Publicidade

Posts com a Tag Cinema olímpico

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015 Histórias do esporte, Jogos de Inverno, Olimpíadas | 21:22

Um herói olímpico que sobreviveu aos horrores da guerra

Compartilhe: Twitter
O fundista Louis Zamperini, que foi atleta olímpico e herói de guerra nos EUA

O fundista Louis Zamperini, que foi atleta olímpico e herói de guerra nos EUA

Já tornou-se corriqueiro dizer que o universo dos Jogos Olímpicos daria uma dezena de filmes, tal a quantidade incrível de histórias de triunfo e superação, mesmo entre aqueles que jamais chegaram perto de ganhar uma medalha. Uma das incríveis histórias destes heróis desconhecidos chegou às telas nesta semana, com o longa “Invencível”, dirigido por Angelina Jolie.

Descontados alguns exageros típicos de Hollywood e até uma omissão bastante pertinente para que o filme conquistasse ainda mais o coração dos espectadores, a história do ítalo-americano Louis Zamperini, corredor da prova dos 5.000 metros nos Jogos Olímpicos de Berlim 1936, é emocionante. O relato da incrível trajetória do atleta, que tornou-se segundo-tenente de um esquadrão aéreo dos EUA e após um acidente virou prisioneiro de guerra dos japoneses, é impressionante.

Depois de ter terminado em oitavo lugar na final olímpica de 1936 (fato que foi espertamente ignorado por Jolie e os irmãos Joel e Ethan Coen, que assinaram o roteiro), com direito a uma última volta espetacular, completada em menos de um minuto, Zamperini mostrava que poderia brilhar nos próximos Jogos, previstos para Tóquio, em 1940. Só que esta edição das Olimpíadas nunca aconteceu, por causa da Segunda Guerra Mundial. Convocado, o fundista passou a integrar um esquadrão de bombardeiros.

É aí que o filme ganha de vez o coração de quemestá na plateia, ao mostrar o drama de Zamperini  preso exército japonês, após ter ficado à deriva no mar por 45 dias, tomando apenas água da chuva e comendo peixe cru. No campo de prisioneiros de soldados aliados, as cenas de tortura ao atleta olímpico, e a forma com a qual ele conseguiu mostrar uma incrível força interna e de superação, são impressionantes.

Zamperini nunca mais competiu em uma Olimpíada, mas conseguiu cumprir uma promessa pessoal e correu sim no Japão, carregando a tocha olímpica durante a cerimônia de abertura dos Jogos de Inverno de Nagano 1998. O ex-atleta olímpico e aviador morreu em julho do ano passado, aos 97 anos.

xxxxxxxxxxxxxxxxxx

Fico imaginando quantas histórias incríveis e emocionantes entre tantos atletas olímpicos que já disputaram os Jogos não existem perdidas por aí, mesmo entre aqueles que jamais tiveram a sorte de ganhar uma medalha. Isso só torna ainda mais especial este evento incrível e que daqui a pouco mais de 500 dias irá acontecer tão perto de nós, no Rio de Janeiro.

E me dá um pouco mais de fé que a semente olímpica poderá dar frutos por aqui quando vejo meus filhos animadíssimos com o início do cadastramento para a compra de ingressos para os Jogos de 2016 e vê-los fazendo planos de quais modalidades eles gostariam de ver ao vivo.

Isso sim é legado olímpico!

Obs: O blog está de férias até o início de fevereiro, podendo voltar em alguma edição extraordinária. Como sugestão, fica a dica para ir ao cinema e conhecer a incrível história de um herói olímpico, Louis Zamperini.

Até a volta.

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 3 de janeiro de 2012 Almanaque, Histórias do esporte, Imprensa, Olimpíadas | 22:11

Darth Vader olímpico

Compartilhe: Twitter

Antes de brigar com os Jedis, Darth Vader deu uma canja nas Olimpíadas

E a notícia olímpica mais importante do dia estava ali, perdidinha, na página  8 do caderno Ilustrada da “Folha de S. Paulo”: o inglês Bob Anderson, de 89 anos, morreu nas primeiras horas do último domingo, primeiro dia de 2012. Mas quem é Bob Anderson, deve estar perguntando o(a) caro(a) internauta? E que raios a foto do Darth Vader, personagem-símbolo da saga “Star Wars” está fazendo num blog de esportes olímpicos?

Bob Anderson (à dir.) disputou os Jogos de 1952

Bem, Bob Anderson era simplesmente um dos melhores treinadores de esgrima para atores de Hollywood e, além disso, foi ele o dublês das cenas de lutas com o sabre de luz que Vader travou com Obi-Wan Kenobi e Luke Skywalker na série.

Além disso, Anderson tinha uma forte ligação com o esporte. Ele foi atleta olímpico, tendo disputado os Jogos Olímpicos de Helsinque-52, integrando a equipe da Grã-Bretanha. Na ocasião, os poderes da Força (o campo de energia criado  por todos os seres vivos, no universo de Star Wars) fizeram falta para Anderson e seus companheiros: os britânicos não passaram de um modesto quinto lugar nos Jogos de 52, empatados com Bélgica, Áustria e Polônia.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 12 de outubro de 2011 Almanaque, Ídolos, Pan-Americano, Seleção brasileira | 23:03

Hugo Hoyama, o samurai highlander

Compartilhe: Twitter

O mesa-tenista Hugo Hoyama, que foi homenageado pelo COB e será o porta-bandeira do Brasil

Bacana a homenagem prestada pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro) ao interminável mesa-tenista brasileiro Hugo Hoyama, anunciado nesta quarta-feira como o porta-bandeira da delegação do Brasil no desfile de abertura dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, que começam nesta sexta-feira.

Se não conseguiu alcançar um patamar mais importante ao longo de sua carreira em termos olímpicos, é no Pan-Americano que Hoyama tornou-se uma figura marcante. Aos 42 anos, o atleta paulista é simplesmente o maior ganhador de medalhas de ouro na história do Brasil na competição (nove), nas modalidades individual, duplas e equipe.

Além disso, caminha para igualar mais uma marca importante: completará sua sétima participação no Pan, repetindo o feito do atirador Durval Guimarães, que participou entre 1963 e 95. A diferença é que Hoyama caminha para seu sétimo Pan consecutivo. Definitivamente, não é para qualquer um.

Não sei se Hugo Hoyama se inspira no famoso personagem Connor MacLeod, interpretado no cinema por Christopher Lambert no filme “Highlander”, um guerreiro escocês que se torna imortal desde 1536, quando foi ferido numa batalha, mas ressuscitou.  O risco é se Hoyama se animar com esta história e tentar emplacar sua presença também no Pan de Toronto, nos Jogos de 2015. Vai complicar a vida da turma que atualiza o media guide do COB…

Autor: Tags: , , , , , , ,