Publicidade

Posts com a Tag Guadalajara 2011

terça-feira, 7 de abril de 2015 Pan-Americano, Seleção brasileira | 08:43

Brasil já tem 460 vagas asseguradas no Pan de Toronto 2015

Compartilhe: Twitter

Toronto 2015O assunto do momento são as Olimpíadas de 2016, certo? Menos de 500 dias para a abertura dos Jogos, ingressos já colocados à venda (inclusive o comitê organizador promete para esta terça-feira um novo balanço da venda de bilhetes), vários atletas e modalidades em ritmo intenso de preparação para que cheguem no ano que vem prontos para brigarem pelas medalhas…enfim, respira-se o clima olímpico.

Mas não é bem assim. Antes das Olimpíadas, vem o Pan-Americano. Embora combalidos e um tanto desprestigiados em relação a outros tempos mais gloriosos, os Jogos Pan-Americanos de Toronto estão aí, na nossa cara. Faltam apenas 94 dias para que o evento poliesportivo mais importante das Américas comece, no dia 10 de julho. Para o Brasil, o Pan terá ainda um papel especial, pois deve ser um ótimo parâmetro para as chances da equipe nos Jogos Olímpicos.

A importância é tanta que o COB (Comitê Olímpico do Brasil) pretende mandar ao Canadá sua maior delegação para um evento poliesporttivo fora do país, aproximadamente 600 atletas. No Pan do Rio 2007, o Brasil participou com 660 competidores. Na última edição do evento, em Guadalajara 2011, o  Brasil contou com 515. E as metas são ousadas também: terminar no top 3 e superar o número de pódios de 2011 (foram 141 medalhas há quatro anos, no México, 48 delas de ouro).

Atualmente, o Brasil já tem 460 vagas para o Pan de Toronto em 41 modalidades. Confira abaixo:

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 29 de novembro de 2014 Ídolos, Pan-Americano, Seleção brasileira | 14:28

Lesão ameaça tirar estrela do handebol do Pan de Toronto

Compartilhe: Twitter
Duda Amorim chora de dor após sofrer a lesão no joelho esquerdo (Foto: reprodução TV)

Duda Amorim chora de dor após sofrer a lesão no joelho esquerdo (Foto: reprodução TV)

Um escorregão aparentemente bobo pode custar à seleção brasileira feminina de handebol a ausência de uma de suas principais jogadoras nos próximos Jogos Pan-Americano de Toronto, em julho do ano que vem. A armadora Duda Amorim sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo, após sofrer uma queda após marcar um gol para o Brasil na vitória sobre a Tunísia por 35 a 23, pelo Torneio Internacional da Espanha, nesta sexta-feira. Ao arremessar para fazer o gol, Duda perdeu o equilíbrio e torceu o joelho.

Após uma ressonância magnética, realizada em Málaga, onde o torneio está sendo realizado, ficou constatada a lesão no ligamento cruzado anterior e precisará passar por uma cirurgia. O tempo estimado de recuperação é de seis meses, de acordo com a médica da seleção, Pauline Buckley Bittencourt Silva.

Com este prazo de recuperação, é muito difícil que Duda Amorim consiga entrar em forma a tempo para disputar o Pan-Americano de Toronto, de 10 a 26 de julho do ano que vem. O Brasil estará brigando pelo pentacampeonato da competição, repetindo os feitos de Winnipeg 1999, Santo Domingo 2003, Rio de Janeiro 2007 e Guadalajara 2011. E ficar sem uma jogadora do nível da armadora é um desfalque considerável, especialmente no ataque.

VEJA MAIS SOBRE O HANDEBOL BRASILEIRO NO ESPÍRITO OLÍMPICO:

>>> O dia em que o handebol deixou de ser “pé de página” no Brasil
>>> Após a festa, o handebol precisa olhar para o futuro
>>> Técnicos gringos são uma benção ao esporte do Brasil

Aos 28 anos e com 1m86 de altura, Duda Amorim vem sendo uma das principais artilheiras da seleção comandada pelo dinamarquês Morten Soubak, tendo marcado 103 gols nas duas últimas Olimpíadas (Pequim 2008 e Londres 20212) e nos Mundiais de 2011 (Brasil) e 2013 (Sérvia), quando a seleção conquistou uma inédita medalha de ouro.

Que ela tenha uma recuperação e consiga estar inteira para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 Isso é Brasil, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 18:45

Esporte brasileiro tem semana de feitos inéditos

Compartilhe: Twitter

Não me recordo qual foi a última vez em que o esporte olímpico brasileiro viveu dias de conquistas inéditas tão relevantes como as dos últimos cinco dias. Do domingo (dia 7/9) até esta quinta-feira (11/9), três modalidades atingiram feitos até então inimagináveis em sua biografia olímpica.

A brasileira Aline Ferreira (de vermelho) encara a americana Adeline Gray na decisão da medalha de ouro do Mundial

A brasileira Aline Ferreira (de vermelho) encara a americana Adeline Gray na decisão da medalha de ouro do Campeonato Mundial de luta olímpica

O mais recente deles aconteceu justamente nesta quinta-feira, com a medalha de prata obtida pela lutadora Aline Ferreira, na categoria 75 kg, no Campeonato Mundial de luta olímpica, modalidade luta livre, que está sendo disputado em Taskkent, no Uzbequistão. Na decisão, Aline (que foi prata no Pan-Americano de Guadalajara 2011) acabou sendo derrotada pela americana Adeline Gray, por 2 a 1.

Sinceramente, o resultado na decisão é o menos importante. Em um esporte sem qualquer tradição no Brasil, Aline conseguiu simplesmente a primeira medalha para o País em Mundiais na luta olímpica, um resultado extraordinário, especialmente levando-ser em conta que a CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas) recebeu um dos menores repasses de recursos da lei Agnelo-Piva (R$ 2 milhões) em 2014.

Algo semelhante à conquista no domingo de Marcus Vinicius D”Almeida, na final da Copa do Mundo de tiro com arco, em Paris (FRA), ao levar a medalha de prata com apenas 16 anos, tornando-se o mais jovem arqueiro do mundo a alcançar este feito. Da mesma forma que Aline Ferreira, jamais um brasileiro havia obtido um resultado semelhante.

Mesmo sem medalha, também merece ser ressaltado o desempenho de Rodrigo Bastos na final da fossa olímpica do Mundial de tiro esportivo, que está sendo disputado em Granada (ESP). O quinto lugar também representou o melhor resultado de um atleta brasileiro nos Mundiais da modalidade.

O que vem na sequência destes resultados é um alento para o esporte brasileiro em sua preparação aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, daqui a dois anos. Com uma meta ousada de terminar entre os dez primeiros no quadro geral de medalhas, e impulsionadas por investimentos inéditos de verbas do Ministério do Esporte, estas modalidades menos badaladas começam a experimentar uma rotina de vitórias.

Ainda não é possível cravar que a diversificação de bons resultados em modalidades olímpicas irá representar um resultado positivo no quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos. Mas é inegável que trará efeitos no DNA esportivo do Brasil num futuro próximo.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 8 de março de 2013 Jogos Sul-Americanos, Olimpíadas, Pan-Americano, Política esportiva | 19:27

O papel de Hugo Chavez no esporte da Venezuela

Compartilhe: Twitter

O campeão olímpico Ruben Limardo, ouro na esgrima, cumprimenta Hugo Chavez no retorno da delegação da Venezuela de Londres

É indiscutível a importância do presidente venezuelano Hugo Chavez, que morreu última terça-feira, vítima de um câncer, na história da América Latina. Concorde-se ou não com sua ideologia política, é inegável a melhora na qualidade de vida da população carente venezuelana. Basta ver as fotos mostrando a multidão que acompanhou seu funeral e velório para se ter uma ideia de sua popularidade.

Mas Chavez também teve um papel fundamental na evolução do esporte olímpico da Venezuela. É visível o crescimento do país a partir do momento em que ele chegou ao poder, em 2002.  Com forte apoio estatal, especialmente em modalidades individuais, a Venezuela passou a deixar de ser conhecida apenas como o “país do beisebol” e começou a se destacar em outras modalidades. Ainda de forma tímida, é verdade, mas algo que não pode passar incógnito.

Para os Jogos de Londres 2012, por exemplo, o país investiu em sua preparação olímpica, segundo dados do Ministério do Esporte venezuelano, R$ 709 milhões, mais do que o Brasil investiu para a competição. Mesmo não mostrando o mesmo desempenho brasileiro em terras britânicas (foram 17 medalhas no total e três de ouro), a Venezuela conseguiu acabar com um jejum de 44 anos e conquistar sua segunda medalha de ouro na história, com Rubén Limardo, na esgrima. O outro ouro veio com Francisco Rodriguez, no boxe, nos Jogos da Cidade do México 1968.

Em outras competições poliesportivas, como Pan-Americanos e Sul-Americanos, o crescimento da Venezuela foi constante no período Chavez. Veja os números abaixo:

Jogos Sul-Americanos

Medalhas antes de Chavez assumir
Cuenca 1998 – 126 (50 ouro/ 47 prata/ 29 bronze)

Medalhas após Chavez assumir
Brasil 2002 – 231 (97 ouro/ 70 prata/ 64 bronze)
Buenos Aires 2006 – 278 (96 ouro/ 85 prata/ 97 bronze)
Medellín 2010 – 263 (89 ouro/ 77 prata/ 97 bronze)
No geral: 1191 (443 ouro/ 370 prata/ 378 bronze)

Jogos Pan-Americanos

Medalhas no último Pan antes de Chavez assumir
Winnipeg 1999 – 40 (7 ouro/ 16 prata/ 17 bronze) – 8º no geral

Medalhas após Chavez assumir
Santo Domingo 2003 – 64 (16 ouro/ 21 prata/ 27 bronze)
Rio de Janeiro 2007 – 70 (12 ouro/ 23 prata/ 35 bronze)
Guadalajara 2011 – 72 (12 ouro/ 27 prata/ 33 bronze)
No geral: 524 (85 ouro/ 182 prata/ 257 bronze)

Olimpíadas

Medalhas antes de Chavez assumir
Los Angeles 1984 – 3 (3 bronze)

Medalhas após Chavez assumir
Atenas 2004 – 2 (2 bronze)
Pequim 2008 – 1 (1 bronze)
Londres 2012 – 1 (1 ouro)
No geral: 12 (2 ouro/ 2 prata/8 bronze)

Mas o maior feito do período em que Hugo Chavez comandou a Venezuela não está propriamente no esporte de competição. Desde o ano passado, uma nova lei passou a assegurar o direito ao esporte na Constituição do país. Segundo esta lei, toda empresa com um  determinado faturamento tem que destinar 1% de seu lucro a um fundo de desenvolvimento do esporte. Além disso, torna obrigatória a realização das aulas de educação física nas escolas e estipula a eleição direta pelos dirigentes esportivos pelos próprios atletas.

Apenas para ficar neste último item, dá para ver que o Brasil esportivo tem o que aprender com a Venezuela de Hugo Chavez.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 6 de novembro de 2012 Seleção brasileira | 19:34

Encontro de gerações na natação feminina

Compartilhe: Twitter

Graciele Herrmann e Fabíola Molina serão uma atração à parte em Guaratinguetá

Começa nesta quarta-feira em Guaratinguetá (SP) a última chance para os nadadores brasileiros obterem índice ao Campeonato Mundial de piscina curta (25 m), que será disputado em Istambul, na Turquia, em dezembro. Mas o 8º Torneio Open de natação também terá como atração um verdadeiro encontro de gerações.

De um lado, com 37 anos e já ensaiando um adeus às piscinas, está a paulista Fabíola Molina, com três Olimpíadas no currículo (Sydney 2000, Pequim 2008 e Londres 2012). Tem como melhor resultado a medalha de prata no Pan-Americano de 2007, disputado no Rio, nos 100 m costa.

Do outro, com somente 20 anos, a gaúcha Graciele Herrmann, que debutou em Olimpíadas justamente esse ano, em Londres, e que é considerada como uma das grandes esperanças na natação feminina brasileira para os Jogos de 2016, no Rio. Seu principal resultado também foi uma medalha de prata pan-americana, obtida em Guadalajara, em 2011.

Fabíola nadará em Guaratinguetá os 50 e 100 m costa, 50 e 100 m borboleta, enquanto Graciele competirá nos 50, 100 e 200 m livre.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 27 de setembro de 2012 Mundiais, Seleção brasileira | 19:27

Brasileiras disputam Mundial de luta olímpica nesta sexta

Compartilhe: Twitter

Joice Silva (à direita) participou das Olimpíadas de Londres, mas foi eliminada logo na estreia

Com a presença de duas atletas, uma delas que inclusive participou dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, o Brasil disputa nesta sexta-feira o Campeonato Mundial feminino de luta olímpica, categoria livre. Na cidade de Strathcona, no Canadá, as brasileiras Joice Silva e Aline Ferreira competirão nas categorias 55 kg e 72 kg, respectivamente.

Joice Silva, que recentemente foi homenageada pela própria CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas), disputou os Jogos de Londres, quando foi eliminada logo em sua primeira luta pela russa Valeria Zholobova. Aline Ferreira, vice-campeã mundial junior em 2007, não conseguiu vaga no Pré-Olímpico Mundial de Helsinque. No Pan-Americano de Guadalajara, em 2011, ela ficou com a medalha de bronze em sua categoria.

Estava prevista ainda a participação de Camila Fama, na categoria 59 kg, mas ela acabou não sendo inscrita. O Sesi, clube por onde a atleta compete, não entrou em acordo com a CBLA e a lutadora não foi liberada para disputar o Mundial.

Os combates eliminatórios e de repescagem  começarão a partir das 16h (horário de Brasília). As finais nas duas categorias estão previstas para começar a partir das 22h. Embora não conte com as principais atletas da modalidade (exceção justamente à categoria dos 55 kg, de Joice Silva, que terá a campeã olímpica Saori Yoshida, do Japão), se as brasileiras chegarem entre as oito primeiras colocadas já será uma proeza.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 11 de setembro de 2012 Olimpíadas, Paraolimpíadas, Seleção brasileira | 08:30

De olho na preparação brasileira para 2016

Compartilhe: Twitter

Imagem da disputa da Volta Paris-Bruxelas, realizada no último sábado

Com o encerramento das Paralimpíadas de Londres 2012 neste último domingo, marcados por uma excepcional participação brasileira, que bateu o recorde de medalhas de ouro conquistadas (21), chegou a hora de pensar na preparação olímpica para os Jogos do Rio de Janeiro, em 2016. Sim, não se deixe enganar: a conquista de um grande resultado nas próximas Olimpíadas começa cedo mesmo, quatro anos antes.

(Cá entre nós, alguns cartolas brasileiros parecem que ainda não entenderam como este coisa funciona. Basta analisar alguns dos pífios resultados obtidos em Londres para ter certeza disso…)

Portanto, o blog começará, a partir desta semana, a acompanhar com muita atenção a trajetória de atletas brasileiros das mais variadas modalidades, trazendo sempre um resumo de seus mais recentes resultados em competições nacionais e internacionais.

Ciclismo estrada

Na disputa da 92ª Volta Paris-Bruxelas, etapa válida pelo Circuito Mundial de ciclismo estrada, realizada no último sábado, o brasileiro Rafael Andriato terminou na 10ª posição. A prova, que teve um total de 216 km, foi vencida pelo belga Tom Boonen, terceiro no ranking mundial.

Andriato, de 24 anos e que ficou em 13º lugar no Pan de Guadalajara 2011, participou ainda neste último domingo do GP Fourmies, na França, mas sofreu uma queda na parte final da prova e terminou apenas em 42º lugar. Ele foi convocado para integrar a seleção brasileira que disputará o Mundial de ciclismo, entre 15 e 23 de setembro, na cidade de Limburg, na Holanda.

Ciclismo MTB

A seleção brasileira de ciclismo mountain bike (MTB) não conseguiu um bom resultado no Campeonato Mundial da modalidade, encerrado no último domingo, na cidade de Saalfelden, na Áustria. A melhor colocação foi de Henrique Avancini, que avançou para a fase de oitavas de final. Mas um problema na corrente de sua bicicleta, na segunda bateria, fez com que ele perdesse várias posições, terminando em 22º lugar. Luiz Cocuzzi foi eliminado na primeira fase do torneio.

Hipismo saltos

A amazona brasileira Karina Johannpeter terminou em sétimo lugar o Concurso de Saltos Internacional 4 estrelas realizado em Paderborn (Alemanha). Montando Urolux, Karina completou a prova internacional a 1,50 m, com o tempo de 44s96, sem faltas, no sábado. O vencedor foi o sueco Henrich Eckermann, 39º no ranking mundial da FEI (Federação Equestre Internacional), montando Allerdings.

Já no domingo, na prova com obstáculos a 1,55 m de altura, a brasileira, que ocupa apenas a 656ª posição no ranking, não foi bem, terminando somente na 27ª posição.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 20 de julho de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 15:34

Novo vexame de Iziane é mais um erro na conta de Hortência

Compartilhe: Twitter

Iziane conseguiu a proeza de ficar fora de duas Olimpíadas por indisciplina

Acredito que ninguém tenha ficado muito surpreso  com o corte da ala Iziane Marques da delegação da seleção feminina de basquete, que se prepara para disputar as Olimpíadas de Londres, confirmado nesta sexta-feira pela CBB (Confederação Brasileira de Basquete), em um comunicado oficial.

O que espanta é a forma com que o desfecho aconteceu, oito dias antes da estreia brasileira, contra a França, e pelo que se comenta, em razão de um possível namorado da jogadora ter entrado na concentração brasileira em Lille. Os motivos reais não foram divulgados, seja por CBB (Confederação Brasileira de basquete), seja pela própria Iziane.

Mas na madrugada desta sexta-feira, enquanto corria para apurar a informação do corte, não pude deixar de pensar que este novo vexame de Iziane tem que entrar na conta da diretora de basquete feminino da CBB, Hortência Marcari. Sim, porque foi ela quem bancou a presença de Iziane na seleção brasileira, mesmo tendo aprontado poucas e boas nos últimos anos.

Não dá para entender como uma pessoa com a experiência que Hortência tem dentro do basquete pode defender na seleção brasileira uma atleta que:

1) se recusa a entrar em quadra, depois de ficar um tempo no banco, em um jogo do Pré-Olímpico mundial de 2008. Depois, não é convocada para os Jogos de Pequim;

2) recusa a convocação do então técnico Paulo Bassul para a Copa América de 2009;

3) diz que só voltaria à seleção se Bassul deixasse a equipe;

4) recusa sua convocação para o Pré-Olímpico das Américas de 2011, já com a equipe comandada por Ênio Vecchi;

5) tem atuação apagada na derrota do Brasil no Pan de Guadalajara, ficando no banco de reservas no jogo contra a Jamaica. Coincidentemente, depois disso, Ênio Vecchi é demitido.

Não é possível que alguém ainda dê oportunidades para uma atleta sem qualquer espírito de equipe, individualista e preocupada somente com o próprio umbigo. E que dentro de quadra também não representa tanta diferença assim, por mais que Iziane pense o contrário.

Iziane consegue, portanto, a proeza de ficar fora de duas Olimpíadas por atos de indisciplina. E Hortência Marcari acaba de colecionar o mais grave erro em sua conturbada gestão no basquete feminino brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

domingo, 1 de julho de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:22

Vaga olímpica não é ação entre amigos

Compartilhe: Twitter

Jadel Gregório não obteve a vaga olímpica no salto triplo. Fica pra 2016?

Ponto positivo para o conselho técnico da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), que estabeleceu índices mais fortes até do que os implantados pela IAAF (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) para definir sua equipe nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Neste domingo, com o encerramento do Troféu Brasil, no Estádio do Ibirapuera, foi fechado o time brasileiro que irá às Olimpíadas, com um total de 35 atletas, menos do que o enviado para Pequim 2008, quando 45 competidores estiveram presentes.

E o que me agradou especialmente nesta decisão da CBAt foi uma declaração de Ricardo D’Angelo, treinador-chefe da entidade, em reportagem publicada pelo iG Esporte e de autoria de Ana Carolina Cordovano e Antonio Kurazumi. D’Angelo foi de uma precisão cirúrgica em sua justificativa para os índices considerados “fortes demais” por alguns atletas. “Não se ganha experiência em Olimpíadas. Quem vai para pegar experiência pode atrapalhar os que estão competindo por medalha”, afirmou.

Perfeita avaliação, no meu ponto de vista. Ir às Olimpíadas não pode ser somente considerado um prêmio por si só, ou até mesmo uma ação entre amigos – na base do “sempre cabe mais um”. Gigantismo em uma delegação olímpica só vale a pena se você tem uma quantidade (e qualidade, principalmente!) de atletas grande o suficiente para justificar isso.

Ao longo dos quatro dias deste Troféu Brasil, pude ouvir, em uma entrevista ou outra, sinais de chiadeira de atletas,. logicamente aqueles que fracassaram na tentativa de assegurar sua vaga. Choradeira pura, pode acreditar.

Um destes chorões, embora de forma disfarçada, foi Jadel Gregório. “Após as cirurgias nos dois joelhos, voltei a competir em maio, com um mês e meio de treinamento. Saltei bem, fiz o índice B pedido pela IAAF”, disse o atleta do salto triplo, que no entanto disse também que não queria ir a Londres “apenas para tirar fotografia”. Agora, fica para 2016.

Mas o Troféu “Sem Noção” tem que ser entregue para Lucimara Silvestre, do heptatlo. No ano passado, após retornar do Pan-Americano de Guadalajara, quando conquistou a medalha de ouro, talvez inebriada pelo feito, chegou a dizer, de forma absurda, que brigaria por medalhas em Londres. Pois bem, chegou 2012 e ela não conseguiu o índice necessário no Troféu Brasil. E ainda cornetou (sem razão) a CBAt.  “É um absurdo a CBAt pedir essa marca”, disse ao iG.

Ainda bem que eram índices fortes. Porque já posso imaginar o nível das desculpas que iríamos escutar em Londres de atletas que pensam desta forma.

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 3 de junho de 2012 Ídolos, Musas, Olimpíadas | 21:07

Uma musa a menos nos Jogos de Londres 2012

Compartilhe: Twitter

Shawn Johnson abandonou a ginástica com apenas 20 anos

O primeiro grande desfalque na lista de possíveis musas dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 foi confirmado neste domingo, após a notícia de que a ginasta Shawn Johnson decidiu pela aposentadoria, por não conseguir se recuperar de uma lesão no joelho esquerdo, o mesmo que ela havia contundido seriamente em 2010, em um acidente de esqui.

Trata-se de um fim de carreira precoce de uma atleta de somente 20 anos e que tinha tudo para se tornar uma das maiores estrelas da história da ginástica artística. Há quatro anos, em Pequim 2008, ela conquistou nada menos do que quatro medalhas, uma de ouro (trave) e três de prata (individual geral, solo e por equipe), tudo isso com somente 16 anos. Era de se esperar que brilhasse ainda mais em Londres. Mas o acidente em 2010 mudou tudo.

Johnson ainda ensaiou um retorno, tendo integrado a equipe dos EUA que disputou os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara 2011 e ficou com ouro por equipe. Mas neste ano, o joelho voltou a incomodar bem mais. “Era o momento certo de parar e assim ser saudável para o resto da minha vida”, disse Shawn Johnson, em entrevista à agência Associated Press.

Por sinal, o caso desta repentina aposentadoria levanta a questão sobre o preço que se cobrar para ser atleta de alto nível. Alguém já disse que a última coisa que esporte de alto nível traz é vida saudável. São tantas lesões que o fim de carreira costuma ser penoso para a maioria. No caso de Shawn Johnson, a conta veio cedo demais, para decepção de muitos fãs da ginástica artística.

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. Última