Publicidade

Posts com a Tag Pré-Olímpico de handebol

quarta-feira, 11 de abril de 2012 Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 23:40

Cartola do handebol enche a bola de ex-treinador da seleção

Compartilhe: Twitter

Manoel Luiz Oliveira elogiou a passagem de Javier Custa na seleção masculina

Como já era esperado, terminou nesta quarta-feira a passagem do espanhol Javier Garcia Cuesta no comando da seleção brasileira masculina de handebol. Após fracassar na tentativa de classificar o Brasil para as Olimpíadas de Londres 2012, ao não ficar com uma das duas vagas em disputa no Pré-Olímpico de Gotemburgo, ele anunciou sua saída da equipe, através de um comunicado divulgado pela assessoria de imprensa da entidade.

Mas ao contrário da irritação demonstrada em novembro do ano passado, quando ainda não havia assimilado a derrota para a Argentina na final dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara – e que classificavam o campeão diretamente para as Olimpíadas -, Manoel Luiz Oliveira, presidente da CBHb (Confederação Brasileira de Handebol), era só elogios nesta quarta ao ex-funcionário.

“Nosso relacionamento durante todo o período foi o melhor possível. Ele é um dos profissionais mais respeitados do mundo, mas infelizmente não atingiu seu objetivo, ficou desgostoso e resolveu encerrar seu vínculo conosco”, explicou o cartola. Ainda assim, não deixou de fazer uma menção ao principal pecado cometido pelo treinador espanhol. “Nunca passou pela nossa cabeça que não conseguiríamos a vaga olímpica no Pan.”

O futuro de Javier Garcia Cuesta pode ser um dos rivais do Brasil nas Américas. Casado com uma americana e com residência nos EUA, Cuesta estuda um convite para voltar a dirigir a seleção da América do Norte, onde chegou a trabalhar com sucesso. Ele também comandou as equipes nacionais da Espanha, Portugal e Egito.

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 8 de abril de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 22:28

Crônica de duas derrotas mais do que esperadas

Compartilhe: Twitter

Jogadores da seleção brasileira de handebol festejam a vitória sobre a Macedônia, no Pré-Olímpico da Suécia. Mas ficaram sem a vaga em Londres

A foto que abre este post registra o momento de alegria dos jogadores da seleção brasileira masculina de handebol, após derrotarem a Macedônia, neste domingo, por 28 a 27, no encerramento do Pré-Olímpico de Gotemburgo, na Suécia. Detalhe é que foi a chamada vitória inútil, pois o Brasil já estava sem chance de classificação para as Olimpíadas de Londres 2012, após a derrota ocorrida um dia antes, para a Hungria.

Ainda neste domingo, do outro lado do mundo, a seleção masculina de polo aquático encerrava sua participação no Pré-Olímpico de Edmonton (Canadá) com uma derrota para a Turquia por 16 a 12 e terminando a competição em oitavo lugar. A chance de vaga olímpica já tinha ido para o vinagre dois dias antes, quando o Brasil levou uma surra da Romênia por 19 a 8.

Sem querer bancar o sabichão, sou obrigado a dizer que estes resultados já tinham sido previstos neste blog. Mas isso não chega a ser nenhum mérito, muito pelo contrário. Há tempos que prever fracassos em algumas modalidades olímpicas brasileiras é uma tarefa das mais fáceis. A diferença é que não há mais a velha desculpa, muito comum 20 ou 25 anos atrás, da falta de dinheiro e apoio do governo.

Nunca se investiu tanto no esporte olímpico brasileiro como nos últimos quatro anos. Mais de R$ 200 milhões no último ciclo olímpico, para ser mais específico. Porém, ainda esbarramos nos antigos problemas da falta de melhor material humano, experiência em competições internacionais e de melhores treinadores, a despeito de existir uma importação cada vez maior de técnicos estrangeiros, em todas as modalidades.

O que existe, me parece, é uma aplicação errada do dinheiro público proveniente das verbas da Lei Agnelo/Piva, sem falar nos velhos problemas estruturais do esporte brasileiro, onde nada se investe na formação de talentos e busca-se resultados às vezes sem qualquer preparo. De repente, por causa de talentos esporádicos, pode-se até conquistar uma coisa aqui, outra ali, mas isso está longe de ser a regra.

Enquanto esta realidade não mudar, continuaremos a festejar isoladas vitórias que nada valem, e ver os adversários comemorando classificações  para as Olimpíadas.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 6 de abril de 2012 Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 14:30

E não é que o Brasil quase venceu na estreia do Pré-Olímpico masculino de handebol?

Compartilhe: Twitter

O sueco Karlsson é marcado pelos brasileiros Felipe e Gil Vicente na estreia do Pré-Olímpico de Gotemburgo

Num primeiro momento, se você olhar apenas o placar final da partida, pode ser encarado como absolutamente previsível o resultado da estreia da seleção brasileira masculina de handebol no Pré-Olímpico da modalidade, nesta sexta-feira, em Gotemburgo, quando perdeu por 25 a 20 para a Suécia. Na história dos confrontos internacionais entre as duas seleções, o Brasil jamais venceu a equipe sueca.

Só que o jogo mostrou uma realidade bem diferente. E mesmo desfalcado de seu principal jogador, o armador Bruno Souza, que lesionou o joelho ainda na fase de preparação, a seleção brasileira fez uma bela partida diante da Suécia, chegando a empatar o confronto em vários momentos do jogo. Mas a falta de tranquilidade e excesso de erros na defesa foram fatais.

Veja também: Pré-Olímpicos embalam feriadão do esporte brasileiro

Neste sábado, a seleção brasileira terá um jogo decisivo contra a Hungria (outra que jamais foi derrotada pelos brasileiros no handebol masculino), a partir das 8h45, com transmissão pela ESPN. Se vencer, o Brasil ainda terá uma chance de ir aos Jogos de Londres, levando a definição para domingo, quando enfrentará a Macedônia. Os dois primeiros colocados neste Pré-Olímpico irão às Olimpíadas.

Continua muito difícil, quase impossível a tarefa do Brasil para chegar a Londres 2012. Mas a partida de estreia desta sexta-feira deixou uma imagem positiva e uma expectativa que um milagre possa acontecer em Gotemburgo. Quem sabe…

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 5 de abril de 2012 Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 23:43

Pré-Olímpicos embalam feriadão do esporte brasileiro

Compartilhe: Twitter

Leo, capitão da seleção brasileira de handebol, que disputa o Pré-Olímpico da Suécia

O feriado da Semana Santa começa pra lá de agitado em duas modalidades olímpicas brasileiras, que ainda buscam uma vaga nas Olimpíadas de Londres 2012. Para uma delas, a decisão será nesta própria sexta, enquanto outra está apenas começando sua caminhada.

Após empatar com a Tunísia nesta quinta-feira por 11 a 11, no Pré-Olímpico de Edmonton (Canadá), a seleção brasileira masculina de polo aquático enfrentará a Romênia nesta sexta, às 18h30 (horário de Brasília), pelas quartas de final da competição. Após ficar em terceiro lugar no grupo B, os brasileiros terão pela frente a seleção romena, segunda colocada da chave A. Os vencedores das quartas se classificarão para os Jogos Olímpicos.

Mas nesta sexta-feira também ocorrerá a largada para a última tentativa de classificação olímpica para a seleção masculina de handebol, que fará sua estreia no Pré-Olímpico de Gotemburgo (Suécia), diante dos donos da casa, a partir das 12h (horário de Brasilia). Depois, jogará contra a Hungria (no sábado) e Macedônia (domingo).

Veja também: Goleada sobre a Argentina deixa o Brasil vivo no polo aquático

Depois de fracassar na tentativa de assegurar a vaga nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011, quando perdeu a final para a Argentina, os brasileiros precisão encarar uma missão quase impossível. Aqui neste blog, logo que ocorreu o sorteio dos grupos dos Pré-Olímpicos – outros dois torneios estarão ocorrendo ao mesmo tempo, na Suécia e Croácia -, foi mostrado que o desempenho do Brasil contra seus rivais é terrível: houve somente uma vitória em confrontos diretos, diante da Macedônia, em 1999.

Para complicar ainda mais, a seleção não contará com a presença de seu principal jogador nos últimos anos, Bruno Souza, que sofreu uma séria lesão no joelho e foi cortado da equipe.

A tendência é que o final de semana trará frustrações tanto no polo aquático quanto no handebol masculinos. Qualquer um que conquiste a vaga olímpica pode ser considerado como uma grande zebra.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 7 de março de 2012 Ídolos, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 23:50

Sem Bruno Souza, vaga do handebol masculino fica distante

Compartilhe: Twitter

Nova lesão no joelho afastou Bruno Souza da seleção que disputará o Pré-Olímpico de handebol

Se já era considerada como uma missão praticamente impossível, o sonho da seleção brasileira masculina de handebol de ir aos Jogos de Londres 2012 tornou-se praticamente impossível nesta quarta-feira, com a notícia do corte do armador Bruno Souza. O principal nome da modalidade no Brasil teve confirmada uma nova lesão nos ligamentos cruzados do joelho direito e foi cortado da seleção, que se prepara na cidade de Maringá (PR) para a disputa do Pré-Olímpico da Suécia, em abril.

Aos 34 anos, Bruno retornava à seleção pela primeira vez desde 2009. Ficou ausente do Pan de Guadalajara, também por conta de uma lesão neste mesmo joelho direito. Estava bastante animado com o retorno, mas durante um treino na última segunda-feira, sofreu uma entorse no mesmo local operado em 2011. Agora, terá que passar por nova cirurgia.

Ao contrário da seleção feminina, que conseguiu sua vaga olímpica no Pan de Guadalajara e fez uma brilhante participação no Mundial realizado em São Paulo em dezembro de 2011, terminando na quinta posição, a equipe masculina vive uma fase de transição. Após ver a vaga escapar pelos dedos com a derrota na final do Pan para a Argentina, a seleção masculina contava  com a experiência de Bruno Souza para ao menos sonhar com a possibilidade de brigar por uma das duas vagas no Pré-Olímpico, quando terá pela frente Suécia, Hungria e Macedônia.

Sem Bruno, nem isso sobrou à equipe brasileira. Para o handebol masculino, só resta torcer para que os Jogos Olímpicos de 2016 cheguem rápido!

Autor: Tags: , , ,

sábado, 4 de fevereiro de 2012 Almanaque, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 15:30

Brasil desafia retrospecto ruim no Pré-Olímpico de handebol

Compartilhe: Twitter

O técnico espanhol Javier Cuesta, da seleção masculina de handebol, terá problemas no Pré-Olímpico

Se não bastasse a decepção de ter perdido a chance de classificação direta para os Jogos Olímpicos de Londres 2012, ao ser derrotada pela Argentina na final dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, a seleção brasileira masculina de handebol pegou um grupo “encardido” no Pré-Olímpico mundial da modalidade.

Entre 6 e 8 de abril, os brasileiros vão encarar Macedônia, Hungria e a anfitriã Suécia. Outras oito seleções estarão divididas em mais dois grupos e somente os dois primeiros de cada chave vão para Londres 2012. No caso do Brasil, há ainda um outro problema: o retrospecto contra os seus rivais é simplesmente horroroso.

Veja também: O calendário pré-olímpico do Brasil em 2012

A seleção comandada pelo técnico espanhol Javier Cuesta tem larga desvantagem diante dos seus adversários. Em competições oficiais da IHF (Federação Internacional de Handebol), o Brasil disputou sete partidas diante de seus rivais no Pré-Olímpico, tendo conquistado uma mísera vitória.

Ou seja, o que já seria naturalmente complicado – conquistar uma vaga olímpica diante de países com muito mais tradição no handebol mundial e fora de casa – torna-se quase impossível diante de números tão negativos.

Confira abaixo os confrontos diretos do Brasil com seus adversários no Pré-Olímpico masculino de handebol:

– Suécia 22 x 15 Brasil – Olimpíadas de Barcelona (1992)
– Brasil 21 x 27 Hungria – Olimpíadas de Barcelona (1992)
– Brasil 21 x 29 Suécia – Campeonato Mundial da Islândia (1995)
– Brasil 30 x 27 Macedônia – Campeonato Mundial do Egito (1999)
– Suécia 29 x 21 Brasil – Campeonato Mundial de Portugal (2003)
– Hungria 20 x 19 Brasil – Olimpíadas de Atenas (2004)
– Hungria 36 x 24 Brasil – Campeonato Mundial da Suécia (2011)

Autor: Tags: , , , , , , ,

quarta-feira, 30 de novembro de 2011 Olimpíadas, Pan-Americano, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 22:15

Prata do handebol masculino no Pan 2011 pode custar emprego de treinador espanhol

Compartilhe: Twitter

Jogador brasileiro Bruno Santana lamenta e argentinos festejam na final do Pan de Guadalajara

Ainda não foi totalmente digerida a derrota da seleção brasileira masculina na final do torneio de handebol dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara para a Argentina. Na ocasião, o time brasileiro perdeu por 26 a 23 e além de deixar escapar a conquista do tricampeonato pan-americano, a equipe desperdiçou a melhor chance de se classificar para as Olimpíadas de Londres 2012.

Agora, a última chance do Brasil será disputar um Pré-Olímpico mundial, possivelmente contra fortes equipes europeias que ficarem sem a vaga no Campeonato Europeu, que será realizado em janeiro do próximo ano.

O fato é que dentro da CBHb (Confederação Brasileira de Handebol), a prata do Pan de Guadalajara foi considerada desastrosa. “Eu não escondo de ninguém que estou profundamente decepcionado com o resultado da seleção masculina. Fizemos a melhor preparação da nossa história e deixamos escapar a medalha de ouro e a vaga olímpica”, lamenta Manoel Luiz Oliveira, presidente da CBHb.

Quem convive de perto com o dirigente diz que ele ficou irritadíssimo com a derrota para os argentinos e vem promovendo um rigoroso processo de avaliação do trabalho executado tanto pelos jogadores como pelo treinador espanhol Javier Garcia Cuesta. Embora o técnico conte com bastante prestígio na entidade, não existe 100% de certeza que ele será o comandante brasileiro na disputa do Pré-Olímpico.

“Vamos analisar tudo com muita calma, ver todos os fatores que nos levaram a perder aquela medalha de ouro. Nosso treinador é extremamente competente e com um belo currículo no handebol mundial, mas se chegarmos à conclusão que precisamos fazer mudanças, faremos”, avisou Oliveira.

Como diria um amigo meu, a paella de Garcia Cuesta está cozinhando em fogo altíssimo.

Autor: Tags: , , , , ,