Publicidade

Posts com a Tag Liga de Diamante

quinta-feira, 28 de agosto de 2014 Ídolos, Seleção brasileira | 23:47

Bi na Liga de Diamante rende R$ 179 mil a Fabiana Murer

Compartilhe: Twitter
Fabiana Murer exibe o troféu  após conquistar o título da Liga de Diamante no salto com vara

Fabiana Murer exibe o troféu após conquistar o título da Liga de Diamante

A brilhante vitória de Fabiana Murer nesta quinta-feira, que conquistou o bicampeonato da Liga de Diamante na prova do salto com vara, em Zurique (SUI), foi um dos resultados mais importantes do atletismo brasileiro em 2014, ao lado de Mauro Vinícius da Silva, o Duda, que também faturou o bi no Mundial indoor (pista coberta) na prova do salto em distância, no mês de março, na Polônia.

Em primeiro lugar, a vitória da brasileira ocorreu na competição mais badalada do atletismo mundial e que reúne as principais estrelas da modalidade. Além disso, comprovou a boa fase de Fabiana na temporada, que levou o título com a ótima marca de 4,72 m, embora já tivesse alcançado os 4,80 m na etapa de Nova York, em junho. Se tudo isso não bastasse, Fabiana Murer ainda conseguiu deixar para trás a campeã olímpica de Londres 2012, a norte-americana Jennifer Suhr, que ficou em segundo na Liga.

E o bicampeonato em Zurique serviu para rechear um pouco mais o bolso da brasileira. As quatro vitórias (Nova York, Glasgow, Monaco e desta quinta) renderam um total de US$ 40 mil para Fabiana, que ainda recebeu um prêmio geral de US$ 40 mil pelo título. Ou seja, pouco mais de R$ 179 mil seguindo a cotação desta quinta-feira. Nada mal, hein?

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 19 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 21:21

CBAt ainda sonha com etapa da Liga de Diamante no Brasil

Compartilhe: Twitter
José Antonio Fernandes enviou pedido oficial à Oaaf para realizar a Liga Diamente no Brasil

José Antonio Fernandes enviou pedido oficial à Oaaf para realizar a Liga Diamente no Brasil

Segue muito vivo o sonho brasileiro de receber uma etapa da Liga de Diamante, o mais badalado e milionário torneio do atletismo mundial. Nesta terça-feira, o presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, confirmou que enviou uma carta à Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) solicitando que o Brasil receba uma das etapas da competição e ver de perto algumas das estrelas do atletismo mundial, como, por exemplo, o jamaicano Usain Bolt.

Se o pedido for aceito, a etapa da competição aconteceria apenas em 2015. A Liga e a Iaaf irão reformular o calendário no próximo ano, o que abriria a possibilidade de incluir uma nova prova, Mas a etapa brasileira, caso aconteça, iria substituir alguma já existente.

Duas ameaças aparecem para atrapalhar o sonho de Fernandes: a concorrência dos países árabes, que têm interesse em levar novas etapas para a região, e o local onde a prova aconteceria. Impossibilitado de usar o Engenhão, que está em reforma para as Olimpíadas do Rio, restaria ao Brasil organizar a etapa em São Paulo, no Estádio Ícaro de Castro Mello, no Ibirapuera.

>>>Em julho, CBAt já falava sobre a possibilidade do Brasil receber a Liga de Diamante. Confira

O custo para organizar o evento, segundo Toninho, seria entre US$ 3, 5 e US$ 4 milhões. Segundo o dirigente, as garantias finaceiras já estão asseguradas, graças aso patrocinadores da CBAt, além do apoio da TV Globo, que detém os direitos de transmissão das competições de atletismo no Brasil.

Enquanto não sabe se irá ou não receber a Liga de Diamante, a CBAt já tem confirmadas as realizações de duas etapas do Campeoanto Ibero-Americano de atletismo. Uma em São Paulo, em 2015, e outra em 2016, como evento-teste das Olimpíadas do Rio, no Engenhão. “Tem que ser no Engenhão, não há nem o que discutir”, disse Toninho.

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 23 de agosto de 2012 Ídolos, Olimpíadas | 22:56

Yohan Blake, o homem mais rápido do mundo. Entre os mortais

Compartilhe: Twitter

Yohan Blake comemora a vitória e sua marca histórica nos 100 m em Lausanne

Atualizado

Caro(a) leitor (a), não estranhe o título do post. No mundo real, dos mortais, é o jamaicanoYohan Blake quem pode ostentar o título de homem mais rápido do mundo. Sim, porque entre os extra-terrestres, a honraria pertence ao seu compatriota Usain Bolt, seis medalhas de ouro olímpicas no currículo e bicampeão dos 100 e 200 m rasos, repetindo um feito que ninguém alcançava desde Carl Lewis. Mas é bom que Bolt coloque as barbas de molho…

Nesta quinta-feira (23), Yohan Blake venceu com sobras a prova dos 100 m rasos, válida pela etapa de Lausanne (Suíça) da Liga de Diamante. O mais importante, contudo, foi a forma com que ele conseguiu o triunfo: ao cravar o tempo de 9s69, o jamaicano tornou-se o terceiro homem mais rápido do mundo na distância. Atrás somente de duas marcas obtidas justamente por Bolt, o recorde mundial da prova (9s58), de 2009, e o tempo que lhe deu o ouro em Londres 2012 (9s63).

Detalhe bastante relevante nesta estatística: Blake também detém o quarto e quinto tempos mais rápidos nos 100 m rasos em todos os tempos, com 9s75, obtidos na seletiva olímpica jamaicana, em junho deste ano, e nos próprios Jogos de Londres, quando levou a medalha de bronze. Vale lembrar que o americano Tyson Gay também cravou um tempo de 9s69 em 2009, em Xangai, mas com ajuda do vento de 2.0 m/s, acima do limite estabelecido pela IAAF (Associação das Federações Internacionais de Atletismo).

Com apenas 22 anos, Yohan Blake deu o azar de ter nascido na mesma época de Usain Bolt. O próprio colega de equipe costuma brincar sobre isso em entrevistas, quando deseja ressaltar sua supremacia nos 100 m. Mas acho que até mesmo Bolt já sentiu que não irá demorar muito tempo para que Blake o deixe para trás.

Vale lembrar que no Mundial de Daegu, no ano passado, Blake levou o título, beneficiado pela desclassificação de Bolt, após queimar a largada. E na seletiva jamaicana, Blake ficou em primeiro e Bolt, em terceiro. O bicampeão olímpico reconheceu em Londres que o desempenho do rival serviu para “acordá-lo” antes das Olimpíadas.

Portanto, se o trono de Usain Bolt continua inatingível por enquanto, é conveniente que ninguém se espante com o dia em que ele passar a ser ocupado por Yohan Blake. E pode ter certeza que este dia irá chegar.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 5 de junho de 2012 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 15:14

Bolt e Isinbayeva no Brasil? Talvez em 2014

Compartilhe: Twitter

Usain Bolt correndo no Brasil antes dos Jogos de 2016? Sim, isso pode acontecer

O sonho de contar com grandes estrelas do atletismo mundial competindo no Brasil poderá ocorrer antes mesmo da realização das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. O futuro presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, atual mandatário da FPA (Federação Paulista de Atletismo) tem como uma das metas de sua nova administração, que começará em fevereiro do ano que vem, acertar para que o Brasil receba uma etapa da Liga de Diamante, o circuito mais importante de provas da IAAF (Associação das Federações Internacionais de Atletismo). E isso poderia ocorrer já em 2014.

“Estive em Eugene, acompanhando a Fabiana Murer e a Maurren Maggi, que competiram lá, e comecei a fazer contatos sobre a possibilidade de trazermos uma etapa da Liga de Diamante em 2014. Teríamos que ver a viabilidade disso, ver qual estádio poderia receber o evento, mas acho perfeitamente viável. O Brasil terá um outro status a partir de 2013″, disse Toninho nesta terça-feira, em um evento na BM&F/Bovespa.

Segundo ele, o fato de ser a próxima sede das Olimpíadas fará com que o Brasil passe a ser o foco de atenção de grandes eventos internacionais no próximo ciclo olímpico. O custo para a realização desta etapa da Liga de Diamante seria de cerca de US$ 4 milhões.

Investimentos para isso certamente aparecerão diante de um evento desta grandeza. Afinal, com uma etapa da Liga de Diamante no calendário, o país se candidata a receber atletas do nível de Usain Boilt, recordista mundial dos 100 m rasos, ou mesmo a russa Elena Isinbayeva, recordista mundial e campeã olímpica do salto com vara.

Para quem acha tudo isso um devaneio, faço apenas uma lembrança: no início da década de 90, quando nem se sonhava com a realização de uma Olimpíada por aqui e com a situação econômica do país muito pior, o Brasil fazia parte do circuito de Grand Prix da IAAF e viu competir na pista do Ibirapuera, em São Paulo, estrelas como Carl Lewis, Michael Johnson, Edwin Moses, Serguei Bubka, Javier Sotomayuor, Steve Ovett, isso só para ficar com estes nomes.

Ou seja, não é um sonho impossível, cá entre nós.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

domingo, 5 de junho de 2011 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 13:02

Erro de planejamento?

Compartilhe: Twitter

Fabiana ficou em 3º lugar nos EUA. Mas valeu a pena?

Uma perguntinha básica: será que valeu a pena Fabiana Murer enfrentar uma verdadeira maratona aérea no trajeto São Paulo-Buenos Aires-Oregon (EUA), e terminar com o terceiro lugar em sua estreia da Liga de Diamante no último sábado, na prova do salto com vara no Prefontaine Classic, quando alcançou a marca de 4,48m? Só para constar, foi a pior marca de Fabiana em uma competição internacional desde 2005, quando salto 4,40m no GP de Helsinki.

Por mais que o técnico de Fabiana, Elson Miranda, justifique que o foco da atleta em 2011 é conquistar uma medalha no Mundial de Atletismo em Daegu, na Coreia do Sul, faz sentido questionar que ele e a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) tenham optado por colocar Fabiana disputando o Sul-Americano de Buenos Aires – onde por sinal cravou o melhor salto do ano na modalidade, com 4,70m – e depois submetê-la a uma cansativa viagem aos EUA.

Teria sido melhor que Fabiana Murer estreasse na Liga de Diamante, competição que reúne os melhores atletas do mundo, somente no GP de Oslo, na Noruega, na próxima quinta-feira. Mais descansada, certamente Fabiana conseguiria um resultado melhor do que o obtido em Eugene.

Ou a razão de Fabiana ter participado do Prefontaine Classic terá sido comercial, pois o principal patrocinador do evento (a Nike) também é um dos patrocinadores da atleta brasileira?

Faltou planejamento aí, hein!

Veja também:

Fabiana Murer em números

O que acontece com o tribunal da CBAt?

Joaquim Cruz e uma análise pessimista para Londres-12

Autor: Tags: , , , , ,