Publicidade

quarta-feira, 4 de março de 2015 Isso é Brasil, Olimpíadas | 09:05

Baia de Guanabara perde a guerra contra a poluição. Azar das Olimpíadas

Compartilhe: Twitter
Foto colocada em uma rede social pelo velejador Ricardo Winicki, mostrando a poluição na Baia de Guanabara

Foto colocada em uma rede social pelo velejador Ricardo Winicki, mostrando a poluição na Baia de Guanabara

Parece que foi até de propósito, mas o governo do Rio de Janeiro esperou a comissão de avaliação do COI (Comitê Olímpico Internacional) e mesmo o próprio presidente da entidade, o alemão Thomas Bach, irem embora do Brasil para anunciar aquela que pode ser considerada desde já a maior derrota das Olimpíadas de 2016.

Nesta terça-feira, a secretaria estadual do Meio Ambiente do Rio disse que vai suspender a estratégia de limpeza do espelho d’água da Baia de Guanabara. Dias antes, o governo do Rio já tinha assumido que não cumpriria a meta estabelecida na proposta de candidatura da cidade, que iria despoluir 80% das águas do local, que receberá as provas de vela durante os Jogos. O sistema que estava sendo implantado era o da utilização de ecobarcos e ecobarreiras, como forma de barrar a entrada de lixo e retirar o que já infesta as águas, mininizando os efeitos que isso poderia fazer em uma competição olímpica.

Leia mais sobre a Baia de Guanabara no Rio 2016

A estratégia era apontada, desde o início da preparação olímpica, como fundamental para atingir a tal meta de 80% de despoluição. É claro que com o tempo, os ecobarcos e as ecobarreiras mostraram-se tímidos demais para o desafio, a ponto do próprio governador Luiz Fernando Pezão ter assumido que o número proposto não será atingido até 2016 e acertou um novo patamar com o COI. O número não foi divulgado.

Pior do que o vexame de ver a estratégia naufragar, foi a própria explicação do secretário do Meio Ambiente, Antonio da Hora, para justificar a suspensão da limpeza da Baia de Guanabara. “Do jeito que estão, os ecobarcos são para inglês ver. Qualquer gestor responsável para evitar o uso ineficiente dos recursos públicos faria um freio na arrumação”, afirmou. Ainda assim, os ecobarcos conseguiram retirar 430 toneladas de lixo da Baia de Guanabara no ano passado, enquanto as ecobarreiras impediram a entrada de 2.177 toneladas de detritos nas águas, entre janeiro e dezembro de 2014.

Marine Grael colocou em sua rede siocial no ano passado a imagem de um aprelho de TV que encontrou no meio da Baia

Marine Grael colocou em sua rede siocial no ano passado a imagem de um aprelho de TV que encontrou no meio da Baia

Se já recebia críticas dos velejadores, especialmente os estrangeiros, é de se esperar o que a notícia da suspensão do programa causará na comunidade da vela. As críticas fortes partem até mesmo de brasileiros, como já fizeram Martine Grael e Ricardo Winicki, postando fotos com imagens constrangedoras da poluição nas águas da Baia de Guanabara, alertando para o risco de prejudicar as disputas olímpicas. O governo promete a implantação de um novo projeto de operação das ecobarreiras, sem dar detalhes do funcionamento e implantação. Em agosto, é bom lembrar, haverá mais um evento-teste da vela na Baia de Guanabara.

Vai dar tempo de evitar um novo vexame?

Autor: Tags: , , , ,

12 comentários | Comentar

  1. 62 Weverton Silva de Lima 04/03/2015 16:57

    Isso é uma vergonha! Vexame nós já estamos passando e passaremos ainda mais.
    Imagino uma medalha olímpica sendo decidida por um lixo na Baia de Guanabara.

  2. 61 Marcelo Teixeira 04/03/2015 15:06

    Todos os atletas que envolvam atividades aquáticas na baia de Guanabara deveriam boicotar como forma de protesto para o mundo inteiro ver!

  3. 60 Aldair Malveira 04/03/2015 14:59

    Não foi o Lula e a Dilma que criaram a ilusão de copa do mundo e olimpíada? que eles façam a despoluição.

  4. 59 Aldair Malveira 04/03/2015 14:56

    O problema da despoluição da Bahia da Guanabara, é de Lula e Dilma, eles criaram essa ilusão de de copa do mundo e olimpíada, para fazer obra superfaturada, que eles façam a despoluição com o dinheiro das obras dos estádios.

  5. 58 Edson Caetano 04/03/2015 14:00

    Aê Bial, chupa essa cana cretino!

  6. 57 Marcelo 04/03/2015 12:44

    E eu que nem sabia que era o governo que jogava tanto lixo na Baia da Guanabara.

  7. 56 Guy Marsyl 04/03/2015 12:15

    A SOLUÇÃO É O GOVERNADOR PEZÃO, PATROCINAR COM O ERÁRIO PÚBLICO,
    UMA OLIMPÍADA ESTADUAL, ESTABELECENDO COMO META, A RETIRADA DE LIXO
    DA BAIA DE GUANABARA (ATUALMENTE BAIA DE ESGOTO DA GUANABARA).

    DEVERÁ SER DADOS PESOS PARA OS TIPOS DE OBJETOS RETIRADOS (EXEMPLOS;
    CADAVERES DE ANIMAIS OU HUMANOS, PESO 2; ELETRODOMÉSTICOS, COMO TVs, POLTRONAS, COLCHÕES, ETC. PESO 3; BRINQUEDOS, PLÁSTICOS, EMBALAGENS E OUTROS, PESO 5.

  8. 55 Vanderlei 04/03/2015 11:02

    Isso é a incompetência generalizada instituida nos poderes executivos do nosso país.
    A despoluição tem que ser feita a longo prazo, primeiro implantando estações de tratamento de esgoto para tratamento antes da entrada dos efluentes na baia. Ao mesmo tempo implantar um sistema efetivo de coleta seletiva, programas de educação e conscientização da população para deixar de ser porca incluindo multas pesadas. Colocação de containers coletores de lixo e reciclaveis em todo canto e efetivo trabalho de logistica para manter o correto funcionamento do mesmo, Sem isso nada feito

  9. 54 zenildo 04/03/2015 10:53

    o “brazil” faz questão de sediar eventos esportivos internacionais para mostrar ao mundo todo a incompetência dos seus gestores e o descaso com os esportes e meio ambiente.
    parabéns br@zil, ou melhor, meus pêsames !

  10. 53 Francisco Paiva 04/03/2015 10:53

    EH, PEZÃO!
    QUE PAÍS É ESTE?

  11. 52 eduardo gomes 04/03/2015 10:45

    A Guuanabara não perdeu a guerra contra a poluição e sim contra a CORRUPÇÃO.

  12. 51 Francisco Paiva 04/03/2015 10:45

    O QUE PODERÍAMOS ESPERAR DOS GOVERNADORES CABRAL E PEZÃO, CARA- PÁLIDA?
    FOI PARA ISTO QUE NOS CANDIDATAMOS ÀS OLIMPÍADAS?
    QUE PAÍS É ESTE?

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.