Publicidade

Posts com a Tag Conjunto Constâncio Vaz Guimarães

terça-feira, 12 de maio de 2015 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Vídeos | 13:38

Salvem o GP Brasil de atletismo

Compartilhe: Twitter
O Estádio Mangueirão, em Belém, não receberá a edição 2015 do Grande Prêmio Brasil de atletismo

O Estádio Mangueirão, em Belém, não receberá a edição 2015 do Grande Prêmio Brasil de atletismo

Os mais novos podem não saber, mas há quase 30 anos o Brasil entrou na rota dos eventos internacionais de atletismo. Foi em 1985, tendo como grande estrela o então campeão olímpico dos 800 m rasos Joaquim Cruz que realizou-se a na pista do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, a primeira edição do Grande Prêmio Brasil de atletismo. Ao longo destes anos, o nome mudou de acordo com os patrocinadores, mas não foram poucos os astros da modalidade que desfilaram por aqui.

Sintam só o nível: além de grandes atletas brasileiros como Cruz, Zequinha Barbosa e Robson Caetano, os torcedores puderam apreciar de perto feras como Carl Lewis, Michael Johnson, Serguei Bubka, Said Aouita, Steve Ovett, Evelyn Ashford, Merlene Ottey, Calvin Smith, Dennis Mitchell e até Ben Johnson. Todos campeões olímpicos, muitos recordistas mundiais. Algo que hoje em dia é inimaginável pensar em se repetir, tal valor dos cachês de estrelas como Usain Bolt e Elena Isinbayeva.

Depois do Ibirapuera, o Grande Prêmio Brasil mudou de casa, foi disputado em algumas edições no Rio de Janeiro e por fim instalou-se em Belém desde 2002, no Estádio Mangueirão, sempre com arquibancadas lotadas. Houve um intervalo entre 2010 e 2012, quando retornou para o Rio, desta vez na pista do Engenhão.

Pois esta história de quase 30 anos corre sério risco de acabar…

Nesta segunda-feira, a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) soltou um comunicado confirmando que a SEEL (Secretaria de Esportes e Lazer) do Pará enviou carta à entidade, abrindo mão de organizar a edição 2015 do evento, por falta de verba. A competição está prevista para acontecer no próximo dia 21 de junho e para não perder a data e amargar um vexame justamente na data comemorativa de 30 anos, o presidente da CBAt, José Antonio Fernandes, o Toninho, corre atrás de algum patrocinador para bancar a competição. Entre passagens, hospedagem, premiação e outros custos de organização, o GP Brasil não sai por menos de R$ 2 milhões, verba que a Confederação não tem disponível.

Para quem gosta de atletismo, seria lamentável se um evento tão tradicional e que integra o circuito da Iaaf Challenge, o segundo em importância no mundo, atrás apenas da Liga de Diamante, fosse cancelado e, pior, tirasse o Brasil da rota do atletismo mundial, a pouco mais de um ano da realização dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Mate um pouco a saudade dos bons tempos do GP Brasil de atletismo nos vídeos abaixo, com as históricas transmissões da TV Bandeirantes e o seu “Show do Esporte”, narração de Jota Júnior e comentários de Álvaro José:

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sábado, 7 de abril de 2012 Almanaque, Olimpíadas, Seleção brasileira, Vídeos | 23:46

Vaga olímpica de Keila Costa veio antes do esperado

Compartilhe: Twitter

Keila Costa assegurou sua vaga para os Jogos de Londres neste sábado, no salto triplo

A pista de atletismo do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, anda mesmo dando sorte aos atletas brasileiros que buscam um lugar nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Na semana passada, Jonathan Henrique Silva assegurou sua classificação no salto triplo, vencendo a prova do Torneio FPA Juvenil e Adulto. Eis que neste sábado, em outra edição do Torneio FPA, mais um brasileiro garantiu sua vaga. A pernambucana Keila Costa obteve o índice no salto triplo, ao cravar a marca de 14,20m, cinco centímetros acima do índice exigido pela CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo).

Confira quem são os brasileiros já classificados para os Jogos Olímpicos de Londres

Vale ressaltar que a marca de Keila Costa superou o índice solicitado pela CBAt, como também o índice B da Iaaf (Associação Internacional das Federações de Atletismo), que é de 14,10 m. A atleta buscará alcançar o índice A da entidade, que é de 14,30 m, nas próximas competições.

Aos 29 anos, Keila Costa, que conquistou duas medalhas de prata no Pan-Americano do Rio – no salto triplo e no salto em distância -, além de uma medalha de bronze no salto em distância no Mundial de Doha, em 2010, estará indo para sua terceira campanha olímpica. Em Atenas 2004, não passou das eliminatórias do salto em distância, mas em Pequim 2008, conseguiu ir à final da mesma prova, quando terminou em 11º lugar. A pernambucana detém o recorde sul-americano do salto triplo, com 14,57 m.

Desta vez, o passaporte foi carimbado antes da hora. A própria Keila admitiu, após cravar o salto que lhe deu o índice, que esperava garantir a classificação ainda um pouco mais adiante, ainda neste semestre, em um torneio previsto para o Chile. Mas já que a classificação veio antes disso, irá aproveitar para aprimorar sua preparação e buscar um resultado inédito em Londres.

Confira como foi o salto que assegurou Keila Costa nas Olimpíadas de Londres 2012:

Autor: Tags: , , , , , , , ,

domingo, 1 de abril de 2012 Olimpíadas, Seleção brasileira | 12:18

Jonathan comemora vaga no triplo e vice-liderança no ranking

Compartilhe: Twitter

O mineiro Jonathan Henrique Silva garantiu índice olímpico no salto triplo para as Olimpíadas

O mês de março terminou com mais um brasileiro cravando índice para as Olimpíadas de Londres 2012. Neste sábado (31), o mineiro Jonathan Henrique Silva, de apenas 20 anos, obteve vaga nos Jogos no salto triplo, ao vencer a prova do Torneio FPA Juvenil e Adulto, realizado na pista do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera. Ele saltou 17,39 m, 19 cm acima do índice exigido, e assegurou sua vaga no voo para Londres.

O resultado foi ainda mais excepcional pelo fato de Jonathan ter superado com sobras sua melhor marca até então no salto triplo, que era 16,70 m. Além disso, o resultado do mineiro o coloca no segundo lugar do ranking mundial do salto triplo da Iaaf (Associação Internacional das Federações de Atletismo), atrás somente do cubano Osviel Hernandez, que tem 17,49 m.

Veja também: A cubana apaixonada e a estranha geografia olímpica

Nelio Moura, treinador de saltos em distância e triplo da seleção brasileira, acredita que Jonathan tenha potencial para chegar a uma final olímpica, precisando, para isso, fazer ao menos 17,10 m e quem sabe, brigar por medalha. Se isso ocorrer, o jovem mineiro estará confirmando a tradição brasileira nesta prova, repetindo feitos de Adhemar ferreira da Silva, Nelson Prudêncio e João Carlos de Oliveira, o João do Pulo.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 25 de maio de 2011 Isso é Brasil | 23:04

Nada justifica o "bullying" do judô

Compartilhe: Twitter

Jigoro Kano teria ficado indignado com as barbaridades feitas contra Lucas Ribeiro

Se você der uma busca no santo Google, descobrirá que a definição de judô é “modo suave” ou “caminho da suavidade”. Pois nada disso parece significar alguma coisa para alguns integrantes do Projeto Futuro, agora chamado Centro de Excelência Esportiva, no complexo esportivo do Ibirapuera. Com certeza o criador do judô, Jigoro Kano, ficaria horrorizado com as atrocidades cometidas contra o garoto Lucas Gongora Ribeiro, de apenas 16 anos, que relatou ter sido vítima de trotes e humilhações pelos atletas veteranos que também integram o Centro de Excelência.

Ninguém aqui é ingênuo a ponto de achar que não existe trote no esporte. Isso é normal, até natural, em equipes de diversas modalidades. No vôlei, por exemplo, um dos castigos “publicáveis”, por assim dizer, é fazer com que os novatos na seleção brasileira sejam os responsáveis em carregar o carrinho com as bolas, para o aquecimento da equipe, em treinos e jogos. Mas estes “rituais de passagem” existem em todo lugar. O que não dá é extrapolar todos os limites do bom senso.

O diretor do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, o coronel Luiz Flaviano Furtado, apresentou alguns argumentos que quase me fizeram cair da cadeira, para justificar atitudes “normais”, como lavar o quimono de todos os demais judocas, agressão com ripas de madeira e depilação à força.  “Em qualquer atividade militar, sempre existe a hierarquia. O mais antigo tem certa precedência sobre os mais novos. Ele falou de lavar quimono. Entre os militares, os mais novos geralmente engraxam os coturnos dos mais antigos”, explicou o coronel Furtado.

Engraçado, achei que o Centro de Excelência preparava atletas e não sobreviventes de deploráveis cenas de bullying esportivo. Lá foram formados alguns dos grandes ídolos olímpicos brasileiros, como Aurélio Miguel, Maurren Maggi, Thiago Camilo e Henrique Guimarães.

Tomara que o jovem Lucas Ribeiro consiga esquecer o que estes pseudo-judocas fizeram com ele. Do contrário, o esporte brasileiro corre o risco de perder um talento, por pura imbecilidade alheia.

Veja também:

Pan de judô: reação brasileira em Guadalajara

O drama de João Derly

O velho “Ibira”, de cara nova

Autor: Tags: , , , , , , , ,