Publicidade

Posts com a Tag Ministério do Esporte

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 22:11

O final feliz de Adriana Araújo e a arte de engolir sapos

Compartilhe: Twitter
Mauro José da Silva, Adriana Araújo e Ricardo Leyser, secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte: cachimbo da paz

Mauro José da Silva, Adriana Araújo e Ricardo Leyser, secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte: cachimbo da paz no boxe olímpico do Brasil

A definição do retorno à seleção brasileira de Adriana Araújo, medalhista de bronze na categoria até 60 kg no boxe feminino das Olimpíadas de Londres 2012, não poderia vir em melhor hora para o Brasil. Ainda sem ter assimilado a decisão dos irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão em optarem pelo profissionalismo, a CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe) finalmente recebeu um alento.

Ao lado de Everton Lopes e Robson Conceição, Adriana passa a se tornar, agora com seu retorno assegurado à seleção, em mais uma esperança real de medalha para o Brasil nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Classificada em terceiro lugar no ranking mundial da Aiba (Associação Internacional de Boxe Amador), Adriana Araújo tem enorme potencial para repetir o pódio de Londres ou até mesmo ir mais além.

E pensando no tal plano Brasil Medalhas (que inspirou a criação do Bolsa Pódio), o  Ministério do Esporte não queria de forma alguma ver de fora da equipe nacional nas Olimpíadas um talento como o da lutadora baiana. A meta brasileira, não se esqueçam, é ousada: deixar o país no top 10 do quadro de medalhas em 2016, o que sginificaria terminar os Jogos com cerca de 30 medalhas. Em Londres 2012 foram 17 o total de medalhas brasileiras.

Se do ponto de vista técnico o “acordo de paz” entre Adriana Araújo e Mauro José da Silva, presidente da CBBoxe, foi excelente, fico curioso para saber o saldo que a reunião desta quarta (antecipada aqui no blog) irá causar nas partes envolvidas.

Tanto o dirigente quanto a boxeador baiana são conhecidos pelo gênio forte. O próprio iG registrou, em sua cobertura nas Olimpíadas de Londres, as fortes palavras ditas por Adriana em relação a Silva. “Essa medalha é para calar a boca dele. Ele tentou me tirar da seleção, disse que eu não me classificaria e que não tinha condições de estar aqui. Mas vim e conquistei a medalha de bronze. Ele precisa aprender a valorizar os atletas do Brasil”, disse a boxeadora, logo após ganhar a medalha de bronze olímpica.

Em abril de 2013, quando a saída de Adriana da seleção foi definida, Mauro José da Silva deu o troco na atleta e já tinha a resposta na ponta da língua para justificar o corte: indisciplina. “Ela queria ficar na Bahia, com o técnico dela, mas em janeiro apresentou-se 14 kg mais gorda. Já tínhamos permitido isso outras duas vezes e os resultados foram terríveis”, afirmou na época ao blog.

Nesta quarta-feira, como demonstra a foto feita pela secretaria de alto rendimento do ministério do esporte, que intermediou o acordo, o clima era de paz e amor. “Nunca tive problemas com a CBBoxe. Sempre tive boa relação com as pessoas que trabalham lá. Em minha trajetória na seleção, consegui ser campeã em vários torneios e, com isso, alcancei uma boa pontuação”, disse Adriana, esquecendo-se do que havia declarado menos de dois anos atrás.

Neste ano haverá o Mundial feminino de boxe e certamente Adriana Araújo, se estiver em forma, é candidata à medalha. Vamos aguardar para ver se os sapos que a baiana e o dirigente engoliram na definição deste acordo valeram a pena.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 22:42

Novela entre CBBoxe e Adriana Araújo tem novo capítulo

Compartilhe: Twitter
Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Será nesta quarta-feira, na sede do Ministério do Esporte, em Brasília, a reunião em que poderá ser sacramentada a paz entre a CBBoxe e a lutadora Adriana Araújo, primeira brasileira a conquistar uma medalha (bronze na categoria até 60 kg) no boxe feminino olímpico, em Londres 2012. Desde o ano passado, o Ministério tenta articular um acerto entre a entidade e Adriana, que entraram em rota de colisão ainda nas Olimpíadas.

Mesmo tendo conquistado um resultado inédito e histórico, Adriana Araújo não economizou nas críticas ao presidente da CBBoxe, Mauro José da Silva, acusando-o de ter tentado tirá-la da seleção feminina antes do Pré-Olímpico. Em abril do ano passado, a lutadora foi excluída da equipe feminina, sob alegação de estar acima do peso e demonstrar indisciplina com os treinadores.

SAIBA MAIS SOBRE O BOXE OLÍMPICO DO BRASIL

>>> Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra
>>> Ministério do Esporte tenta acordo de paz entre CBBoxe e Adriana Araújo
>>> Esquiva também se torna profissional e abre crise no boxe

A reunião desta quarta-feira, que deverá começar por volta das 15h, no gabinete do secretário de alto rendimento do Ministério, Ricardo Leyser, será a terceira desde que a crise começou. Desta vez, parece que Adriana Araújo está disposta a ceder em algumas posições que antes pareciam irredutíveis. Ela, por exemplo, exigia treinar em Salvador, sob o comando de Luiz Carlos Dórea, e não treinar com o restante da equipe, em São Paulo.

Resta saber se o presidente da CBBoxe também irá recuar de sua decisão de não mais aceitar Adriana na seleção. Para o ministério, a presença da lutadora é importante no projeto brasileiro de conquistar o maior número de medalhas possíveis nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e terminar no top 10 do quadro de medalhas.

Importante lembrar que mesmo fora da seleção brasileira feminina há quase um ano, Adriana Araújo ainda é a terceira colocada no ranking mundial da Aiba (Associação Internacional de Boxe Amador) na categoria até 60 kg.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Listas, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:03

Uma breve reflexão sobre números e medalhas

Compartilhe: Twitter
Seleção feminina de handebol comemora a conquista do inédito título mundial na Sérvia

Seleção feminina de handebol comemora o inédito título mundial na Sérvia

Neste primeiro post de 2014, creio ser ainda ser necessário comentar sobre um fato que acabou passando batido por aqui no final do ano recém-encerrado: a campanha dos esportes olímpicos do Brasil em 2013, que cravaram o melhor desempenho do país no primeiro ano pós-olímpico desde 2000. Graças aos diversos mundiais que estiveram em disputa na última temporada, o Brasil conseguiu um total de 27 medalhas em modalidades presentes no programa olímpico, feito nunca antes alcançado. Antes disso, a melhor marca havia sido alcançada em 2005, um ano após as Olimpíadas de Atenas 2004, com 11 medalhas.

Destas 27 medalhas, oito delas foram de ouro, a última delas conquistada de forma brilhante pela seleção feminina de handebol, campeã mundial diante da Sérvia, em dezembro. Os demais ouros de 2013 vieram com César Cielo (natação – 50 m livre); Arthur Zanetti (ginástica artística – argolas); Rafaela Silva (judô – 57 kg); Jorge Zarif (vela – classe Finn); Robert Scheidt (vela – classe Laser); Poliana Okimoto (maratonas aquáticas – 10 km); e vôlei feminino (Grand Prix).

Diante do ótimo resultado, tanto o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) quanto o Ministério do Esporte – um dos principais financiadores do esporte olímpico nacional, através do Bolsa Atleta e Bolsa Pódio, entre outros convênios – trataram de enaltecer o feito, lembrando em comunicados à imprensa que o Brasil terminou 2013 no oitavo lugar em um hipotético quadro de medalhas envolvendo as competições olímpicas no ano passado. Coincidentemente, o resultado está dentro da meta estabelecida, tanto pelo COB como pelo Ministério, para as Olimpíadas de 2016, no Rio, quando se espera que o país termine os Jogos entre os dez primeiros.

>>> Leia ainda: O dia em que o handebol deixou de ser ‘pé de página’ no Brasil

Mas por uma questão de padronização, esse 8º lugar deveria ser tratado como um 10º lugar. Antes da minha justificativa, uma rápida historinha olímpica…

A extinta União Soviética fez sua estreia em Olimpíadas nos Jogos de Helsinque, em 1952. Em plena Guerra Fria com os Estados Unidos, os soviéticos queriam aproveitar sua primeira participação olímpica para também fazer propaganda do regime comunista. E em sua Vila Olímpica particular (a delegação não quis se misturar com os demais atletas) os dirigentes da URSS instalaram na entrada um quadro onde computava as medalhas que eram conquistadas por seus atletas, em comparação às dos americanos. Era o primeiro quadro de medalhas da história das Olimpíadas. A partir de então, a imprensa passou a publicar listas com o total de medalhas conquistadas a cada edição dos Jogos. Mas essa é uma classificação extra-oficial.

Se você procurar no site do COI (Comitê Olímpico Internacional), não irá encontrar qualquer quadro de medalhas, pois a entidade considera apenas os campeões olímpicos de cada prova. Não sou hipocritamente purista como os nobres membros do COI e considero natural que a imprensa crie uma forma de classificar os ganhadores de medalhas nos Jogos Olímpicos. Porém, é bom deixar claro que oficialmente essa classificação não existe.

>>> Veja também: Mundial de Barcelona coinsagra Cielo, Thiago e Poliana, mas também merece uma reflexão

Os quadros de medalha olímpicos têm em geral sua classificação feita pelo tipo de medalha conquistada: primeiro, ouro, depois a prata, em seguida o bronze e por fim o total de medalhas. Mas é claro que os critérios mudam de acordo com o gosto do freguês. Assim ocorreu com vários veículos de comunicação dos EUA, que começaram a fazer a classificação de seus quadros pelo total de medalhas de Pequim 2008, justamente quando os ouros chineses deixaram as conquistas americanas para trás. No final, a China teve 51 ouros (100 no total) e os EUA faturaram 36 ouros (e 110 no total).

Volto a reforçar: para o COI, essa classificação não tem a menor importância!

No quadro de medalhas olímpicas de 2013 do COB, o critério usado é pelo total de medalhas obtidas. Assim, Japão (dez ouros), Coréia do Sul e Hungria (nove ouros cada um) aparecem atrás do Brasil, que levando em conta a classificação habitualmente adotada pela mídia, ficaria atrás destes três países, mas ainda assim estaria à frente da Austrália ( sete ouros no ano passado), que no quadro original ficou à frente do Brasil.

>>> E mais: O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

Como diz o título do post, o objetivo foi fazer com que uma pequena reflexão seja feita diante dos excelentes resultados obtidos pelos atletas brasileiros no ano que passou. Estamos no caminho certo, mas muito longe ainda de poder apontar o país como uma “potência olímpica”, como alguns mais fanáticos podem pensar.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

domingo, 22 de dezembro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 17:55

O dia em que o handebol deixou de ser ‘pé de página’ no Brasil

Compartilhe: Twitter
Jogadoras do Brasil comemoram o momento em que a capitã Dara recebe a taça de campeão do mundo

Jogadoras do Brasil comemoram o momento em que a capitã Dara recebe a taça de campeão do mundo

Atualizado

22 de dezembro de 2013

Guarde bem esta data, pois foi neste dia que o handebol do Brasil deixou a condição de “primo pobre”, “recreação escolar” ou mesmo nota de pé de página, como se costuma falar no jargão jornalístico nas redações. Ao conquistar de maneira emocionante o Campeonato Mundial feminino, ao derrotar na decisão a Sérvia por 22 a 20, que jogava em casa e embalada por 20 mil torcedores, a seleção brasileira, literalmente, entrou para a história.

E não foi uma conquista ao acaso. O Brasil terminou o Mundial invicto, com nove vitórias ao longo da competição. Nesta caminhada vitoriosa, precisou superar um jogo emocionante contra a Hungria, nas quartas de final, com direito a duas prorrogações, e bateu a Dinamarca na semifinal, país com muito mais tradição neste esporte e que já foi tricampeão olímpico. Sem falar que derrotou duas vezes as sérvias, donas da casa.

Também não se pode falar que o handebol é um esporte sem apoio no Brasil. A maioria absoluta da seleção feminina atua no handebol europeu, em particular no clube Hypo, da Áustria, em parceria com a CBHb (Confederação Brasileira de Handebol), que banca parte dos salários das atletas. Há também diversos convênios firmados com o Ministério do Esporte, visando a preparação para as Olimpíadas do Rio, em 2016. Apenas para as preparações de Londres 2012 e Rio 2016, a seleção feminina teve R$ 5,4 milhões, além dos patrocínios do Banco do Brasil e Correios. Tudo somado, chega-se a R$ 9, 4 milhões.

Como não se faz campeão sem ídolos, neste Mundial o Brasil teve a melhor jogadora do torneio (a armadora Duda Amorim) e a segunda artilheira da competição, Alexandra Nascimento, com 54 gols, sem contar que a goleira Babi fez parte da seleção do Mundial, embora a reserva Mayssa Pessoa também tivesse uma atuação brilhante.

Um time que teve até uma jogadora que precisou superar a incerteza se voltaria a jogar, como foi o caso de Dani Piedade, que sofreu um AVC no ano passado mas que conseguiu se recuperar e ser um dos destaques do time.

Tudo isso sob o comando com competência por um dinamarquês “com alma de baiano”, como o próprio técnico Morten Soubak se define, ele que é casado com uma brasileira e que dirige a seleção desde 2009.

Uma medalha que veio com dois anos de atraso, depois de ficar em quinto lugar no Mundial de São Paulo, e ainda ficar no “quase” em Londres 2012, quando a seleção foi eliminada nas quartas de final das Olimpíadas pela Noruega, que seria medalha de ouro.

Depois deste 22/12/2013, o handebol no Brasil nunca mais será pé de página. Pode apostar.

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013 Ídolos, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva, Seleção brasileira | 23:24

Uma reflexão sobre o desabafo de Esquiva Falcão

Compartilhe: Twitter
Crédito: Daniel Ramalho/AGIF/COB

Esquiva Falcão comemora a conquista da medalha de prata nas Olimpíadas de Londres

Nesta última terça-feira, o boxeador Esquiva Falcão convocou uma entrevista coletiva em São Paulo, onde falou sobre sua estreia no boxe profissional. Após assinar contrato com a empresa Top Rank, a mesma que gerencia a carreria do peso médio filipino Manny Pacquiao, um dos ídolos da modalidade, ele já se prepara para fazer sua estreia no profissionalismo, entre janeiro e fevereiro de 2014, em combate que deve ser realizado nos EUA ou China.

Entre tantas incertezas, só se sabe de uma coisa: ao optar por tornar-se profissional, Esquiva Falcão abriu mão automaticamente de disputar as Olimpíadas de 2016, no Rio. Em Londres 2012, ele foi prata entre os médios.

O detalhe importante na entrevista coletiva, registrada pelo companheiro Maurício Nadal, do iG Esporte, foi a mágoa que Falcão demonstrou das autoridades brasileiras. Ele mostrou-se inconformado com a demora na liberação do Bolsa Pódio, programa criado pelo Ministério do Esporte e que auxilia na preparação dos atletas brasileiros para os Jogos de 2016, podendo pagar até R$ 15 mil/mês, de acordo com a classificação do atleta. “Não sei porque demorou tanto, gostaria de saber essa resposta”, afirmou o boxeador, que ainda acusou o Ministério de privilegiar outras modalidades, como atletismo, vôlei, basquete e judô, chamando-as de “queridinhas”.

Bem, a resposta que o boxeador brasileiro queria veio menos de 24 horas depois. Em longa nota (que pode ser conferida aqui), publicada em seu site, o Ministério do Esporte rebateu todas as reclamações do boxeador. De forma resumida, disse que o Bolsa Pódio segue um cronograma administrativo, com planos esportivos que precisam ser aprovados antes da liberação de verbas, disse que não privilegia nenhuma modalidade e que todos os planos esportivos do boxe (desde julçho deste ano) precisaram ser refeitos.

Isto posto, cabem algumas reflexões sobre o assunto:

1) Esquiva Falcão tem razão em reclamar na demora da liberação do Bolsa Pódio. É BUROCRACIA DEMAIS. Uma vez, ao comentar sobre isso com um funcionário do Ministério, escutei a seguinte reclamação: “Se não criamos as regras, vocês [jornalistas] dizem que não fiscalizamos o uso do dinheiro público. Quando criamos, dizem que é burocracia”. Eu respondi que a fiscalização precisa existir, óbvio, mas os recursos deveriam chegar aos atletas de forma mais rápida. Lembrem-se, faltam menos de três anos para o Rio 2016…E o programa foi lançado em setembro de 2012, pela presidenta Dilma Rousseff;

2) O Ministério do Esporte tem razão em boa parte de suas justificativas. Burocracia à parte, se as regras existem, precisam ser cumpridas. E se outras confederações as cumprem, por que seria diferente com o boxe? A lei precisa ser igual para todos (por mais que eu discorde dos critérios e demora para a liberação dos recursos);

3) A CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe) precisa se organizar melhor. Boa parte dos erros apontados nos projetos esportivos foram cometidos pela entidade. Além disso, integrantes do Ministério do Esporte tentaram por um bom tempo promover a paz entre a entidade e a boxeadora Adriana Araújo, cortada da seleção feminina no começo do ano, após desentendimentos com o presidente Mauro José da Silva. Por enquanto, nada feito.

O resultado de toda essa confusão é um belo prejuízo nas chances de conquista de medalhas para o boxe brasileiro nos Jogos de 2016.

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 26 de novembro de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas, Política esportiva | 13:18

Reativação do Célio de Barros esbarra na burocracia

Compartilhe: Twitter
O que restou do Célio de Barros, antes de ser poupado da destuição total pelo governador Sergio Cabral

O que restou do Célio de Barros, antes de ser poupado da destuição total pelo governador Sergio Cabral

Salvo de virar um belo estacionamento para os “reis dos camarotes” do remodelado Maracanã, muito por causa do temor do governador Sérgio Cabral diante dos protestos de junho, o estádio de atletismo Célio de Barros ainda não sabe quando voltará à ativa. Na verdade, sua reconstrução esbarra na velha e boa burocracia da máquina pública.

Ao contrário do vizinho Parque Aquático Júlio Delamare, que também escapou de ser demolido e tornou-se uma das sedes dos esportes aquáticos para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio – o local receberá as competições da fase preliminar do polo aquático -, o Célio de Barros servirá, no máximo, como pista auxiliar de treinamento para os atletas durante as Olimpíadas. Mas independentemente de virar ou não um equipamento olímpico, a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) conta com sua completa reforma para utilizá-lo em competições nacionais ou internacionais.

Relembre: Foi a ‘reflexão’  de Sérgio Cabral ou as pesquisas eleitorais que salvaram o Célio de Barros?

“Será necessário reconstruir o Célio de Barros. Só não derrubaram a arquibancada”, afirmou ao blog o presidente da CBAt, José Antonio Martins Fernandes, o Toninho. Segundo ele, o cenário atual do mais tradicional estádio do atletismo brasileiro é desolador. A reconstrução do Célio de Barros, porém, depende da liberação de verbas. De acordo com o secretário de esportes do Rio, André Lazaroni, o custo da reforma seria de R$ 10 milhões. O governo carioca solicitou uma ajuda ao Ministério do Esporte, que mostrou interesse em ajudar na reforma.

A liberação desta verba, contudo, depende do envio do projeto da reforma do estádio por parte do governo do Rio, para as devidas análises de engenharia e orçamento. Só então os recursos para a reconstrução do Célio de Barros estarão disponíveis. O prazo inicial previsto para a obra é de seis meses.

Enquanto a burocracia não termina, o Célio de Barros fica ali, quietinho em seu canto, esperando voltar a funcionar. Sabe-se lá quando.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 5 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 18:06

Ministério do Esporte tenta acordo de paz entre CBBoxe e Adriana Araújo

Compartilhe: Twitter
Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Às vésperas do anúncio dos atletas do boxe que serão contemplados pelo programa Bolsa Pódio neste ano – Everton Lopes, Esquiva Falcão e Robenílson de Jesus – o Ministério do Esporte tenta, em outra trincheira, evitar um desfalque importante na equipe brasileira que irá competir nas Olimpíadas do Rio, em 2016. Desligada oficialmente desde abril da seleção brasileira, Adriana Araújo, que foi medalha de bronze na categoria até 60 kg nos Jogos de Londres 2012 (a primeira do país na modalidade desde os Jogos da Cidade do México, em 1968) está em guerra aberta com o presidente da CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe), Mauro José da Silva.

Pessoas dentro do Ministério tentam de qualquer forma promover uma espécie de “cachimbo da paz” entre a CBBoxe e Adriana. O objetivo é não enfraquecer a equipe feminina que se prepara para os Jogos de 2016, especialmente com uma atleta que é considerada uma das melhores do mundo na modalidade. Mas está difícil que uma das partes dê o primeiro passo em direção a algum tipo de reconciliação. Várias reuniões foram realizadas, em São Paulo e Brasília, porém todas sem resultado positivo.

>>> RELEMBRE: Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra

Após os Jogos de Londres, Adriana fez pesadas críticas a Mauro, acusando-o de ter tentado tirá-la da seleção antes do Pré-Olímpico. Já o dirigente argumentou que a atleta foi displicente ao se reapresentar acima do peso no início desta temporada e se recusar a treinar em São Paulo, preferindo treinar em Salvador, com seu técnico Luiz Carlos Dórea.

A intransigência pode tirar do boxe brasileiro uma de suas maiores chances de medalha nas Olimpíadas do Rio.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 22 de outubro de 2013 Imprensa, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 14:14

Pressão do Ministério do Esporte sobre a Confederação de Ginástica já começou

Compartilhe: Twitter
Seleção brasileira de ginástica artística fechou contrato de patrocício com a Adidas

Seleção brasileira de ginástica artística fechou contrato de patrocício com a Adidas

Conforme antecipado pelo blog na última sexta-feira, o recado enviado pelo Ministério do Esporte à CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), cobrando uma melhor gestão da entidade para a modalidade, já se tornou uma pressão declarada. O secretário de Alto Rendimento no ministério, Ricardo Leyser, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira, disse que espera até o início de 2014 para ver mudanças radicais na administração da CBG.  Do contrário, mudará a forma de repasse das verbas do governo.

Se confirmado, será um golpe duríssimo na entidade que comanda a ginástica artística brasileira, que assim como todas as demais, recebem valores altíssimos em verbas públicas, seja pela Lei Agnelo/Piva (com as cerbas das loterias), seja pelos convênios assinados com o Ministério do Esporte. Só das loterias, a CBG deverá receber R$ 3,3 milhões em 2013. Uma das formas que o governo pode fazer para passar os recursos aos atletas seria via COB (Comitê Olímpico Brasileiro) ou por patrocínio direto.

A entidade, hoje com sede em Aracaju e comandada por Maria Luciene Resende , não pode reclamar de falta de recursos. Conta com patrocínio de R$ 8 milhões da CAixa Econômica Federal e fechou recentemente um contrato de fornecimento de material esportivo com a Adidas. Em compensação, não vem investindo corretamente na renovação – a ponto de ter tido apenas duas atletas femininas classificadas para o último Mundial da Antuérpia, uma delas a veterana Daniele Hypólito – e enfrentado vexames em campeonatos na base. Como no último Brasileiro júnior, onde não havia médico de plantão para atender um atleta que sofreu uma fratura.

Na linguaguem do futebol, a CBG está pendurada com dois cartões amarelos.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 18 de outubro de 2013 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 18:13

Via Zanetti, Governo manda recado para Confederação de ginástica

Compartilhe: Twitter
O secretário de Alto Rendimento, Ricardo Leyser, conversa com Arthur Zanetti

O secretário de Alto Rendimento, Ricardo Leyser, conversa com Arthur Zanetti: planos para 2016 e bronca na CBG

Nesta última quinta-feira, o ginasta campeão olímpico e mundial das argolas, Arthur Zanetti, visitou o Ministério do Esporte, onde encontrou-se com o secretário nacional de Alto Rendimento, Ricardo Leyser. Há cerca de dez dias, o técnico de Zanetti, Marcos Gotto, não poupou críticas à falta de estrutura para seu pupilo e os demais ginastas que treinam em São Caetano do Sul, sobre as condições dos equipamentos disponíveis e também sobre a falta de um centro de treinamento nacional para a ginástica artística brasileira (confira a reportagem do iG sobre o assunto).

Segundo o blog apurou, na época as declarações não foram bem recebidas por Leyser, que lembrava a interlocutores que o ginasta participa do programa Bolsa-Atleta e também será contemplado pelo programa Bolsa Pódio, para auxílio na preparação visando as Olimpíadas do Rio 2016, possivelmente no valor máximo mensal previsto de R$ 15 mil. Por conta desta irritação do secretário, esperava-se que no encontro o ginasta acabasse escutando algum tipo de repreensão endereçada ao seu treinador, mas isso não ocorreu.

“Houve uma boa conversa, o Zanetti deu opiniões a respeito dos projetos que estão sendo encaminhados, tanto para ele, que é uma das apostas do ministério para os Jogos do Rio, quanto para a ginástica artística. Em resumo, zeramos tudo e agora já estamos pensando em 2016”, afirmou um interlocutor, em conversa com o blog.

Mas o governo aproveitou o encontro para passar um recado claro à CBG (Confederação Brasileira de Ginástica). A entidade, que não tem competência para colocar um médico de plantão em um simples campeonato juvenil, ou que vê clubes privados, como o Náutico União, tendo projetos de importação de equipamentos de ponta aprovados, levou um pito de Leyser.

“Vamos conversar com a CBG para avaliar a situação e verificar medidas corretivas, mas entendo ser necessária uma ação conjunta e mais incisiva do Ministério, do Comitê Olímpico Brasileiro e da Caixa – patrocinadora da modalidade – para melhorar a gestão da confederação, sobretudo nas ações de preparação da seleção para os Jogos Olímpicos de 2016”, disse o secretário de Alto Rendimento.

Abre o olho, CBG…

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 10 de outubro de 2013 Mundiais, Seleção brasileira | 08:00

Brasil recebe equipamento inédito para a ginástica artística. Pena que chegou depois do Mundial

Compartilhe: Twitter
Novo aparelho de solo, de última geração, adquirido pelo Grêmio Náutico União

Novo aparelho de solo, de última geração, adquirido pelo Grêmio Náutico União

Após encerrar sua participação no Mundial de ginástica artística, que terminou no último domingo em Antuérpia, o brasileiro Diego Hypólito comentou a diferença que sentiu nos equipamentos que estavam à disposição na competição, em especial o solo. Pois um equipamento idêntico ao utilizado na Bélgica chegou ao Brasil esta semana. Mas com um “pequeno” atraso, não é?

O Grêmio Náutico União, de Porto Alegre, recebeu nesta última segunda-feira uma série de equipamentos de última geração para a ginástica artística, fruto de um convênio firmado com o Ministério do Esporte, no valor de R$ 3,2 milhões.

Entre o lote, composto por argolas, cavalo com alça, barras assimétricas etc (além de equipamentos para esgrima, remo e natação também), está um aparelho para solo da marca Moscow. Fabricado na Alemanha, o equipamento (que teve modelo idêntico usado no Mundial) é composto por molas de uma qualidade especial e que fazem toda a diferença para o ginasta. “O Diego comentou que é uma mudança brusca no treino. Acho que até eu vou voltar a treinar”, disse o ex-atleta olímpico Mosiah Rodrigues, comentarista do Sportv durante o Mundial e que treinou no clube gaúcho.

Veja também: O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

É excelente que um clube brasileiro tenha condições, mesmo com a ajuda do Ministério do Esporte, para adquirir equipamentos de primeira linha no esporte mundial. Isso já contribuí no treinamento e preparação de seus atletas de alto rendimento, além de ajudar a fomentar o esporte nas categorias de base. Mas cá entre nós, é lamentável que apenas atletas de um clube tenham à disposição condições dew trabalho tão favoráveis.

Será que o tão famoso “legado olímpico” que tanto ficam alardeando será permitir que as confederações esportivas brasileiras tenham centros de treinamento decentes e com equipamentos de última geração?

Quem viver, verá.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Última