Publicidade

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil | 19:44

O que se deve (ou não) festejar no novo estatuto do COB

Compartilhe: Twitter
Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB

Nuzman, foi reeleito em 2012 para mais um mandato no COB, mas não se sabe quando deixará a entidade

Na última terça-feira, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) anunciou por meio de comunicado à imprensa mudanças no estatuto da entidade, realizado durante sua  Assembleia Geral. O texto do comunicado dizia que “o novo Estatuto do COB é uma evolução natural do desenvolvimento dos esportes olímpicos no Brasil e permitirá maior dinamismo no gerenciamento do esporte”.

Eufemismos à parte, o COB está chegando com relativo atraso à nova regulamentação do esporte olímpico do Brasil. No dia 17 de setembro, foi aprovado pelo Senado a MP 620/2013, que limita a apenas uma reeleição sem sair do cargo o mandato dos dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas. No dia 18 de outubro, a presidente Dilma Rousseff sancionou a MP, que altera a Lei Pelé. A aprovação da lei contou com um intenso trabalho da entidade Atletas pelo Brasil, que tem o apoio de vários ídolos do esporte do país e é comandada pela ex-jogadora de vôlei Ana Moser.

Este fato, o mais importante do esporte brasileiro em 2013, na opinião do blogueiro, tem como principal objetivo terminar com os verdadeiros feudos que se instalaram em algumas confederações esportivas, COB incluso, que tem como presidente Carlos Arthur Nuzman desde 1995 e reeleito para mais quatro anos em 2012.

Entre as alterações no estatuto, o COB está limitando o mandato do presidente a quatro anos, com apenas uma reeleição e incluiu o presidente da Comissão de Atletas Olímpicos na Assembleia Geral. E o que isso significa? Muito pouco, para não dizer nada.

Primeiro, porque o próprio COB não sabe dizer se a última reeleição de Nuzman já se enquadra de acordo com a nova lei. Há divergências até mesmo entre juristas. Por isso, o atual dirigente que teoricamente deveria deixar o cargo em 2020, poderá permanecer no poder até 2024. Segundo ponto que mostra a pouca utilidade destas mudanças é dizer que os atletas terão poder de voto, como afirma a entidade em seu comunicado. Apenas o presidente da Comissão de Atletas poderá votar (atualmente este cargo é de Emanuel Rego, do vôlei de praia) e duvido que este atleta, que foi colocado no cargo por influência do COB, irá votar contra qualquer interesse da atual diretoria.

Resumo da ópera: comemore as mudanças no estatuto do COB, mas com moderação.

Autor: Tags: , , , , ,

3 comentários | Comentar

  1. 53 Alan 21/02/2014 13:16

    Mesmo com a possibilidade do Nuzmam continuar mais um pouco o fim das reeleições eternas é pra se comemorar. Ainda falta muito para vermos mudanças profundas no esporte nacional… rs

  2. 52 bruno teixeira 20/02/2014 23:29

    Isso é uma desgraça que tem de acabar no Brasil. Todo vermelho no Brasil é contra a Ditadura Militar, mas dela se aproveitaram no que tinha de interessante para cada classe. Um dirigente de Federação ou Confederação ou comitê olimpico ficar por30 anos no poder, deve ter uma razão especial. Alguem saberia dizer qual?

  3. 51 Eric Walther Maleson 20/02/2014 20:16

    Decepção! Trinta (30) votos das Confederações x um (1) voto de 1 atleta = NADA … Prometeram que iriam incluir os atletas (plural) mas espertamente escolheram somente um representante! E o COB ainda tenta chamar isso de grande avanço! Isso e nada, é a mesma coisa!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.