Publicidade

Posts com a Tag Jacques Rogge

terça-feira, 10 de setembro de 2013 Ídolos, Olimpíadas, Política esportiva | 23:15

A polêmica escolha do novo membro do Brasil no COI

Compartilhe: Twitter

Bernard posa ao lado de Jacques Rogge, após ser aprovado como membro do COI

Bom, pra início de conversa, a escolha do novo presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), o alemão Thomas Bach, ocorrida nesta terça-feira, no encerramento da 125ª Assembleia Geral da entidade, seguiu um roteiro absolutamente óbvio e lógico.

Como já era previsto (inclusive pelo blogueiro Mãe Dinah), o advogado de 59 anos, campeão olímpico de esgrima por equipes nos Jogos de Montreal 1976, levou o pleito com extrema facilidade. Venceu as duas rodadas de votação no colégio eleitoral do COI com tranquilidade (43 na primeira e 49 na segunda), com 20 votos de vantagem sobre o segundo colocado, o porto-riquenho Richard Carrión. Assim como foi a escolha de Tóquio para sede dos Jogos de 2020, o COI optou por não inventar na sucessão do belga Jacques Rogge.

Mas uma outra eleição também movimentou os bastidores do Hotel Hilton, em Buenos Aires, nesta terça-feira. Foram escolhidos os nove novos membros do COI, entre eles o brasileiro Bernard Rajzman, chefe de missão do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Desde o ano passado, com a passagem de Carlos Arthur Nuzman para membro honorário (por ter atingido o limite de 70 anos de idade), o país que será a sede das próximas Olimpíadas não tinha um representante com direito a voto na entidade que comanda o esporte olímpico mundial.

Tratava-se, portanto, de uma eleição muito importante para o esporte brasileiro. Mas não acredito que tenha sido a melhor escolha.

Explico: a despeito de seu brilhante passado como atleta, tendo sido um dos ícones da seleção masculina medalha de prata nas Olimpíadas de Los Angeles 1984, Bernard jamais foi um nome representativo do esporte olímpico brasileiro. Não há registros de declarações de Bernard saindo em defesa do atleta brasileiro, criticando a estrutura arcaica que comanda o esporte do país, onde o continuísmo da cartolagem impera (até agora, pois nesta terça a Câmara dos Deputados aprovou projeto que limita os mandatos dos dirigentes, mas isso será tema de outro post).

Além disso, para aqueles de memória curta, Bernard Rajzman integrou, como secretário nacional de Esportes (cargo que antecedeu o Ministério do Esporte) o malfadado governo de Fernando Collor, aquele mesmo que atolado por inúmeras denúncias de corrupção, foi defenestrado pelo Congresso Nacional.

E quando se imagina que no lugar de Bernard, poderiam ter sido indicados atletas do quilate de um Lars Grael, Magic Paula ou Ana Moser, todos com um histórico de luta por um esporte para todos no Brasil, aí mesmo que se tem a certeza de que não foi uma boa escolha do COI.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 9 de setembro de 2013 Candidaturas, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas | 15:33

COI admite que falta de patrocinadores preocupa para 2016

Compartilhe: Twitter

Gerhard Heiberg é diretor de marketing do COI

Aos poucos começam a ficar mais claros os motivos para o surgimento do tal “documento sigiloso”  que estaria circulando dentro do COI (Comitê Olímpico Internacional), demonstrando preocupação com a organização das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.  Nesta segunda-feira, em entrevista à agência AP em Buenos Aires, onde acontece a Assembleia Geral do COI, o diretor de marketing da entidade, Gerhard Heiberg, afirmou que os organizadores dos Jogos do Rio enfrentam dificuldades na captação de patrocínios que ajudem a bancar o evento.

Para Heiberg, houve uma mudança nos rumos da economia brasileira, que passa por um momento de desaceleração, tornando as empresas privadas menos dispostas a investir como patrocinadoras do evento. Coincidentemente, no começo de agosto, em um evento que marcou os três anos para o início dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, o diretor de operações do Rio 2016, Leonardo Gryner, falou que haveria um aporte de US$ 700 milhões (R$ cerca de 1,4 bi) de recursos públicos para equilibrar o orçamento dos Jogos.

Logo em seguida o prefeito do Rio, Eduardo Paes, interrompeu o discurso de Gryner para dizer que a ideia é não repassar este valor.  “Nossa intenção é que o comitê organizador custeie toda sua operação e não precise de dinheiro público”, disse Paes na ocasião, causando um certo clima de constrangimento na cerimônia.

Por mais que o próprio COI tenha dito que o tal “relatório secreto” é um documento padrão em organização de grandes eventos, a verdade é que existe uma preocupação dos prazos para os Jogos de 2016. Alguns esportes ainda não sabem como e onde disputarão as Olimpíadas, além de atrasos em licitação de obras importantes, como o do complexo de Deodoro, sede prevista para as disputas do pentatlo moderno, hipismo, tiro esportivo, canoagem e hóquei sobre grama.

Até mesmo Jacques Rogge, que nesta terça-feira deixará a presidência do COI, deixou o seu recado. “Muitas obras de infraestrutura deveriam ser aceleradas. Os prazos estão apertados e têm que ser respeitados. Mas estamos otimistas”, afirmou.

Enquanto isso, Carlos Arthur Nuzman, presidente do Rio 2016 e também do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), ao ser questionado durante uma sabatina por integrantes do COI sobre os problemas de transporte público do Rio de Janeiro, tranquilizou-os dizendo que “quase todos os taxistas da cidade sabem falar inglês”.

Então tá, né?

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas | 19:47

Rio 2016 será cobrado por atraso nas obras do golfe

Compartilhe: Twitter

O campo de golfe de 2016 será construído na Barra da Tijuca, na reserva de Marapendi

Começou nesta segunda-feira a quarta visita da comissão de coordenação do COI (Comitê Olímpico Internacional) para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Até a próxima quarta-feira, os integrantes do CoCom (sigla do órgão em inglês) discutirão com os integrantes do comitê organizador brasileiro, o Rio 2016, o andamento dos preparativos para os Jogos. Mas haverá na pauta um tema que deverá ser tratado e será bastante espinhoso: explicações para o atraso nas obras do campo de golfe, modalidade que volta ao programa olímpico justamente no Rio de Janeiro.

Segundo o site “Around the Rings”, portal que acompanha de perto tudo o que acontece no movimento olímpico, as indefinições para o começo da obra já estão preocupando tanto o COI quanto a IGF (Federação Internacional de Golfe).  “Estamos muito preocupados com o atraso na construção do campo de golfe para os Jogos. O tempo é curto para que se construa um campo dentro dos padrões adequados”, disse ao site Antony Scanlon, diretor-executivo da IGF. Sacanlon disse ainda que o COI já está ciente dos temores da entidade e que a sua entidade espera que a comissão do COI cobre uma explicação dos organizadores brasileiros.

Não será uma tarefa fácil conseguir algum prazo mais exato para que as obras saiam do papel. O campo de golfe de 2016 será construído em uma área na reserva de Marapendi, na Barra da Tijuca, em um terreno onde existe uma longa disputa judicial. A Elmway Participações alega ser dona do local, mas a prefeitura diz que o terreno pertence ao empresário Pasquale Mauro.

Em outubro do ano passado, a empresa conseguiu uma liminar para impedir o início das obras antes que uma decisão definitiva do caso seja conhecida.

O “estranho” no caso é que o Rio já possuí dois campos aptos para receber competições internacionais, o Itanhangá Golf Club e o Gávea Golf Club, mas ambos foram vetados por não terem instalações de nível olímpico e que também que haveria um alto custo para realizar as adaptações necessárias.

E para refrescar a memória de todos:  semana passada, o presidente do COI, Jacques Rogge, disse que espera não ter que fazer com o Rio o mesmo que recomentou ao ex-presidente da entidade, Juan Antonio Samaranch, ao dar um “cartão amarelo” para os organizadores de Atenas 2004 em razão do atraso das obras.

Vamos aguardar…

Autor: Tags: , , , , , ,