Publicidade

sexta-feira, 18 de novembro de 2011 Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 23:17

Natália Falavigna é a última esperança do Brasil no Pré-Olímpico do taekwondo

Compartilhe: Twitter

Márcio Wenceslau foi derrotado pelo mexicano Damian Villa na disputa do bronze em sua categoria

O taekwondo do Brasil realmente não passa por uma boa temporada. Após uma pífia participação nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, quando voltou com apenas uma medalha de bronze, nesta sexta-feira, a seleção brasileira que disputa o Pré-Olímpico das Américas, em Queretaro (México) amargou duas derrotas, que custaram a possibilidade de classificar para as Olimpíadas de Londres, no ano que vem. Agora, as esperanças estão concentradas em Natália Falavigna, bronze nos Jogos de Pequim 2008, que competirá no domingo.

Marcio Wenceslau, dono do bronze solitário no Pan, há menos de um mês, perdeu a disputa do terceiro lugar para o mexicano Damian Villa, que já o havia derrotado no Pan. Como os três primeiros garantiam a vaga, Wenceslau está fora das Olimpíadas. A outra eliminada do dia foi Kátia Arakaki, na categoria até 49 kg, derrotada nas quartas de final pela guatemalteca Elizabeth Gordillo.

Esperava-se mais dos brasileiros, especialmente de Márcio Wenceslau. Segundo o lutador Diogo Silva, já classificado para Londres 2012, que descreveu a luta  por sua conta no Twitter, o brasileiro liderava a luta por 6 a 4 e quando faltava três segundos para o final, o mexicano teria chutado em direção ao rosto de Wenceslau, mas o golpe não teria acertado. Mesmo assim, os árbitros deram o ponto para Villa, que também superou o brasileiro em Guadalajara com uma arbitragem polêmica.

Como eu não vi a luta, não vou cravar aqui que Wenceslau foi ou não garfado. Possivelmente foi mesmo, afinal disputava a vaga derradeira em sua categoria com um mexicano, em pleno México. O mais importante é ressaltar que provavelmente o único brasileiro que estará em Londres representando o taekwondo nacional será mesmo Diogo Silva.

Afinal, como já foi comentado por aqui, Natália Falavigna, da categoria acima de 67 kg, ficou mais de um ano parada, em virtude de cirurgias no joelho. Mesmo se tratando de uma atleta de alto nível, precisará se superar para carimbar seu passaporte, pois está longe de sua melhor forma.

Os cartolas do taekwondo brasileiro precisam fazer uma profunda análise do que acontece na modalidade no país, diante do fraco desempenho apresentado nesta temporada.

Autor: Tags: , , , , , , ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 lorenna roman 20/11/2011 12:52

    Os cartolas precisam e ter voz ativa no cenario mundial para poder protestar quando e necessario. Nao aconteceria o que aconteceu com o Marcio, se o atleta fosse um americano, dominicado ou mexicano. A fama de ser uma Confederacao pacifica esta mais para Confederacao preguicosa!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.