Publicidade

Arquivo da Categoria Mundiais

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014 Isso é Brasil, Jogos de Inverno, Mundiais, Olimpíadas | 23:04

Pacotão do dia: decisões históricas do COI, a natação brasileira e doping no atletismo

Compartilhe: Twitter
O presidente do COI, Thomas Bach, fala durante a 127ª Assembleia Geral da entidade (Foto: Flickr/COI)

Thomas Bach discursa durante a 127ª Assembleia Geral do COI (Foto: Flickr/COI)

Segunda-feira agitada essa que já está quase no fim, para os esportes olímpicos. Em Monaco, o COI aprova de forma unânime as propostas para modernização das Olimpíadas; no Catar, a natação brasileira ainda comemora a campanha inédita no Mundial de piscina curta, que lhe deu o primeiro lugar no quadro geral de medalhas (pelo número de ouros); e por estas bandas, a triste notícia de maia uma atleta flagrada no doping. O post de hoje faz um balanço geral do dia olímpico.

A revolução do COI aprovada

Confesso que não esperava que fosse com tanta facilidade que o presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), Thomas Bach, conseguisse emplacar as 40 propostas da chamada “Agenda 20 + 20”, cujo objetivo é o de modernizar e tornar mais viáveis (financeiramente falando) os Jogos Olímpicos. Pois todas passaram pelo crivo do COI por unanimidade.

Para mim, o que fica de mais relevante são justamente a decisão de baratear o processo de candidatura das cidades, para atrair novos interessados em receber os Jogos de Verão e Inverno, e a flexibilização do programa esportivo. Este segundo ponto permitiria, por exemplo, a quase certa inclusão do beisebol e softbol, bastante populares no Japão, no cardápio de competições das Olimpíadas de 2020. Já a possibilidade aberta para que outras cidades ou mesmo países possam sediar um evento olímpico de uma outra sede, tem como único objetivo evitar gastos milionários e elefantes brancos. Especula-se que nos Jogos de Inverno de Pyeongchang (Coreia do Sul), em 2018, as provas de bobslead e luge aconteceriam em Nakano (Japão), que tem uma pista permanente da modalidade, evitando-se gastar milhões de dólares com uma estrutura que depois mal seria utilizada.

A real importância da campanha da natação no Catar

Em primeiro lugar, sempre é bom vencer, não importa qual competição. faz bem para o ego do atleta, do treinador, do dirigente, da imprensa, do torcedor. Além disso, as vitórias sempre trazem consigo uma ótima oportunidade para balizar o trabalho dos vencedores com os dos adversários vencidos, mostrando onde está a evolução de um e em que ponto o derrotado precisa evoluir.

O Brasil jamais terminou um campeonato internacional de natação em primeiro lugar no quadro geral de medalhas e por isso que o feito do torneio encerrado em Doha (Catar), neste domingo, no Mundial de piscina curta (25 metros) precisa ser enaltecido. Afinal, foram dez medalhas (sete de ouro, uma de prata e duas de bronze). Enaltecido sim, mas com ressalvas!

A realidade da piscina curta em nada tem a ver com a da piscina convencional, de 50 metros, na distância olímpica. São mundos completamente diferentes, não se pode simplesmente pegar a realidade que vimos na semana que passou em Doha e transportar para a natação mundial. O Brasil não irá virar uma potência da natação porque ganhou o Mundial de piscina curta. O companheiro Marcelo Romano, que edita o ótimo blog Esporte Olímpico Brasileiro, lembrou bem: no Mundial de piscina curta de 2010, o Brasil terminou com três ouros, uma prata e quatro bronzes. Em Londres 2012, foram somente uma prata e um bronze.

É preciso destacar, porém, dois feitos enormes: a primeira medalha (e de ouro) da natação feminina do Brasil, com Etiene Medeiros, nos 50 m costa feminino, ainda com direito a um recorde mundial, e o renascimento de Felipe França, que depois de decepcionar nas Olimpíadas de 2012, mostrou que pode repetir a dose em 2016, nos Jogos do Rio, ao terminar o Mundial com cinco medalhas de ouro, duas em provas individuais, os 50 e 100 m peito, sua especialidade, e as demais em três revezamentos. Estes foram de fato os resultados mais significativos deste campeonato para o Brasil.

O triste doping de Vanda Gomes

Lamentável o desfecho que tomou conta da carreira da velocista Vanda Gomes. Depois do incrível erro cometido no Mundial de Atletismo de 2013, em Moscou, quando deixou cair o bastão na última passagem do revezamento 4 x 100 m rasos feminino, jogando no lixo uma chance quase certa de medalha para o Brasil, a carreira de Vanda entrou em um inferno astral sem fim. Logo depois da prova, ela sai falando cobras e lagartos, reclamando do técnico, da preparação, da falta de treinos, da comida…Deu a maior confusão e na chegada da delegação ao Brasil ela tentou desmentir o que disse diante das câmeras da TV, mas não deu certo. Acabou punida e afastada da seleção.

Pois em setembro, em um antidoping realizado fora de competição, ela testou positivo para a substância proibida Anastrozole (Hormônio e Modulador Metabólico – S4), que é um inibidor de aromatase, medicamento criado para o tratamento do câncer de mama, e utilizado, por atletas para inibir a transformação do hormônio sexual masculino, a testosterona, no hormônio feminino, o estrogênio. Em 11 de novembro ela foi informada do resultado positivo e na última sexta-feira a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) informou que não aceitou suas justificativas. O caso foi encaminhado para o STJD da entidade, que provavelmente aplicará uma pena padrão de dois anos. Ou seja, jogou no lixo as chances que ainda tinha de participar das Olimpíadas de 2016. Lamentável.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

domingo, 16 de novembro de 2014 Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 18:29

Com a volta de Adriana Araújo, Brasil estreia no Mundial de boxe nesta segunda

Compartilhe: Twitter
Delegação do Brasil que disputará o Mundial feminino de boxe, a partir desta segunda, em Jeju

Delegação do Brasil que disputará o Mundial feminino de boxe, a partir desta segunda, em Jeju

Depois de passar praticamente um ano afastada da seleção brasileira por questões disciplinares, a boxeadora Adriana Araújo será o principal nome da equipe feminina de boxe amador, que nesta segunda-feira inicia sua participação no Campeonato Mundial da modalidade, na cidade de Jeju, na Coreia do Sul.  Ao todo, o Brasil levou para a Ásia uma equipe com lutadoras em sete categorias diferentes, sendo que destas somente três são olímpicas – 51 kg, 60 kg (na qual compete Adriana) e 57 kg.

Adriana Araújo precisou contar com a intervenção do Ministério do Esporte para poder selar um acordo de paz  e voltar à integrar a seleção olímpica, depois de entrar em guerra com o presidente da CBBBoxe, Mauro José da Silva. Os dois brigaram logo após a participação de Adriana nas Olimpíadas de Londres 2012, quando ela levou a medalha de bronze. E não foi uma briguinha qualquer. “Essa medalha é para calar a boca dele. Ele tentou me tirar da seleção, disse que eu não me classificaria e que não tinha condições de estar aqui. Mas vim e conquistei a medalha de bronze. Ele precisa aprender a valorizar os atletas do Brasil”, disse a boxeadora, logo após ganhar sua medalha em Londres.

Veja também

>>> O final feliz de Adriana Araújo e a arte de engolir sapos
>>> Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra

Como Adriana Araújo é considerada a melhor boxeadora feminina do Brasil, o Ministério do Esporte foi pragmático em tentar um acerto entre ela e Mauro José da Silva, que justificou o corte da atleta pela indisciplina e descaso com a preparação física. Em abril do ano passado, ele disse que a lutadora se apresentou 14 kg acima do peso e que não queria treinar com as demais integrantes da seleção, em São Paulo. E como o Brasil tem a ousada meta de ficar entre os dez primeiros do quadro de medalhas nos Jogos do Rio 2016, o Ministério do Esporte apertou a pressão para que Adriana e CBBoxe chegassem a um acordo.

A estreia de Adriana Araújo no Mundial da Coreia será apenas na terça-feira, diante de Ndiang Christelle, dos Camarões, pela categoria 60 kg. Mas a participação brasileira na competição começará na madrugada desta segunda-feira, quando Clélia Costa (51kg, categoria olímpica) vai enfrentar a francesa Sarah Ourahmoune;  Taynna Cardoso (57kg) vai lutar contra Nina Meinke, da Alemanha; e Jessica Carlini (69kg), que terá pela frente a canadense Myriam da Silva.

Na tera-feira, além e Adriana Araújo, o Brasil terá em ação Grazieli de Jesus (48kg) diante da indiana Sarjubaia Shamjetsaban; Flávia Figueiredo (75kg, também categoria olímpica) enfrentando a marroquina Khadija Mardi; e por fim, Andreia Bandeira (81kg) pegará Xiaoli Yang, da China.

Autor: Tags: , , , , , , ,

sábado, 25 de outubro de 2014 Imprensa, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 15:41

Especialista italiano prevê Brasil fora do top 10 na Rio 2016

Compartilhe: Twitter

logo2016

Atualizado
São apenas projeções estatísticas e ainda faltam pouco menos de dois anos para os Jogos Olímpicos do Rio 2016, vale ressaltar. Mas foi divulgado neste sábado uma projeção de resultados para as próximas Olimpíadas e o Brasil não aparece no top 10 do quadro de medalhas, meta traçada tanto pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) quanto pelo Ministério do Esporte para o desempenho da equipe brasileira nas próximas Olimpíadas. Segundo reportagem publicada pelo site Inside the Games, especializado no movimento olímpico, o país anfitrião deverá encerrar sua participação na 17ª colocação, com cinco medalhas de ouro, de um total de 23.

A mesma projeção tinha sido publicada um dia antes em outro site especializado em assuntos olímpicos, o Around the Rings. O estudo utiliza como critério a classificação final pelo número de medalhas de ouro, enquanto COB e Ministério levam em consideração o número total de medalhas conquistadas. Nesta classificação, o Brasil atingiria a meta, terminando em 10º lugar.

Só a título de informação, para o COI (Comitê Olímpico Internacional) não existe um quadro oficial de medalhas em Olimpíadas, cuja contabilidade foi criada como mais uma das armas de propaganda da Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética, a partir do momento em que as duas nações passaram a se enfrentar, nos Jogos de 1952, em Helsinque. Desde então, a mídia também vem contabilizando a classificação por medalhas ao longo da história dos Jogos, sendo que o critério de classificação (por ouro ou pelo total) varia de acordo com o interesse de que quem a está divulgando.

A projeção publicada neste sábado foi feita pelo italiano Luciano Barra, ex-diretor esportivo do comitê olímpico italiano e que foi o diretor-executivo do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de inverno de Turim 2006. Nos últimos anos, Barra tem acertado suas previsões, baseadas nos desempenhos dos atletas e equipes em Campeonatos Mundiais durante o ciclo olímpico. Foi o que ocorreu nas Olimpíadas de Pequim 2008, quando projetou que a Grã-Bretanha terminaria com um total de 48 medalhas (foram 47 no final dos Jogos) e que os EUA teria o maior número de medalhas no total. Em compensação, ele errou em relação sobre quem teria mais medalhas de ouro em 2008 e 2012, trocando as posições finais dos americanos e da China – Barra apostava que EUA teria o maior número de ouros em 2008 e os chineses fariam o mesmo em 2012.

>>> Veja ainda: Uma breve reflexão sobre números e medalhas

O atual estudo do italiano contempla a análise de 155 eventos mundiais realizados este ano e 121 no ano passado. Não estão incluídos neste estudo o futebol feminino, os cinco eventos de tênis (esporte que não tem um campeonato mundial) e as duas novas modalidades integrantes do programa esportivo para 2016, o golfe e o rúgbi sevens, que não tiveram mundiais realizados em 2013 e 2014.

Em relação ao resultado previsto para o Brasil, vale recordar que os feitos esportivos de 2013 dariam ao país, de acordo com levantamento feito pelo COB, 27 medalhas em modalidades presentes no programa olímpico, que deixariam o país em oitavo lugar em uma hipotética Olimpíada. Foi o melhor desempenho brasileiro em um primeiro ano de ciclo olímpico. Este ano, com o fiasco da seleção de futebol na Copa do Mundo, o fraco desempenho no Mundial de vela e a apagada participação no Mundial de judô contribuíram para a colocação obtida no estudo do ex-dirigente olímpico italiano.

Pela atual projeção de Barra, os Estados Unidos terminarão os Jogos de 2016 como o líder do quadro de medalhas, com 88 no total, sendo 35 de ouro, Seria um resultado bem abaixo do que ocorreu em 2012, quando os americanos tiveram um total de 104 medalhas. De acordo com o italiano, este será o top 10 para as Olimpíadas da Rio 2016, pelo número de ouros:

1) EUA  – 35
2) China  – 32
3) Rússia – 28
4) França – 19
5) Alemanha – 18
6) Grã-Bretanha – 12
7) Austrália – 9
8) Japão – 9 (desempate pelo número de medalhas de prata)
9) Coreia do Sul  – 9 (desempate pelo número de medalhas de prata)
10) Nova Zelândia – 8

Agora, a classificação do italiano, usando o critério do total de medalhas:

1) EUA – 88
2) Rússia – 88 (desempate pelo número de medalhas de ouro)
3) China – 80
4) Alemanha – 52
5) França – 46
6) Grã-Bretanha – 37
7) Austrália – 36
8) Japão – 33
9) Holanda – 23
10) Brasil – 23 (desempate pelo número de medalhas de ouro)

Na minha opinião, isso tudo é uma grande bobagem. O que vale é o resultado em quadra, na pista, na piscina, no tatame. Uma posição no quadro de medalhas não representa a realidade olímpica de um país, embora seja um bom indicativo. Da mesma maneira, não será em quatro anos que o Brasil irá se transformar em uma potência olímpica, mesmo que termine entre os dez melhores na classificação final de medalhas de 2016.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

terça-feira, 7 de outubro de 2014 Ídolos, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 17:16

O feito inédito da ginástica brasileira e o drama de Phelps

Compartilhe: Twitter
Seleção masculina de ginástica comemora o inédito 6º lugar no Mundial de Nanquim

Seleção masculina de ginástica comemora o inédito 6º lugar no Mundial de Nanquim

O Brasil olímpico, que ainda vive sob uma irritante monocultura esportiva, a despeito de receber os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro daqui a dois anos, teve nesta terça-feira um resultado inédito em sua história. Certamente aqueles que só querem saber de comemorar títulos mundiais e medalhas de ouro não irão dar a menor bola, mas na China houve um resultado histórico obtido pela ginástica artística masculina do Brasil.

Até hoje, nenhuma seleção brasileira havia participado da final por equipes do Mundial. Isso já tinha sido alcançado pela ginástica feminina, que por tradição sempre esteve em um patamar acima, até por causa de talentos como Luiza Parente, Daiane dos Santos, Daniele Hypólito, Jade Barbosa, entre outras. A escrita foi derrubada nesta segunda (6) em Nanquim (CHN), onde acontece o Mundial 2015, graças à classificação da seleção masculina. E hoje, terça (7), os brasileiros conseguiram terminar na sexta colocação, feito extremamente comemorado por toda a equipe.

>>> Veja também: Um tiro certeiro na monocultura esportiva do Brasil

Acha pouco? Pois saiba que até hoje, a melhor colocação de uma seleção masculina em Mundiais de ginástica foi um 13º lugar, em Tóquio 2011. Esta sexta posição tem ainda mais peso quando se lembra que a CBG (Confederação Brasileira de Ginástica) não tem ainda um centro de treinamento próprio e que boa parte destes ginastas foram demitidos pelo Flamengo no ano passado, tendo que se virar para treinar.

Até mesmo o campeão olímpico de Londres 2012, Arthur Zanetti, precisou reclamar das péssimas condições de treinamento que ele e seus companheiros encontravam em São Caetano do Sul e teve até uma reunião com a secretaria de alto rendimento do Ministério do Esporte para tentar encontrar uma solução.

Arthr Zanetti; Diego Hypólito; Arthur Nory; Francisco Barreto; Sérgio Sasaki; e Lucas Bitencourt. Graças a estes seis atletas, a equipe de ginástica artística masculina do Brasil conseguiu o maior feito de sua história.

O drama de um campeão

É lamentável, para dizer o mínimo, a situação do nadador americano Michael Phelps, o maior ganhador de medalhas olímpicas na história (22, sendo 18 de ouro), que anunciou uma interrupção na carreira para fazer um tratamento de reabilitação por consumo de álcool. Para piorar, nesta segunda-feira a federação americana de natação anunciou sua suspensão por seis meses das competições, a exclusão na seleção do país que irá competir no Mundial de 2015, em Kazan (RUS) e a interrupção no pagamento mensal por ser integrante da seleção americana.

Não é a primeira vez que Phelps tem problemas fora das piscinas. Há poucos anos, ele chegou a ser suspenso por consumo de drogas. Agora, foi o excesso de bebidas. Ironicamente, ele segue o mesmo roteiro de outro ícone da natação, o australiano Ian Thorpe, que depois de fracassar na tentativa de voltar às competições abres das Olimpíadas de Londres 2012, acabou acumulando escândalos por causa de bebidas, drogas e uma séria crise de depressão.

Triste sina esta pela qual passam dois dos maiores ídolos do esporte olímpico.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 25 de setembro de 2014 Histórias do esporte, Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 13:15

‘Noivo-sparring’ ajudou brasileira a ganhar medalha inédita

Compartilhe: Twitter
Aline Silva comemora vitória na semifinal do Mundial, sobre Burmaa Ochirbat, da Mongólia

Aline Silva comemora vitória na semifinal do Campeonato Mundial de luta olímpica sobre Burmaa Ochirbat, da Mongólia

Em reportagem publicada nesta quinta-feira no iG Esporte, a falante e sempre sorridente Aline Silva, dona da primeira medalha do Brasil em Campeonatos Mundiais na história da luta olímpica (prata na categoria 75 kg em Tashkent, no Uzbequistão) contou, entre outras coisas, um dos segredos que a levou a conquistar o vice-campeonato mundial: o trabalho de sparring do noivo, Flavio Ramos.

“Ele foi fundamental para essa minha conquista”, disse Aline, lembrando que o noivo é judoca e a ajuda muito nos treinos. “Como eu mudei de categoria, fica complicado fazer lutas com as meninas aqui no Sesi. Ele abandonou o emprego dele este ano e passou a atuar como atleta-voluntário apenas para ajudar nos meus treinos. É meu grande parceiro”, derrete-se a lutadora brasileira.

>>> Veja ainda: Esporte brasileiro tem semana de feitos inéditos

Os dois se conhecem há mais de dez anos, quando treinaram juntos judô no Centro Olímpico. Se separaram e muitos anos depois acabaram se reencontrando, por meio da rede social Orkut, em 2010. Estão juntos desde então e já até marcaram a data do casamento: será no próximo dia 6 de dezembro.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 22 de setembro de 2014 Mundiais, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 20:22

Família Grael chega a seu sexto título mundial na Espanha

Compartilhe: Twitter
Martine Grael e Kahena Kunze comemoram a conquista do Mundial de Santander na 49er FX

Martine Grael e Kahena Kunze comemoram a conquista do título no  Mundial de Santander (ESP)

O encerramento do Campeonato Mundial de vela da Isaf (Federação Internacional de vela, na sigla em inglês), neste último domingo, na cidade de Santader (Espanha) trouxe muito mais do que a ótima conquista do título da competição pela dupla brasileira formada por Martine Grael e Kahena Kunze, na classe 49er FX. Foi uma vitória emocionante, assegurada somente na última regata, a medal race, tendo como maiores adversárias as dinamarquesas Ida Nielsen e Marie Olsen até o final da prova.

A conquista também ratificou o favoritismo da dupla, líder do ranking mundial da Isaf na classe, para os Jogos Olímpicos do Rio 2016. Por sinal, as duas também venceram o evento-teste realizado na Baia de Guanabara, em agosto.

Por fim, uma outra marca importante foi que este título mundial acabou se transformando no sexto conquistado por um representante da família Grael na vela. Antes de Martine, seu pai, o campeão olímpico Torben Grael, já havia sido campeão em quatro oportunidades: 1978, 1983 e 1987, pela classe Snipe, e 1990 na Star. Além dele, o tio Lars Grael também foi campeã mundial na Snipe em 1983, junto com Torben.

O Mundial de Santander definiu também as primeiras 138 vagas da vela para os Jogos do Rio 2016. Confira todos os classificados, na página especial do blog.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 Isso é Brasil, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 18:45

Esporte brasileiro tem semana de feitos inéditos

Compartilhe: Twitter

Não me recordo qual foi a última vez em que o esporte olímpico brasileiro viveu dias de conquistas inéditas tão relevantes como as dos últimos cinco dias. Do domingo (dia 7/9) até esta quinta-feira (11/9), três modalidades atingiram feitos até então inimagináveis em sua biografia olímpica.

A brasileira Aline Ferreira (de vermelho) encara a americana Adeline Gray na decisão da medalha de ouro do Mundial

A brasileira Aline Ferreira (de vermelho) encara a americana Adeline Gray na decisão da medalha de ouro do Campeonato Mundial de luta olímpica

O mais recente deles aconteceu justamente nesta quinta-feira, com a medalha de prata obtida pela lutadora Aline Ferreira, na categoria 75 kg, no Campeonato Mundial de luta olímpica, modalidade luta livre, que está sendo disputado em Taskkent, no Uzbequistão. Na decisão, Aline (que foi prata no Pan-Americano de Guadalajara 2011) acabou sendo derrotada pela americana Adeline Gray, por 2 a 1.

Sinceramente, o resultado na decisão é o menos importante. Em um esporte sem qualquer tradição no Brasil, Aline conseguiu simplesmente a primeira medalha para o País em Mundiais na luta olímpica, um resultado extraordinário, especialmente levando-ser em conta que a CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas) recebeu um dos menores repasses de recursos da lei Agnelo-Piva (R$ 2 milhões) em 2014.

Algo semelhante à conquista no domingo de Marcus Vinicius D”Almeida, na final da Copa do Mundo de tiro com arco, em Paris (FRA), ao levar a medalha de prata com apenas 16 anos, tornando-se o mais jovem arqueiro do mundo a alcançar este feito. Da mesma forma que Aline Ferreira, jamais um brasileiro havia obtido um resultado semelhante.

Mesmo sem medalha, também merece ser ressaltado o desempenho de Rodrigo Bastos na final da fossa olímpica do Mundial de tiro esportivo, que está sendo disputado em Granada (ESP). O quinto lugar também representou o melhor resultado de um atleta brasileiro nos Mundiais da modalidade.

O que vem na sequência destes resultados é um alento para o esporte brasileiro em sua preparação aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, daqui a dois anos. Com uma meta ousada de terminar entre os dez primeiros no quadro geral de medalhas, e impulsionadas por investimentos inéditos de verbas do Ministério do Esporte, estas modalidades menos badaladas começam a experimentar uma rotina de vitórias.

Ainda não é possível cravar que a diversificação de bons resultados em modalidades olímpicas irá representar um resultado positivo no quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos. Mas é inegável que trará efeitos no DNA esportivo do Brasil num futuro próximo.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 10 de setembro de 2014 Mundiais, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 22:23

Mundiais na Espanha definem 203 vagas olímpicas para 2016

Compartilhe: Twitter

Até o próximo dia 21, a Espanha terá um papel importante na definição dos classificados para três modalidades que constam no programa esportivos dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Nada menos do que 203 vagas estarão em disputa, na vela, tiro esportivo e basquete.

Velejadoras Martine Graelk e Kahena, da classe 49er FX e que integra a equipe brasileira no Mundial de vela de Santander (ESP)

Martine Grael e Kahena Kunze, da classe 49er FX e que integra a equipe brasileira no Mundial de vela

O Mundial de Vela da Isaf (Federação Internacional de Iatismo, na sigla em inglês) começa sua disputa na próxima sexta-feira, na cidade de Santander, com a presença das 10 classes olímpicas. Cada classe tem seu próprio Mundial, porém nos dois últimos ciclos olímpicos a Isaf promoveu um evento internacional para definir parte das vagas dos Jogos. Isso ocorreu em 2007, em Cascais (POR), e 2011 em Perth (AUS). Desta vez, a entidade resolveu antecipar o Mundial, para facilitar a preparação.

Em Santander, os 1.400 atletas de 8o países estarão disputando nada menos do que 138 vagas olímpicas (metade das 274 disponíveis) nas classes RS:X Masculino (18), RS:X Feminino (13), Laser (23), Laser Radial (19), Finn (12), 470 Masculino (13), 470 Feminino (10), 49er (10), 49er FX (10) e Nacra 17 (10). Cada país pode conquistar apenas uma vaga por classe. Por ser o país-sede, o Brasil já tem assegurada uma vaga por classe, mas brigará pelo título mundial na Laser, com Robert Scheidt; 470 feminino, com a dupla Martine Grael e Kahena Kunze; e na Finn, com Jorge Zariff.

Já em Granada, desde a última segunda-feira (8) está em disputa o Mundial de tiro esportivo, que está distribuindo 64 vagas olímpicas nas 15 provas que compõe o programa das Olimpíadas. A distribuição será feita da seguinte forma: Carabina 3 posições 50m masculino (5 vagas), Carabina deitado 50m masculino (5), Carabina de ar 10m masculino (6), Pistola 50m masculino (4), Pistola de tiro rápido 25m masculino (2), Pistola de ar 10m masculino (6), Fossa Olímpica masculino (3), Fossa double masculino (2), Skeet masculino (3), Carabina 3 posições 50m feminino (5), Carabina de ar 10m feminino (6), Pistola 25m feminino (5), Pistola de ar 10m feminino (6), Fossa Olímpica feminino (3) e Skeet feminino (3).

>>> Confira todos os classificados para os Jogos Olímpicos de 2016

Novamente, por ser sede dos Jogos, o Brasil já conta com nova vagas asseguradas (Carabina 3 Posições masculino; Carabina de Ar 10m feminino; Pistola de Tiro Rápido masculino; Pistola de Ar 10m masculino; Pistola 25m feminino; Fossa Olímpica e no Skeet, masculino e feminino). Ainda assim, busca resultados que melhorem a posição do país no ranking mundial. Foi o caso desta quarta-feira, com o bom quinto lugar de Rodrigo Bastos na prova da Fossa Olímpica. O Mundial vai até o dia 19.

Por fim, Madri irá assistir no próximo domingo a final da Copa do Mundo masculina de basquete, cujo campeão assegura vaga antecipada para o Rio 2016. E o título deverá ficar entre EUA, França, Lituânia e Sérvia, após a conclusão das quartas de final, marcadas pela eliminação da seleção brasileira, de forma avassaladora pelos sérvios, nesta quarta (10).

Autor: Tags: , , , , , ,

domingo, 31 de agosto de 2014 Almanaque, Ídolos, Mundiais, Seleção brasileira | 00:55

As medalhas do Brasil nos Mundiais de judô

Compartilhe: Twitter
A brasileira Mariua Suelen Altheman não conseguiu superar a cubana Idalys Ortiz na final da categoria acima de 78 kg

A brasileira Maria Suelen Altheman (à esquerdas) não conseguiu superar a cubana Idalys Ortiz na final da categoria acima de 78 kg

No último dia de disputas individuais do Campeonato Mundial de judô, que está sendo realizado na cidade russa de Chelyabinsk, na Rússia, o Brasil ampliou seu número de medalhas na competição. O melhor resultado foi obtido por Maria Suelen Altheman, na categoria acima de 78 kg, que acabou repetindo o desempenho do Mundial do ano passado, realizado no Brasil, e ficou com a medalha de prata. Novamente derrotada pela forte cubana  Idalys Ortiz, por ippon, em uma luta na qual ela saiu com uma contusão no joelho.

Depois, foi a vez de Rafael Silva, na categoria acima de 100 kg, que não repetiu o vice-campeonato de 2013 mas não deixou a Rússia com as mãos abanando, ao levar o bronze após derrotar o alemão Roy Meier. Neste domingo, o Mundial de Chelyabinsk se encerra com a disputa do torneio por equipes.

No geral, o Brasil soma um total de 38 medalhas em Mundiais de judô ao longo da história.

Confira abaixo todas as medalhas brasileiras

Medalha de ouro

João Derly – 66 kg – Cairo (Egito)/2005
João Derly – 66 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2007
Tiago Camilo – 81 kg – Rio der Janeiro (Brasil)/2007
Luciano Corrêa (100 kg) – Rio de Janeiro (Brasil)/2007
Rafaela Silva (57 kg) – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Mayra Aguiar (78 kg) – Chelyabinsk (Rússia)/2014

Medalha de prata

Aurélio Miguel – 95 kg – Hamilton (Canadá)/1993
Aurélio Miguel – 95 kg – Paris (França)/1997
Mayra Aguiar – 78 kg – Tóquio (Japão)/2010
Leandro Guilheiro – 81 kg -Tóquio (Japão)/2010
Leandro Cunha – 66 kg – Tóquio (Japão)/2010
Leandro Cunha – 66 kg – Paris (França)/2011
Rafaela Silva – 57 kg – Paris (França)/2011
Érika Miranda – 52 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Maria Suelen Altheman – + 78 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Rafael Silva – + 100 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Maria Suelen Altheman – + 78 kg – Chelyabinsk (Rússia)/2014

Medalha de bronze

Chiaki Ishii – 93 kg – Ludwigshafen (Alemanha)/1971
Walter Carmona – 86 kg – Paris (França)/1979
Aurélio Miguel – 95 kg – Essen (Alemanha)/1987
Rogério Sampaio – 73 kg – Hamilton (Canadá)/1993
Daniele Zangrando – 56 kg – Tóquio (Japão)/1995
Edinanci Silva – 72 kg – Paris (França)/1997
Fúlvio Myata – 60 kg – Paris (França)/1997
Sebastian Pereira – 73 kg – Birmingham (Inglaterra)/1999
Mario Sabino – 100 kg – Osaka (Japão)/2003
Edinanci Silva – 78 kg – Osaka (Japão)/2003
Carlos Honoraro – 90 kg – Osaka (Japão)/2003
Luciano Correa – 100 kg – Cairo (Egito)/2005
João Gabriel Schilittler – + de 100 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2007
Sarah Menezes – 48 kg – Tóquio (Japão)/2010
Sarah Menezes – 48 kg – Paris (França)/2011
Leandro Guilheiro – 81 kg – Paris (França)/2011
Mayra Aguiar – 78 kg – Paris (França)/2011
Sarah Menezes – 48 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Mayra Aguiar – 78 kg – Rio de Janeiro (Brasil)/2013
Érika Miranda – 52 kg – Chelyabinsk (Rússia)/2014
Rafael Silva – + 100 kg – Chelyabinsk (Rússia)/2014

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 26 de agosto de 2014 Mundiais, Olimpíadas | 14:52

Os primeiros classificados para os Jogos do Rio 2016

Compartilhe: Twitter
Equipe de adestramento da Alemanha comemora o título mundial e a vaga para 2016

Equipe de adestramento da Alemanha comemora o título mundial e a vaga para 2016

Nesta terça-feira, foram conhecidos os donos das quatro primeiras vagas para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. A disputa da  final do adestramento por equipes dos Jogos Equestres Mundiais, em Caen (França), viu a equipe da Alemanha comemorar o título, com Grã-Bretanha ficando com a segunda posição e Holanda em terceiro. Os três países asseguraram, assim, automaticamente, a presença no torneio olímpico de 2016.

>>> Veja também: Confira as vagas em disputa para os Jogos Olímpicos de 2016

O quarto classificado ainda deverá ser confirmado mais para frente. A Austrália, que embora tenha terminado o Mundial em 10º lugar, deverá assegurar sua vaga por conta de ter sido a melhor classificada entre as equipes que integram os grupos F e G da FEI (Federação Internacional Equestre), que reúne países da África, Oriente Médio, Sudeste Asiático e Oceania.

Ao longo do Mundial de hipismo, ainda serão definidos seis países classificados nas competições do CCE (Concurso Completo de Equitação) e cinco conjuntos na competição de saltos. Os Jogos Equestres Mundiais terminarão no próximo dia 7 de setembro.

Autor: Tags: , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última