Publicidade

Arquivo de novembro, 2014

sexta-feira, 14 de novembro de 2014 Olimpíadas, Paraolimpíadas | 14:40

Quer ser voluntário para a Rio 2016? O prazo foi prorrogado

Compartilhe: Twitter
Mais de 160 mil pessoas já se inscreveram para o programa de voluntários de 2016

Mais de 160 mil pessoas já se inscreveram para o programa de voluntários de 2016

Os interessados em tentar uma vaga para atuar como voluntários nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio 2016 terão um tempo extra para fazer sua inscrição. Nesta sexta-feira, o comitê organizador das próximas Olimpíadas informou que o prazo foi prorrogado. Assim, a data final, que terminaria neste sábado, dia 15, foi prolongada por mais um mês, terminando em 15 de dezembro.

A meta do comitê organizador é contar com 70 mil pessoas trabalhando de forma voluntária na organização das Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016. Segundo dados da Rio 2016, mais de 160 mil inscrições foram feitas, englobando todos os estados do Brasil e mais de 180 países. Entre os brasileiros, 85% dos inscritos estudam ou trabalham e há candidatos que possuem desde o ensino fundamental até doutorado.

Para poder se inscrever, a pessoa precisa ter 18 anos até fevereiro de 2016 e disponibilidade mínima de dez dias para atuar durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. São mais de 500 funções possíveis para atuar no mega-evento. Mais informações podem ser encontradas na página oficial da Rio 2016.

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 13 de novembro de 2014 Imagens Olímpicas, Olimpíadas | 10:24

Você conhece a história das mascotes das Olimpíadas?

Compartilhe: Twitter

Até o final de novembro deverá ser anunciado qual será a mascote dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, que sempre é uma das grandes atrações de cada edição olímpica e objeto de desejo de colecionadores. Mas enquanto ela não é divulgada pelo comitê organizador, que tal conhecer um pouco mais da história das mascotes das Olimpíadas?

1) El Tigre Rojo de Chichen-Itza – Cidade do México 1968

El Tigre Rojo de Chichen-Itza, mascote extra-oficial dos Jogos de 1968, na Cidade do México

El Tigre Rojo de Chichen-Itza, mascote extra-oficial dos Jogos de 1968, na Cidade do México

A primeiro mascote conhecida da história das Olimpíadas na verdade não é reconhecida de forma oficial. Ela era baseada em um trono da pirâmide ´El Castillo´, em Chichen-Itza, feito no formato de um jaguar vermelho

2) Waldi, o cachorro dachshund – Munique 1972

Waldi, o cachorro dachshund dos Jogos de Munique

Waldi, o cachorro dachshund dos Jogos de Munique

De forma oficial, a primeira vez que uma mascote foi usada nas Olimpíadas de verão aconteceu nos Jogos de Munique. O mascote, criado pelo designer gráfico alemão Otl Aicher, mostra um cão dachshund, raça popular na região.

3) Amik, o castor – Montreal 1976

Amik, o castor de Montreal 1976

Amik, o castor de Montreal 1976

Nos Jogos de Montreal, foi escolhida como mascote o castor, um dos símbolos nacionais do Canadá.

4) Misha, o urso – Moscou 1980

O ursinho Misha, dos Jogos de Moscou, a mais carismática mascote olímpica

O urso Misha, dos Jogos de Moscou, a mais carismática mascote olímpica

Talvez a mais popular mascote da história das Olimpíadas. Nos Jogos que ficaram marcados pelo boicote dos Estados Unidos e seus aliados, a União Soviética caprichou e o simpático ursinho ficou marcado na memória de todos, especialmente por causa da cerimônia de encerramento, quando um boneco gigante subiu aos céus dando adeus ao público no Estádio Olímpico de Moscou.

5) Sam, a águia – Los Angeles 1984

Sam, a águia, foi a mascote dos Jogos de 84, em Los Angeles

Sam, a águia, foi a mascote dos Jogos de 84, em Los Angeles

Animal-símbolo dos Estados Unidos, a águia Sam foi desenhada por Robert Moore, que trabalhava para os estúdios Disney. Pena que os Jogos de Los Angeles também sofreram com o boicote, desta vez liderado pela União Soviética.

6) Hodori, o tigre – Seul 1988

Hodori, o tigre, foi a mascote de Seul 1988

Hodori, o tigre, foi a mascote de Seul 1988

Nos Jogos de Seul, existiam duas mascotes, Hodori e Hosuni, mas o tigre Hodori se tornou muito mais popular, talvez pelo fato de aparecer em diversas lendas coreanas

7) Cobi, o cachorro sheepdog estilizado – Barcelona 1992

O cão estilizado Cobi e seu criador, o cartunista Javier Mariscal

O cão estilizado Cobi, dos Jogos de Barcelona 1992 e seu criador, o cartunista Javier Mariscal

O cão pastor estilizado não empolgou muito em Barcelona 1992, ao contrário dos Jogos, que foram sensacionais.

8) Izzy, a figura abstrata – Atlanta 1996

O esquisito Izzy, mascote de Atlanta 1996

O esquisito Izzy, mascote de Atlanta 1996

A pior mascote desde que elas começaram a aparecer em Jogos Olímpicos. Uma figura abstrata, que ninguém conseguia explicar o que representava de fato. Tudo a ver com a própria edição das Olimpíadas de Atlanta, sem carisma e com inúmeros problemas de organização.

9) Ollie, Syd e Millie, a kookaburra, o ornitorrinco e a equidna – Sydney 2000

As mascotes Ollie, Syd e Millie, de Sydney 2000

As mascotes Ollie, Syd e Millie, de Sydney 2000

Os três mascotes criados por Matthew Hatton representavam animais típicos da Austrália: Olly, uma ave kookaburra; Syd, um ornitorrinco; e Millie, a equidna, uma espécie de tamanduá espinhoso.

10) Athena e Phevos, bonecos antigos – Atenas 2004

Athena e Phevos, as mascotes de Atenas 2004

Athena e Phevos, as mascotes de Atenas 2004

As duas mascotes foram feitas por Spyros Gogos e representavam bonecos que imitam crianças. As mascotes tiveram o design baseado em um antigo boneco grego de terracota.

11) Fuwa, peixe, panda gigante, Chama Olímpica, chiru e andorinha – Pequim 2008

"Fuwa", as cinco mascotes dos Jogos de Pequim 2008

“Fuwa”, as cinco mascotes dos Jogos de Pequim 2008

Chamados respectivamente de Beibei, Jingjing, Huanhuan, Yingying e Nini, as mascotes vieram da frase chinesa que signifca “Pequim te dá boas-vindas”.

12) Wenlock e Mandeville, gotas de aço com câmera para os olhos – Londres 2012

Wenlock e Mandeville, as estranhas mascotes de Londres 2012

Wenlock e Mandeville, as estranhas mascotes de Londres 2012

As duas mascotes dos Jogos de Londres 2012 (Wenlock era a mascote das Olimpíadas, enquanto Mandeville representava as Paraolimpíadas) eram gotas de aço com câmeras no lugar dos olhos. Eles representavam o começo da Revolução Industrial, ocorrida no Reino Unido. Mas olhando a foto, é meio difícil de enxergar tudo isso.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 12 de novembro de 2014 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 18:09

COB usará internet para eleger o ‘Atleta da Torcida’ e dará prêmio de R$ 30 mil

Compartilhe: Twitter
Poliana Okimoto, da maratona aquática, e Jorge Zarif, da vela, foram os melhores atletas de 2013

Poliana Okimoto, da maratona aquática, e Jorge Zarif, da vela, foram os melhores de 2013

As redes sociais terão um peso decisivo no Prêmio Brasil Olímpico de 2014, que será realizado no próximo dia 16 de dezembro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A 16ª edição da festa, que escolhe os melhores atletas de 43 modalidades esportivas, terá como novidade a inclusão da categoria “Atleta da Torcida”, que irá se juntar aos prêmios especiais de Melhor Atleta do Ano, masculino e feminino.

Os vencedores destas três categorias também receberão um prêmio em dinheiro no valor de R$ 30 mil, só que o “Atleta da Torcida” será escolhido via redes sociais do COB (Facebook e Twitter). A partir do dia 16 de novembro, um mês antes da cerimônia, o público já conhecerá os concorrentes e poderá votar no seu preferido. Ou seja, aquele atleta que tiver um bom fã-clube e for mais engajado nas redes sociais, já terá uma vantagem considerável em relação aos seus concorrentes.

Já os escolhidos como Melhor Atleta do Ano (masculino e feminino) serão eleitos por um colégio eleitoral formado por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte, até o próximo dia 18.

Os medalhistas nos Jogos Olímpicos da Juventude de Nanquim, realizados em agosto, na China, também receberão uma homenagem especial. O Brasil encerrou a competição com 15 medalhas (seis de ouro, oito de prata e uma de bronze), contra sete conquistadas em Cingapura 2010, edição inaugural do evento.

Conheça a relação de vencedores de todas as edições do Prêmio Brasil Olímpico

1999 – Maurren Maggi (atletismo) e Gustavo Kuerten (tênis)
2000 – Leila Barros (vôlei) e Gustavo Kuerten (tênis)
2001 – Daniele Hypolito (ginástica artística) e Robert Scheidt (vela)
2002 – Daniele Hypolito (ginástica artística) e Nalbert (vôlei)
2003 – Daiane dos Santos (ginástica artística) e Fernando Meligeni (tênis)
2004 – Daiane dos Santos (ginástica artística) e Vanderlei Cordeiro de Lima (atletismo)
2005 – Natália Falavigna (taekwondo) e João Derly (judô)
2006 – Laís Souza (ginástica artística) e Giba (vôlei)
2007 – Jade Barbosa (ginástica artística) e Thiago Pereira (natação)
2008 – Maurren Maggi (atletismo) e Cesar Cielo (natação)
2009 – Sarah Menezes (judô) e Cesar Cielo (natação)
2010 – Fabiana Murer (atletismo) e Murilo Endres (vôlei)
2011 – Fabiana Murer (atletismo) e Cesar Cielo (natação)
2012 – Sheilla Castro (vôlei) e Arthur Zanetti (ginástica)
2013 – Poliana Okimoto (maratona aquática) e Jorge Zarif (vela)

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 11 de novembro de 2014 Ídolos, Isso é Brasil, Jogos de Inverno | 18:53

Uma grande vitória de Lais Souza

Compartilhe: Twitter
Laís Souza tem contado com apóio permanente de sua família no processo de recuperação do acidente que a deixou tetraplégica

Laís Souza tem contado com apoio permanente de sua família no processo de recuperação do acidente que a deixou tetraplégica

Enquanto segue em Miami na batalha diária de sua recuperação, após o gravíssimo acidente de que a deixou tetraplégica no início deste ano, a ex-ginasta e esquiadora Laís Souza conquistou nesta terça-feira uma vitória que irá lhe trazer um pouco mais de tranquilidade para retomar sua vida. Foi aprovada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal o projeto que prevê o pagamento de pensão vitalícia para Laís.

>>> Veja também: Nem Lei Pelé pode assegurar amparo futuro a Laís Souza

O projeto, de autoria da deputada federal Mara Gabrili (PSDB-SP), prevê o pagamento de uma pensão vitalíciaà ex-ginasta e esquiadora, no teto máximo da Previdência Social, que é de R$ 4.390,24. A proposta seguirá para votação em plenário em regime de urgência. O valor proposto para a pensão segue a mesma regra aplicada ao benefício pago aos atletas que foram tricampeões mundiais de futebol, nas Copas de 1958, 1962 e 1970.

>>> Relembre: Lais Souza merecia mais do que uma “vaquinha virtual”

Laís Souza sofreu um acidente no dia 27 de janeiro, nos EUA, enquanto se preparava para disputar as Olimpíadas de inverno de Sochi (RUS), onde disputaria a prova de ski aerials. No acidente, ela se chocou contra uma árvore, lesionou a coluna e acabou perdendo todos os movimentos do ombro para baixo. Laís já havia participado de duas edições dos Jogos Olímpicos de verão, como ginasta, em Atenas 2004 e Pequim 2008.

>>> E mais: Atletas pedem esporte profissional no Brasil após o drama de Laís Souza

Enquanto as entidades que comandam o esporte brasileiro – leia-se COB (Comitê Olímpico do Brasil) e Ministério do Esporte – ainda não conseguem criar mecanismos que protejam dentro da lei atletas que sofrem acidentes que interrompam suas carreiras, a conquista desta terça-feira é mais uma grande vitória na dura batalha que Laís Souza vem travando em sua longa recuperação.

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 10 de novembro de 2014 Olimpíadas, Paraolimpíadas | 12:45

Arenas de esgrima e taekwondo têm obras adiantadas

Compartilhe: Twitter

Apesar da indefinição do destino de várias das arenas olímpicas – conforme atestou reportagem do iG na última sexta-feira, com a preocupação do TCU a respeito do legado dos Jogos de 2016 -, as obras no Parque Olímpico da Barra da Tijuca seguem em ritmo intenso. Neste final de semana, foi praticamente finalizada a instalação da estrutura metálica de uma das chamadas Arenas Cariocas, no caso a Arena 3, que receberá as competições de esgrima, taekwondo e judô paraolímpico nas Olimpíadas do  Rio de Janeiro. Confira a foto abaixo:

Imagem aérea das obras das Arenas Cariocas. A Arena 3 já tem a estrutura metálica do teto finalizada (Foto: Renato Sette Camara/EOM)

Imagem aérea das obras das Arenas Cariocas. A Arena 3 já tem a estrutura metálica do teto finalizada (Foto: Renato Sette Camara/EOM)

Segundo informou a EOM (Empresa Olímpica Municipal), o trabalho de montagem da estrutura começou com a pré-montagem, formando módulos que foram içados com uso de guindastes. Os serviços de alvenaria e instalações já estão em andamento nos três pavilhões. A Arena Carioca 3 terá capacidade para 10 mil pessoas e receberá as competições de esgrima, taekwondo e judô paraolímpico em 2016. As obras estão previstas para serem concluídas no terceiro trimestre de 2015.

O conjunto de três pavilhões ainda tem a Arena Carioca 1, que terá eventos de basquete, basquete em cadeira de rodas e rúgbi em cadeira de rodas, com capacidade para 16 mil pessoas; e a Arena 2, que receberá competições de judô, luta greco-romana, luta livre e bocha paraolímpica, com capacidade total de 10 mil pessoas.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 7 de novembro de 2014 Olimpíadas, Paraolimpíadas, Vídeos | 12:12

No ritmo do baião-funk, programa de voluntários para a Rio 2016 chega na reta final

Compartilhe: Twitter
Cena do clipe para divulgação do programa de voluntários das Olimpíadas  e Paraolimpíadas de 2016

Cena do clipe do programa de voluntários das Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016

Está chegando ao fim o período de inscrições do programa de voluntários para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. A data final será no próximo sábado, dia 15. Segundo informou o comitê Rio 2016, o número de inscritos já chega a 140 mil. Depois do Brasil, o maior número de inscritos estão na Rússia e China, sendo que Grã-Bretanha e Argentina também aparecem com um bom número de interessados.

>>> Veja também: Mais de 56 mil já se inscreveram para trabalhar como voluntários em 2016

Elea Mercurio será voluntária na Rio 2016 como fotógrafa

Elea Mercurio será voluntária na Rio 2016 como fotógrafa

No Brasil, o Rio de Janeiro tem o maior número de candidatos (cerca de 40%), seguido de São Paulo e Minas Gerais. Eles vão atuar em nove áreas: esportes, atendimento ao público, produção de cerimônias, imprensa e comunicação, protocolo e idiomas, serviços de saúde, apoio operacional, tecnologia e transportes.

Para motivar a participação dos voluntários, o comitê Rio 2016 está divulgando na internet um divertido vídeoclipe no ritmo baião-funk, interpretado pelos atores Elea Mercurio e Lucas Laufert, que também atuaram de forma voluntária na produção. Elea, que atuou como a chef de cozinha Ludmila na novela O Rebu, da TV Globo, se voluntariou como fotógrafa para os Jogos Rio 2016 porque também é formada em fotografia.

 

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 5 de novembro de 2014 Olimpíadas, Seleção brasileira | 16:20

“Quando a vontade bateu, eu fui voltando”, diz Joanna Maranhão sobre sua volta

Compartilhe: Twitter
Joanna Maranhão se prepara para competir em uma das provas nos JUBs

Joanna Maranhão se prepara para competir em uma das provas nos JUBs

Depois de anunciar, até de certa forma surpreendente, sua aposentadoria da natação, eis que Joanna Maranhão está de volta. No último final de semana, ela participou com sucesso da 62ª edição dos JUBs, os Jogos Universitários Brasileiros, onde faturou quatro medalhas de ouro individuais – nos 200 e 400 m medley, 100 m borboleta e 200 m costa – representando a UNISSAU, de Pernambuco. Levou ainda três pratas em revezamentos. A boa performance nos JUBs, realizado em Aracaju, serviu para comprovar um sentimento que Joanna já vinha alimentando nos últimos meses: o retorno às piscinas.

Veja ainda: Natação em ritmo de “sessão coruja” para a Rio 2016

“No período em que fiquei afastada, eu olhava as competições e não sentia nenhuma vontade de estar lá. Mas quando a vontade bateu, eu fui voltando a treinar e a coisa aconteceu”, disse Joanna Maranhão, em entrevista ao blog, justificando o que a fez abandonar a ideia de ser apenas uma ex-atleta. E ela não esconde que seu principal objetivo é voltar à seleção brasileira e conseguir índice para as Olimpíadas do Rio 2016. Se tiver sucesso, será sua quarta participação olímpica seguida, repetindo o que já fez em Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012.

Relembre: O desabafo de Joanna Maranhão é um exemplo para o Brasil

Confira abaixo os principais trechos da entrevista de Joanna Maranhão ao Espírito Olímpico

O que te levou a retomar a carreira na natação, menos de um ano depois de anunciar a aposentadoria?

Joanna Maranhão: Não existe um motivo em si, foram uma série de fatores mas o fator financeiro foi o mais forte. Ter percebido que minha família estava estável em relação a dívida me deixou mais tranquila [Nota do blog: em sua preparação para as Olimpíadas de Londres, Joanna estava sem patrocinador e bancou com ajuda de sua família os gastos com equipe de apoio e treinamentos no exterior]. Estava muito difícil nadar com a obrigação de dar resultado pra colocar dinheiro em casa.

Seu objetivo é buscar uma vaga na equipe brasileira que disputará as Olimpíadas do Rio. Acha que conseguirá atingir os índices necessários a tempo?

Eu tenho certeza que atingirei meus objetivos sejam eles de grande ou pequena escala, estou em excelente forma física, em paz comigo e com a experiência e a maturidade a meu favor. O tempo não é problema e os resultados do Jubs demonstraram isso. Já na primeira competição fiz os melhores tempos da América do Sul nas minhas provas de 200 e 400 m medley, está tudo dentro do programado.

Quais deverão ser suas maiores dificuldades para voltar à seleção?

As dificuldades são minha motivação, preciso delas pra tentar me superar, espero que sejam contínuas e desafiadoras. O retorno a seleção será um acontecimento natural, resultado de minha dedicação.

Em quais provas você pretende competir nesta sua nova fase da carreira?

A princípio as mesmas de sempre, as duas de medley, os 200 borboleta, e se der vontade de competir outras, competirei. Gosto da idéia de ter um leque grande de provas pra trabalhar.

Você conversou com alguém da CBDA sobre seu retorno e a respeito dos planos de tentar uma vaga no Rio 2016?

Não, nem quando me afastei e nem agora.

Caso consiga o índice, já planejou como pretende fazer sua preparação para os Jogos Olímpicos?

Está tudo na minha cabeça, onde irei e com quem irei treinar, o que preciso fazer, onde preciso melhorar, tudo anotado e colocado em uma planilha, serei mais objetiva dessa vez.

Qual a sua expectativa em relação à organização e realização das Olimpíadas do Rio? Está otimista quanto ao sucesso ou teme pelo atraso nas obras?

Estou bastante por fora na verdade, não sei direito o que está acontecendo. O tempo em que fiquei afastada estava cuidando da minha monografia na faculdade, do estágio, de ajudar o pessoal da minha equipe [Nikita Natação], então não sei como está. E não é minha função fiscalizar, eles [organizadores] têm a função de deixar tudo pronto e é o que eu espero que aconteça.

O que achou do posicionamento de colegas seus atletas, que se manifestaram de forma contundente após a reeleição da presidente Dilma Rousseff?

Democracia é isso. Não estamos vivendo numa ditadura como alguns estão dispostos a divulgar. Precisamos de uma reforma política e educacional pra que as pessoas se posicionem de forma embasada e não com notícias falsas. Ser politicamente ativo não é vomitar ódio nas redes sociais porque sua vontade não foi a da maioria, é respeitar, fiscalizar e principalmente olhar pra si antes de apontar o dedo. Eu sou a favor da reforma social que vem acontecendo no país ainda que esses programas de assistência não me beneficiem, eu sei que beneficiam uma classe que foi esquecida por muitos anos em prol da economia do bolso dos mais abastados. E pra ser sincera eu sou fã de mulheres que mudam seu ambiente e lutam por aquilo que acreditam, ou seja, admiro muito a história de vida da presidente, ela me representa.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

terça-feira, 4 de novembro de 2014 Olimpíadas, Paraolimpíadas | 17:10

Medalhas da Rio 2016 serão feitas com material reciclado

Compartilhe: Twitter
As medalhas que foram distribuídas nas Olimpíadas de 2012, em Londres

As medalhas que foram distribuídas nas Olimpíadas de 2012, em Londres

Ainda sem data definida para lançamento, as medalhas que serão distribuídas aos atletas durante as Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, seguirão a cartilha do ecologicamente correto. Ao todo, as 4.924 medalhas de premiação e 75 mil de participação  terão em sua composição uma porcentagem de metal oriundo da reciclagem de equipamentos eletrônicos.

As medalhas serão confeccionadas pela Casa da Moeda, que acabou de assinar contrato de parceria com o comitê organizador dos Jogos de 2016. A empresa também será a responsável pelo lançamento da coleção das moedas comemorativas das Olimpíadas, cujo primeiro lote começa a circular no mercado neste mês de novembro.

>>> Veja também: Moeda comemorativa da Rio 2016 começa a circular na semana que vem

A Casa da Moeda já tinha experiência em fabricação de condecorações de eventos esportivos: foi ela que produziu as medalhas de premiação dos Jogos Pan-Americanos do Rio 2007 e dos Jogos Mundiais Militares de 2011, também realizados na capital carioca.

Autor: Tags: , ,

sábado, 1 de novembro de 2014 Imprensa, Olimpíadas | 21:49

Natação no ritmo de “sessão coruja” para a Rio 2016

Compartilhe: Twitter

natação_Rio 2016A informação ainda não é oficial, mas a fonte é quente. O comentarista de natação do canal Sportv e ex-treinador Alexandre Pussieldi, talvez a pessoa mais bem informada na mídia brasileira a respeito da modalidade, informou nesta sexta-feira, em sua conta no Twitter, que já foram definidos os horários do programa olímpico de natação para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. E serão horários inusitados, para dizer o mínimo.

As provas eliminatórias estarão programadas para começar às 13h e as finais serão disputadas a partir das 22h. O motivo desta verdadeira sessão coruja – sim, porque dificilmente as disputas terminarão antes da meia-noite no Centro Aquático do Rio – é facilitar a vida da rede americana de tevê NBC, que pagou milhões pelos direitos de transmissão dos Jogos e solicitou que o programa de provas cumprisse este horário. O horário de 22h na época dos Jogos do Rio significa que as provas serão exibidas às 21h na Costa Leste e 18h na Costa Oeste dos Estados Unidos.

>>> Veja também: O feito inédito da ginástica brasileira e o drama de Michael Phelps

Só a título de comparação, nos Jogos de Londres 2012, as eliminatórias eram realizadas no período da manhã (começavam por volta das 9h) e as finais tinham início às 19h locais. Nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, a tevê americana já tinha sido responsável pela mudança (então inédita) no programa de provas, marcando as finais para o período da manhã na China, enquanto as eliminatórias seriam na noite anterior. Mais uma vez, o motivo foi adequar uma das modalidades mais badaladas das Olimpíadas à grade de programação nos EUA.

Embora não confirme oficialmente, o comitê organizador dos Jogos do Rio já foi informado da solicitação da NBC e obviamente irá atendê-la, com o aval da Fina (Federação Internacional de Natação).

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última