Publicidade

Posts com a Tag Atlanta 1996

domingo, 23 de novembro de 2014 Olimpíadas, Paraolimpíadas | 22:45

Mascotes Rio 2016: ao menos escolham Vinicius e Tom!

Compartilhe: Twitter
Imagem das mascotes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016

Imagem das mascotes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, apresentadas neste domingo

Fim do mistério, após a divulgação, neste domingo à noite, das imagens das mascotes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. E seguindo uma tendência que vem se repetindo nas últimas edições olímpicas de verão, foram escolhidas figuras que estão mais próximo do estranho do que o normal.

Saudades do simpático ursinho Misha, de Moscou 1980!

A mascote das Olimpíadas, vamos admitir, ainda tem uma imagem mais definida de um animal. Só que ao invés de optar por um único bicho, a mascote olímpica representa a “diversidade dos animais do País: a agilidade dos felinos, o gingado dos macacos e a leveza dos pássaros”, segundo informa o site oficial das mascotes dos Jogos de 2016. Já o mascote paraolímpico é (pelo menos é o que dizem ser) uma inédita mistura da flora brasileira, “com uma cabeleira de folhagens tropicais e cores que lembram a paisagem do Rio e toda a exuberância da natureza”, explica o site.

Veja ainda: Rio 2016 apresenta mascotes, que ainda precisam ser batizados

Enfim, se as figuras das mascotes até poderão cair no gosto popular (dificilmente conseguiriam fazer algo tão ridículo como o Izzy de Atlanta 1996), as opções para batizá-los são de doer a alma. Do nível do Fuleco, da Copa 2014

No site oficial, o internauta pode escolher uma das três duplas de nomes para batizar as mascotes. As opções são Oba e Eba; Tiba Tuque e Esquindim; e Vinicius e Tom.

E mais: Você conhece a história das mascotes das Olimpíadas?

Que o público tenha um mínimo de bom senso e escolham a terceira opção, uma homenagem a um dos maiores dramaturgos e poetas de nossa literatura e um dos maiores compositores da música popular brasileira.

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 13 de novembro de 2014 Imagens Olímpicas, Olimpíadas | 10:24

Você conhece a história das mascotes das Olimpíadas?

Compartilhe: Twitter

Até o final de novembro deverá ser anunciado qual será a mascote dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, que sempre é uma das grandes atrações de cada edição olímpica e objeto de desejo de colecionadores. Mas enquanto ela não é divulgada pelo comitê organizador, que tal conhecer um pouco mais da história das mascotes das Olimpíadas?

1) El Tigre Rojo de Chichen-Itza – Cidade do México 1968

El Tigre Rojo de Chichen-Itza, mascote extra-oficial dos Jogos de 1968, na Cidade do México

El Tigre Rojo de Chichen-Itza, mascote extra-oficial dos Jogos de 1968, na Cidade do México

A primeiro mascote conhecida da história das Olimpíadas na verdade não é reconhecida de forma oficial. Ela era baseada em um trono da pirâmide ´El Castillo´, em Chichen-Itza, feito no formato de um jaguar vermelho

2) Waldi, o cachorro dachshund – Munique 1972

Waldi, o cachorro dachshund dos Jogos de Munique

Waldi, o cachorro dachshund dos Jogos de Munique

De forma oficial, a primeira vez que uma mascote foi usada nas Olimpíadas de verão aconteceu nos Jogos de Munique. O mascote, criado pelo designer gráfico alemão Otl Aicher, mostra um cão dachshund, raça popular na região.

3) Amik, o castor – Montreal 1976

Amik, o castor de Montreal 1976

Amik, o castor de Montreal 1976

Nos Jogos de Montreal, foi escolhida como mascote o castor, um dos símbolos nacionais do Canadá.

4) Misha, o urso – Moscou 1980

O ursinho Misha, dos Jogos de Moscou, a mais carismática mascote olímpica

O urso Misha, dos Jogos de Moscou, a mais carismática mascote olímpica

Talvez a mais popular mascote da história das Olimpíadas. Nos Jogos que ficaram marcados pelo boicote dos Estados Unidos e seus aliados, a União Soviética caprichou e o simpático ursinho ficou marcado na memória de todos, especialmente por causa da cerimônia de encerramento, quando um boneco gigante subiu aos céus dando adeus ao público no Estádio Olímpico de Moscou.

5) Sam, a águia – Los Angeles 1984

Sam, a águia, foi a mascote dos Jogos de 84, em Los Angeles

Sam, a águia, foi a mascote dos Jogos de 84, em Los Angeles

Animal-símbolo dos Estados Unidos, a águia Sam foi desenhada por Robert Moore, que trabalhava para os estúdios Disney. Pena que os Jogos de Los Angeles também sofreram com o boicote, desta vez liderado pela União Soviética.

6) Hodori, o tigre – Seul 1988

Hodori, o tigre, foi a mascote de Seul 1988

Hodori, o tigre, foi a mascote de Seul 1988

Nos Jogos de Seul, existiam duas mascotes, Hodori e Hosuni, mas o tigre Hodori se tornou muito mais popular, talvez pelo fato de aparecer em diversas lendas coreanas

7) Cobi, o cachorro sheepdog estilizado – Barcelona 1992

O cão estilizado Cobi e seu criador, o cartunista Javier Mariscal

O cão estilizado Cobi, dos Jogos de Barcelona 1992 e seu criador, o cartunista Javier Mariscal

O cão pastor estilizado não empolgou muito em Barcelona 1992, ao contrário dos Jogos, que foram sensacionais.

8) Izzy, a figura abstrata – Atlanta 1996

O esquisito Izzy, mascote de Atlanta 1996

O esquisito Izzy, mascote de Atlanta 1996

A pior mascote desde que elas começaram a aparecer em Jogos Olímpicos. Uma figura abstrata, que ninguém conseguia explicar o que representava de fato. Tudo a ver com a própria edição das Olimpíadas de Atlanta, sem carisma e com inúmeros problemas de organização.

9) Ollie, Syd e Millie, a kookaburra, o ornitorrinco e a equidna – Sydney 2000

As mascotes Ollie, Syd e Millie, de Sydney 2000

As mascotes Ollie, Syd e Millie, de Sydney 2000

Os três mascotes criados por Matthew Hatton representavam animais típicos da Austrália: Olly, uma ave kookaburra; Syd, um ornitorrinco; e Millie, a equidna, uma espécie de tamanduá espinhoso.

10) Athena e Phevos, bonecos antigos – Atenas 2004

Athena e Phevos, as mascotes de Atenas 2004

Athena e Phevos, as mascotes de Atenas 2004

As duas mascotes foram feitas por Spyros Gogos e representavam bonecos que imitam crianças. As mascotes tiveram o design baseado em um antigo boneco grego de terracota.

11) Fuwa, peixe, panda gigante, Chama Olímpica, chiru e andorinha – Pequim 2008

"Fuwa", as cinco mascotes dos Jogos de Pequim 2008

“Fuwa”, as cinco mascotes dos Jogos de Pequim 2008

Chamados respectivamente de Beibei, Jingjing, Huanhuan, Yingying e Nini, as mascotes vieram da frase chinesa que signifca “Pequim te dá boas-vindas”.

12) Wenlock e Mandeville, gotas de aço com câmera para os olhos – Londres 2012

Wenlock e Mandeville, as estranhas mascotes de Londres 2012

Wenlock e Mandeville, as estranhas mascotes de Londres 2012

As duas mascotes dos Jogos de Londres 2012 (Wenlock era a mascote das Olimpíadas, enquanto Mandeville representava as Paraolimpíadas) eram gotas de aço com câmeras no lugar dos olhos. Eles representavam o começo da Revolução Industrial, ocorrida no Reino Unido. Mas olhando a foto, é meio difícil de enxergar tudo isso.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 22:32

Erros acumulados de 25 anos explicam a crise do basquete

Compartilhe: Twitter
Carlos Nunes deverá anunciar mudanças na CBB nesta quarta

Nunes deverá anunciar mudanças na CBB nesta quarta

Acuada pelas duras cobranças  da Fiba (Federação Internacional de Basquete) e Ministério do Esporte, atolada em dívidas e sem perspectivas a curto prazo, a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) não teve outra alternativa a não ser capitular. Conforme relatou ao iG o secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, nesta quarta-feira o presidente da entidade que comanda o basquete brasileiro, Carlos Nunes, deverá anunciar profundas mudanças na gestão da modalidade. Um profissional de mercado para atuar na administração da CBB será apenas uma das novidades prometidas.

Porém, quem acompanhou o basquete brasileiro com um pouco mais de atenção nos últimos 25 anos, não deve ficar nada surpreso com tudo o que está acontecendo.

Em pouco mais de duas décadas, o que mais se viu foram gestões atrapalhadas na CBB, desde o períoodo em que Renato Brito Cunha foi o presidente, entre 1989 e 97, passando pelos 13 anos de mandato de Gerasime Boziks, o Grego, até desembocar no complicado período de Carlos Nunes, que está no poder desde 2009. Com raras exceções, marcadas por conquistas importantes e históricas – o título mundial de 1994, a medalha de prata em Atlanta 1996 da seleção feminina, além do bom quinto lugar da seleção masculina em Londres 2012 -, o basquete brasileiro vem sendo sinônimo de incompetência gerencial, dentro e fora das quadras.

Ou alguém já se esqueceu que a seleção masculina ficou 15 anos sem conseguir uma classificação olímpica? Ou sobre as inúmeras deserções em convocações no masculino, independentemente do técnico no comando? E a recusa de um jogador mediano, como o armador Nezinho, em entrar em quadra em pleno Pré-Olímpico de 2007, deixando o técnico Lula com cara de bobo? E ainda a recusa de uma jogadora talentosa, porém extremamente individualista como Iziane em voltar à quadra no Pré-Olímpico de 2008, peitando Paulo Bassul? E a máquina de moer técnicos na seleção que ocorreu na passagem de Hortência como diretora do basquete feminino?

Isso para falar apenas de ALGUNS dos problemas de quadra. Porque fora delas  vimos patrocinadores (de clubes e da seleção brasileira) fugirem para outras modalidades (vôlei e atletismo), dívidas se acumularem ao longo de anos e mesmo com uma quantidade de recursos públicos como nunca se viu, a CBB chegou a uma situação em que mal consegue se manter ativa. A Fiba deu o sinal de alerta – com um certo atraso, diga-se de passagem – no útimo final de semana, tendo o Ministério do Esporte como parceiro nas reclamações. O resultado disso foi o constrangedor encontro desta terça-feira, no qual até mesmo o ministro Aldo Rebelo participou.

Se quiser manter as chances de cumprir uma bela campanha e – porque não? – sonhar em subir ao pódio daqui a pouco mais de dois anos, nas Olimpíadas do Rio, é bom que Carlos Nunes tenha compreendido perfeitamente o que lhe foi passado em Brasília nesta terça-feira. Ou coloca sua entidade nos eixos ou entrará para a história da mesma forma que seus antecessores, como um dos responsáveis em manchar a história rica e vencedora do basquete brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 6 de novembro de 2013 Imagens Olímpicas, Olimpíadas, Paraolimpíadas | 20:22

Rio 2016 lança pictogramas dos Jogos. Saiba mais sobre eles

Compartilhe: Twitter

logo2016Vamos reconhecer que o nome não ajuda muito. Mas não pode pensar em Jogos Olímpicos e Paraolímpicos  sem imaginar os pictogramas. E que raios são os pictogramas?

Bem, caso você não saiba, são os símbolos utilizados por cada cidade sede das Olimpíadas para identificar as modalidades esportivas em disputa, bem como identificar serviços e instalações, tornando-se um sistema de comunicação visual que facilita a orientação de torcedores, atletas, treinadores e jornalistas durante a realização do evento. Além disso, os símbolos também servem para identificar a cultura local.

Nesta quinta-feira, haverá o lançamento oficial dos pictogramas que serão usados nas Olimpíadas e Paraollimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Há uma grande expectativa para ver qual será o projeto gráfico que irá representar os Jogos do Rio. Pessoalmente, espero que seja mais atraente do que a logomarca oficial…

Mas a utilização dos pictogramas é relativcamente nova. A primeira edição olímpica em que eles foram usados foi nos Jogos de Tóquio, em 1964. Alguns ficaram bastante conhecidos, como os dos Jogos de Munique 1972, repetidos em Montreal 1976, mostrando os esportes em ação e velocidade. Outros, como os de Pequim 2008, foram inspirados na história da China antiga.

Confira na galeria abaixo os pictogramas olímpicos desde Tóquio 1964:

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 28 de maio de 2013 Histórias do esporte, Ídolos, Olimpíadas, Seleção brasileira | 17:39

A mais dura batalha de Oscar Schmidt

Compartilhe: Twitter

Oscar Schmidt, um dos maiores cestinhas do basquete mundial, luta contra um câncer

Chocante, para dizer o mínimo, a notícia que abalou os fãs do basquete e do esporte olímpico nesta terça-feira, com a divulgação de que ex-ala Oscar Schmidt, maior cestinha do basquete brasileiro e um dos maiores do mundo, está lutando contra um câncer no cérebro. Depois de ter sido operado em 2011, para a retirada de um tumor benigno na mesma região, a doença voltou de forma mais agressiva, obrigando a uma nova intervenção cirúrgica, em abril. A mulher do ex-cestinha, Cristina, disse a uma fonte ouvida pelo blog, que ele precisará fazer tratamento contra a doença a vida inteira.

É inegável a importância de Oscar Schmidt para a história do basquete brasileiro, gostando-se ou não do estilo demonstrado por ele em quadra nas equipes em que atuou, com abuso nos arremessos de longa distância. Alguns integrantes da velha guarda do basquete sempre criticaram essa preocupação excessiva de Oscar em pontuar sempre, esquecendo-se do jogo coletivo.

Outros irão criticar seus posicionamentos fora da quadra, como uma aliança com o ex-prefeito Paulo Maluf em 1998, quando concorreu (e perdeu) a eleição ao Senado. Alguns também irão lembrar das vaias totalmente fora de hora que Oscar comandava nas arquibancadas durante o Pan do Rio, em 2007, sempre que havia algum rival de atleta brasileiro em ação.

Críticas à parte, Oscar foi um gênio nas quadras. Comandou a maior conquista brasileira desde os Mundiais de basquete, com a conquista do ouro no Pan de 1987, em Indianápolis, quando o Brasil impôs a maior derrota já sofrida por uma equipe dos EUA dentro de casa.

Já consagrado e no final da carreira, voltou a atuar no Brasil em 1995, ano em que ajudou uma seleção brasileira limitada a se classificar para as Olimpíadas de Atlanta 1996. Por fim, assumiu o risco de montar uma própria equipe, em 1997, o Bandeirantes, projeto que levou adiante até 2003, quando encerrou a carreira, no Flamengo.

No começo deste ano, recebeu um presente especial, justamente no dia de seu aniversário, ao ser indicado para entrar no Hall da Fama de Springfield (EUA), o mais tradicional do basquete mundial.

Força ao Mão Santa!

Autor: Tags: , , , , ,

domingo, 31 de março de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 12:28

A pior derrota de Hortência

Compartilhe: Twitter

Hortência não ocupa mais a direção do basquete feminino na CBB

Poucas pessoas na história do basquete mundial tiveram uma carreira tão vitoriosa quanto Hortência Marcari. Maior cestinha do Brasil, campeã mundial em 1994, vice-campeã olímpica em Atlanta 1996, campeã pan-americana em Havana 1991, campeã mundial de clubes, integrante do Hall da Fama do basquete em Springfield. Um currículo brilhante. Mas todos estes feitos dentro de uma quadra de basquete não se repetiram quando Hortência passou a atuar como dirigente.

Sua gestão como diretora de basquete feminino na CBB (Confederação Brasileira de basquete), nos primeiros quatro anos do mandato de Carlos Nunes, foi uma sucessão de equívocos. E com uma característica marcante: a frequente troca de treinadores. Paulo Bassul, Carlos Colinas, Ênio Vecchi e Luiz Cláudio Tarallo foram os técnicos da era Hortência na CBB.

E pelo menos dois deles (Bassul e Vecchi) caíram por causa da aposta da dirigente numa jogadora:  Iziane Marques, a ala de algum talento e gênio intempestivo, que um dia recusou-se a entrar em quadra pela seleção por ter ficado no banco (pré-olímpico de Madri, em 2008), sob o comando de Bassul. O irônico é que faltando menos de uma semana para o início das Olimpíadas de Londres 2012, quando a seleção feminina fazia série de amistosos na França, Hortência foi obrigada a cortar Iziane, sua principal jogadora, por indisciplina. Ela levou um namorado para o quarto do hotel onde a equipe estava concentrada.

A notícia que saiu na última semana, dando conta que Hortência foi “rebaixada” na entidade, passando a ocupar agora uma protocolar “diretoria de assuntos institucionais” (Vanderley Mazzuchini acumulará a direção do masculino e feminino), significa sua maior derrota no basquete. E não estranharei se nas próximas semanas, Hortência anunciar sua saída da entidade.

Seria mais justo e digno com a história daquela que já foi chamada de “Rainha do basquete”, se a CBB, ao invés do “rebaixamento”, demitisse Hortência. Sem dramas ou mágoas. Vida que segue.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 24 de setembro de 2012 Ídolos, Olimpíadas, Seleção brasileira | 23:45

Robert Scheidt mostra que não perdeu a mão na Laser

Compartilhe: Twitter

Robert Scheidt, de volta à classe Laser, segue na liderança no Campeonato Italiano

Atualizado

Se tem alguém de quem você sempre pode esperar alguma coisa, este é o velejador Robert Scheidt. Sem poder mais competir na Star, retirada do programa olímpico para os Jogos do Rio de Janeiro, em 2016, o maior medalhista brasileiro na história das Olimpíadas, cinco ao todo (duas de ouro, em Atlanta 1996 e Atenas 2004; duas de prata, em Sydney 2000 e Pequim 2008; e uma de bronze, em Londres 2012), Scheidt voltou às origens.

Em preparação para o Rio 2016, Scheidt voltou ao “porto seguro” e recomeçou a treinar na Laser, classe que havia abandonado em 2001 (com um breve retorno em 2004, quando foi ouro em Atenas). E não é que mesmo “enferrujado”, Scheidt continua exibindo a velha forma? Após três dias de competição, ele lidera o Campeonato Italiano, em Scarlino.

Definitivamente, Robert Scheidt é mesmo um fenômeno!

Atletismo

Neste domingo, foi encerrado em São Paulo o Campeonato Sul-Americano Sub 23 de atletismo, realizado na pista do Ibirapuera, com ampla vantagem da seleção brasileira, reforçada por atletas que disputaram as Olimpíadas de Londres. No total, o Brasil conquistou 51 medalhas (24 de ouro, 14 de prata e 13 de bronze) e 494 pontos (250 no masculino e 244 no feminino), superando a Argentina, que ficou na segunda colocação geral. Um dos destaques individuais da competição foi Geisa Arcanjo, do arremesso de peso, que levou o ouro com a marca de 18,43m. Em Londres, Geisa terminou na sétima posição, melhor colocação de uma brasileira na história olímpica desta prova.

Ginástica rítmica

O Brasil conseguiu um ótimo desempenho no Campeonato Sul-Americano de ginástica artística, que foi realizado no último final de semana em Cali. No total, a equipe brasileira conquistou 18 medalhas, sendo 13 de ouro, quatro de prata e uma de bronze, computados os resultados das equipes adulta, juvenil, infantil e pré-infantil.

Tiro esportivo

Roberto Schmits disputou a final da fossa olímpica na final da Copa do Mundo de tiro esportivo, realizado em Maribor, na Eslovênia. E embora tenha obtido sua vaga após ter ficado entre os oito melhores do mundo no ranking mundial, na final Schmits não foi tão bem, tendo terminado em 11º entre 14 competidores.

Ciclismo estrada

Ciclistas brasileiros competiram no Campeonato Mundial de ciclismo estrada, na cidade de Limburg, na Holanda, neste final de semana. No masculino, Rafael Andriato terminou apenas 49º lugar, após sofrer uma queda durante a prova. Já no feminino, Clemilda  Fernandes foi um pouco melhor: terminou na 36ª posição.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 13 de setembro de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas | 13:38

Esporte brasileiro ficará mais rico para evitar mico nas Olimpíadas de 2016. Mas vai dar tempo?

Compartilhe: Twitter

Aldo Rebelo já tinha cobrado antes uma melhor posição do Brasil no quadro de medalhas

E o governo brasileiro resolveu se coçar e botar a mão na massa, ou no bolso, para ser mais específico. Nesta quinta-feira, a presidenta Dilma Rousseff anunciará, em meio a uma homenagem aos medalhistas nas Olimpíadas e Paralimpíadas de Londres 2012 o Plano Brasil Medalha 2016. Através do Ministério do Esporte, serão feitos investimentos de R$ 1 bilhão até 2016, com o objetivo de colocar o país entre os dez primeiros do quadro de medalhas das Olimpíadas e entre os cinco primeiros das Paralimpíadas que ocorrerão no Rio de Janeiro, daqui a quatro anos.

Na teoria, sensacional. Nunca antes na história deste país (frase nova essa, hein?), o esporte brasileiro teve tanto dinheiro à disposição. Mas a dúvida que fica martelando em minha cabeça: vai resolver de fato todos os nossos problemas este dinheiro todo?

Para uma parte dos envolvidos, sim. Pelo plano que será lançado, estão previstas a criação de uma Bolsa Pódio, que poderá repassar até R$ 15 mil a atletas que ocupam os 20 primeiros lugares dos rankings mundiais em suas modalidades. Além disso, haverá investimento na equipe multidisciplinar dos atletas e até em compra de equipamentos. Esta é a parte boa da história.

O que para mim não parece fácil de atingir é a tal meta traçada pelo governo. Antes dos Jogos de Londres, o ministro Aldo Rebelo já tinha acenado com esta colocação do Brasil entre os dez primeiros do quadro de medalhas como uma meta a ser buscada. Acho justo, o problema é que o plano que o governo colocará em prática no próximo ciclo olímpico parece com algo desesperado para se evitar um grande vexame nos Jogos do Rio 2016.

No esporte, simplesmente despejar dinheiro em busca de resultados de expressão não funciona. No esporte olímpico então, a coisa é ainda mais complicada. Só para tomar um exemplo recente, a Grã-Bretanha, que cumpriu brilhante campanha em casa agora, começou a fazer um investimento pesado após fracassar em Atlanta 1996, ou seja, 16 anos depois.

Portanto, o segredo é trabalho a longo prazo. Não serão estes endinheirados quatro anos que vão tirar o Brasil do 22º lugar do ranking olímpico para se tornar Top 10. É bom que isso fique bem claro na hora de cobrarem resultados em 2016.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 20 de julho de 2012 Imagens Olímpicas, Olimpíadas, Vídeos | 09:08

E faltam apenas sete dias para a festa começar

Compartilhe: Twitter

Bem, caso você não tenha percebido, nesta sexta-feira faltarão apenas sete dias para a abertura da 30ª edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. A festa do evento poliesportivo mais importante do planeta começará em Londres daqui a exatamente uma semana.  E para entrar no clima olímpico, que tal curtir este vídeo especial produzido pelo COI (Comitê Olímpico Internacional)?

Em 3min20s, alguns dos personagens e cenas mais marcantes da história dos Jogos – inclusive os de Inverno – são exibidos, como a vitória do etíope Abebe Bikila ganhando a maratona dos Jogos de Roma 1960; o americano Mark Spitz ganhando uma de suas sete medalhas de ouro em Munique 1972; Carl Lewis brilhando nos 100 m e no salto em distância em Los Angeles 1984 e Atlanta 1996; por sinal, nos Jogos de Atlanta que também consagraram o americano Michael Johnson nos 200 e 400 m; e como não poderia faltar, a performance inesquecível da romena Nádia Comaneci nas barras assimétricas, em Montreal 1976.

Bem, melhor do que ficar falando, é melhor curtir as imagens e esperar que estes sete dias passem bem rápido…

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 15:00

E o Brasil, acredite, já é considerado uma “potência esportiva”

Compartilhe: Twitter

Cesar Cielo exibe a medalha de ouro nos 50m livre do Mundial de Xangai

A notícia chega a ser surpreendente, dada à nossa habitual monocultura esportiva, onde só o futebol costuma ser lembrado como um exemplo de sucesso internacional: dados organizados pela agência de marketing esportivo HS&E (Havas Sports & Entertainment) apontam o Brasil como uma das 20 maiores potências esportivas do mundo.

O resultado causa surpresa porque historicamente o desempenho brasileiro nos esportes olímpicos ainda é modesto, embora esta situação esteja mudando nos últimos 16 anos, mas especificamente desde as Olimpíadas de Atlanta 1996. O estudo da HS&E, chamado “Nations os Sports”, é realizado desde 2005 e avalia anualmente o desempenho de 119 países que tenham conquistado ao menos uma medalha (ouro, prata ou bronze) em esportes olímpicos, automobilísticos ou modalidades reconhecidas pelo COI (Comitê Olímpico Internacional).

No levantamento que foi divulgado em janeiro, referente ao desempenho no ano de 2011, o Brasil aparece pela primeira vez entre as 20 principais nações esportivas do planeta, ocupando a 17ª posição, com 27 ouros, 19 pratas e 29 bronzes, em todas as competições internacionais realizadas na última temporada. Em 2010, o Brasil aparecia em 26º lugar, ganhando, portanto, nove posições no ranking. Levando-se em conta somente as competições olímpicas realizadas em 2011, com objetivo de preparação para as Olimpíadas de Londres 2012, o desempenho brasileiro foi ainda melhor: 13º lugar, com 15 ouros, oito pratas e 11 bronzes (total de 34). Ficou à frente, inclusive, de outros países com mais tradição olímpica, como Espanha (14º) e Canadá (17º).

“O fato de o Brasil ter sido escolhido para sediar as Olimpíadas de 2016 é um dos motivos deste crescimento. Com a proximidade do evento, os esportes olímpicos ganham maior destaque e investimento. Além disso, os atletas apresentam motivação extra para ter um grande desempenho em casa”, afirma Eduardo Corch, diretor da HS&E.

E o grande responsável por este “salto de qualidade” do Brasil na pesquisa da HS&E foi o desempenho da natação, com 14 medalhas (oito de ouro, uma de prata e cinco de bronze), sendo que seis destas medalhas foram conquistadas somente por Cesar Cielo, grande favorito a conquistar ao menos uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Londres 2012.

Agora, tirando o fato de que é impossível discutir contra números, faço uma provocação ao título de meu próprio post, e convido todos a uma sincera reflexão: analisando mais profundamente a realidade do esporte brasileiro, que costuma viver de esporádicos exemplos de gênios esportivos (como é Cielo, como foi Guga, Juliana/Larissa, Rodrigo Pessoa etc), será que podemos mesmo chamar o Brasil de “potência esportiva”? Dá pra falar em potência esportiva vendo tantos exemplos de confederações mal administradas neste país e que mal realizam o básico na política de descobrimento de novos talentos?

Sinceramente, o caminho do Brasil para chegar até lá ainda é muito longo.

Confira abaixo os 20 primeiros colocados no estudo da HS&E, levando-se em conta apenas as competições olímpicas de 2011:

Autor: Tags: , , , , , , , ,