Publicidade

Arquivo da Categoria Seleção brasileira

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 Ídolos, Olimpíadas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 14:25

Cesar Cielo muda de técnico novamente: perfeccionismo ou insegurança?

Compartilhe: Twitter
Cesar Cielo trocou mais uma vez de treinador, em sua preparação para as Olimpíadas de 2016 (Foto: Satiro Sodré/CBDA)

Cesar Cielo trocou mais uma vez de treinador, em sua preparação para as Olimpíadas de 2016 (Foto: Satiro Sodré/CBDA)

Quem conhece um pouco mais de perto o nadador brasileiro Cesar Cielo sabe o quanto o campeão olímpico e tricampeão mundial dos 50 m livre é perfeccionista. Sempre em busca da melhor performance, Cielo não mede esforços para ter sempre ao seu lado os melhores profissionais. Nesta segunda-feira, ao anunciar que passará a treinar com Arilson Silva, ao lado de uma equipe multidisciplinar no Centro Olímpico de São Paulo, Cielo sinaliza que está totalmente focado em assegurar o tetra mundial em Kazan (RUS), neste ano, e no bicampeonato olímpico no Rio 2016.

Mas se especialistas entendem que a troca de treinadores constante não chega a ser um problema – Arilson será o quarto treinador de Cielo neste ciclo olímpico -, as mudanças podem sinalizar ainda que o brasileiro está inseguro em qual caminho seguir para atingir seus objetivos. A opinião é do técnico e comentarista de natação do Sportv, Alex Pussieldi, que falou ao blog sobre o caso.

“Eu não vejo problema na parte técnica [sobre a troca de treinadores]. Até gosto mais do Arilson do que o Goodrich e Volkers, o estilo e o trabalho dele tem mais sintonia com o Cielo. O problema que eu vejo é na parte psicológica, pois mostra uma certa fraqueza por parte do Cielo que parece nunca estar satisfeito e confiante”, disse Pussieldi.

Em seu site, o Best Swimming, Pussieldi realizou um levantamento mostrando que estas trocas de treinadores no ciclo olímpico são mais constantes entre os brasileiros do que entre nadadores de outros países. Segundo o levantamento, 70% da equipe olímpica de natação que foi a Londres 2012 mudou de treinador, contra 30% de mudanças feitas por estrangeiros.

No caso de Cielo, em 2013 ele iniciou o ciclo olímpico para os Jogos do Rio de Janeiro trocando Alberto Silva pelo americano Scott Goodrich. Em 2014, passou a ser treinado pelo australiano Scott Volkers e começou a defender o Minas Tênis Clube. No final do ano, voltou para Goodrich, mas permanece defendendo o Minas. Agora, ao lado de Arilson, alternará períodos de treinamento em São Paulo (no Centro Olímpico) e em Minas, com uma equipe muitidisciplinar semelhante a que tinha em 2011/2012, no extinto PRO2016, quando reuniu um grupo de nadadores se preparando para os Jogos de Londres. A diferença é que agora o trabalho será voltado todo para ele.

Se o perfeccionismo de Cielo, que terá 30 anos nas Olimpíadas de 2016, mais uma vez se traduzirá em medalhas e títulos, só o tempo irá provar.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 Listas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 00:47

Rúgbi vai ao Pan 2015. Veja todos os classificados

Compartilhe: Twitter
Jogadores da seleção brasileira masculina de rúgbi assegurou vaga no Pan de Toronto

Jogadores da seleção brasileira masculina de rúgbi comemoram vaga no Pan de Toronto

Neste domingo, o rúgbi brasileiro assegurou sua classificação para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, que serão realizados a partir de 10 de julho. A vaga veio com o vice-campeonato do torneio Sevens de Mar del Plata, na Argentina, após perder a decisão para o Chile por 7 a 0. Na prática, a vaga veio na partida anterior, quando massacrou o Peru por 26 a 5. Com os classificados deste domingo, o torneio masculino de rúgbi do Pan-Americano terá as presenças de Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, Canadá, Estados Unidos, Guiana e México. O torneio feminino será disputado por Argentina, Brasil, Colômbia, Canadá, Estados Unidos e México.

Confira abaixo todos os classificados do Brasil para o Pan de Toronto 2015:

TOTAL DE VAGAS ASSEGURADAS (até 12/1): 317 vagas

– Atletismo – 24 vagas: Revezamentos masculino e feminino;

– Basquete – 24 vagas: 12 masculinas e 12 femininas;

– Boliche – 4 vagas: 1 dupla masculina e 1 feminina;

– Canoagem Slalom – 6 vagas: 4 masculinas e 2 femininas;

– Canoagem Velocidade – 21 vagas: 12 masculinas e 9 femininas;

– Caratê – 4 vagas: 2 masculinas e 2 femininas;

– Ciclismo – 24 vagas: 15 homens e 09 mulheres;

– Futebol – 18 vagas: Equipe feminina;

– Ginástica artística – 12 vagas: 6 femininas e 6 masculinas;

– Ginástica rítmica – 6 vagas femininas;

– Ginástica Trampolim – 2 vagas: 1 masculina e 1 feminina;

– Handebol – 30 vagas: 15 masculinas e 15 femininas;

– Hipismo – 9 vagas: Equipe de Saltos e Equipe de Adestramento;

– Levantamento de peso – 8 vagas: 3 masculinas e 5 femininas;

– Luta Olímpica – 2 atletas: Gilda Oliveira e Aline Ferreira;

– Natação – 36 vagas: 18 masculinas e 18 femininas, com os revezamentos;

– Patinação artística: 2 vagas: 1 masculina e 1 feminina;

– Pentatlo Moderno – 4 vagas: 2 femininas e 2 masculinas;

– Remo – 18 vagas: 12 masculinas e 6 femininas;

– Rúgbi – 24 vagas: 12 masculinas e 12 femininas;

– Tiro com Arco – 5 vagas: 2 masculinas e 3 femininas

– Tiro Esportivo – Carabina e Pistola – 16 vagas: 10 masculinas e 6 femininas;

– Tiro Esportivo – Prato – 9 vagas: 6 masculinas e 3 femininas;

– Triatlo – 1 vaga feminina;

– Vela – 8 vagas femininas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 6 de janeiro de 2015 Pan-Americano, Seleção brasileira | 16:43

Brasil brigará para ser top 3 em Toronto, diz dirigente do COB

Compartilhe: Twitter
Marcus Vinicius Freire diz que o Pan-Americano de Toronto terá a maior delegação brasileira em uma competição no exterior

Marcus Vinicius Freire diz que o Pan-Americano de Toronto terá a maior delegação brasileira em uma competição no exterior

Última competição poliesportiva de relevância até os Jogos Olímpicos do Rio 2016, o Pan-Americano de Toronto 2015, a partir de 10 de julho (algumas partidas do torneio de polo aquático começarão já a partir do dia 7) terá tratamento especial por parte do COB (Comitê Olímpico do Brasil). Além de ser considerada fundamental na preparação olímpica dos atletas brasileiros, o evento receberá tratamento “VIP” por parte da entidade, que além de levar sua maior delegação da história, viajará com pretensões nada modestas: a meta é terminar a chamada “Olimpíada das Américas” no top 3 do quadro de medalhas.

De acordo com Marcus Vinicius Freire, diretor-executivo do COB, em entrevista ao blog no final do último mês de dezembro, será a maior missão esportiva brasileira fora do país e também a mais complicada. “Além disso, o nível técnico promete ser mais elevado do que foi no Pan de 2011, em Guadalajara”, disse Freire.

Confira abaixo os principais pontos da entrevista:

Espírito Olímpico: Como o COB está traçando o planejamento da participação nos Jogos Pan-Americanos de Toronto?

Marcus Vinicius Freire: Esta será a maior missão de uma delegação esportiva fora do Brasil, até mesmo na quantidade de pessoas envolvidas. Incluindo os chamados oficiais [técnicos, auxiliares, preparadores físicos, médicos, fisioterapeutas etc], deveremos levar para o Canadá cerca de 540 pessoas. Em termos de logística também será um Pan especial, pois além de termos à disposição quase um prédio todo dentro da Universidade de York, em Toronto, teremos atletas espalhados em cinco sub-vilas pan-americanas na região da grande Toronto. O planejamento tem sido bastante complexo.

EO: Em termos esportivos, o que o COB espera da participação brasileira neste Pan? Deverá enviar sua força máxima, até por conta da preparação para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro?

MVF: Sobre o nível da equipe que estará presente, cada confederação é que irá traçar seu próprio planejamento. Alguns, por questão de calendário, não devem ir com força máxima, como será o caso do vôlei masculino, cujo calendário da Liga Mundial irá se sobrepor ao do Pan, e nos esportes aquáticos polo aquático e saltos ornamentais também deverão ter problema em enviar sua equipe principal, por causa do Mundial de Kazan (RUS). De qualquer forma, a nossa meta é terminar o Pan no top 3 do quadro de medalhas, brigando com o Canadá pela segunda colocação.

EO: E você acha que esta é uma meta possível de ser alcançada?

MVF: Acredito que sim, especialmente por conta de nossos últimos resultados. Mas não será uma tarefa simples ficar com esta segunda colocação, pois o Canadá vem crescendo bastante nos últimos anos, fazendo um ótimo trabalho em várias modalidades, parecido com o que estamos fazendo aqui no Brasil. E como Cuba vem caindo de rendimento nos últimos anos, muito por conta da falta de investimento, acho bem possível alcançar a meta de terminar o Pan entre os três primeiros.

EO: Na prática, o Pan de Toronto será importante para quais modalidades?

MVF: Para alguns esportes, será a competição ideal para testar a preparação da equipe de olho no Rio 2016. O hóquei na grama masculino, por exemplo, terá sua última chance de se classificar para as Olimpíadas. Para isso, precisa terminar entre os seis primeiros em Toronto. O tênis de mesa também deve levar sua força máxima para Pan, e há esportes que valem vaga olímpica, como é o caso do pentatlo moderno, canoagem e hipismo.

EO: Você citou anteriormente a dificuldade na logística da preparação da campanha brasileira. Cite um exemplo desta dificuldade…

MVF: O caso do hipismo é um deles. Teremos problemas graves para o transporte dos cavalos, pois quase todos eles ficam na Europa e precisaremos ainda encontrar uma melhor maneira de transportá-los. Sem falar na própria estrutura montada por Toronto, que terá além da Vila pan-americana principal, outras cinco sub-vilas, para o remo/canoagem velocidade, tiro/hipismo, ciclismo mountain bike, canoagem slalom e futebol. A logística será bem complicada.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sábado, 13 de dezembro de 2014 Isso é Brasil, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 00:11

O vôlei do Brasil não merece os cartolas que têm

Compartilhe: Twitter
Seleção feminina comemora a medalha de ouro nas Olimpíadas de Londres, na última grande glória do vôlei brasileiro (Foto: Getty Images)

Seleção feminina comemora a medalha de ouro nas Olimpíadas de Londres, na última grande glória do vôlei brasileiro (Foto: Getty Images)

Muita atenção para estes nomes…

Willian, Montanaro, Renan, Bernard, Xandó e Amauri

Jaqueline, Isabel, Vera Mossa, Heloisa, Dulce e Ivonete

Mauricio, Marcelo Negrão, Tande, Giovanni, Paulão e Carlão

Ana Moser, Fernanda Venturini, Ana Paula, Ana Flávia, Márcia Fu e Ida

Ricardinho, Nalbert, Escadinha, Rodrigão, Giba e Dante

Dani Lins, Jaqueline, Fabiana, Fabi, Sheilla e Thaisa

Estão listados acima apenas alguns dos grandes responsáveis pelas grandes conquistas do vôlei brasileiro nos últimos 30 anos. Poderia perfeitamente preencher pelo menos mais umas 10 linhas listando alguns dos grandes times brasileiros em Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. Sem falar na turma que brilhou no vôlei de praia, o irmão mais novo porém igualmente vencedor, com Emanuel, Ricardo, Alisson, Sandra Pires, Shelda, Jaqueline Silva, Adriana Behar, Larissa, Juliana…

O fato é que todos estes nomes, que tantas glórias fizeram para tornar do vôlei o segundo esporte mais popular do Brasil, não merecem os dirigentes que jogaram a modalidade na lama neste ano de 2014, culminando com o grande vexame ocorrido nesta quinta-feira, quando o Banco do Brasil suspendeu o histórico e milionário patrocínio (estimado em R$ 70 milhões anuais) pagos à CBV (Confederação Brasileira de Vôlei). Tudo isso motivado após a divulgação de um relatório da CGU (Controladoria Geral da União), apontando diversas irregularidades em contratos firmados pela entidade, que chegam a R$ 30 milhões. No popular, dinheiro público que seria destinado ao desenvolvimento e manutenção da modalidade foi desviado, sabe-se lá para onde.

As denúncias feitas pela “ESPN”, em uma sensacional série de reportagens do jornalista Lúcio de Castro desde o início do ano, jogaram por terra a imagem de competência dos cartolas da CBV. Durante muitos anos, passou-se a imagem de que o vôlei era uma ilha de excelência no atrasado mundo olímpico brasileiro. Pelos resultados em quadra, somente das quadras de vôlei o país poderia aprender a criar um modelo vencedor. Centro de Treinamento de última geração, categorias de basa sempre revelando nomes para as seleções, o vôlei virou uma referência para as demais modalidades.

Mas o modelo vencedor, um “case” de sucesso em gestão esportiva segundo o ex-presidente Ary Graça, atual mandatário da FIVB (Federação Internacional de Vôlei), também tinha seus problemas. Basta relembrar a quantidade de equipes que fecharam as portas nos últimos anos, a despeito de ter uma liga nacional com exposição extrema nos canais de esporte a cabo (na TV aberta, apenas as finais e as seleções tinham espaço). É estranho também um esporte tão vencedor ver um êxodo de atletas nos últimos anos. Sheilla e Bruninho, que atuam na Europa. são apenas dois exemplos, enquanto Jaqueline ficou uma temporada sem clube, tendo acertado há pouco com o Minas.

Que todo este vexame que o vôlei viveu ao longo do ano, inclusive nos últimos dias de 2014, sirva para afastar todos os cartolas corruptos de uma vez. E torcer para que esta crise que parecia inimaginável até um tempo atrás não afete o desempenho das equipes nas Olimpíadas de 2016, no Rio.

 

 

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 2 de dezembro de 2014 Ídolos, Seleção brasileira | 13:43

Lais Souza será homenageada no Prêmio Brasil Olímpico

Compartilhe: Twitter
Laís Souza tem contado com apóio permanente de sua família no processo de recuperação do acidente que a deixou tetraplégica

Lais Souza receberá uma homenagem especial no Prêmio Brasil Olímpico

A ex-ginasta e esquiadora Lais Souza, que ficou tetraplégica após sofrer um acidente de esqui no final de janeiro, às vésperas de disputar as Olimpíadas de inverno de Sochi, será homenageada durante a entrega do Prêmio Brasil Olímpico, que ocorrerá no próximo dia 16, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo diretor superintendente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Marcus Vinícius Freire, em entrevista ao blog.

Será a primeira vez que Laís virá ao Brasil desde o grave acidente ocorrido em um treino, no dia 27 de janeiro, nos EUA, quando aguardava a confirmação de sua classificação para a prova do ski aerials em Sochi. No acidente, Lais lesionou a coluna e perdeu os movimentos do ombro para baixo. Desde então, segue tetraplégica.

Além de ser homenageada no Brasil Olímpico, Lais deverá participar de uma palestra na Universidade Estácio de Sá, no Rio,  e revalidar seu visto de permanência em Miami, onde vem morando desde que ocorreu o acidente e vem passando por um complexo tratamento com células-tronco. Ela passará as festas de final de ano no Brasil e retornará aos EUA assim que o visto for revalidado.

>>> Veja também: Uma grande vitória de Lais Souza

Em novembro, Lais Souza conseguiu uma vitória pessoal com a aprovação do projeto de lei, de autoria da deputada federal Mara Gabrili, que prevê o pagamento de pensão vitalícia no teto da Previdência Social (hoje em R$ 4.390,24). O valor proposto para a pensão segue a mesma regra aplicada ao benefício pago aos atletas que foram tricampeões mundiais de futebol, nas Copas de 1958, 1962 e 1970.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014 Olimpíadas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 19:35

Confederações receberão R$ 117 mi das loterias em 2015

Compartilhe: Twitter
Atltismo, judô, esportes aquáticos, vela e vôlei receberão o maior percentual da verba das loterias (Foto: Montagem/COB)

Atltismo, judô, esportes aquáticos, vela e vôlei receberão o maior percentual da verba das loterias (Foto: Montagem/COB)

Nesta segunda-feira, o COB (Comitê Olímpico do Brasil) divulgou a lista da divisão dos recursos das verbas da Lei Agnelo/Piva para as confederações esportivas brasileiras, que vem sendo uma das principais fontes de recursos das entidades dos esportes olímpicos. E para a nova temporada, o bolo teve um aumento de 17%, com projeção de R$ 117,7 milhões que devem ser repassados às entidades. Desde 2002 em vigor, A Lei Agnelo/Piva destina 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias federais do país ao COB (85%) e ao Comitê Paralímpico Brasileiro (15%).

Segundo informou o COB, foram levados em consideração todos os recursos que constam no planejamento das modalidades – como patrocínios, convênios com o Ministério do Esporte, Plano Brasil Medalhas e projetos através da Lei de Incentivo ao Esporte, entre outros – na hora de definir os valores, que partem de um mínimo anual de R$ 1,9 milhão a um teto de R$ 3,9 milhões repassados a cinco Confederações: Atletismo, Desportos Aquáticos, Judô, Vela e Vôlei. Para 2015 o COB espera arrecar um total de R$ 202,3 milhões.

Dos recursos recebidos, a entidade é obrigada por lei a investir 10% no esporte escolar (R$ 20,23 milhões estimados para 2015) e 5% no esporte universitário (R$ 10,12 milhões em 2015). Dos cerca de R$ 172 milhões restantes, R$ 82,386 milhões serão aplicados diretamente nos programas das 29 Confederações Brasileiras Olímpicas, exceto o futebol. Os R$ 35,3 milhões restantes serão aplicados em  “projetos alinhados ao planejamento estratégico de preparação para os Jogos Olímpicos Rio 2016”, segundo informou o comunicado do COB.

Vale lembrar que a temporada de 2015 será de fundamental importância na preparação para os Jogos Olímpicos do Rio 2016, além de ser o ano da disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto.

Confira como ficou a divisão dos recursos da Lei Agnelo/Piva para as confederações esportivas em 2015:

Confederação de Verão

Atletismo – R$ 3.900.000,00

Badminton – R$ 2.016.000,00

Basquetebol – R$ 3.700.000,00

Boxe – R$ 3.248.000,00

Canoagem – R$ 3.248.000,00

Ciclismo – R$ 3.248.000,00

Desportos Aquáticos – R$ 3.900.000,00

Esgrima – R$ 1.904.000,00

Ginástica – R$ 3.750.000,00

Golfe – R$ 1.904.000,00

Handebol – R$ 3.750.000,00

Hipismo – R$ 3.750.000,00

Hóquei sobre a Grama – R$ 1.904.000,00

Judô – R$ 3.900.000,00

Levantamento de Peso – R$ 1.904.000,00

Lutas Associadas – R$ 2.240.000,00

Pentatlo Moderno – R$ 2.128.000,00

Remo – R$ 2.800.000,00

Rúgbi – R$ 1.904.000,00

Taekwondo – R$ 1.904.000,00

Tênis – R$ 2.800.000,00

Tênis de Mesa – R$ 3.248.000,00

Tiro com Arco – R$ 1.904.000,00

Tiro Esportivo – R$ 2.912.000,00

Triatlo – R$ 3.136.000,00

Vela – R$ 3.900.000,00

Voleibol – R$ 3.900.000,00

Confederação de Inverno

Desportos na Neve – R$ 1.792.000,00

Desportos no Gelo – R$ 1.792.000,00

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 29 de novembro de 2014 Ídolos, Pan-Americano, Seleção brasileira | 14:28

Lesão ameaça tirar estrela do handebol do Pan de Toronto

Compartilhe: Twitter
Duda Amorim chora de dor após sofrer a lesão no joelho esquerdo (Foto: reprodução TV)

Duda Amorim chora de dor após sofrer a lesão no joelho esquerdo (Foto: reprodução TV)

Um escorregão aparentemente bobo pode custar à seleção brasileira feminina de handebol a ausência de uma de suas principais jogadoras nos próximos Jogos Pan-Americano de Toronto, em julho do ano que vem. A armadora Duda Amorim sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo, após sofrer uma queda após marcar um gol para o Brasil na vitória sobre a Tunísia por 35 a 23, pelo Torneio Internacional da Espanha, nesta sexta-feira. Ao arremessar para fazer o gol, Duda perdeu o equilíbrio e torceu o joelho.

Após uma ressonância magnética, realizada em Málaga, onde o torneio está sendo realizado, ficou constatada a lesão no ligamento cruzado anterior e precisará passar por uma cirurgia. O tempo estimado de recuperação é de seis meses, de acordo com a médica da seleção, Pauline Buckley Bittencourt Silva.

Com este prazo de recuperação, é muito difícil que Duda Amorim consiga entrar em forma a tempo para disputar o Pan-Americano de Toronto, de 10 a 26 de julho do ano que vem. O Brasil estará brigando pelo pentacampeonato da competição, repetindo os feitos de Winnipeg 1999, Santo Domingo 2003, Rio de Janeiro 2007 e Guadalajara 2011. E ficar sem uma jogadora do nível da armadora é um desfalque considerável, especialmente no ataque.

VEJA MAIS SOBRE O HANDEBOL BRASILEIRO NO ESPÍRITO OLÍMPICO:

>>> O dia em que o handebol deixou de ser “pé de página” no Brasil
>>> Após a festa, o handebol precisa olhar para o futuro
>>> Técnicos gringos são uma benção ao esporte do Brasil

Aos 28 anos e com 1m86 de altura, Duda Amorim vem sendo uma das principais artilheiras da seleção comandada pelo dinamarquês Morten Soubak, tendo marcado 103 gols nas duas últimas Olimpíadas (Pequim 2008 e Londres 20212) e nos Mundiais de 2011 (Brasil) e 2013 (Sérvia), quando a seleção conquistou uma inédita medalha de ouro.

Que ela tenha uma recuperação e consiga estar inteira para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 23:52

Técnicos gringos são uma benção ao esporte do Brasil

Compartilhe: Twitter
O técnico dinamarquês Morten Soubak está bem preocupado com o futuro do handebol brasileiro

O dinamarquês Morten Soubak foi premiado pelo trabalho que levou o Brasil ao título mundial feminino no handebol

Antes de mais nada e para evitar as pedradas desnecessárias do “amigo internauta”, quero esclarecer que este post não é uma crítica ao trabalho dos bravos treinadores dos esportes olímpicos do Brasil. Só eles sabem a dificuldade que foi trabalhar nestes anos todos sem investimento – que começaram a aumentar de fato no esporte de alto rendimento desde 2010, um ano depois do Brasil ganhar a sede das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Isto posto, é necessário que se reconheça uma verdade absoluta: as principais modalidades esportivas só cresceram, evoluíram e venceram nos últimos anos, em boa parte por causa da presença dos treinadores estrangeiros por aqui.

Os exemplos são inúmeros. Atualmente, mais de 40 trabalham por aqui. Há modalidades que precisaram da presença de um profissional estrangeiro para realmente darem um salto de qualidade. Outras aproveitaram a experiência de quem veio de fora para aprimorar os bons trabalhos que já estavam sendo feitos por aqui. E claro que existem os casos em que nem com os gringos a modalidade conseguiu sair do limbo, mas isso foi exceção.

Ou alguém já se esqueceu da importância do argentino Rubén Magnano ao fazer o basquete brasileiro recuperar a auto-estima, voltar às Olimpíadas e cumprir uma brilhante campanha nos Jogos de Londres 2012 e na Copa do Mundo da Espanha, neste ano?

Jesús Morlán teve papel fundamental na evolução de Isaquias Queiroz na canoagem de velocidade

O espanhol Jesús Morlán teve papel fundamental na evolução de Isaquias Queiroz na canoagem de velocidade

A escolha do espanhol Jesús Morlán, da seleção brasileira de canoagem velocidade, e do dinamarquês Morten Soubak, respectivamente como os melhores treinadores nas categorias modalidade individual e coletiva, foi mais do que justa. A de Soubak veio até com atraso, mas essa por conta do calendário. A escolha dos vencedores do Brasil Olímpico de 2013 já estava definida antes da final do Mundial da Sérvia, quando de forma inédita e emocionante, a seleção brasileira feminina faturou o título.

>>> Veja também: Com ausências importantes, começa a votação para o Atleta da Torcida do prêmio do COB

A escolha de Morlán foi igualmente justa, afinal ele chegou há menos de dois anos e já contribuiu para a clara evolução da modalidade, especialmente de Isaquias Queiroz, bicampeão mundial na categoria C1 500 m (não olímpica).

Sem menosprezar os competentes treinadores brasileiros, é preciso tirar o chapéu para os gringos, que estão ajudando a colocar o esporte brasileiro em um outro patamar.

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 17 de novembro de 2014 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 17:08

Com ausências importantes, começa votação para o Atleta da Torcida do prêmio do COB

Compartilhe: Twitter
Montagem com todos os candidatos ao prêmio Atleta da Torcida, do Prêmio Brasil Olímpico

Montagem com todos os candidatos ao prêmio Atleta da Torcida, do Prêmio Brasil Olímpico

Desde o último domingo (16) já é possível votar para a escolha do Atleta da Torcida, nova categoria do Prêmio Brasil Olímpico, que escolhe os melhores nomes do esporte brasileiro no ano. O público terá 12 opções (individual ou duplas) para eleger o seu preferido, via internet (http://www.cob.org.br/pbo), que receberá também um prêmio de R$ 30 mil. A escolha será anunciada durante a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, marcada para o dia 16 de dezembro, no Theatro Municipal, no Rio de Janeiro.

Para votar, a pessoa deverá usar o Twitter ou Facebook, usando hashtags que devem conter #EuVotoPBO e o nome do atleta. Os indicados são os seguintes: Cesar Cielo (natação), Diego Hypolito (ginástica artística), Isaquias Queiroz (canoagem velocidade), Marcus Vinícius D’Almeida (tiro com arco), Matheus Santana (natação), Tiago Splitter (basquete), Aline Ferreira (luta), Flavia Saraiva (ginástica artística), Larissa e Talita (vôlei de praia), Martine Grael e Kahena Kunze (vela), Mayra Aguiar (judô) e Sheila Castro (vôlei).

Segundo o COB (Comitê Olímpico do Brasil), foram selecionados “atletas ou duplas que marcaram o esporte brasileiro em 2014, seja por sua performance, exemplo de superação, conquista inédita ou por suas atitudes e condutas”, de acordo com comunicado da entidade.

VEJA TAMBÉM

>>> COB usará internet para eleger o Atleta da Torcida e dará prêmio de R$ 30 mil

Pessoalmente, dois nomes importantes faltaram nesta lista do COB. O primeiro,  o da nadadora Ana Marcela Cunha, da maratona aquática. Além de ter sido tricampeã da Copa do Mundo, ela subiu ao pódio em todas as etapas da competição, um feito inédito. Outro nome que facilmente poderia fazer parte da lista é o da saltadora Fabiana Murer, que neste ano assegurou o título da Liga de Diamente, o mais badalado circuito de provas da Iaaf (Federação das Associações Internacionais de Atletismo), no salto com vara.

De qualquer forma, apesar do esquecimento imperdoável, as duas ainda podem ser eleitas como a melhor atleta de 2014, na votação que será feita por um júri composto por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte. Também será eleito o melhor atleta masculino de 2014 e ambos receberão ainda um prêmio de R$ 30 mil.

As hashtags dos concorrentes ao prêmio “Atleta da Torcida” são as seguintes:

Cesar Cielo #EuVotoPBOCesar
Diego Hypólito #EuVotoPBODiego
Isaquias Queiroz #EuVotoPBOIsaquias
Marcus Vinicius D’Almeida #EuVotoPBOMarcusVinicius
Matheus Santana #EuVotoPBOMatheus
Tiago Splitter #EuVotoPBOTiago
Aline Silva #EuVotoPBOAline
Flávia Saraiva #EuVotoPBOFlavia
Larissa e Talita #EuVotoPBOLarissaTalita
Martine Grael e Kahena Kunze #EuVotoPBOMartineKahena
Mayra Aguiar #EuVotoPBOMayra
Sheilla Castro #EuVotoPBOSheilla

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

domingo, 16 de novembro de 2014 Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 18:29

Com a volta de Adriana Araújo, Brasil estreia no Mundial de boxe nesta segunda

Compartilhe: Twitter
Delegação do Brasil que disputará o Mundial feminino de boxe, a partir desta segunda, em Jeju

Delegação do Brasil que disputará o Mundial feminino de boxe, a partir desta segunda, em Jeju

Depois de passar praticamente um ano afastada da seleção brasileira por questões disciplinares, a boxeadora Adriana Araújo será o principal nome da equipe feminina de boxe amador, que nesta segunda-feira inicia sua participação no Campeonato Mundial da modalidade, na cidade de Jeju, na Coreia do Sul.  Ao todo, o Brasil levou para a Ásia uma equipe com lutadoras em sete categorias diferentes, sendo que destas somente três são olímpicas – 51 kg, 60 kg (na qual compete Adriana) e 57 kg.

Adriana Araújo precisou contar com a intervenção do Ministério do Esporte para poder selar um acordo de paz  e voltar à integrar a seleção olímpica, depois de entrar em guerra com o presidente da CBBBoxe, Mauro José da Silva. Os dois brigaram logo após a participação de Adriana nas Olimpíadas de Londres 2012, quando ela levou a medalha de bronze. E não foi uma briguinha qualquer. “Essa medalha é para calar a boca dele. Ele tentou me tirar da seleção, disse que eu não me classificaria e que não tinha condições de estar aqui. Mas vim e conquistei a medalha de bronze. Ele precisa aprender a valorizar os atletas do Brasil”, disse a boxeadora, logo após ganhar sua medalha em Londres.

Veja também

>>> O final feliz de Adriana Araújo e a arte de engolir sapos
>>> Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra

Como Adriana Araújo é considerada a melhor boxeadora feminina do Brasil, o Ministério do Esporte foi pragmático em tentar um acerto entre ela e Mauro José da Silva, que justificou o corte da atleta pela indisciplina e descaso com a preparação física. Em abril do ano passado, ele disse que a lutadora se apresentou 14 kg acima do peso e que não queria treinar com as demais integrantes da seleção, em São Paulo. E como o Brasil tem a ousada meta de ficar entre os dez primeiros do quadro de medalhas nos Jogos do Rio 2016, o Ministério do Esporte apertou a pressão para que Adriana e CBBoxe chegassem a um acordo.

A estreia de Adriana Araújo no Mundial da Coreia será apenas na terça-feira, diante de Ndiang Christelle, dos Camarões, pela categoria 60 kg. Mas a participação brasileira na competição começará na madrugada desta segunda-feira, quando Clélia Costa (51kg, categoria olímpica) vai enfrentar a francesa Sarah Ourahmoune;  Taynna Cardoso (57kg) vai lutar contra Nina Meinke, da Alemanha; e Jessica Carlini (69kg), que terá pela frente a canadense Myriam da Silva.

Na tera-feira, além e Adriana Araújo, o Brasil terá em ação Grazieli de Jesus (48kg) diante da indiana Sarjubaia Shamjetsaban; Flávia Figueiredo (75kg, também categoria olímpica) enfrentando a marroquina Khadija Mardi; e por fim, Andreia Bandeira (81kg) pegará Xiaoli Yang, da China.

Autor: Tags: , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última