Publicidade

quarta-feira, 6 de agosto de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Imprensa, Olimpíadas, Seleção brasileira, Vídeos | 09:00

Joaquim, um herói brasileiro

Compartilhe: Twitter
Joaquim Cruz comemora a histórica vitória nos 800 m nos Jogos de Los Angeles, há exatos 30 anos

Joaquim Cruz comemora a histórica vitória nos 800 m nos Jogos de Los Angeles, há exatos 30 anos

Fosse o Brasil um país que tivesse de fato uma cultura olímpica enraizada na população e soubesse preservar de forma decente a memória do esporte, este 6 de agosto seria saudado com amplas reportagens nas páginas de jornais, TVs e sites especializados. E ainda seria pouco.

A correria dos tempos atuais, que reserva uma relevância cada vez menor à informação que realmente importa e onde ídolos de barro são criados a cada hora, provavelmente não permitirá que sejam prestadas as justas homenagens ao atleta que marcou para sempre na história do esporte brasileiro a data de 6 de agosto. Porque o feito de Joaquim Cruz, o único atleta deste país campeão olímpico em provas de pistas do atletismo, merece ser lembrado eternamente.

Felizmente, nem todos deixaram passaram a data de 30 anos da conquista da medalha de ouro nos 800 m, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em branco. O programa Esporte Espetacular, da TV Globo, exibiu no último domingo, uma linda homenagem, em reportagem de autoria de Cesar Augusto. Foi emocionante ver o choro do próprio Joaquim ao entrar no Memorial Coliseum pela primeira vez desde aquela tarde inesquecível de 1984. Material de primeira qualidade e que ainda por cima trouxe de volta a narração do igualmente genial Osmar Santos.

Vale especialmente para as gerações mais novas, que não sabem ou fazem ideia do feito de Joaquim Cruz, então um garoto de 21 anos, nascido em Taguatinga (DF) e que desbancou um monstro das pistas chamado Sebastian Coe. De uma forma inteligente, controlando a prova o tempo todo, ficando sempre em segundo lugar, na cola do queniano Edwin Koech, durante 600 metros, para então fazer uma disparada incrível nos últimos 200m, em uma arrancada que vista ainda hoje é impressionante, deixando Coe, que levou a prata, no chinelo . O tempo de 1min43s00 tornou-se recorde olímpico.

Joaquim Cruz ainda conquistaria uma outra medalha olímpica – prata nos 800 m em Seul 1988 -, mas seu lugar na história do esporte brasileiro já estaria assegurado com a fenomenal vitória em Los Angeles. Hoje, se passar por qualquer rua em nossas grandes cidades, poucos serão os que o reconhecerão ou lhe darão o devido mérito. Para esses, eu deixo abaixo as imagens de um verdadeiro herói olímpico brasileiro.

Autor: Tags: , , , ,

4 comentários | Comentar

  1. Marcelo Laguna 08/08/2014 22:23

    Imagina César, eu que agradeço a audiência. Ele merece muito mesmo, e você todos os parabéns pela linda matéria

  2. 54 cesar augusto f. gomes 08/08/2014 17:49

    Obrigado pelo carinho. Joaquim, sem dúvida, merece muito.

  3. Marcelo Laguna 06/08/2014 17:23

    Você tá de brincadeira, certo?

  4. 53 sandro 06/08/2014 13:32

    O rapaz ganha uma medalha de ouro é Herói….O cara praticamente vive desde sempre nos EUA……..vcs estão de brincadeira.

  5. Marcelo Laguna 06/08/2014 17:21

    Corrigido, obrigado

  6. 52 Silvio Cesar do Nascimento 06/08/2014 12:00

    Eu tinha 12 anos e me lembro da emoção de ter assistido àquela prova!!

    Só um detalhe: o tempo foi de 1min43s.

  7. 51 Marco Antonio 06/08/2014 10:37

    Simplesmente sensacional a matéria! Poder rever a vitória maiúscula do grande Joaquim Cruz ainda emociona e nos faz lembrar que em Brasília (Taquatinga está na área metropolitana de Brasília) não há somente políticos corruptos e mensaleiros!

    A vitória do Joaquim Cruz é algo grandioso. E ele venceu um dos mito do esporte que foi o não menor Sebastian Coe!

    Que o exemplo de perseverança, dedicação, luta e foco em um objetivo maior, demonstrados por Joaquim Cruz, não seja esquecido nunca. E que nossos jovens sigam seu exemplo, seja no esporte, seja na vida!

    Valeu! Salve o grande Joaquim Cruz!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.