Publicidade

Arquivo da Categoria Isso é Brasil

terça-feira, 5 de junho de 2012 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 15:14

Bolt e Isinbayeva no Brasil? Talvez em 2014

Compartilhe: Twitter

Usain Bolt correndo no Brasil antes dos Jogos de 2016? Sim, isso pode acontecer

O sonho de contar com grandes estrelas do atletismo mundial competindo no Brasil poderá ocorrer antes mesmo da realização das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. O futuro presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, atual mandatário da FPA (Federação Paulista de Atletismo) tem como uma das metas de sua nova administração, que começará em fevereiro do ano que vem, acertar para que o Brasil receba uma etapa da Liga de Diamante, o circuito mais importante de provas da IAAF (Associação das Federações Internacionais de Atletismo). E isso poderia ocorrer já em 2014.

“Estive em Eugene, acompanhando a Fabiana Murer e a Maurren Maggi, que competiram lá, e comecei a fazer contatos sobre a possibilidade de trazermos uma etapa da Liga de Diamante em 2014. Teríamos que ver a viabilidade disso, ver qual estádio poderia receber o evento, mas acho perfeitamente viável. O Brasil terá um outro status a partir de 2013″, disse Toninho nesta terça-feira, em um evento na BM&F/Bovespa.

Segundo ele, o fato de ser a próxima sede das Olimpíadas fará com que o Brasil passe a ser o foco de atenção de grandes eventos internacionais no próximo ciclo olímpico. O custo para a realização desta etapa da Liga de Diamante seria de cerca de US$ 4 milhões.

Investimentos para isso certamente aparecerão diante de um evento desta grandeza. Afinal, com uma etapa da Liga de Diamante no calendário, o país se candidata a receber atletas do nível de Usain Boilt, recordista mundial dos 100 m rasos, ou mesmo a russa Elena Isinbayeva, recordista mundial e campeã olímpica do salto com vara.

Para quem acha tudo isso um devaneio, faço apenas uma lembrança: no início da década de 90, quando nem se sonhava com a realização de uma Olimpíada por aqui e com a situação econômica do país muito pior, o Brasil fazia parte do circuito de Grand Prix da IAAF e viu competir na pista do Ibirapuera, em São Paulo, estrelas como Carl Lewis, Michael Johnson, Edwin Moses, Serguei Bubka, Javier Sotomayuor, Steve Ovett, isso só para ficar com estes nomes.

Ou seja, não é um sonho impossível, cá entre nós.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 1 de junho de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 20:57

E não é que tem #mimimi no esporte olímpico também?

Compartilhe: Twitter

Jéssica Yamada perdeu lugar na seleção de tênis de mesa para Gui Lin e até agora não entendeu o motivo

A semana que se encerra mostrou que no universo do esporte olímpico, as palavras “crise”, “polêmica” e “discussão” são mais comuns do que se imagina. E o tema que mais rendeu discussões em redes sociais voltas às modalidades olímpicas foi a convocação da chinesa naturalizada brasileira Gui Lin para integrar a seleção brasileira de tênis de mesa nas Olimpíadas de Londres 2012. O motivo de tanto #mimimi (expressão criada nas mesmas redes sociais para definir brigas e discussões às vezes sem sentido) foi a CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) ter deixado de lado Jéssica Yamada na convocação.

Entrevistada pelo repórter Henrique Munhos, do iG Esporte, Jéssica disse que não entendeu até agora o motivo de ter sido preterida por Gui Lin. O pai da mesa-tenista e também treinador, Marcos Yamada, ficou ainda mais indignado, chegando a dizer que a chinesa nada acrescentará à seleção em Londres. Mas os números não mostram exatamente isso, pois o ranking mundial divulgado nesta sexta-feira, Gui Lin aparece em 260º lugar, duas posições à frente de Jéssica. A CBTM não deu muita bola para o chororô de Jéssica Yamada.

Já o outro caso desta semana representa o genuíno #mimimi. Após ter apresentado um fraco desempenho em uma etapa da Copa do Mundo de remo, na Suíça, o remador Anderson Nocetti, único classificado entre os homens para Londres, foi cobrado via Facebook pelo próprio treinador da seleção brasileira, o francês José Oyarzabal, que cornetou alguns aspectos técnicos no desempenho do atleta.

A resposta veio rápida e certeira. “Com certeza posso melhorar, basta eu querer e ter um técnico presente me orientando pra isso, por mais experiência que eu tenha não consigo fazer isso sozinho”, afirmou Nocetti, também pela rede social. O remador, que vive em Florianópolis e já havia manifestado sua irritação por não ter condições de treinar ao lado dos demais integrantes da seleção, no Rio de Janeiro, teve pelo menos o consolo de sua discussão pública com o treinador ter tido um resultado prático: o Botafogo, clube pelo qual compete, irá bancar a estadia de Nocetti no Rio, para treinar com os integrantes da seleção.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 28 de maio de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 19:35

Brasil também terá 'reforço externo' em Londres. Vale a pena?

Compartilhe: Twitter

A chinesa naturalizada brasileira Gui Lin, ao lado de seu 'mentor', Hugo Hoyama

E a notícia mais relevante do esporte olímpico do Brasil nesta segunda-feira foi a confirmação da primeira atleta naturalizada do tênis de mesa do Brasil na história dos Jogos Olímpicos. Gui Lin, de 18 anos, teve sua convocação anunciada pela CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) como uma das integrantes da delegação do país que estará em Londres, a partir de 27 de julho.

Agora, assim como já fizeram Argentina e República Dominicana em outras ocasiões, o Brasil também terá a sua “chinesa” na equipe. No caso de Gui Lin, o objetivo é mais ambicioso: conquistar uma medalha individual nas Olimpíadas do Rio, em 2016. A grande dúvida que pode surgir na cabeça de muita gente: será que esta estratégia vale a pena?

O caso de Gui Lin merece uma análise à parte, sem qualquer traço de preconceito. Traz alguma semelhança com o que ocorreu com a cubana naturalizada britânica Yamila Aldama, que aos 39 anos defenderá a Grã-Bretanha em sua terceira olimpíada por um país diferente, após morar mais de dez anos na ilha da Rainha. E ainda assim enfrentou algumas críticas da imprensa local, irritada com a enorme quantidade de atletas naturalizados, chamados jocosamente de “britânicos de plástico”.

Gui Lin está no Brasil desde os 12 anos,  quando veio participar de um programa de intercâmbio. Passou a treinar em São Bernardo do Campo, onde mora e compete, tendo sido “adotada” esportivamente por Hugo Hoyama. É considerada pelos dirigentes brasileiros da modalidade como dona de um talento excepcional. Daí o esforço da cartolagem em naturalizá-la e já integrá-la na equipe, ao menos da disputa por equipes.  Nesta caso, como o Brasil não tem atletas de nível competitivo, a presença de Gui Lin pode dar um “upgrade” no tênis de mesa do país.

E vale destacar outra coisa: Gui Lin não será a primeira atleta naturalizada que o Brasil já usou em Jogos Olímpicos. Fernando Meligeni, no tênis, e Sebastian Cuattrin, na canoagem, ambos argentinos de nascimento, estiveram representando as cores brasileiras em Olimpíadas. E Londres 2012 poderá marcar a presença do primeiro americano numa seleção masculina de basquete, Larry Taylor, já convocado pelo técnico Rubén Magnano (que por sinal é argentino…)

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 23 de maio de 2012 Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 11:53

Segredos e mentiras

Compartilhe: Twitter

Leandro Vissotto se recupera de um cateterismo. Mas quase que ninguém ficou sabendo

Caiu como uma bomba entre os fãs do vôlei e do esporte olímpico brasileiro a notícia, nesta última terça-feira, que o oposto Leandro Vissoto, da seleção brasileira masculina, precisou passar por um cateterismo para tratar uma arritimia cardíaca, ocorrida durante uma partida pelo Campeonato Italiano. A cirurgia foi um sucesso e o jogador já está recuperado, concentrado no CT de Saquarema e treinando para recuperar a forma. Tudo normal, se não fosse um pequeno detalhe:  tanto o jogador quanto a própria CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) fizeram o possível para esconder a informação.

A notícia só não passou batida graças a uma reportagem do jornal “Folha de S. Paulo”, de autoria do repórter Danieel Brito, publicada na edição desta terça. Ao procurar Vissotto para repercutir a história, a repórter Aretha Martins, do iG, ouviu do oposto a justificativa do mistério. “Não queria burbuirinho”.

Ninguém é obrigado a sair por aí expondo sua vida particular, seus problemas ou dramas pessoais. Talvez essa seja a maior crítica que se faça a estes tempos nos quais Twitter e Facebook tomaram o lugar das velhas e boas relações humanas. Todo mundo acha que pode falar sobre tudo, a internet virou um baú virtual de críticas e lamentações, sem censura. Mas duas coisas não me parecem corretas neste caso.

Primeiro, o fato da assessoria da CBV mentir (ou omitir) neste caso, ao divulgar que o jogador não tinha viajado com o grupo para a primeira rodada da Liga Mundial para se recuperar de uma lesão. Caramba, o cara passa por um procedimento cirúrgico no coração e divulgam algo como se fossem dores na panturrilha? Não dá, não pode ser assim. Isso é o que eu chamo de desinformação, no mínimo.

Outra coisa é a postura do jogador. Ele é uma figura pública, quer goste ou não. Provavelmente é ídolo para muitas pessoas, que certamente ficaram preocupadas com a notícia e o risco que ele correu, tanto de vida quanto para o prosseguimento de sua carreira. Tem que dar satisfação, sim! De uma forma simples, através de comunicado, claro e sem rodeios, e ponto final.

Talvez o maior exemplo de como se lidar diante de uma situação dramática como essa tenha sido dada por Magic Johnson, então astro do Los Angeles lakers, da NBA, quando em 1991 descobriu ser portador do vírus HIV e reuniu a imprensa, em uma coletiva, para divulgar o fato e anunciar que estava abandonando as quadras.

Tudo feito às claras, de forma honesta e respeitando seu drama.

Não se defende o sensacionalismo em casos como este vivido por Leandro Vissotto. Somente se pede que a verdade, mais do que qualquer coisa, seja preservada.

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 2 de maio de 2012 Imprensa, Isso é Brasil | 17:57

É proibido ter oposição no COB?

Compartilhe: Twitter

Carlos Arthur Nuzman completará 21 anos à frente da presidência do COB em 2016

Nesta última segunda-feira, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) emitiu um comunicado anunciando que somente uma chapa fora inscrita para concorrer às eleições da entidade, que ocorrerão em data a ser definida, no último trimestre deste ano. Por uma incrível coincidência, a chapa é encabeçada pelo atual presidente da entidade, Carlos Arthur Nuzman, e terá como vice André Richer, atual ocupante do cargo.

Como é chapa única, Nuzman vencerá o pleito e completará nada menos do que 21 anos no comando do COB em 2016, ano em que se encerrará o próximo mandato.

O que me deixa com um caminhão de pulgas atrás da orelha é o fato de não existir oposição no COB. Nunca. Sempre as eleições são por aclamação, lembrando que a unanimidade, parafraseando Nelson Rodrigues, nem sempre é sinônimo de inteligência.

Só que desta vez houve quem se colocasse contra à gestão Nuzman: segundo informou o advogado e blogueiro Alberto Murray Neto, ex-membro da Assembleia Geral do COB e eterno opositor do dirigente, o presidente da CBDG (Confederação Brasileira de Desportos de Gelo), Eric Maleson, registrou sua candidatura à presidência do COB, dentro do prazo legal, na própria segunda-feira (30/4). Candidatura essa que foi rejeitada, por não atender aos requisitos regimentais da entidade, como por exemplo, o de não contar com o apoio de pelo menos dez confederações.

Além dele, um outro presidente de confederação também não assinou o documento de apoio a Nuzman: Alaor Azevedo, da CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa), que em janeiro chegou a ser apontado como nome de consenso para diminuir o descontentamento de algumas confederações com a atual gestão do COB.

Só dois dirigentes manifestaram oposição aberta a Carlos Arthur Nuzman, contra 28 que apoiam declaradamente nova reeleição do dirigente.

Será que é proibido ter oposição lá no COB? Afinal, até em grêmio estudantil o continuísmo não é considerado como algo positivo. A alternância no poder é sempre saudável. A linha que separa o excessivo apego ao poder da ditadura é tênue demais.

Até compreendo que o atual grupo que comanda o COB queira continuar no poder. Faz parte do jogo político. E para ter apoio da maioria absoluta do colégio eleitoral, é provável que coisas positivas estejam sendo feitas. Ao menos na visão destes cartolas que apoiam este continuísmo.

O que não dá pra aceitar é que Nuzman queira empalar MAIS UM MANDATO. Vinte e um anos é tempo demais. Nem Roberto Gesta de Melo irá continuar na presidência da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) ao final deste ano, cargo que ocupava desde 1987. Coloque alguém de seu grupo, o que já significaria uma nova cabeça no comando da entidade. Mas ele não quer sair da cadeira de forma alguma. Sabe como é, tem os Jogos do Rio, em 2016 (onde ele também ocupa o cargo de presidente do comitê organziador, é bom lembrar).

O Brasil vem sendo considerado exemplo de evolução em vários setores, como melhor qualidade de vida, aumento no nível de emprego para as camadas mais baixas da população, melhoria nos índices sociais, Mas ainda tem muito a aprender a transformar a vida política de suas entidades esportivas numa autêntica democracia.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

domingo, 8 de abril de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 22:28

Crônica de duas derrotas mais do que esperadas

Compartilhe: Twitter

Jogadores da seleção brasileira de handebol festejam a vitória sobre a Macedônia, no Pré-Olímpico da Suécia. Mas ficaram sem a vaga em Londres

A foto que abre este post registra o momento de alegria dos jogadores da seleção brasileira masculina de handebol, após derrotarem a Macedônia, neste domingo, por 28 a 27, no encerramento do Pré-Olímpico de Gotemburgo, na Suécia. Detalhe é que foi a chamada vitória inútil, pois o Brasil já estava sem chance de classificação para as Olimpíadas de Londres 2012, após a derrota ocorrida um dia antes, para a Hungria.

Ainda neste domingo, do outro lado do mundo, a seleção masculina de polo aquático encerrava sua participação no Pré-Olímpico de Edmonton (Canadá) com uma derrota para a Turquia por 16 a 12 e terminando a competição em oitavo lugar. A chance de vaga olímpica já tinha ido para o vinagre dois dias antes, quando o Brasil levou uma surra da Romênia por 19 a 8.

Sem querer bancar o sabichão, sou obrigado a dizer que estes resultados já tinham sido previstos neste blog. Mas isso não chega a ser nenhum mérito, muito pelo contrário. Há tempos que prever fracassos em algumas modalidades olímpicas brasileiras é uma tarefa das mais fáceis. A diferença é que não há mais a velha desculpa, muito comum 20 ou 25 anos atrás, da falta de dinheiro e apoio do governo.

Nunca se investiu tanto no esporte olímpico brasileiro como nos últimos quatro anos. Mais de R$ 200 milhões no último ciclo olímpico, para ser mais específico. Porém, ainda esbarramos nos antigos problemas da falta de melhor material humano, experiência em competições internacionais e de melhores treinadores, a despeito de existir uma importação cada vez maior de técnicos estrangeiros, em todas as modalidades.

O que existe, me parece, é uma aplicação errada do dinheiro público proveniente das verbas da Lei Agnelo/Piva, sem falar nos velhos problemas estruturais do esporte brasileiro, onde nada se investe na formação de talentos e busca-se resultados às vezes sem qualquer preparo. De repente, por causa de talentos esporádicos, pode-se até conquistar uma coisa aqui, outra ali, mas isso está longe de ser a regra.

Enquanto esta realidade não mudar, continuaremos a festejar isoladas vitórias que nada valem, e ver os adversários comemorando classificações  para as Olimpíadas.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 30 de março de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 20:12

Valores investidos no ciclo olímpico não justificam previsão do COB para Londres

Compartilhe: Twitter

O superintendente do COB, Marcus Vinícius Freire, diz que o Brasil deve repetir em Londres 2012, em termos de resultados, o que fez em Pequim 2008

Um ciclo olímpico corresponde a um período de quatro anos, que começa no ano subsequente a uma edição dos Jogos e termina na edição seguinte do evento. Você, caro(a) internauta, sabe quanto foi investido, apenas com as verbas provenientes da Lei Agnelo/Piva, que destina 2% do que é arrecadado nas loterias brasileiras, nas confederações esportivas olímpicas do Brasil? A bagatela de R$ 207,4 milhões.

Só que para o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), a previsão de resultados da delegação brasileira nas Olimpíadas de Londres 2012 deverá ser igual ao de Pequim 2008, ou seja 15 medalhas.

Além de mim, mais alguém aí acha que há algo errado neste discurso conservador?

Nesta semana, o COB reuniu a imprensa para detalhar os planos de ação da entidade para Londres. Perguntados a respeito de expectativa de resultados nos Jogos, que começarão no dia 27 de julho, tanto o presidente da entidade, Carlos Arthur Nuzman, quanto o superintendente executivo, Marcus Vinícius Freire, foram categóricos: a meta em terras britânicas será repetir o que foi feito quatro anos atrás, em Pequim 2008. Os dois dirigentes não especificaram qual a cor destas medalhas. Vale lembrar que na China foram conquistadas três de ouro.

A justificativa para esta previsão conservadora é que o olhar do COB, em busca de resultados mais importantes e que demonstrem a possível alteração de status olímpico brasileiro, está voltado quatro anos à frente, ou seja, nos Jogos do Rio 2016. Segundo Freire, o problema é que “faltou tempo” para que o foco fosse centralizado neste ciclo  olímpico, lembrando de dois grandes eventos, o Pan 2007, no Rio, e a campanha para ganhar a sede dos Jogos de 2016, finalizada em outubro de 2009.

O dirigente do COB tem alguma razão, mas até a página 3, como dizem por aí.

Em primeiro lugar, não me parece correto colocar nesta conta a organização do Pan 2007 (com todos os problemas, atrasos, orçamentos estourados e não aprovados pelo TCU etc), especialmente por se tratar de um ciclo olímpico anterior, que pertencia aos Jogos de Pequim.

E por mais que o foco principal da entidade estivesse voltado para a dura missão de conquistar a sede das Olimpíadas de 2016, fico pensando como não foi possível destinar dentro do COB parte desta energia para criar um mecanismo de cobrança de resultados das confederações, e não meramente ficar no papel de distribuidor de verbas públicas.

Mais de R$ 200 milhões de reais (no mínimo) investidos em um ciclo olímpico é algo que ninguém poderia jamais imaginar ocorrendo no Brasil. Mas tanto dinheiro também necessita ser justificado. E pelo que o COB já adiantou, evolução de resultados só poderá ser cobrada daqui a quatro anos, quando a entidade espera ver o Brasil entre os dez primeiros no quadro de medalhas.

Desculpem, mas com todo este dinheiro público investido, esta cobrança tem que começar agora mesmo.

Confira abaixo qual foi o investimento, ano a ano, neste ciclo olímpico, das verbas da lei Agnelo/Piva:

2012 – R$ 60,9 milhões (+ R$ 15,3 milhões Fundo Olímpico)/ Total arrecadação da loterias prevista: R$ 145 milhões
2011 – R$ 68,8 milhões (+ R$ 14 milhões Fundo Olímpico)/ Total arrecadação prevista das loterias: R$ 130 milhões
2010 – R$ 45,7 milhões (+ R$ 15 milhões Fundo Olímpico)/ Total arrecadação das loterias: R$ 142,7 milhões
2009 – R$ 32,07 milhões (+ R$ 18,7 milhões Fundo Olímpico)/Total arrecadação das loterias: R$ 113,4 milhões

Obs 1: O total arrecadado da Lei Piva de 2011 ainda depende de confirmação, após publicação do balanço do COB; o de 2012 é uma previsão

Obs 2: O Fundo Olímpico é formado a partir de uma parcela dos recursos que o COB recebe da Lei Agnelo/Piva e é destinado a atender projetos especiais apresentados por todas as confederações, cujos valores não couberem no orçamento anual aprovado pelo COB para cada Confederação, ou no orçamento disponível de outras fontes de recursos da Confederação.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 20 de março de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas, Vídeos | 21:19

Documentário serve de alerta para Londres 2012 e Rio 2016

Compartilhe: Twitter

Visão geral do Parque Olímpico de Londres em janeiro, ainda em obras

Uma forma diferente de se encarar os Jogos Olímpicos. Esta foi a sensação que tive ao assistir o documentário “London, 1 year to go”, de Kleber Mazziero e produzido pela ESPM-SP (Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo). Disponível no YouTube e dividido em cinco blocos, este interessante documentário tem como maior mérito, ao meu ver, desmistificar um pouco a realização das Olimpíadas de Londres, que começarão no próximo dia 27 de julho. E serve como importante ensinamento para o show de pachequismo explícito que teremos daqui a quatro anos, com a realização dos Jogos do Rio, em 2016.

Em julho de 2011, quando faltava um ano para a abertura das Olimpíadas, a equipe do documentário chegou a Londres com a ideia de mostrar a cidade, entrevistar autoridades e responsáveis pela organização do evento. E dos cinco blocos , o que me chamou mais a atenção foi justamente o primeiro, quando o diretor Mazziero contou como mudou a concepção do roteiro do documentário, ao ser impedido de filmar uma das principais estações de metrô de Londres lotada, com enormes filas para o atendimento na compra dos bilhetes.

Ao explicar para o supervisor da estação que estava fazendo um documentário para mostrar como a cidade de Londres estava se preparando para receber os Jogos, recebeu a resposta que caiu como uma pedra em sua cabeça: para mostrar Londres, ele não precisaria mostrar as entranhas da cidade, disse o supervisor. Esta atitude, para Maziero, partindo de um funcionário público, já colocava sob suspeita a própria veracidade dos números divulgados pelos organizadores britânicos.

Se isso ocorre em Londres, o que esperar no Rio, daqui a quatro anos, com autoridades (como as do Brasil, de um modo geral) cujo histórico de maquiar os problemas mais sérios é prá lá de conhecido.

O trecho mais importante ocorre a partir de 1min10s desta primeira parte do documentário. Confira abaixo:

Autor: Tags: , , ,

domingo, 11 de março de 2012 Almanaque, Ídolos, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Pan-Americano | 23:23

Magic Paula para a presidência do COB!

Compartilhe: Twitter

Magic Paula foi uma das duas maiores jogadoras do basquete feminino brasileiro, ao lado de Hortência

Este domingo, 11 de março, representou uma data histórica para o esporte brasileiro. Foi neste domingo que Maria Paula Gonçalves da Silva, a Magic Paula, completou 50 anos de idade. Uma das duas maiores jogadoras do basquete feminino brasileiro, ao lado da Rainha Hortência (além de uma das melhores do mundo em todos os tempos), Paula teve participação fundamental em três momentos marcantes nas quadras: a medalha de ouro no Pan-Americano de Havana 1991; o título mundial na Austrália, em 1994; e a medalha de prata nas Olimpíadas de Atlanta 1996.

Mas Paula continua brilhando longe do basquete. Diretora do Instituto Passe de Mágica, comanda o Projeto Petrobras, que apoia cinco modalidades (remo, taekwondo, boxe, esgrima e levantamento de peso) com investimentos que chegam direto aos atletas destas entidades, sem passar pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro), custeando períodos de treinamento e participação em competições internacionais.

Veja também: A estranha “meritocracia” do COB

Se tudo isso já não bastasse, Paula continua mostrando as mesmas opiniões fortes e sem papas na língua, como fazia nos tempos de jogadora. E a experiência de gestora esportiva – comandou durante um bom tempo o Centro Olímpico de São Paulo – serviu para tornar as colocações de Magic Paula cada vez mais cirúrgicas, apontando sem medo e com fortes argumentos para os problemas na estrutura ainda problemática no esporte brasileiro.

Como fez em uma recente entrevista à revista Isto É, publicada no final de fevereiro: “Existem feudos no esporte brasileiro. A gente não admite que tenha gente fazendo um trabalho melhor do que o nosso. No esporte, a gente tem de ser mais humilde. Falta humildade de a gente sentar junto e construir. Mas, quando alguém propõe algo, pensa-se que se quer fazer ingerência, que se quer tomar o poder. A vaidade é algo muito presente na política esportiva. E o dirigente não sai (da confederação) e também não prepara ninguém para substituí-lo. A vaidade e a falta de união fazem a gente caminhar a passos bem lentos.”

É claro que a proposta do título deste post jamais irá se concretizar, até porque o estatuto do COB, como forma de se proteger de candidatos “indesejáveis”, permite apenas que membros da entidade possam concorrer à presidência. Ou seja, democracia zero. Ainda assim, não custa imaginar o quanto seria bom que o esporte brasileiro fosse comandado por gente da qualidade de  Paula, Lars Grael, Ana Moser…

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 8 de março de 2012 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 17:49

COB homenageia Guga e 'esquece' confusão de Sydney 2000

Compartilhe: Twitter

Gustavo Kuerten brinca com os jornalistas durante a sua nomeação para o Hall da Fama

No dia em que foi nomeado como mais novo integrante do Hall da Fama do tênis mundial, o ex-número um do ranking da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), Gustavo Kuerten, passou por uma situação curiosa, para dizer o mínimo. No meio da entrevista coletiva que ocorreu após o evento oficial, um represente do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), falando em  nome do presidente da entidade, Carlos Arthur Nuzman,  pediu a palavra para saudar o feito do ex-tenista e ainda aproveitou para fazer uma pergunta protocolar, nada especial. Guga respondeu da mesma forma e a coletiva seguiu normalmente.

Acompanhe tudo sobre as Olimpíadas de Londres 2012 no iG Esporte

A curiosidade da situação obviamente não foi a pergunta do represente do COB, mas sim a irônica lembrança da convivência atribulada que a entidade que comanda o esporte brasileiro e Guga tiveram no passado, mais especificamente nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000.

Leia também: Em dia de recordações, Guga recebe nomeação para o Hall da Fama

Para quem já não se lembra da polêmica, poucos dias antes da abertura dos Jogos de 2000, COB e Guga chegaram a um impasse, por conta do material esportivo que o tenista iria usar na competição. A entidade utilizava como material esportivo a Olympikus, enquanto Guga era bancado pela marca Diadora.

Como o COB não aceitava de forma alguma que o tenista usasse o seu fornecedor, chegou-se a um momento da crise em que se falava abertamente que Guga – então bicampeão de Roland Garros – seria excluído da delegação.

Veja também: ‘Ajudei a mostrar que o tenista é uma pessoa comum’, diz Guga

Para evitar um mico de tamanha envergadura, o COB acabou chegando a um acordo com Guga e o tenista disputou os Jogos com o uniforme sem a marca de nenhum patrocinador. E pensar de 12 anos depois desta confusão bizarra, o COB estaria presente em um dos momentos mais importantes da carreira de Gustavo Kuerten.

Autor: Tags: , , , , ,

  1. Primeira
  2. 10
  3. 14
  4. 15
  5. 16
  6. 17
  7. 18
  8. 20
  9. Última