Publicidade

Posts com a Tag Atletas pelo Brasil

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015 Com a palavra, Isso é Brasil, Olimpíadas | 23:52

É esse o ministro do Esporte da sede dos Jogos de 2016?

Compartilhe: Twitter

“Gostaria de tranquilizá-los para, muito humildemente, dizer que posso não entender profundamente de esportes, mas entendo de gente”

O novo ministro do Esporte, George Hilton, discursa em sua posse, nesta sexta-feira

O novo ministro do Esporte, George Hilton, discursa em sua posse, nesta sexta-feira

Seria pegadinha ou uma piada de péssimo gosto? O fato é que nesta sexta-feira, tomou posse no cargo de ministro do Esporte, teoricamente o representante direto da presidenta da República como o grande responsável pela coordenação do maior evento poliesportivo do mundo daqui a menos de dois anos, uma pessoa que assumidamente não entende da área a qual foi escolhido para trabalhar.

Não duvido, até prova em contrário, que seja uma pessoa honesta e bem intencionada. Mas definitivamente, não é do ramo.

A presença de George Hilton para assumir uma pasta que tem papel fundamental tanto na organização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio 2016 como na preparação da equipe brasileira que participará do mega evento foi só um dos absurdos reservados pela presidenta reeleita Dilma Rousseff na divulgação de seu novo ministério.

Vamos aqui, contudo, nos ater apenas ao tema ligado ao blog. Foi uma escolha, para dizer o mínimo, infeliz. Só mesmo a necessidade de fazer inúmeras alianças para garantir um mínimo de governabilidade neste início de novo governo pode justificar a temerosa escolha da presidenta em trocar algo que bem ou mal estava funcionando por um futuro extremamente duvidoso.

Não que com o PC do B a coisa estivesse correndo tudo às mil maravilhas. A gestão tinha problemas, basta apenas lembrar as tumultuadas saídas de Agnelo Queiroz e Orlando Silva, antecessores de Aldo Rebelo no cargo. A própria organização dos Jogos do Rio capengou até que o COI desse uma espécie de ultimato no começo de abril do ano passado para que todas as esferas envolvidas (municipal, estadual e federal) se entendessem.

Mas o fato é que as coisas estavam fluindo com a gestão anterior. A política de distribuição de verbas para a preparação dos atletas de alto rendimento, por exemplo, é bastante questionável – optou-se por privilegiar um grupo limitado de atletas por conta de uma meta de medalhas em 2016 que não representará a realidade do país. Ainda assim, estes atletas de ponta, que deverão brigar ou mesmo ganhar medalhas nas próximas Olimpíadas, não poderão dizer que não tiveram recursos financeiros em sua preparação, com os milhões de reais distribuídos pelos planos Bolsa Pódio e Bolsa Atleta, entre outros programas governamentais. Tudo para deixar o Brasil entre os 10 primeiros do quadro de medalhas, meta estabelecida pelo governo e também pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil)

George Hilton, portanto, chega em um cenário que aparentemente as coisas estão funcionando. A grande incógnita é saber se, consciente de seu desconhecimento quase total no esporte, deixará tudo funcionando como está, ou irá fazer uma mexida geral na casa.

Já se comenta nos bastidores de Brasília que que Dilma pretende deixar a organização das Olimpíadas sob responsabilidade do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o que desmoralizaria ainda mais o praticamente desconhecido Hilton. Não foi à toa que a ONG “Atletas pelo Brasil” soltou um manifesto no dia 29 de dezembro criticando duramente a escolha de uma pessoa com ligações praticamente inexistentes com o esporte, algo inconcebível num período como o que se avizinha. E não deixa de ser irônico que a única voz de apoio a George Hilton tenha vindo da CBF, que representa o que há de mais anacrônico e incompetente na estrutura esportiva do Brasil.

Este ano promete…

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil | 19:44

O que se deve (ou não) festejar no novo estatuto do COB

Compartilhe: Twitter
Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB

Nuzman, foi reeleito em 2012 para mais um mandato no COB, mas não se sabe quando deixará a entidade

Na última terça-feira, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) anunciou por meio de comunicado à imprensa mudanças no estatuto da entidade, realizado durante sua  Assembleia Geral. O texto do comunicado dizia que “o novo Estatuto do COB é uma evolução natural do desenvolvimento dos esportes olímpicos no Brasil e permitirá maior dinamismo no gerenciamento do esporte”.

Eufemismos à parte, o COB está chegando com relativo atraso à nova regulamentação do esporte olímpico do Brasil. No dia 17 de setembro, foi aprovado pelo Senado a MP 620/2013, que limita a apenas uma reeleição sem sair do cargo o mandato dos dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas. No dia 18 de outubro, a presidente Dilma Rousseff sancionou a MP, que altera a Lei Pelé. A aprovação da lei contou com um intenso trabalho da entidade Atletas pelo Brasil, que tem o apoio de vários ídolos do esporte do país e é comandada pela ex-jogadora de vôlei Ana Moser.

Este fato, o mais importante do esporte brasileiro em 2013, na opinião do blogueiro, tem como principal objetivo terminar com os verdadeiros feudos que se instalaram em algumas confederações esportivas, COB incluso, que tem como presidente Carlos Arthur Nuzman desde 1995 e reeleito para mais quatro anos em 2012.

Entre as alterações no estatuto, o COB está limitando o mandato do presidente a quatro anos, com apenas uma reeleição e incluiu o presidente da Comissão de Atletas Olímpicos na Assembleia Geral. E o que isso significa? Muito pouco, para não dizer nada.

Primeiro, porque o próprio COB não sabe dizer se a última reeleição de Nuzman já se enquadra de acordo com a nova lei. Há divergências até mesmo entre juristas. Por isso, o atual dirigente que teoricamente deveria deixar o cargo em 2020, poderá permanecer no poder até 2024. Segundo ponto que mostra a pouca utilidade destas mudanças é dizer que os atletas terão poder de voto, como afirma a entidade em seu comunicado. Apenas o presidente da Comissão de Atletas poderá votar (atualmente este cargo é de Emanuel Rego, do vôlei de praia) e duvido que este atleta, que foi colocado no cargo por influência do COB, irá votar contra qualquer interesse da atual diretoria.

Resumo da ópera: comemore as mudanças no estatuto do COB, mas com moderação.

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 30 de novembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Política esportiva | 15:10

‘Atletas pelo Brasil’ lança portal e leilão online

Compartilhe: Twitter
Movimento "Atletas pelo Brasil agora terá um portal na internet

Movimento “Atletas pelo Brasil agora terá um portal na internet

Após ter tido participação fundamental na maior conquista esportiva do país neste ano (em minha modesta opinião), a assinatura da Medida Provisória 620/2013 (que entre outras coisas limita a somente uma reeleição o mandato de dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas), o movimento “Atletas pelo Brasil” irá lançar um portal de internet com o objetivo de se tornar a principal referência do esporte brasileiro.

Na próxima terça-feira, a partir das 10h, a presidente da entidade, a ex-jogadora de vôlei Ana Moser participará de uma entrevista coletiva no Esporte Clube Pinheiros, para explicar como será o funcionamento do portal Esporte pelo Brasil, que reunirá informações sobre as modalidades esportivas, atletas, eventos e pesquisas.

O portal também pretende fazer um monitoramento de indicadores e políticas públicas de esporte realizados no Brasil, o “Cidade do Esporte”. E os primeiros números divulgados fazem parte de um estudo com as 12 cidades-sede da Copa do Mundo 2014.

Além disso, o evento também marcará o início do “Lance pelo Esporte – Leilão Online”, com o objetivo de arrecadar recursos financeiros para o “Atletas pelo Brasil”, comercializando peças autografadas e experiências ao lado de grandes ídolos do esporte brasileiro, como Paulo André, Raí e Cafu (futebol), Ana Moser e Ida (vôlei), Cesar Cielo, Thiago Pereira e Gustavo Borges (natação), Hortência, Paula e Oscar (basquete), Rubens Barrichello (automobilismo) e Lars e Torben Grael (vela).

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 17 de setembro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Política esportiva | 19:52

A maior vitória do esporte brasileiro. Só falta Dilma assinar

Compartilhe: Twitter

Ex-atletas brasileiros se reúnem com o senador Renan Calheiros, presidente do Senado, antes da votação histórica desta terça-feira

Atenção para estes números:

– Coaracy Nunes, presidente da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) desde 1988;
– Ary Graça, ainda presidente da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) desde 1995, embora afastado por conta de sua eleição para comandar a FIVB (Federação Internacional de Vôlei);
– Roberto Gesta de Melo, presidente da CBAt de 1987 até 2013, quando entregou o cargo para José Antonio Fernandes;
– Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) desde 1996

A partir desta terça-feira, o esporte brasileiro não servirá mais de “capitanias hereditárias” de um seleto grupo de cartolas, como os citados acima.  Com a aprovação no Senado Federal da MP 620/2013,  de forma unânime, está limitada a apenas uma reeleição sem sair do cargo o mandato dos dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas. Na semana passada, a MP já havia sido aprovada na Câmara Federal.

Os exemplos acima foram apenas ilustrativos, mas a maioria esmagadora das entidades esportivas do Brasil, em todos os níveis, passam pela mesma situação vergonhosa, onde poucos detém o poder e não querem largar o osso.

Com a aprovação, falta apenas a sanção da presidenta Dilma Rousseff.

Trata-se da maior vitória do esporte brasileiro, não tenham dúvida disso. A democracia chegou às quadras, pistas, ginásios e campos e isso terá reflexo profundo no que irá se transformar o modelo esportivo do país nos próximos anos.

Vitória que só foi possível graças à mobilização do movimento “Atletas pelo Brasil”, que reuniu nomes de peso do esporte nacional, como Ana Moser (que preside a entidade), Raí, Gustavo Kuerten, Mauro Silva e Hortência, que estiveram acompanhando a votação.

O esporte do Brasil irá dormir bem mais leve e alegre neste histórico 17 de setembro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,