da Finn e sua vantagem sobre os adversários era tamanha que ele precisava apenas disputar a Medal Race para confirmar o título.

Jorge Zarif tornou-se o mais jovem campeão mundial da classe Finn

Outro brasileiro campeão mundial, ainda maiôs novo, apareceu na cidade alemã de Duisburg, onde aconteceu o Mundial de canoagem velocidade. Aos 19 anos, o baiano Isaquias Queiroz fez história ao tornar-se domingo o primeiro atleta do país a conquistar o título na categoria C1 500 m (prova não olímpica). E não foi só isso: ele ainda trouxe uma medalha de bronze na C1 1.000 m (esta sim prova olímpica), no sábado.

Isaquias deixou Duisburg com o título mundial no C1 500 m e o bronze nos C1 1.000m

Para ter uma ideia da boa fase pela qual passa Queiroz, revelado em um projeto social da Federação Baiana de Canoagem e pela Associação Cacaueira de Canoagem, ele venceu simplesmente todas as competições internacionais que participou em 2013. Para a CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem), Isaquias Queiroz é a principal aposta da modalidade para conquistar uma inédita medalha olímpica em 2016.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 30 de agosto de 2013 Ídolos, Mundiais, Seleção brasileira | 19:48

As meninas superpoderosas do judô do Brasil

Compartilhe: Twitter

Mayra Aguiar abre o sorriso para exibir a medalha de bronze na categoria até 78 kg, no Mundial do Rio

Tudo bem que ainda faltam as disputas deste sábado, e Luciano Corrêa (até 100 kg) e Rafael Silva, o Baby (mais de 100 kg) podem salvar a honra da equipe masculina do Brasil neste Mundial de judô. Mas é inegável que o saldo ao final da competição estará mais do que positivo para a seleção brasileira feminina. Uma campanha irretocável.

Nada menos do que quatro medalhas conquistadas, a última delas com Mayra Aguiar, nesta sexta-feira, a de bronze, na categoria até 78 kg, juntando-se à Rafaela Silva (ouro), Érika Miranda (prata) e Sarah Menezes (bronze). Trata-se da melhor participação do judô feminino na história dos Mundiais, superando até agora a campanha de Paris, em 2011, quando foram obtidas três medalhas.

E nada disso veio à toa, sempre é bom lembrar. Nos Jogos de Londres, a única medalha de ouro no judô veio da equipe feminina, com Sarah Menezes. O excelente trabalho desenvolvido pela técnico Rosicléa Campos (afastada em razão de licença-maternidade) vem finalmente sendo premiado com os resultados nas grandes competições.

Pelo menos no Mundial do Rio de Janeiro, foram as meninas superpoderosas que deram as cartas no judô brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 7
  3. 8
  4. 9
  5. 10
  6. 11
  7. 20
  8. 30
  9. Última