Publicidade

Posts com a Tag Argolas

quinta-feira, 30 de abril de 2015 Olimpíadas, Seleção brasileira | 18:45

Tem campeão olímpico competindo em SP neste feriadão

Compartilhe: Twitter
Campeão olímpico em Londres nas argolas, Arthur Zanetti será a principal atração na etapa de São Paulo da Copa do Mundo

Campeão olímpico em Londres nas argolas, Arthur Zanetti será a principal atração na etapa de São Paulo da Copa do Mundo

Não sei se o amigo (ou amiga) que me acompanha neste espaço já está sabendo, mas para quem não for viajar e resolver ficar em São Paulo neste feriado prolongado, há um belo programa para quem curte esportes olímpicos. A partir desta sexta-feira, começa a etapa de São Paulo da Copa do Mundo de ginástica artística. Atletas de 14 países estarão competindo de sexta-feira a domingo no Ginásio do Ibirapuera, reunindo 43 atletas no masculino e 27 no feminino.

Só uma competição deste porte, que volta à cidade depois de oito anos, já seria motivo suficiente para tirar o torcedor que gosta de ginástica artística de casa e prestigiar alguns dos principais ginastas do mundo. Mas para mim, a principal razão é poder ver em ação nada menos do que um campeão olímpico do Brasil. Arthur Zanetti, ouro nas argolas nos Jogos de Londres 2012, é o principal nome da equipe brasileira, que ainda conta com Diego Hypólito entre seus  integrantes mais experientes. Zanetti participará das qualificatórias nesta sexta-feira à tarde e certamente estará na final no domingo pela manhã. Melhor forma de entrar no clima olímpico para o Rio 2016, impossível.

Confira abaixo a programação e o preço dos ingressos que ainda estão à venda.

Programação
Obs: GAM – ginástica artística masculina; GAF – ginástica artística feminina

Sexta-feira (1º)

8h às 8h50: aquecimento GAM (salto, paralelas e barra fixa) e GAF (trave e solo)
9h às 12h30: qualificatórias GAM (salto, paralelas e barra fixa) e GAF (trave e solo)
14h às 14h50: aquecimento GAM (solo, cavalo com alças e argolas) e GAF (salto e barras assimétricas)
15h às 18h30: qualificatórias GAM (solo, cavalo com alças e argolas) e GAF (salto e barras assimétricas)

Sábado (2)

9h às 12h: treino livre GAM e GAF
13h às 13h55: aquecimento GAM (salto, paralelas e barra fixa) e GAF (salto e barras assimétricas)
14h às 14h30: final GAM (salto)
14h35 às 15h05: final GAF (salto)
15h05 às 15h15: premiação
15h20 às 15h50: final GAM (paralelas)
15h55 às 16h25: final GAF (barras assimétricas)
16h30 às 17h: final GAM (barra fixa)
17h05 às 17h20: premiação

Domingo (3)

9h10 às 10h: aquecimento GAM (solo, cavalo com alças e argolas) e GAF (trave e solo)
10h10 às 10h40: final GAM (solo)
10h40 às 10h50: premiação
10h50 às 11h20: final GAM (argolas)
11h20 às 11h25: premiação
11h30 às 12h: final GAF (solo)
12h às 12h05: premiação
12h10 às 12h40: final GAM (cavalo com alças)
12h45 às 12h50: premiação
12h55 às 13h25: final GAF (trave)
13h25 às 13h30: premiação

Ingressos à venda no site da Live Pass (www.livepass.com.br)

Valores

1º de maio (sexta-feira)
Premium: R$ 100,00 / R$ 50,00 (meia-entrada)
Gold: R$ 40,00 / R$ 20,00 (meia-entrada)
Cadeiras superiores: R$ 20,00 / R$ 10,00 (meia-entrada)

2 e 3 de maio (sábado e domingo) – valores diários
Premium: R$ 200,00 / R$ 100,00 (meia-entrada)
Gold: R$ 80,00 / R$ 40,00 (meia-entrada)
Cadeiras superiores: R$ 40,00 / R$ 20,00 (meia-entrada)

Serviço
Copa do Mundo de Ginástica Artística Masculina e Feminina
Datas: 1º, 2 e 3 de maio
Local: Ginásio do Ibirapuera, na Rua Manoel da Nóbrega, 1361, Ibirapuera, em São Paulo (SP)

 

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Listas, Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:03

Uma breve reflexão sobre números e medalhas

Compartilhe: Twitter
Seleção feminina de handebol comemora a conquista do inédito título mundial na Sérvia

Seleção feminina de handebol comemora o inédito título mundial na Sérvia

Neste primeiro post de 2014, creio ser ainda ser necessário comentar sobre um fato que acabou passando batido por aqui no final do ano recém-encerrado: a campanha dos esportes olímpicos do Brasil em 2013, que cravaram o melhor desempenho do país no primeiro ano pós-olímpico desde 2000. Graças aos diversos mundiais que estiveram em disputa na última temporada, o Brasil conseguiu um total de 27 medalhas em modalidades presentes no programa olímpico, feito nunca antes alcançado. Antes disso, a melhor marca havia sido alcançada em 2005, um ano após as Olimpíadas de Atenas 2004, com 11 medalhas.

Destas 27 medalhas, oito delas foram de ouro, a última delas conquistada de forma brilhante pela seleção feminina de handebol, campeã mundial diante da Sérvia, em dezembro. Os demais ouros de 2013 vieram com César Cielo (natação – 50 m livre); Arthur Zanetti (ginástica artística – argolas); Rafaela Silva (judô – 57 kg); Jorge Zarif (vela – classe Finn); Robert Scheidt (vela – classe Laser); Poliana Okimoto (maratonas aquáticas – 10 km); e vôlei feminino (Grand Prix).

Diante do ótimo resultado, tanto o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) quanto o Ministério do Esporte – um dos principais financiadores do esporte olímpico nacional, através do Bolsa Atleta e Bolsa Pódio, entre outros convênios – trataram de enaltecer o feito, lembrando em comunicados à imprensa que o Brasil terminou 2013 no oitavo lugar em um hipotético quadro de medalhas envolvendo as competições olímpicas no ano passado. Coincidentemente, o resultado está dentro da meta estabelecida, tanto pelo COB como pelo Ministério, para as Olimpíadas de 2016, no Rio, quando se espera que o país termine os Jogos entre os dez primeiros.

>>> Leia ainda: O dia em que o handebol deixou de ser ‘pé de página’ no Brasil

Mas por uma questão de padronização, esse 8º lugar deveria ser tratado como um 10º lugar. Antes da minha justificativa, uma rápida historinha olímpica…

A extinta União Soviética fez sua estreia em Olimpíadas nos Jogos de Helsinque, em 1952. Em plena Guerra Fria com os Estados Unidos, os soviéticos queriam aproveitar sua primeira participação olímpica para também fazer propaganda do regime comunista. E em sua Vila Olímpica particular (a delegação não quis se misturar com os demais atletas) os dirigentes da URSS instalaram na entrada um quadro onde computava as medalhas que eram conquistadas por seus atletas, em comparação às dos americanos. Era o primeiro quadro de medalhas da história das Olimpíadas. A partir de então, a imprensa passou a publicar listas com o total de medalhas conquistadas a cada edição dos Jogos. Mas essa é uma classificação extra-oficial.

Se você procurar no site do COI (Comitê Olímpico Internacional), não irá encontrar qualquer quadro de medalhas, pois a entidade considera apenas os campeões olímpicos de cada prova. Não sou hipocritamente purista como os nobres membros do COI e considero natural que a imprensa crie uma forma de classificar os ganhadores de medalhas nos Jogos Olímpicos. Porém, é bom deixar claro que oficialmente essa classificação não existe.

>>> Veja também: Mundial de Barcelona coinsagra Cielo, Thiago e Poliana, mas também merece uma reflexão

Os quadros de medalha olímpicos têm em geral sua classificação feita pelo tipo de medalha conquistada: primeiro, ouro, depois a prata, em seguida o bronze e por fim o total de medalhas. Mas é claro que os critérios mudam de acordo com o gosto do freguês. Assim ocorreu com vários veículos de comunicação dos EUA, que começaram a fazer a classificação de seus quadros pelo total de medalhas de Pequim 2008, justamente quando os ouros chineses deixaram as conquistas americanas para trás. No final, a China teve 51 ouros (100 no total) e os EUA faturaram 36 ouros (e 110 no total).

Volto a reforçar: para o COI, essa classificação não tem a menor importância!

No quadro de medalhas olímpicas de 2013 do COB, o critério usado é pelo total de medalhas obtidas. Assim, Japão (dez ouros), Coréia do Sul e Hungria (nove ouros cada um) aparecem atrás do Brasil, que levando em conta a classificação habitualmente adotada pela mídia, ficaria atrás destes três países, mas ainda assim estaria à frente da Austrália ( sete ouros no ano passado), que no quadro original ficou à frente do Brasil.

>>> E mais: O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

Como diz o título do post, o objetivo foi fazer com que uma pequena reflexão seja feita diante dos excelentes resultados obtidos pelos atletas brasileiros no ano que passou. Estamos no caminho certo, mas muito longe ainda de poder apontar o país como uma “potência olímpica”, como alguns mais fanáticos podem pensar.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 18 de outubro de 2013 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 18:13

Via Zanetti, Governo manda recado para Confederação de ginástica

Compartilhe: Twitter
O secretário de Alto Rendimento, Ricardo Leyser, conversa com Arthur Zanetti

O secretário de Alto Rendimento, Ricardo Leyser, conversa com Arthur Zanetti: planos para 2016 e bronca na CBG

Nesta última quinta-feira, o ginasta campeão olímpico e mundial das argolas, Arthur Zanetti, visitou o Ministério do Esporte, onde encontrou-se com o secretário nacional de Alto Rendimento, Ricardo Leyser. Há cerca de dez dias, o técnico de Zanetti, Marcos Gotto, não poupou críticas à falta de estrutura para seu pupilo e os demais ginastas que treinam em São Caetano do Sul, sobre as condições dos equipamentos disponíveis e também sobre a falta de um centro de treinamento nacional para a ginástica artística brasileira (confira a reportagem do iG sobre o assunto).

Segundo o blog apurou, na época as declarações não foram bem recebidas por Leyser, que lembrava a interlocutores que o ginasta participa do programa Bolsa-Atleta e também será contemplado pelo programa Bolsa Pódio, para auxílio na preparação visando as Olimpíadas do Rio 2016, possivelmente no valor máximo mensal previsto de R$ 15 mil. Por conta desta irritação do secretário, esperava-se que no encontro o ginasta acabasse escutando algum tipo de repreensão endereçada ao seu treinador, mas isso não ocorreu.

“Houve uma boa conversa, o Zanetti deu opiniões a respeito dos projetos que estão sendo encaminhados, tanto para ele, que é uma das apostas do ministério para os Jogos do Rio, quanto para a ginástica artística. Em resumo, zeramos tudo e agora já estamos pensando em 2016”, afirmou um interlocutor, em conversa com o blog.

Mas o governo aproveitou o encontro para passar um recado claro à CBG (Confederação Brasileira de Ginástica). A entidade, que não tem competência para colocar um médico de plantão em um simples campeonato juvenil, ou que vê clubes privados, como o Náutico União, tendo projetos de importação de equipamentos de ponta aprovados, levou um pito de Leyser.

“Vamos conversar com a CBG para avaliar a situação e verificar medidas corretivas, mas entendo ser necessária uma ação conjunta e mais incisiva do Ministério, do Comitê Olímpico Brasileiro e da Caixa – patrocinadora da modalidade – para melhorar a gestão da confederação, sobretudo nas ações de preparação da seleção para os Jogos Olímpicos de 2016”, disse o secretário de Alto Rendimento.

Abre o olho, CBG…

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sábado, 5 de outubro de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Mundiais, Seleção brasileira | 14:48

O esporte do Brasil merece um campeão como Arthur Zanetti?

Compartilhe: Twitter
Arthur Zanetti exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de Antuiérpia

Arthur Zanetti exibe a medalha de ouro conquistada no Mundial de Antuérpia

Post atualizado

Fenômeno é pouco para definir o paulista Arthur Zanetti, novo campeão mundial nas argolas, em título confirmado neste sábado, na cidade de Antuérpia, na Bélgica. Mesmo com uma pontuação ligeiramente menor do que a obtida no ouro nas Olimpíadas de Londres 2012 (15.800 neste sábado, contra 15.900 no ano passado), Zanetti conseguiu deixar para trás seu maior rival, o chinês Yang Liu, que o superou na prova de classificação. O brasileiro, com isso, igualou-se a Diego Hypólito (ouro no solo em Melbourne 2005 e Suttgart 2007) e Daiane dos Santos (ouro no solo em Anaheim 2003) como os campeões mundiais brasileiros na ginástica artística.

Zanetti, que já havia sido vice-campeão mundial nas argolas, em Tóquio 2011, também repetiu o feito de outros dois monstros do esporte brasileiro, igualmente campeões olímpicos e mundiais: Cesar Cielo, na natação (50 m livre), e Robert Scheidt, na vela (clase laser).

É ótimo para o esporte brasileiro poder contar com um atleta do nível de Arthur Zanetti, ainda mais com as Olimpíadas do Rio 2016 batendo na nossa porta.

A dúvida que martela a minha cabeça é se o esporte brasileiro merece um  fenômeno como Arthur Zanetti.

Há cerca de um mês, durante a disputa do Brasileiro juvenil de ginástica artística, realizado em Aracaju, um ginasta de São Bernardo do Campo (Leonardo Finatti), sofreu uma fratura exposta durante a coimpetição. Não havia médicos ou ambulância no local. Ele precisou ser socorrido pelos fisioterapuetas presentes, que fizeram uma tala e o levaram para um hospital.

Veja também: O desabafo de Zanetti é uma vergonha para o Brasil Olímpico

Aracaju é a sede da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica). Apenas isso.

Alguém pode argumentar e dizer que se tratou de um caso isolado. Mas como uma de minhas poucas qualidades é a de ter uma boa memória, eu faço questão de recordar que o próprio Zanetti, há apenas sete meses, precisou abrir a boca para reclamar das condições vergonhosas que tinha para treinar. O iG Esporte esteve no ginásio de São Caetano e registrou as cenas. Clique aqui e reveja. É de envergonhar um país que vai receber as próximas Olimpíadas.

E as condições só melhorarm, através de uma intervenção do Ministério do Esporte, com a liberação de verbas para a compra de aparelhos, após o próprio Zanetti, talvez cansado de tantas promessas não cumpridas, desabafar em uma entrevista ao programa “Esporte Espetacular”, da Rede Globo, que não descataria apossibilidade de se naturalizar para competir por outro país, caso as condições de treinamento para ele não melhorassem.

Leia ainda: Dois tristes retratos do Brasil Olímpico

Se antes já considerava quase impossível que Zanetti cumprisse esta ameaça, após este título mundial acho impossível.

Mas é importante que tudo isso seja colocado neste momento de festa, de celebração e possivelmente muito oba-oba, para que não se perca o foco. A estrutura que está por trás dos poucos fenômenos brasileiros no esporte é ainda muito limitada, para não dizer inexistente.

Este título mundial é de Arthur Zanetti, e que nenhum oportunista tente tirar uma casquinha dele.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

domingo, 10 de junho de 2012 Olimpíadas, Seleção brasileira | 22:23

Números comprovam que Arthur Zanetti é candidato a medalha nas Olimpíadas de Londres

Compartilhe: Twitter

Arthur Zanetti celebra a vitória na Copa do Mundo de ginástica artística

Sem medo de ser taxado como pacheco (justo eu, né?), posso afirmar que o excepcional resultado do ginasta brasileiro Arthur Zanetti, na etapa da Copa do Mundo de ginástica artística realizada em Ghent, na Bélgica, o credencia como grande candidato a brigar por uma medalha na prova de argolas da ginástica artística, nas Olimpíadas de Londres.

A afirmação não é baseada em algum arroubo de nacionalismo fajuto ou mero chutometro. Com o resultado obtido na etapa deste domingo, pela Copa do Mundo, atingindo os 15.925 pontos, Zanetti ficou muito próximo do desempenho do chinês Yibing Chen, medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim 2008 e bicampeão mundial nas argolas.

Com exceção justamente da prova em que garantiu o título olímpico em 2008, com 16.600 pontos, Chen teve uma pontuação abaixo desta obtida pelo brasileiro nos Mundiais em que foi campeão mundial (2010 e 2011). A pontuação de Zanetti na Bélgica teria lhe garantido também o título do Mundial de 2009, realizado em Londres, vencido também por um chinês, só pra variar, Mingyong Yan, com 15.675 pontos.

É claro que quando os Jogos Olímpicos começarem, tudo isso pode virar somente estatística. Porém, é impossível não considerar o nome de Arthur Zanetti entre os candidatos a medalha nas argolas, um feito inédito para a ginástica brasileira.

Autor: Tags: , , , , ,