Publicidade

Posts com a Tag Patinação artística

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 Listas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 00:47

Rúgbi vai ao Pan 2015. Veja todos os classificados

Compartilhe: Twitter
Jogadores da seleção brasileira masculina de rúgbi assegurou vaga no Pan de Toronto

Jogadores da seleção brasileira masculina de rúgbi comemoram vaga no Pan de Toronto

Neste domingo, o rúgbi brasileiro assegurou sua classificação para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, que serão realizados a partir de 10 de julho. A vaga veio com o vice-campeonato do torneio Sevens de Mar del Plata, na Argentina, após perder a decisão para o Chile por 7 a 0. Na prática, a vaga veio na partida anterior, quando massacrou o Peru por 26 a 5. Com os classificados deste domingo, o torneio masculino de rúgbi do Pan-Americano terá as presenças de Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, Canadá, Estados Unidos, Guiana e México. O torneio feminino será disputado por Argentina, Brasil, Colômbia, Canadá, Estados Unidos e México.

Confira abaixo todos os classificados do Brasil para o Pan de Toronto 2015:

TOTAL DE VAGAS ASSEGURADAS (até 12/1): 317 vagas

– Atletismo – 24 vagas: Revezamentos masculino e feminino;

– Basquete – 24 vagas: 12 masculinas e 12 femininas;

– Boliche – 4 vagas: 1 dupla masculina e 1 feminina;

– Canoagem Slalom – 6 vagas: 4 masculinas e 2 femininas;

– Canoagem Velocidade – 21 vagas: 12 masculinas e 9 femininas;

– Caratê – 4 vagas: 2 masculinas e 2 femininas;

– Ciclismo – 24 vagas: 15 homens e 09 mulheres;

– Futebol – 18 vagas: Equipe feminina;

– Ginástica artística – 12 vagas: 6 femininas e 6 masculinas;

– Ginástica rítmica – 6 vagas femininas;

– Ginástica Trampolim – 2 vagas: 1 masculina e 1 feminina;

– Handebol – 30 vagas: 15 masculinas e 15 femininas;

– Hipismo – 9 vagas: Equipe de Saltos e Equipe de Adestramento;

– Levantamento de peso – 8 vagas: 3 masculinas e 5 femininas;

– Luta Olímpica – 2 atletas: Gilda Oliveira e Aline Ferreira;

– Natação – 36 vagas: 18 masculinas e 18 femininas, com os revezamentos;

– Patinação artística: 2 vagas: 1 masculina e 1 feminina;

– Pentatlo Moderno – 4 vagas: 2 femininas e 2 masculinas;

– Remo – 18 vagas: 12 masculinas e 6 femininas;

– Rúgbi – 24 vagas: 12 masculinas e 12 femininas;

– Tiro com Arco – 5 vagas: 2 masculinas e 3 femininas

– Tiro Esportivo – Carabina e Pistola – 16 vagas: 10 masculinas e 6 femininas;

– Tiro Esportivo – Prato – 9 vagas: 6 masculinas e 3 femininas;

– Triatlo – 1 vaga feminina;

– Vela – 8 vagas femininas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 16 de outubro de 2014 Histórias do esporte, Imprensa, Pan-Americano, Seleção brasileira | 22:21

“Você não quer assumir a Confederação, não?”

Compartilhe: Twitter
Gustavo casado é campeão mundial de patinação, mas não tem nem Bolsa Atleta para competir no exterior

Gustavo Casado é campeão mundial de patinação, mas tem que pagar do bolso para poder competir

Vez ou outra amigos jornalistas que lecionam em faculdades de jornalismo me convidam para dar uma palestra, seja sobre a profissão, seja para falar de uma cobertura de um mega-evento. Vou a todas que posso com enorme prazer, pois adoro a oportunidade de compartilhar com a moçada mais nova a experiência de tantos anos de estrada. E sempre que o tema permite, eu comento com a plateia que uma das coisas mais gratificantes de se fazer como jornalista esportivo são aquelas matérias com o chamado “mundo alternativo” do esporte, atletas ou modalidades nanicas, que passam longe do glamour de títulos e medalhas. É uma aula ao vivo de reportagem, vale por um curso inteiro de jornalismo.

Mesmo para alguém da velha guarda (os detratores irão dizer da velhíssima guarda), sempre há o que aprender. Esse foi o sentimento que eu tive ao escrever as reportagens publicadas nesta quinta-feira no iG Esporte, retratando as dificuldades que os chamados “primos pobres” do esporte do Brasil enfrentam em sua preparação para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, que serão realizados em julho do ano que vem.

Em uma série de três matérias (a principal está aqui, onde você poderá acessar as demais), é possível perceber quão dura é a vida de modalidades como boliche, beisebol, squash, esqui aquático, caratê e patinação artística, que por não integrarem o programa olímpico, não recebem verbas da Lei Agnelo/Piva, que destina 2% das verbas das loterias federais ao esporte nacional. Sem dinheiro, sobram problemas, sofrem com ausência de patrocinadores e nem apoio do COB (Comitê Olímpico do Brasil) eles têm. Apenas no ano que vem, na reta final para o Pan, poderão ter alguma ajuda, dependendo dos valores disponíveis.

É claro que não há santo nesta história. A maioria absoluta destas confederações sofre não apenas por causa da falta de grana, mas pela própria incompetência administrativa e ausência de novas pessoas que possam dar um novo rumo a estas modalidades. Casos de atletas que, em plena época de Bolsa-Atleta e Bolsa-Pódio – só para citar dois programas de ajuda patrocinados pelo Ministério do Esporte atualmente em vigor-, ainda precisam enfiar a mão no próprio bolso para poder representar o Brasil em competições internacionais, são rotineiros.

Mas voltando ao início deste texto, eu dizia o quanto reportagens como essa são educativas, mesmo para alguém com 30 anos de profissão, e deliciosamente engraçadas também. No universo dos “primos pobres”, falar com o presidente de uma confederação ou com algum atleta é infinitamente mais simples, sem a necessidade de assessores, pedidos formais de entrevista, aquele blábláblá de sempre. O papo flui com naturalidade e muita sinceridade, às vezes até demais. E  no meio daquela entrevista, pode sempre surgir uma situação inesperada.

Foi o que aconteceu quando conversava por telefone com Jorge Otsuka, presidente da CBBS (Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol) desde sua fundação, em 1990. Já havia entrevistado Otsuka em outras ocasiões ao longo destes anos, mas há muito que não conversava com ele. Aí, para quebrar o gelo, logo no começo da entrevista, mostrei meu espanto por ele ainda continuar no cargo. Até que veio a resposta que quase acabou com a entrevista, por causa de um acesso de risos.

“Sim, eu ainda estou por aqui. Ainda. Você não quer assumir a confederação, não?”

Após me recuperar do susto pela resposta do dirigente, eu agradeci e recusei educadamente a nada tentadora oferta.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sábado, 28 de dezembro de 2013 Imagens Olímpicas, Jogos de Inverno, Olimpíadas | 18:12

Conheça os locais de competição de Sochi 2014

Compartilhe: Twitter

Faltam apenas 40 dias para a abertura oficial dos Jogos Olímpicos de inverno em Sochi 2014, marcada para 7 de fevereiro de 2014. Quel tal então conhecer as instalações construídas pelos russos para receber as próximas Olimpíadas?

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 28 de novembro de 2013 Jogos de Inverno, Olimpíadas | 13:43

Mais de 60% dos ingressos para Sochi 2014 já estão vendidos

Compartilhe: Twitter
A procura por ingressos para as Olimpíadas de Sochi 214 tem sido intensa

A procura por ingressos para as Olimpíadas de Sochi 214 tem sido intensa

A despeito das tensões que existem por conta das “Regras de Putin”, não se pode dizer que falta interesse entre os torcedores para acompanhar as disputas das Olimpíadas de inverno de Sochi, na Rússia, a partir do dia 7 de fevereiro de 2014. Segundo informou o comitê organizador dos Jogos, mais de 60% dos ingressos já estão vendidos.

Os bilhetes mais disputados são para as competições de hóquei no gelo, salto de esqui, patinação artística, biathlon e patinação de velocidade em pista curta.

Veja também: Checos lançam uniforme “no gelo”. Veja outras camisas do hóquei que serão usadas em Sochi 2014

Os preços dos ingressos para os Jogos de Sochi 2014 variam de R$ 35,00 (para a categoria C para a arena do hóquei no gelo) e R$ 3.505,00 (o mais caro para acompanhar a Cerimônia de Abertura, no Estádio Olímpico Fisht), em valores convertidos do rublo, a moeda russa. A tabela completa pode ser conferida aqui

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 29 de novembro de 2011 Isso é Brasil | 21:40

Brasília perdeu a sede da Universíade? Ainda bem!

Compartilhe: Twitter

Integrantes da delegação de Taipei comemoram a vitória na escolha da sede para a Universíade de 2017. Sorte de Brasília

Após um período ausente, graças à combinação bastante agitada de plantão + reta final de Brasileirão + preparação de reportagens para o Mundial feminino de handebol (que começa na próxima sexta-feira, em São Paulo e terá especial atenção deste blog), estamos de volta para comentar um fato que passou meio despercebido na imprensa, de modo geral, mas que tem efeitos altamente positivos para a imagem do esporte brasileiro: nesta terça-feira, a cidade de Brasília perdeu para Taipei (Taiwan) a sede da Universíade de verão de 2017, as Olimpíadas do esporte universitário.

Eis que este blogueiro comemora e por pouco não vai pra Av. Paulista festejar!

*** Observação aos leitores de fora de São Paulo: a Paulista ainda é, apesar da polícia proibir, o grande ponto de comemoração das torcidas de futebol nas conquistas de títulos na capital paulista.

Retomando o tema do post, não se trata de qualquer sentimento mesquinho ou bairrista, nem tampouco tenho algo contra os amigos do Planalto Central. Mas se existe um lugar neste país no qual qualquer tentativa de lançamento de candidatura esportiva precisa ser vista com extremo cuidado, este é Brasília.

Primeiro, pelo verdadeiro elefante branco que será erguido para receber meia dúzia de jogos da Copa do Mundo de 2014 e depois ficará às moscas, graças ao anêmico futebol local. Um elefante branco que custará quase R$ 1 bilhão; depois, o vexame protagonizado pela cidade ao “organizar” o Mundial de patinação artística, que teve várias provas adiadas ou canceladas devido às goteiras no Ginásio Nilson Nélson, que não conseguiam suportar as chuvas que caíram na cidade; por fim, o simples fato de o governador de Brasília ser Agnelo Queiroz.

Este cidadão, para quem tem fraca memória, foi um dos responsáveis pela farra feita na organização do Pan de 2007, no Rio, aquele que custou quase R$ 4 bilhões, para ter “padrão olímpico” e que vê seus equipamentos milionários serem subutilizados.  Agnelo Queiroz é o mesmo cidadão que ganhou dos jogadores da seleção brasileira de futebol o nada  edificante apelido de “medalhão”, após subir ao pódio para festejar a conquista (e receber a medalha) da Copa América de 2004. Agnelo Queiroz é o mesmo que viajou para os Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo 2003 com despesas pagas pelo COB (Comitê Olímpico Brasileir0) e com diárias recebidas do próprio Ministério do Esporte, pasta à qual era o titular.

Por tudo isso, os cidadãos de Brasília não precisam lamentar a derrota de 13 a 9 para Taipei, durante o congresso da Fisu (Federação Internacional de Esporte Universitário). Muito pelo contrário. Afinal, só a candidatura da cidade, conforme informou o ótimo blog do jornalista José Cruz, custou mais de R$ 3 milhões. O próprio Cruz estimou que a Universíade de 2017 não custaria menos do que R$ 4 bilhões, graças à carência absoluta da cidade em infraestrutura esportiva. O vexame seria inevitável.

Por tudo isso, repito o título do post: ainda bem que Brasília não foi escolhida para sede da Universíade de 2017!

Autor: Tags: , , , , , , ,