Publicidade

Arquivo da Categoria Ídolos

terça-feira, 12 de maio de 2015 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil, Vídeos | 13:38

Salvem o GP Brasil de atletismo

Compartilhe: Twitter
O Estádio Mangueirão, em Belém, não receberá a edição 2015 do Grande Prêmio Brasil de atletismo

O Estádio Mangueirão, em Belém, não receberá a edição 2015 do Grande Prêmio Brasil de atletismo

Os mais novos podem não saber, mas há quase 30 anos o Brasil entrou na rota dos eventos internacionais de atletismo. Foi em 1985, tendo como grande estrela o então campeão olímpico dos 800 m rasos Joaquim Cruz que realizou-se a na pista do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, a primeira edição do Grande Prêmio Brasil de atletismo. Ao longo destes anos, o nome mudou de acordo com os patrocinadores, mas não foram poucos os astros da modalidade que desfilaram por aqui.

Sintam só o nível: além de grandes atletas brasileiros como Cruz, Zequinha Barbosa e Robson Caetano, os torcedores puderam apreciar de perto feras como Carl Lewis, Michael Johnson, Serguei Bubka, Said Aouita, Steve Ovett, Evelyn Ashford, Merlene Ottey, Calvin Smith, Dennis Mitchell e até Ben Johnson. Todos campeões olímpicos, muitos recordistas mundiais. Algo que hoje em dia é inimaginável pensar em se repetir, tal valor dos cachês de estrelas como Usain Bolt e Elena Isinbayeva.

Depois do Ibirapuera, o Grande Prêmio Brasil mudou de casa, foi disputado em algumas edições no Rio de Janeiro e por fim instalou-se em Belém desde 2002, no Estádio Mangueirão, sempre com arquibancadas lotadas. Houve um intervalo entre 2010 e 2012, quando retornou para o Rio, desta vez na pista do Engenhão.

Pois esta história de quase 30 anos corre sério risco de acabar…

Nesta segunda-feira, a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) soltou um comunicado confirmando que a SEEL (Secretaria de Esportes e Lazer) do Pará enviou carta à entidade, abrindo mão de organizar a edição 2015 do evento, por falta de verba. A competição está prevista para acontecer no próximo dia 21 de junho e para não perder a data e amargar um vexame justamente na data comemorativa de 30 anos, o presidente da CBAt, José Antonio Fernandes, o Toninho, corre atrás de algum patrocinador para bancar a competição. Entre passagens, hospedagem, premiação e outros custos de organização, o GP Brasil não sai por menos de R$ 2 milhões, verba que a Confederação não tem disponível.

Para quem gosta de atletismo, seria lamentável se um evento tão tradicional e que integra o circuito da Iaaf Challenge, o segundo em importância no mundo, atrás apenas da Liga de Diamante, fosse cancelado e, pior, tirasse o Brasil da rota do atletismo mundial, a pouco mais de um ano da realização dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Mate um pouco a saudade dos bons tempos do GP Brasil de atletismo nos vídeos abaixo, com as históricas transmissões da TV Bandeirantes e o seu “Show do Esporte”, narração de Jota Júnior e comentários de Álvaro José:

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sábado, 9 de maio de 2015 Ídolos, Imprensa, Mundiais, Seleção brasileira | 16:21

Crise fora de hora no atletismo brasileiro

Compartilhe: Twitter
O brasileiro Thiago Braz é considerado a maior revelação do salto com vara masculino do Brasil

O brasileiro Thiago Braz é considerado a maior revelação do salto com vara masculino do Brasil

Relevante e preocupante a informação publicada na edição deste sábado da Folha de S. Paulo, relatando aquele que é um princípio de crise dentro da seleção brasileira de atletismo: o rompimento entre os treinadores Elson Miranda e o ucraniano Vitaly Petrov, do salto com vara, em razão de decisão de Thiago Braz, considerado a maior revelação da modalidade, em  trabalhar somente com Petrov em sua base de treinamento, em Fornia, na Itália (a história completa pode ser conferida aqui, na versão online do jornal).

Em resumo, a crise começou quando no ano passado, após casar-se com a também atleta Ana Paula Oliveira, do salto em altura, Thiago Braz decidiu mudar-se para a Itália e treinar diretamente com Petrov, rompendo assim uma parceria de anos com Miranda, que é o treinador da equipe brasileira de salto com vara e também da equipe BM&F, de São Caetano. O ucraniano, que foi o treinador do ainda recordista mundial Serguei Bubka, passou a atuar como consultor de Miranda em 2001 e após o título mundial de Fabiana Murer, em 2011, foi contratado como consultor pela CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), em parceria com o COB (Comitê Olímpico do Brasil), até os Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Obviamente que a história não poderia acabar bem. Para a Folha, Miranda acusou Petrov de ter aliciado Thiago Braz e afirmou que ele e Fabiana, que é sua mulher, não usarão mais as instalações do ucraniano na Itália, quando estiverem competindo e treinando na Europa. Para completar o quadro, agora Petrov é contratado pelo COB apenas para orientar Braz, que também deixou o BM&F e agora compete pela Orcampi/Unimed, de Campinas.

Mais do que uma briga de egos feridos ou de posturas profissionais questionáveis, está em jogo a própria harmonia dentro de uma parte importante da seleção brasileira de atletismo. Foi inegável a evolução de Fabiana Murer tendo a ajuda de Petrov em seus treinamentos nos últimos anos e seria importante contar com alguém de sua experiência ao lado tanto no Mundial de Pequim, em agosto próximo, quanto nos Jogos do Rio, no ano que vem.

Também preocupa o efeito que esta confusão terá na cabeça de Thiago Braz, sem dúvida um dos grandes talentos revelados pelo atletismo brasileiro nos últimos anos. Em menos de cinco anos, sua melhor marca no salto com vara saiu de 5m10, obtida em setembro de 2010, para 5m83, em julho de 2013, atual recorde sul-americano e brasileiro. Com apenas 21 anos, ele foi campeão mundial juvenil em Barcelona (ESP), em 2012, e ficou em quarto lugar no Mundial indoor de Sopot (POL), no ano passado.

Na próxima sexta-feira (15), Elson Miranda e Th iago Braz deverão se encontrar para a disputa do título do salto com vara no Troféu Brasil de atletismo, na Arena Caixa, em São Bernardo do Campo (SP). Tomara que a direção da CBAt tenha habilidade para saber aparar as arestas dos dois lados e evitar que o atletismo brasileiro seja o maior prejudicado em toda esta confusão.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 22 de abril de 2015 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 20:47

Anderson Silva na seletiva do taekwondo é o fim da picada

Compartilhe: Twitter
CBTKD/Divulgação

Anderson Silva participa da entrevista coletiva ao lado do presidente da CBTKD, Carlos Fernandes

Tudo foi muito bem ensaiado, milimetricamente estudado, como mandam os bons manuais dos magos do marketing corporativo. A entrevista coletiva de Anderson Silva, astro do MMA que pleiteia um lugar na equipe olímpica do Brasil de taekwondo para as Olimpíadas do Rio 2016, bem poderia ser um destes “cases” de eventos de sucesso para qualquer empresa de assessoria de imprensa ou relações públicas. Mas foi na verdade um soco na cara do movimento olímpico e também um grande golpe de marketing.

Tudo que cercou a coletiva desta quarta-feira parecia ser antecipadamente estudado. Primeiro, a entrada no auditório com uma hora de atraso, ao lado de várias crianças, todas trajando quimonos brancos. Depois, as palavras escolhidas com cuidado (“Não estou aqui para desagregar, mas para unir forças” e “É um desafio que estou disposto a enfrentar e não estou com medo de passar vergonha”), para não causar maiores embaraços com seus futuros companheiros e rivais por uma vaga olímpica. Houve até mesmo vetos antecipados para perguntas incômodas, a respeito do mal explicado caso duplo de doping do lutador brasileiro no período de sua luta contra o americano Nick Diaz. Afinal, aquele era um evento de celebração, não cabia dar voz a questionamentos aborrecidos, não é mesmo?

A confirmação de que o “Spider” poderá disputar a seletiva dos pesos pesados (acima de 80 kg) para a seleção brasileira de taekwondo precisa ser encarada de duas formas. A primeira, trata-se de uma esperta estratégia de marketing que atende aos interesses dos dois lados, CBTDK (Confederação Brasileira de Taekwondo) e do próprio lutador. O presidente da entidade, Carlos Fernandes, admitiu que o interesse do lutador em voltar ao esporte que o colocou nas artes marciais equivaleria a um ‘bilhete premiado da Mega Sena”.

E mais: Anderson Silva no Rio 2016 é marketing e nada mais

Para Anderson Silva, o assunto não poderia vir em melhor hora. Seu julgamento pela Comissão Atlética de Nevada sobre o doping na luta contra Diaz deve ocorrer no próximo mês de maio. E nada melhor do que criar uma nova história de superação para atuar como cortina de fumaça do ponto mais baixo da carreira de um atleta que não se dá o direito de mostrar qualquer faceta negativa.

A outra forma de ver o que foi sacramentado nesta quarta-feira é uma facada profunda nos princípios do esporte olímpico. Em primeiro lugar, a confederação ‘rasgou’ seu regulamento, sem dó nem piedade. Por mais que Fernandes diga (como o fez na coletiva) que o ranking olímpico – classificação criada pela federação internacional para cada país poder ter um parâmetro de formação de suas equipes – não contará para a seletiva e que Anderson Silva “não entrará pela janela”, ou seja, terá que lutar para conseguir sua vaga, na prática a coisa é bem diferente. Anderson Silva, que não participou de nada do último ciclo olímpico do taekwondo, já terá oportunidade de participar das seletivas.

Certamente alguém, que batalhou nos últimos quatro anos sonhando com a possibilidade de defender o Brasil nas Olimpíadas do Rio, ficará de fora. Isso é óbvio.

Há ainda o aspecto moral, o do doping. Estamos falando de um mega evento esportivo que luta há anos para tentar limpar sua imagem de atletas trapaceiros, como os alemães orientais, como Ben Johnson, como Marion Jones. Anderson Silva testou positivo para duas substâncias anabolizantes. Se o UFC fosse signatário da Wada (Agência Mundial Antidoping), o brasileiro já teria seu “sonho olímpico” enfiado no buraco. Mas como o UFC é uma terra de ninguém no que diz respeito ao doping, o Brasil poderá ter em 2016 um atleta que se dopou e não foi punido adequadamente brigando por uma medalha de ouro.

Ainda muita água irá rolar até janeiro do ano que vem, data prevista para a seletiva. Muito também irá se discutir se a presença de Anderson Silva é válida ou não, é eticamente aceitável ou não. Se ele for aos Jogos, os organizadores vão esfregar as mãos de satisfação, com o retorno de imagem e de venda de ingressos que a presença do brasileiro irá trazer.

Por enquanto, vejo tudo como uma grande derrota do esporte.

Autor: Tags: , , , , , ,

domingo, 19 de abril de 2015 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 12:52

Um adeus sem pompas para Maurren Maggi

Compartilhe: Twitter
Maurren anunciou seu adeus do atletismo, mas tem índice para brigar pelo tetra no Pan de Toronto

Maurren anunciou seu adeus do atletismo, mas tem índice para brigar pelo tetra no Pan de Toronto

A notícia veio assim, de repente, no meio da transmissão da TV Globo do evento “Mano a Mano”, que contou com a presença do superstro Usain Bolt: o narrador Alex Escobar chamou a saltadora Maurreen Maggi, campeã olímpica em Pequim 2008, para fazer um comentário específico a respeito de atletas com mais de 30 anos e deu a deixa. Foi então que Maurren disse com todas as letras que “esse é o último ano da minha carreira (…), Esse ano é o último meu, e ano que vem é só a Rede Globo, e a gente trabalha com qualidade, um time campeão com a gente”.

Para quem não sabe, Maurren é uma das integrantes da badalada equipe de comentaristas que a emissora montou para a cobertura dos Jogos do Rio 2016, que conta com nomes como Guga (tênis), Giba (vôlei), Daiane dos Santos (ginástica artística), Gustavo Borges (natação), entre outros.

Nada contra a opção de um atleta decidir quando é a hora de abandonar a carreira. Isso é algo de cunho pessoal, cada um sabe o momento certo de parar. O que fica de questionamento é sobre a forma abrupta e porque não dizer um tanto inesperada que o fato ocorreu.

Na prática, o atletismo já vinha ensaiando o adeus a Maurren Maggi desde o final das Olimpíadas de Londres 2012, quando não conseguiu passar pelas eliminatórias do salto em distância, prova na qual ela tornou-se a primeira mulher campeã olímpica do Brasil no atletismo. De lá para cá, passou por problemas físicos, encarou dificuldades de patrocínio e até mesmo encarou uma vaquinha virtual para custear seus treinamentos. Tudo por conta do sonho de fazer uma despedida em alto estilo, nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

+ Relembre: O drama de Maurren e a “vida real” do esporte brasileiro

Em todas as suas entrevistas nos últimos tempos, Maurren sempre repetia que desejava fazer sua retirada do esporte diante da torcida. Começou a temporada 2015 e ela obteve o índice para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, ao saltar 6m51 em uma competição na cidade de Campinas. Ainda tentava alcançar a marca para o Mundial de Pequim, que será realizado no mesmo Ninho do Pássaro, de tão doces lembranças para ela.

Só que talvez o bom senso tenha falado mais alto e a própria Maurren viu que o sonho para fazer seu adeus diante da torcida brasileira estava longe demais. E a confirmação veio no meio de uma transmissão de TV, quase como um pronunciamento um tanto perdido, no meio do belo evento feito neste domingo, no Jockey Club Brasileiro, no Rio, e cuja estrela maior obviamente era Bolt.

O certo seria que ela fosse levada para o meio da pista, e de microfone em punho, diante do público, anunciasse sua decisão, para receber os merecidos aplausos que uma campeã olímpica merece. A forma como o anúncio ocorreu, sem pompas, foi frustante.

Maurren Maggi poderá marcar sua despedida com um tetracampeonato pan-americano em Toronto, coincidentemente no mesmo país que viu seu primeiro ouro no salto em distância na competição, em Winnipeg 1999. Depois, venceu no Rio 2007 e em Guadalajara 2011. Só não brigará pelo penta por conta do caso de doping às vésperas de Santo Domingo 2003, que a deixou dois anos fora das competições. Uma carreira brilhante, coroada pelo ouro olímpico em Pequim 2008 e que merece muitas homenagens.

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 13 de abril de 2015 Ídolos, Olimpíadas | 20:29

Anderson Silva no Rio 2016? Marketing e nada mais

Compartilhe: Twitter
O presidente da CBTKD, Carlos Fernandes e o lutador de UFC Anderson Silva, em encontro recente na entidade

O presidente da CBTKD, Carlos Fernandes e o lutador de UFC Anderson Silva, em encontro recente na entidade

A notícia que bombou o universo olímpico brasileiro nesta segunda-feira foi a declaração de Anderson Silva, o ex-campeão do UFC que está preventivamente suspenso por uso de doping, de pretender um lugar na equipe olímpica do taekwondo do Brasil que disputará as Olimpíadas do Rio 2016. A intenção foi registrada em carta enviada ao presidente da CBTKD (Confederação Brasileira de Taekwondo), Carlos Fernandes, publicada no site da entidade.  Na página da entidade, Fernandes diz que ainda pretende se reunir com o lutador para conversar com mais detalhes a respeito desta intenção.

Tudo muito bonito, se não fosse uma clara estratégia de marketing, provavelmente dos dois lados.

É bem verdade que Anderson Silva não é um completo ET no universo do taekwondo. Foi essa a modalidade que o introduziu no mundo das artes marciais. Só que existem alguns fatores que complicam os restringem a intenção do lutador em tornar realidade o seu desejo (se é que isso representa mesmo sua vontade).

O iG Esporte demonstrou em reportagem nesta segunda-feira que alguns aspectos barram a intenção do lutador, o primeiro deles a própria indefinição da situação esportiva do Spider, atualmente suspenso de forma preventiva pela Comissão Atlética de Nevada, em razão dos dois casos de doping antes e depois da luta contra Nick Diaz. Primeiro, é necessário saber qual será a punição que ele irá receber por estas infrações e, mais importante, se o brasileiro será julgado de acordo com as normas da Wada (Agência Mundial Antidoping). Se isso ocorrer e ele for considerado culpado, um abraço, pois as novas determinações da entidade proíbem que qualquer atleta que tenha sido considerado dopado no ciclo olímpico participe das Olimpíadas em questão.

Depois, as regras da CBTKD são claras: uma das exigências para integrar a seleção brasileira é que o lutador esteja entre os 20 primeiros do ranking olímpico. Este ranking é computado graças aos resultados dos lutadores em diversas competições internacionais, ao longo do ciclo olímpico. Isso já vale para a formação do time que vai ao Pan-Americano de Toronto 2015 e só não valerá para o Rio 2016 se houver uma virada radical de mesa.

Por fim, está a indefinição do próprio Anderson, que em 2012 chegou a declarar que desejaria defender o Brasil no Rio 2016, mas em 2013, antes da fatídica luta contra Chris Weidman, quando fraturou a perna esquerda, disse que não tinha tempo hábil para assegurar a vaga e nem autorização de Dana White, chefão do UFC.

Assim, enquanto não ocorrer um movimento explícito da confederação brasileira, admitindo que rasgará suas regras para encaixar Anderson Silva na equipe olímpica – o que representaria sem dúvida uma bela sacada de marketing no Rio 2016 -, tudo o que se falar sobre este tema não passará exatamente disso: uma manjada ação marqueteira e nada mais.

 

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 Ídolos, Seleção brasileira | 13:04

Duda Amorim é escolhida melhor do mundo no handebol

Compartilhe: Twitter
Duda Amorim foi escolhida  como melhor jogadora do mundo em 2014 (Foto: Cinara Piccolo/Photo&Grafia)

Duda repetiu o feito de Alexandra Nascimento ao ser eleita melhor do mundo (Foto: Cinara Piccolo/Photo&Grafia)

O handebol feminino do Brasil conseguiu um outro feito notável nesta quarta-feira, com a eleição da armadora Duda Amorim como melhor jogadora do mundo na temporada 2014. A jogadora, que defende o Győri Audi ETO KC, da Hungria, venceu a eleição realizada pela IHF (Federação Internacional de Handebol) em seu site, aberta a fãs e jornalistas. Duda venceu a disputa com 35,2% dos votos, superando a romena Cristina Neagu, que teve 25,8%. Na temporada de 2013, a armadora teve papel fundamental na conquista do título do Brasil no Campeonato Mundial da Sérvia.

No masculino, a vitória ficou com o francês Nikola Karabatic, destaque na campanha francesa no título do Mundial 2015, que recebeu 33,7% dos votos. Ele deixou para trás o dinamarquês Mikkel Hansen, que recebeu 21% dos votos. No total, mais de 55 mil torcedores e jornalistas participaram desta eleição.

Em recuperação de uma cirurgia no joelho esquerdo, que provavelmente a deixará de fora da disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, Duda Amorim é a segunda brasileira a ser eleita melhor do mundo no handebol. A primeira foi a ponteira Alexandra Nascimento, em 2012.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015 Ídolos, Seleção brasileira | 22:58

Tem brasileira concorrendo a melhor do mundo no handebol

Compartilhe: Twitter
Duda Amorim está na briga para ser eleita a melhor do mundo no handebol (Foto: Thiago Parmalat/Photo&Grafia)

Duda Amorim está na briga para ser eleita a melhor do mundo no handebol (Foto: Thiago Parmalat/Photo&Grafia)

Afastada das quadras em virtude de uma grave lesão no joelho esquerdo, sofrida no final do ano passado e que a obrigou a passar por uma cirurgia de reconstrução dos ligamentos, a armadora brasileira Duda Amorim recebeu uma ótima notícia nesta sexta-feira: ela foi escolhida como uma das cinco finalistas a concorrer ao prêmio de melhor jogadora do mundo no handebol em 2014. A eleição está sendo feita via online, no site da IHF (Federação Internacional de Handebol), aberta à mídia especializada e também aos torcedores.

Duda foi incluída entre as cinco finalistas após a análise de um juri especializado feito pela IHF e está concorrendo ao título com a romena Cristina Neagu, a sueca Isabelle Gulldén, a espanhola Marta Mangué, e a norueguesa Heidi Loke. No masculino brigam pelo título os franceses Nikola Karabatic e Thierry Omeyer, o espanhol Joan Cañellas, o dinamarquês Mikkel Hansen e o croata Domagoj Duvnjak.

Não é a primeira vez que o ótimo handebol feminino do Brasil tem uma jogadora indicada ao prêmio de melhor do ano. Em 2013, a ponteira Alexandra Nascimento faturou o prêmio, muito por conta de sua ótima participação nos Jogos Olímpicos de Londres, um ano antes. A votação para os prêmios de melhor do ano no handebol mundial podem ser feitas no próprio site da IHF e terminam na próxima sexta-feira (20).

Destaque no histórico título mundial do Brasil em 2013, Duda deverá ficar fora das quadras em boa parte deste ano e é praticamente certo que não disputará o Pan-Americano de Toronto, em julho. Com sorte, estará recuperada para a disputa do Mundial da Dinamarca, em dezembro, embora seu maior objetivo seja o de estar 100% em forma nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015 Ídolos, Mundiais, Musas, Olimpíadas | 19:25

Ysinbayeva volta e já fala em ouro no Rio 2016

Compartilhe: Twitter
A russa Elena Isinbayeva anuncia em entrevista coletiva seu retorno às competições

Isinbayeva anuncia seu retorno às competições, de olho nas Olimpíadas do Rio (Foto: AP)

Acabou a moleza. A russa Elena Isinbayeva reuniu-se com os jornalistas nesta quinta-feira para anunciar o que muitos já davam como certo: seu retorno às provas do salto com vara neste ano, iniciando sua preparação para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. E a meta não é menos do que retornar para casa com mais uma medalha de ouro para sua coleção.

“Estas serão as minhas Olimpíadas, será o ouro ou nada”, disse Isinbayeva, durante uma entrevista coletiva no CSKA, clube pelo qual irá fazer parte de sua preparação. “Eu já ganhei tudo o que eu poderia querer em minha carreira. Apenas uma nova medalha de ouro poderia ser acrescentada a tudo o que já conquistei”, afirmou a russa, de 32 anos.

Elena Isinbayeva retorna às competições após um período sabático iniciado ao final do Campeonato Mundial de Moscou de 2013, quando após faturar o título parou sua carreira para engravidar. Sua filha nasceu em junho do ano passado.

Não se pode prever como será o retorno de Isinbayeva às competições, quais as dificuldades que ela enfrentará em retomar a antiga forma etc. Mas o seu currículo permite que se espere alguém que ainda poderá brindar os torcedores com momentos inesquecíveis na pista do Engenhão, onde ocorrerão as disputas do atletismo em 2016. A russa é bicampeã olímpica (Atenas 2004 e Pequim 2008); ganhou um bronze olímpico (Londres 2012); foi três vez campeã mundial outdoor (pista descoberta), em 2005, 2007 e 2013; e foi também quatro vezes campeã do mundo em pista coberta (2004, 2006, 2008 e 2012). Ela é dona dos recordes mundiais ao ar livre (5m06) e em pista coberta (5m01).

Se confirmar sua vaga, as Olimpíadas de 2016 só terão a ganhar com uma estrela como Elena Isinbayeva, mesmo que isso represente uma ameaça ao sonho de uma medalha de ouro para o Brasil, com Fabiana Murer.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 Ídolos, Olimpíadas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 14:25

Cesar Cielo muda de técnico novamente: perfeccionismo ou insegurança?

Compartilhe: Twitter
Cesar Cielo trocou mais uma vez de treinador, em sua preparação para as Olimpíadas de 2016 (Foto: Satiro Sodré/CBDA)

Cesar Cielo trocou mais uma vez de treinador, em sua preparação para as Olimpíadas de 2016 (Foto: Satiro Sodré/CBDA)

Quem conhece um pouco mais de perto o nadador brasileiro Cesar Cielo sabe o quanto o campeão olímpico e tricampeão mundial dos 50 m livre é perfeccionista. Sempre em busca da melhor performance, Cielo não mede esforços para ter sempre ao seu lado os melhores profissionais. Nesta segunda-feira, ao anunciar que passará a treinar com Arilson Silva, ao lado de uma equipe multidisciplinar no Centro Olímpico de São Paulo, Cielo sinaliza que está totalmente focado em assegurar o tetra mundial em Kazan (RUS), neste ano, e no bicampeonato olímpico no Rio 2016.

Mas se especialistas entendem que a troca de treinadores constante não chega a ser um problema – Arilson será o quarto treinador de Cielo neste ciclo olímpico -, as mudanças podem sinalizar ainda que o brasileiro está inseguro em qual caminho seguir para atingir seus objetivos. A opinião é do técnico e comentarista de natação do Sportv, Alex Pussieldi, que falou ao blog sobre o caso.

“Eu não vejo problema na parte técnica [sobre a troca de treinadores]. Até gosto mais do Arilson do que o Goodrich e Volkers, o estilo e o trabalho dele tem mais sintonia com o Cielo. O problema que eu vejo é na parte psicológica, pois mostra uma certa fraqueza por parte do Cielo que parece nunca estar satisfeito e confiante”, disse Pussieldi.

Em seu site, o Best Swimming, Pussieldi realizou um levantamento mostrando que estas trocas de treinadores no ciclo olímpico são mais constantes entre os brasileiros do que entre nadadores de outros países. Segundo o levantamento, 70% da equipe olímpica de natação que foi a Londres 2012 mudou de treinador, contra 30% de mudanças feitas por estrangeiros.

No caso de Cielo, em 2013 ele iniciou o ciclo olímpico para os Jogos do Rio de Janeiro trocando Alberto Silva pelo americano Scott Goodrich. Em 2014, passou a ser treinado pelo australiano Scott Volkers e começou a defender o Minas Tênis Clube. No final do ano, voltou para Goodrich, mas permanece defendendo o Minas. Agora, ao lado de Arilson, alternará períodos de treinamento em São Paulo (no Centro Olímpico) e em Minas, com uma equipe muitidisciplinar semelhante a que tinha em 2011/2012, no extinto PRO2016, quando reuniu um grupo de nadadores se preparando para os Jogos de Londres. A diferença é que agora o trabalho será voltado todo para ele.

Se o perfeccionismo de Cielo, que terá 30 anos nas Olimpíadas de 2016, mais uma vez se traduzirá em medalhas e títulos, só o tempo irá provar.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015 Histórias do esporte, Ídolos, Isso é Brasil | 19:05

E se o doping fosse do Bolt?

Compartilhe: Twitter
Anderson Silva se prepara para enfrentar Nick Dias: doping do brasileiro é uma derrota feia do esporte

Anderson Silva se prepara para enfrentar Nick Dias: doping do brasileiro é uma derrota feia do esporte

A madrugada desta quarta-feira mal havia começado quando a notícia pipocou nas várias telas abertas do computador, obviamente com efeitos devastadores. A informação de que o lutador brasileiro Anderson Silva havia sido flagrado em um exame antidoping fora de competição – e com dois tipos diferentes de anabolizantes presentes -, antes do combate que marcou sua volta ao UFC no último sábado, quando venceu Nick Dias, ainda deixa muita gente chocada.

Mas o que a notícia de um doping de um lutador de MMA (artes marciais mistas, na sigla em inglês) tem a ver com um blog sobre esportes olímpicos? A despeito do total desinteresse do blogueiro sobre uma modalidade que conta com milhares de fãs e com uma tropa igualmente numerosa de opositores, tem tudo a ver.

Explica-se: quando um ídolo da gigantesca dimensão que Anderson Silva tem – e não apenas no Brasil – falha em um controle de doping, justamente às vésperas da luta que marcaria seu retorno ao esporte, após uma fratura chocante e transmitida ao vivo, é a prova viva da derrota do esporte.

Faz um certo tempo que comentei por aqui uma frase dita por uma das maiores autoridades no combate ao doping no Brasil, o médico gaúcho Eduardo de Rose. Em julho de 2013, duas das maiores estrelas do atletismo, o americano Tyson Gay e o jamaicano Asafa Powell, tiveram casos de doping revelados, às vésperas do Mundial de Moscou. E ao escrever o post, lembrei-me de uma frase do doutor De Rose, dita durante uma entrevista coletiva: “O doping sempre estará à frente da luta contra as entidades que combatem as substâncias proibidas”.

Por isso, não é exagero dizer que a credibilidade na lisura do esporte morre um pouco a cada caso explosivo de doping como esse de Anderson Silva. Como também ocorreu em 1988, quando após assombrar o mundo na vitória nos 100 m rasos nas Olimpíadas de Seul, o canadense Ben Johnson teve sua medalha cassada após ter sido flagrado pelo uso de anabolizantes. Da mesma forma como abalou a credibilidade a descoberta do terrível esquema de doping montado na Alemanha Oriental nos anos 60 e 70, certamente responsável por vários campeões dopados que jamais foram descobertos.

Ou para ficar em um exemplo mais recente, o inacreditável caso do ciclista Lance Armstrong, que em janeiro de 2013 admitiu que um complexo esquema de doping que o acompanhou em toda a sua carreira e o ajudou a ganhar sete vezes a tradicional Volta da França.

Faça um exercício de imaginação e tente pensar como seria sua fé em um esporte limpo e justo se amanhã surgisse a notícia de que todas as conquistas do jamaicano Usain Bolt ou do americano Michael Phelps só ocorreram por força de substâncias proibidas?

É melhor nem pensar neste pesadelo, certo?

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. Última