Publicidade

Arquivo da Categoria Ídolos

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Ídolos, Isso é Brasil | 18:32

O drama de Maurren e a “vida real” do esporte brasileiro

Compartilhe: Twitter
Maurren Maggi está buscando uma forma de arrecadar fundos para continuar treinando

Maurren está buscando uma forma de arrecadar fundos para continuar treinando

Ignore o fato de que o efeito inexorável do tempo é cruel. Deixe de lado que, aos 37 anos, ela já vive o ocaso de sua carreira esportiva. Mas não dá para conceber que a saltadora Maurren Maggi, que  foi a primeira mulher brasileira do atletismo a conquistar uma medalha de ouro (em Pequim 2008, no salto em distância), precise apelar para uma “vaquinha virtual” para conseguir se manter na ativa.

Nesta sexta-feira, todos os portais de internet noticiaram com destaque a campanha iniciada pela atleta, através do sistema de “crowdfunding”, para arrecadar R$ 100.000,00 nos próximos cem dias. Para isso, basta o torcedor ou empresário entrar no site da campanha e escolher a quantia com a qual deseja participar. Até às 18h desta sexta-feira (28/2), Maurren já havia arrecadado R$ 6.182,00.

Maurren alega que está sem patrocínio desde 2013 e que precisa deste valor para financiar toda sua fase de treinamentos nesta temporada, pois os valores que recebe da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e de um patrocinador não conseguem bancar estas despesas. A atleta diz que ainda sonha com a chance de representar o Brasil nas Olimpíadas do Rio, em 2016.

Esse triste caso de Maurren Maggi represente o “Brasil real” do esporte brasileiro, bem distante daqueles dos planos Bolsa Pódio, Lei Agnelo/Piva e todos os outros programas de ajuda oficial aos atletas de ponta, que se preparam para os Jogos Olímpicos. E estamos falando de alguém que tem no currículo uma medalha de ouro olímpica, além de três ouros em Jogos Pan-Americanos. Mas vem se tornando comum outros casos de “vaquinhas ” pela internet para apoio a atletas do Brasil.

No ano passado, o iG Esporte contou a história de Élora Pattaro, que chegou a disputar as Olimpíadas de Atenas 2004 e foi apontada como uma das promessas da esgrima do Brasil, criando um programa de “crowdfunding” para pagar um estágio de treinos na Europa. Mas existem outras ações semelhantes, como a do movimento “Apoie um Atleta“, para auxiliar atletas a se classificarem aos Jogos de 2016, e o “SalveSport“, para financiar atletas e projetos esportivos, como o da professora Katia Rúbio, que está produzindo o “Memórias Olímpicas por atletas Olímpicos Brasileiros”, traçando o perfil de TODOS os brasileiros que disputaram os Jogos Olímpicos.

A vida no “Brasil real” do esporte é muito mais difícil do que querem nos fazer engolir.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Vídeos | 19:25

Há 21 anos, Serguei Bubka deixava a Ucrânia mais feliz

Compartilhe: Twitter
Momento em que Serguei Bubka se preparava para o salto que lhe deu seu último recorde mundial indoor

Momento em que Serguei Bubka se preparava para o salto que lhe deu seu último recorde mundial indoor

São impressionantes e tristes as imagens dos jornais e portais de internet, mostrando o clima de tensão e violência em Kiev, capital da Ucrânia. Mas enquanto o mundo todo fica apreensivo com os desdobramentos da crise política que atinge o país, eis que apareceu um vídeo de um período em que os ucranianos estavam mais felizes.

Nesta sexta-feira, há exatamente 21 anos, Serguei Bubka, um dos maiores ídolos do esporte mundial e herói nacional na ucrânia, quebrava de maneira espetacular o recorde mundial do salto com vara em pista coberta (indoor), durante um meeting em Donetsk, alcançando a espetacular marca de 6,15 m.

Ironicamente, este recorde não lhe pertence mais: na mesma Donetsk, o francês Renaud Lavillenie saltou no último sábado 6,16 m, durante o Pole Vault Stars. Bubka ainda detém o recorde do salto com vara ao ar livre, com 6,14 m, desde 1994.

Reveja a imagem da marca histórica obtida por Bubka em 1993, há exatos 21 anos:

 

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Listas, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:03

Uma breve reflexão sobre números e medalhas

Compartilhe: Twitter
Seleção feminina de handebol comemora a conquista do inédito título mundial na Sérvia

Seleção feminina de handebol comemora o inédito título mundial na Sérvia

Neste primeiro post de 2014, creio ser ainda ser necessário comentar sobre um fato que acabou passando batido por aqui no final do ano recém-encerrado: a campanha dos esportes olímpicos do Brasil em 2013, que cravaram o melhor desempenho do país no primeiro ano pós-olímpico desde 2000. Graças aos diversos mundiais que estiveram em disputa na última temporada, o Brasil conseguiu um total de 27 medalhas em modalidades presentes no programa olímpico, feito nunca antes alcançado. Antes disso, a melhor marca havia sido alcançada em 2005, um ano após as Olimpíadas de Atenas 2004, com 11 medalhas.

Destas 27 medalhas, oito delas foram de ouro, a última delas conquistada de forma brilhante pela seleção feminina de handebol, campeã mundial diante da Sérvia, em dezembro. Os demais ouros de 2013 vieram com César Cielo (natação – 50 m livre); Arthur Zanetti (ginástica artística – argolas); Rafaela Silva (judô – 57 kg); Jorge Zarif (vela – classe Finn); Robert Scheidt (vela – classe Laser); Poliana Okimoto (maratonas aquáticas – 10 km); e vôlei feminino (Grand Prix).

Diante do ótimo resultado, tanto o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) quanto o Ministério do Esporte – um dos principais financiadores do esporte olímpico nacional, através do Bolsa Atleta e Bolsa Pódio, entre outros convênios – trataram de enaltecer o feito, lembrando em comunicados à imprensa que o Brasil terminou 2013 no oitavo lugar em um hipotético quadro de medalhas envolvendo as competições olímpicas no ano passado. Coincidentemente, o resultado está dentro da meta estabelecida, tanto pelo COB como pelo Ministério, para as Olimpíadas de 2016, no Rio, quando se espera que o país termine os Jogos entre os dez primeiros.

>>> Leia ainda: O dia em que o handebol deixou de ser ‘pé de página’ no Brasil

Mas por uma questão de padronização, esse 8º lugar deveria ser tratado como um 10º lugar. Antes da minha justificativa, uma rápida historinha olímpica…

A extinta União Soviética fez sua estreia em Olimpíadas nos Jogos de Helsinque, em 1952. Em plena Guerra Fria com os Estados Unidos, os soviéticos queriam aproveitar sua primeira participação olímpica para também fazer propaganda do regime comunista. E em sua Vila Olímpica particular (a delegação não quis se misturar com os demais atletas) os dirigentes da URSS instalaram na entrada um quadro onde computava as medalhas que eram conquistadas por seus atletas, em comparação às dos americanos. Era o primeiro quadro de medalhas da história das Olimpíadas. A partir de então, a imprensa passou a publicar listas com o total de medalhas conquistadas a cada edição dos Jogos. Mas essa é uma classificação extra-oficial.

Se você procurar no site do COI (Comitê Olímpico Internacional), não irá encontrar qualquer quadro de medalhas, pois a entidade considera apenas os campeões olímpicos de cada prova. Não sou hipocritamente purista como os nobres membros do COI e considero natural que a imprensa crie uma forma de classificar os ganhadores de medalhas nos Jogos Olímpicos. Porém, é bom deixar claro que oficialmente essa classificação não existe.

>>> Veja também: Mundial de Barcelona coinsagra Cielo, Thiago e Poliana, mas também merece uma reflexão

Os quadros de medalha olímpicos têm em geral sua classificação feita pelo tipo de medalha conquistada: primeiro, ouro, depois a prata, em seguida o bronze e por fim o total de medalhas. Mas é claro que os critérios mudam de acordo com o gosto do freguês. Assim ocorreu com vários veículos de comunicação dos EUA, que começaram a fazer a classificação de seus quadros pelo total de medalhas de Pequim 2008, justamente quando os ouros chineses deixaram as conquistas americanas para trás. No final, a China teve 51 ouros (100 no total) e os EUA faturaram 36 ouros (e 110 no total).

Volto a reforçar: para o COI, essa classificação não tem a menor importância!

No quadro de medalhas olímpicas de 2013 do COB, o critério usado é pelo total de medalhas obtidas. Assim, Japão (dez ouros), Coréia do Sul e Hungria (nove ouros cada um) aparecem atrás do Brasil, que levando em conta a classificação habitualmente adotada pela mídia, ficaria atrás destes três países, mas ainda assim estaria à frente da Austrália ( sete ouros no ano passado), que no quadro original ficou à frente do Brasil.

>>> E mais: O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

Como diz o título do post, o objetivo foi fazer com que uma pequena reflexão seja feita diante dos excelentes resultados obtidos pelos atletas brasileiros no ano que passou. Estamos no caminho certo, mas muito longe ainda de poder apontar o país como uma “potência olímpica”, como alguns mais fanáticos podem pensar.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 14:03

As redes sociais invadiram o esporte. Para o bem e para o mal

Compartilhe: Twitter
Poliana Okimoto e Jorge Zarif exibem os prêmios de melhores do ano

Poliana Okimoto e Jorge Zarif exibem os prêmios de melhores do ano

Em 2000, na pré-história da internet, a Fifa realizou uma eleição em seu site para incentivar a participação dos internautas em seu site, perguntando qual havia sido o maior jogador do século 20. Eis que a entidade acabou sendo pega de surpresa com o resultado da enquete, que apontou o argentino Diego Maradona – notório desafeto dos dirigentes da Fifa – como o eleito, e não Pelé, que era quem os cartolas queriam eleger. Para não jogar a credibilidade de seu site na lata do lixo, usaram uma esperta solução: Maradona ficou com o título de jogador escolhido pela internet, enquanto Pelé foi eleito após a votação de um juri especializado.

Puxo esse caso da memória para comentar o resultado da eleição do Prêmio Brasil Olímpico, que escolhe os melhores atletas do esporte do país, e cuja festa foi realizada nesta terça-feira, em São Paulo. Embora normalmente seja uma premiação sem surpresas, o evento de ontem causou um certo alvoroço ao ver o jovem velejador Jorge Zarif, que foi campeão mundial da classe Finn este ano, desbancar os favoritíssimos Cesar Cielo (natação) e Arthur Zanetti (ginástica artística), igualmente campeões do mundo em 2013. O que me deixou mais estarrecido, porém, foi a declaração de Zarif admitindo ter feito um pesado lobby entre colegas de faculdade, familiares, amigos e seguidores em suas redes sociais, para que votassem nele.

Nada contra quem faça campanha em causa própria. Se Zanetti ou Cielo não se preocuparam com isso, Zarif não tem nada a ver com isso. E  que fique claro, não há neste texto qualquer crítica ou tentativa de desmerecer o brilhante feito do velejador, o primeiro brasileiro campeão mundial da Finn desde 1972. Mas não consigo engolir uma eleição que não aponte Cielo ou Zanetti como melhor atleta olímpico do Brasil em 2013. Por isso, é de se questionar a validade do uso do voto pela internet para se apontar o melhor atleta do Brasil, como foi o caso.

Lembro também outra polêmica participação do “amigo internauta” neste mesmo Brasil Olímpico, quando a judoca Sarah Menezes – que havia sido bicampeã mundial junior na época – foi eleita a melhor atleta do ano, desbancando Poliana Okimoto (com justiça eleita campeã de 2013) e Natalia Falavigna, do taekwondo. Na época, o governo do Piauí fez um pesado lobby atrás de votos para Sarah, que levou o prêmio na ocasião. Mas será que merecia na época?

Não dá para ignorar a importância das redes sociais no esporte mundial, em particular no esporte olímpico. Hoje, o COI tem um canal dedicado exclusivamente às redes sociais, um aplicativo chamado “Olympic Athletes Hub”, onde o fã pode acompanhar simplesmente tudo sobre seu ídolo.É bacana, vale a pena conferir.

Usada com sabedoria, as redes sociais podem ajudar muito na divulgação dos esportes olímpicos. O contrário, contudom pode ter um efeito nocivo.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Ídolos, Olimpíadas | 17:31

É impossível estabelecer o preço dos ouros de Jesse Owens

Compartilhe: Twitter
A medalha de Jesse Owens que foi à leilão no último domingo

A medalha de Owens que foi à leilão no último domingo por mais de R$ 3,4 milhões

Imagine você, caro(a) leitor(a), ganhando um destes prêmios estratosféricos da Mega Sena acumulada e resolva, por ser um(a) apreciador(a) dos esportes olímpicos, comprar um ítem histórico para sua coleção particular, uma medalha de ouro de um grande ídolo. E digamos que para ter esse objeto você resolva gastar mais de R$ 2 milhões (não se esqueça que você está tão rico(a) quanto o Tio Patinhas). Aí eu pergunto: será que você pagou pouco ou muito por seu mimo olímpico?

A minha resposta, curta e grossa, é a seguinte: sim e não. Antes que esse(a) imaginário(a) internauta me chame de louco, explico que é impossível estabelecer o valor exato de uma medalha olímpica. Por isso, é perfeitamente natural considerar que o valor de US$ 1.466.574 (cerca de R$ 3,4 milhões), pago por um dos donos do Pittsburgh Penguins, da NHL (liga americana de hóquei no gelo) foi até pequeno para comprar uma das medalhas de ouro obtidas por Jesse Owens nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936. O leilão foi concluído no domingo, mas não foi especificada qual das provas a medalha comprada pertencia – Owens foi ouro nos 100 m, 200 m, revezamento 4 x 100 m e salto em distância.

Nada contra as excentricidades de um milionário. Quem tem dinheiro faz dele o que quiser. Aqui no Brasil, temos um colecionador de objetos olímpicos, o ex-presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), Roberto Gesta de Mello, dono de um mini-museu olímpico em Manaus, cidade onde mora. São centenas de peças ligadas à história olímpica, entre elas as medalhas de ouro obtidas por Adhemar Ferreira da Silva no salto triplo, em Helsinque 1952 e Melbourne 1956.

O caso de Owens, porém, é emblemático. Descendente de escravos americanos,  ele conquistou esta medalha diante do ditador mais repugnante da história moderna, o nazista Adolf Hitler, derrotando através do esporte a hedionda política de superioridade da raça ariana. Só que a medalha nem pertencia mais aos herdeiros do herói americano, que a presenteou a um amigo, cuja viúva decidiu leiloar a peça histórica. Quanto às demais, o paradeiro é desconhecido.

Por isso, por mais dinheiro que tenha em sua conta bancária o sócio do Pittsburgh Penguins, essa medalha jamais deveria estar hoje em sua casa. Pelo seu valor histórico, pela importância do homem que a ganhou, deveria pertencer ao museu do COI (Comitê Olímpico Internacional), para a apreciação pública. Ao contrário, tornou-se um caro capricho para a coleção pessoal de um milionário.

A histórica olímpica, porém, ficou mais pobre.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013 Ídolos, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva, Seleção brasileira | 23:24

Uma reflexão sobre o desabafo de Esquiva Falcão

Compartilhe: Twitter
Crédito: Daniel Ramalho/AGIF/COB

Esquiva Falcão comemora a conquista da medalha de prata nas Olimpíadas de Londres

Nesta última terça-feira, o boxeador Esquiva Falcão convocou uma entrevista coletiva em São Paulo, onde falou sobre sua estreia no boxe profissional. Após assinar contrato com a empresa Top Rank, a mesma que gerencia a carreria do peso médio filipino Manny Pacquiao, um dos ídolos da modalidade, ele já se prepara para fazer sua estreia no profissionalismo, entre janeiro e fevereiro de 2014, em combate que deve ser realizado nos EUA ou China.

Entre tantas incertezas, só se sabe de uma coisa: ao optar por tornar-se profissional, Esquiva Falcão abriu mão automaticamente de disputar as Olimpíadas de 2016, no Rio. Em Londres 2012, ele foi prata entre os médios.

O detalhe importante na entrevista coletiva, registrada pelo companheiro Maurício Nadal, do iG Esporte, foi a mágoa que Falcão demonstrou das autoridades brasileiras. Ele mostrou-se inconformado com a demora na liberação do Bolsa Pódio, programa criado pelo Ministério do Esporte e que auxilia na preparação dos atletas brasileiros para os Jogos de 2016, podendo pagar até R$ 15 mil/mês, de acordo com a classificação do atleta. “Não sei porque demorou tanto, gostaria de saber essa resposta”, afirmou o boxeador, que ainda acusou o Ministério de privilegiar outras modalidades, como atletismo, vôlei, basquete e judô, chamando-as de “queridinhas”.

Bem, a resposta que o boxeador brasileiro queria veio menos de 24 horas depois. Em longa nota (que pode ser conferida aqui), publicada em seu site, o Ministério do Esporte rebateu todas as reclamações do boxeador. De forma resumida, disse que o Bolsa Pódio segue um cronograma administrativo, com planos esportivos que precisam ser aprovados antes da liberação de verbas, disse que não privilegia nenhuma modalidade e que todos os planos esportivos do boxe (desde julçho deste ano) precisaram ser refeitos.

Isto posto, cabem algumas reflexões sobre o assunto:

1) Esquiva Falcão tem razão em reclamar na demora da liberação do Bolsa Pódio. É BUROCRACIA DEMAIS. Uma vez, ao comentar sobre isso com um funcionário do Ministério, escutei a seguinte reclamação: “Se não criamos as regras, vocês [jornalistas] dizem que não fiscalizamos o uso do dinheiro público. Quando criamos, dizem que é burocracia”. Eu respondi que a fiscalização precisa existir, óbvio, mas os recursos deveriam chegar aos atletas de forma mais rápida. Lembrem-se, faltam menos de três anos para o Rio 2016…E o programa foi lançado em setembro de 2012, pela presidenta Dilma Rousseff;

2) O Ministério do Esporte tem razão em boa parte de suas justificativas. Burocracia à parte, se as regras existem, precisam ser cumpridas. E se outras confederações as cumprem, por que seria diferente com o boxe? A lei precisa ser igual para todos (por mais que eu discorde dos critérios e demora para a liberação dos recursos);

3) A CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe) precisa se organizar melhor. Boa parte dos erros apontados nos projetos esportivos foram cometidos pela entidade. Além disso, integrantes do Ministério do Esporte tentaram por um bom tempo promover a paz entre a entidade e a boxeadora Adriana Araújo, cortada da seleção feminina no começo do ano, após desentendimentos com o presidente Mauro José da Silva. Por enquanto, nada feito.

O resultado de toda essa confusão é um belo prejuízo nas chances de conquista de medalhas para o boxe brasileiro nos Jogos de 2016.

Autor: Tags: , , , , , ,

sábado, 30 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Política esportiva | 15:10

‘Atletas pelo Brasil’ lança portal e leilão online

Compartilhe: Twitter
Movimento "Atletas pelo Brasil agora terá um portal na internet

Movimento “Atletas pelo Brasil agora terá um portal na internet

Após ter tido participação fundamental na maior conquista esportiva do país neste ano (em minha modesta opinião), a assinatura da Medida Provisória 620/2013 (que entre outras coisas limita a somente uma reeleição o mandato de dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas), o movimento “Atletas pelo Brasil” irá lançar um portal de internet com o objetivo de se tornar a principal referência do esporte brasileiro.

Na próxima terça-feira, a partir das 10h, a presidente da entidade, a ex-jogadora de vôlei Ana Moser participará de uma entrevista coletiva no Esporte Clube Pinheiros, para explicar como será o funcionamento do portal Esporte pelo Brasil, que reunirá informações sobre as modalidades esportivas, atletas, eventos e pesquisas.

O portal também pretende fazer um monitoramento de indicadores e políticas públicas de esporte realizados no Brasil, o “Cidade do Esporte”. E os primeiros números divulgados fazem parte de um estudo com as 12 cidades-sede da Copa do Mundo 2014.

Além disso, o evento também marcará o início do “Lance pelo Esporte – Leilão Online”, com o objetivo de arrecadar recursos financeiros para o “Atletas pelo Brasil”, comercializando peças autografadas e experiências ao lado de grandes ídolos do esporte brasileiro, como Paulo André, Raí e Cafu (futebol), Ana Moser e Ida (vôlei), Cesar Cielo, Thiago Pereira e Gustavo Borges (natação), Hortência, Paula e Oscar (basquete), Rubens Barrichello (automobilismo) e Lars e Torben Grael (vela).

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 19 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 21:21

CBAt ainda sonha com etapa da Liga de Diamante no Brasil

Compartilhe: Twitter
José Antonio Fernandes enviou pedido oficial à Oaaf para realizar a Liga Diamente no Brasil

José Antonio Fernandes enviou pedido oficial à Oaaf para realizar a Liga Diamente no Brasil

Segue muito vivo o sonho brasileiro de receber uma etapa da Liga de Diamante, o mais badalado e milionário torneio do atletismo mundial. Nesta terça-feira, o presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, confirmou que enviou uma carta à Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) solicitando que o Brasil receba uma das etapas da competição e ver de perto algumas das estrelas do atletismo mundial, como, por exemplo, o jamaicano Usain Bolt.

Se o pedido for aceito, a etapa da competição aconteceria apenas em 2015. A Liga e a Iaaf irão reformular o calendário no próximo ano, o que abriria a possibilidade de incluir uma nova prova, Mas a etapa brasileira, caso aconteça, iria substituir alguma já existente.

Duas ameaças aparecem para atrapalhar o sonho de Fernandes: a concorrência dos países árabes, que têm interesse em levar novas etapas para a região, e o local onde a prova aconteceria. Impossibilitado de usar o Engenhão, que está em reforma para as Olimpíadas do Rio, restaria ao Brasil organizar a etapa em São Paulo, no Estádio Ícaro de Castro Mello, no Ibirapuera.

>>>Em julho, CBAt já falava sobre a possibilidade do Brasil receber a Liga de Diamante. Confira

O custo para organizar o evento, segundo Toninho, seria entre US$ 3, 5 e US$ 4 milhões. Segundo o dirigente, as garantias finaceiras já estão asseguradas, graças aso patrocinadores da CBAt, além do apoio da TV Globo, que detém os direitos de transmissão das competições de atletismo no Brasil.

Enquanto não sabe se irá ou não receber a Liga de Diamante, a CBAt já tem confirmadas as realizações de duas etapas do Campeoanto Ibero-Americano de atletismo. Uma em São Paulo, em 2015, e outra em 2016, como evento-teste das Olimpíadas do Rio, no Engenhão. “Tem que ser no Engenhão, não há nem o que discutir”, disse Toninho.

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 5 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 18:06

Ministério do Esporte tenta acordo de paz entre CBBoxe e Adriana Araújo

Compartilhe: Twitter
Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Às vésperas do anúncio dos atletas do boxe que serão contemplados pelo programa Bolsa Pódio neste ano – Everton Lopes, Esquiva Falcão e Robenílson de Jesus – o Ministério do Esporte tenta, em outra trincheira, evitar um desfalque importante na equipe brasileira que irá competir nas Olimpíadas do Rio, em 2016. Desligada oficialmente desde abril da seleção brasileira, Adriana Araújo, que foi medalha de bronze na categoria até 60 kg nos Jogos de Londres 2012 (a primeira do país na modalidade desde os Jogos da Cidade do México, em 1968) está em guerra aberta com o presidente da CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe), Mauro José da Silva.

Pessoas dentro do Ministério tentam de qualquer forma promover uma espécie de “cachimbo da paz” entre a CBBoxe e Adriana. O objetivo é não enfraquecer a equipe feminina que se prepara para os Jogos de 2016, especialmente com uma atleta que é considerada uma das melhores do mundo na modalidade. Mas está difícil que uma das partes dê o primeiro passo em direção a algum tipo de reconciliação. Várias reuniões foram realizadas, em São Paulo e Brasília, porém todas sem resultado positivo.

>>> RELEMBRE: Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra

Após os Jogos de Londres, Adriana fez pesadas críticas a Mauro, acusando-o de ter tentado tirá-la da seleção antes do Pré-Olímpico. Já o dirigente argumentou que a atleta foi displicente ao se reapresentar acima do peso no início desta temporada e se recusar a treinar em São Paulo, preferindo treinar em Salvador, com seu técnico Luiz Carlos Dórea.

A intransigência pode tirar do boxe brasileiro uma de suas maiores chances de medalha nas Olimpíadas do Rio.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 29 de outubro de 2013 Ídolos, Imprensa, Olimpíadas, Seleção brasileira | 18:49

Nós é que agradecemos, Joaquim!

Compartilhe: Twitter
Joaquim Cruz comemora a histórica vitória nos 800 m nos Jogos de Los Angeles

Joaquim Cruz comemora a histórica vitória nos 800 m nos Jogos de Los Angeles

Imagine o que significa para quem passou praticamente sua carreira toda acompanhando, lendo, escrevendo etc, por todos os cantos, o que rola no mundo do esporte olímpico, abrir a caixa de comentários do blog e se deparar com a seguinte mensagem:

“Marcelo,

Como tem passado? Este e-mail é só para lhe agradecer pela lembrança.

Grande abraço,

Joaquim Cruz”

Um dos maiores atletas da história do esporte brasileiro, único campeão olímpico em provas de pistas no atletismo, em Los Angeles 1984, Joaquim Cruz estava respondendo, de forma muito educada, um post que eu havia escrito no já distante 12 de março deste ano, quando ele completou 50 anos. Na ocasião, o companheiro Luís Araújo, aqui do iG, teve a sacada de ficar atento à data e fizemos também uma reportagem, relembrando os grandes momentos da carreira deste herói olímpico brasileiro. Nada demais, vamos admitir, apenas uma forma que encontramos de não deixar passar a efeméride em branco.

É claro que Joaquim Cruz não precisava responder coisa alguma. É claro que quando alguém resolve seguir a carreira de jornalista, não tem que ficar esperando o reconhecimento alheio algum. Muito pelo contrário, é mais fácil você levar pauladas e críticas dos entrevistados do que elogios. E isso está absolutamente dentro do normal.

Daí o espanto, mesmo para alguém com tantos anos de estrada, receber uma mensagem como essa.

Como também espanta a reação de um internauta, logo depois de eu ter comentado o fato no Twitter, perguntando quem era Joaquim Cruz. Se de cara fiquei incrédulo com a pergunta, depois de um tempo consegui refletir um pouco melhor e ver que se trata de uma situação absolutamente normal. Em um país como o Brasil, onde a monocultura esportiva do futebol impera há mais de um século, não se pode estranhar que alguém não faça ideia da importância de Joaquim Cruz na história do esporte nacional.

Por tudo isso, nós é que te agradecemos, Joaquim Cruz!

 

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. Última