Publicidade

Arquivo de fevereiro, 2014

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Ídolos, Isso é Brasil | 18:32

O drama de Maurren e a “vida real” do esporte brasileiro

Compartilhe: Twitter
Maurren Maggi está buscando uma forma de arrecadar fundos para continuar treinando

Maurren está buscando uma forma de arrecadar fundos para continuar treinando

Ignore o fato de que o efeito inexorável do tempo é cruel. Deixe de lado que, aos 37 anos, ela já vive o ocaso de sua carreira esportiva. Mas não dá para conceber que a saltadora Maurren Maggi, que  foi a primeira mulher brasileira do atletismo a conquistar uma medalha de ouro (em Pequim 2008, no salto em distância), precise apelar para uma “vaquinha virtual” para conseguir se manter na ativa.

Nesta sexta-feira, todos os portais de internet noticiaram com destaque a campanha iniciada pela atleta, através do sistema de “crowdfunding”, para arrecadar R$ 100.000,00 nos próximos cem dias. Para isso, basta o torcedor ou empresário entrar no site da campanha e escolher a quantia com a qual deseja participar. Até às 18h desta sexta-feira (28/2), Maurren já havia arrecadado R$ 6.182,00.

Maurren alega que está sem patrocínio desde 2013 e que precisa deste valor para financiar toda sua fase de treinamentos nesta temporada, pois os valores que recebe da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e de um patrocinador não conseguem bancar estas despesas. A atleta diz que ainda sonha com a chance de representar o Brasil nas Olimpíadas do Rio, em 2016.

Esse triste caso de Maurren Maggi represente o “Brasil real” do esporte brasileiro, bem distante daqueles dos planos Bolsa Pódio, Lei Agnelo/Piva e todos os outros programas de ajuda oficial aos atletas de ponta, que se preparam para os Jogos Olímpicos. E estamos falando de alguém que tem no currículo uma medalha de ouro olímpica, além de três ouros em Jogos Pan-Americanos. Mas vem se tornando comum outros casos de “vaquinhas ” pela internet para apoio a atletas do Brasil.

No ano passado, o iG Esporte contou a história de Élora Pattaro, que chegou a disputar as Olimpíadas de Atenas 2004 e foi apontada como uma das promessas da esgrima do Brasil, criando um programa de “crowdfunding” para pagar um estágio de treinos na Europa. Mas existem outras ações semelhantes, como a do movimento “Apoie um Atleta“, para auxiliar atletas a se classificarem aos Jogos de 2016, e o “SalveSport“, para financiar atletas e projetos esportivos, como o da professora Katia Rúbio, que está produzindo o “Memórias Olímpicas por atletas Olímpicos Brasileiros”, traçando o perfil de TODOS os brasileiros que disputaram os Jogos Olímpicos.

A vida no “Brasil real” do esporte é muito mais difícil do que querem nos fazer engolir.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014 Jogos Sul-Americanos, Seleção brasileira | 10:00

COB usará Jogos Sul-Americanos para fazer experiências

Compartilhe: Twitter

Jogos Sul-AmericanosCompetição de segundo escalão entre os esportes olímpicos, os Jogos Sul-Americanos de 2014, que terão como sede a cidade de Santiago (CHI), a partir do próximo dia 7 de março, servirão como uma espécie de laboratório para o COB (Comitê Olímpico Brasileiro). Em pleno ciclo olímpico para os Jogos do Rio 2016, a entidade usará o evento para dar mais rodagem a jovens atletas que nunca tiveram experiência em um competição de nível poliesportivo internacional. Ao mesmo tempo, levará algumas de suas estrelas, que poderão ajudar a ampliar o número de medalhas ao final da competição. Nas duas últimas edições (2006 e 2010), o Brasil ficou na segunda colocação no quadro geral de medalhas.

Segundo Jorge Bichara, gerente geral de performance esportiva do COB, para algumas modalidades os Jogos Sul-Americanos são uma competição interassante do ponto de vista esportivo. “Esportes que tenham a questão do tempo como parâmetro para avaliar a performance poderão aproveitar melhor sua participação nesta competição”, afirmou. Há até modalidades que terão os Sul-Americanos como seletiva para o Pan-Americano de Toronto 2015. É o caso do pentatlo moderno, que terá a presença da medalhista olímpica em Londres 2012, Yane Marques.

Também demonstraram a intenção de levar equipes completas o boxe e o taekwondo, segundo Bichara. Já o atletismo e a natação deverão enviar equipes mistas, alternando novatos com atletas consagrados. No caso do atletismo, várioas atletas da seleção principal irão a Santiago, como Mauro Vinícius da Silva, o Duda, Ana Cláudia Lemos e Fabiana Murer, campeã mundial do salto com vara. O handebol feminino, por exemplo, contará com a presença de várias atletas que foram campeãs mundiais em dezembro, na Sérvia.

Alguns esportes, contudo, disseram não aos Jogos. É o caso do basquete, que abriu mão de mandar equipes para disputar os torneios masculino e feminino, alegando que não teria como desfalcar os clubes participantes das respectivas ligas nacionais.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil, Seleção brasileira | 22:32

Erros acumulados de 25 anos explicam a crise do basquete

Compartilhe: Twitter
Carlos Nunes deverá anunciar mudanças na CBB nesta quarta

Nunes deverá anunciar mudanças na CBB nesta quarta

Acuada pelas duras cobranças  da Fiba (Federação Internacional de Basquete) e Ministério do Esporte, atolada em dívidas e sem perspectivas a curto prazo, a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) não teve outra alternativa a não ser capitular. Conforme relatou ao iG o secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, nesta quarta-feira o presidente da entidade que comanda o basquete brasileiro, Carlos Nunes, deverá anunciar profundas mudanças na gestão da modalidade. Um profissional de mercado para atuar na administração da CBB será apenas uma das novidades prometidas.

Porém, quem acompanhou o basquete brasileiro com um pouco mais de atenção nos últimos 25 anos, não deve ficar nada surpreso com tudo o que está acontecendo.

Em pouco mais de duas décadas, o que mais se viu foram gestões atrapalhadas na CBB, desde o períoodo em que Renato Brito Cunha foi o presidente, entre 1989 e 97, passando pelos 13 anos de mandato de Gerasime Boziks, o Grego, até desembocar no complicado período de Carlos Nunes, que está no poder desde 2009. Com raras exceções, marcadas por conquistas importantes e históricas – o título mundial de 1994, a medalha de prata em Atlanta 1996 da seleção feminina, além do bom quinto lugar da seleção masculina em Londres 2012 -, o basquete brasileiro vem sendo sinônimo de incompetência gerencial, dentro e fora das quadras.

Ou alguém já se esqueceu que a seleção masculina ficou 15 anos sem conseguir uma classificação olímpica? Ou sobre as inúmeras deserções em convocações no masculino, independentemente do técnico no comando? E a recusa de um jogador mediano, como o armador Nezinho, em entrar em quadra em pleno Pré-Olímpico de 2007, deixando o técnico Lula com cara de bobo? E ainda a recusa de uma jogadora talentosa, porém extremamente individualista como Iziane em voltar à quadra no Pré-Olímpico de 2008, peitando Paulo Bassul? E a máquina de moer técnicos na seleção que ocorreu na passagem de Hortência como diretora do basquete feminino?

Isso para falar apenas de ALGUNS dos problemas de quadra. Porque fora delas  vimos patrocinadores (de clubes e da seleção brasileira) fugirem para outras modalidades (vôlei e atletismo), dívidas se acumularem ao longo de anos e mesmo com uma quantidade de recursos públicos como nunca se viu, a CBB chegou a uma situação em que mal consegue se manter ativa. A Fiba deu o sinal de alerta – com um certo atraso, diga-se de passagem – no útimo final de semana, tendo o Ministério do Esporte como parceiro nas reclamações. O resultado disso foi o constrangedor encontro desta terça-feira, no qual até mesmo o ministro Aldo Rebelo participou.

Se quiser manter as chances de cumprir uma bela campanha e – porque não? – sonhar em subir ao pódio daqui a pouco mais de dois anos, nas Olimpíadas do Rio, é bom que Carlos Nunes tenha compreendido perfeitamente o que lhe foi passado em Brasília nesta terça-feira. Ou coloca sua entidade nos eixos ou entrará para a história da mesma forma que seus antecessores, como um dos responsáveis em manchar a história rica e vencedora do basquete brasileiro.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Histórias do esporte, Ídolos, Vídeos | 19:25

Há 21 anos, Serguei Bubka deixava a Ucrânia mais feliz

Compartilhe: Twitter
Momento em que Serguei Bubka se preparava para o salto que lhe deu seu último recorde mundial indoor

Momento em que Serguei Bubka se preparava para o salto que lhe deu seu último recorde mundial indoor

São impressionantes e tristes as imagens dos jornais e portais de internet, mostrando o clima de tensão e violência em Kiev, capital da Ucrânia. Mas enquanto o mundo todo fica apreensivo com os desdobramentos da crise política que atinge o país, eis que apareceu um vídeo de um período em que os ucranianos estavam mais felizes.

Nesta sexta-feira, há exatamente 21 anos, Serguei Bubka, um dos maiores ídolos do esporte mundial e herói nacional na ucrânia, quebrava de maneira espetacular o recorde mundial do salto com vara em pista coberta (indoor), durante um meeting em Donetsk, alcançando a espetacular marca de 6,15 m.

Ironicamente, este recorde não lhe pertence mais: na mesma Donetsk, o francês Renaud Lavillenie saltou no último sábado 6,16 m, durante o Pole Vault Stars. Bubka ainda detém o recorde do salto com vara ao ar livre, com 6,14 m, desde 1994.

Reveja a imagem da marca histórica obtida por Bubka em 1993, há exatos 21 anos:

 

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil | 19:44

O que se deve (ou não) festejar no novo estatuto do COB

Compartilhe: Twitter
Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB

Nuzman, foi reeleito em 2012 para mais um mandato no COB, mas não se sabe quando deixará a entidade

Na última terça-feira, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) anunciou por meio de comunicado à imprensa mudanças no estatuto da entidade, realizado durante sua  Assembleia Geral. O texto do comunicado dizia que “o novo Estatuto do COB é uma evolução natural do desenvolvimento dos esportes olímpicos no Brasil e permitirá maior dinamismo no gerenciamento do esporte”.

Eufemismos à parte, o COB está chegando com relativo atraso à nova regulamentação do esporte olímpico do Brasil. No dia 17 de setembro, foi aprovado pelo Senado a MP 620/2013, que limita a apenas uma reeleição sem sair do cargo o mandato dos dirigentes de entidades esportivas que recebem verbas públicas. No dia 18 de outubro, a presidente Dilma Rousseff sancionou a MP, que altera a Lei Pelé. A aprovação da lei contou com um intenso trabalho da entidade Atletas pelo Brasil, que tem o apoio de vários ídolos do esporte do país e é comandada pela ex-jogadora de vôlei Ana Moser.

Este fato, o mais importante do esporte brasileiro em 2013, na opinião do blogueiro, tem como principal objetivo terminar com os verdadeiros feudos que se instalaram em algumas confederações esportivas, COB incluso, que tem como presidente Carlos Arthur Nuzman desde 1995 e reeleito para mais quatro anos em 2012.

Entre as alterações no estatuto, o COB está limitando o mandato do presidente a quatro anos, com apenas uma reeleição e incluiu o presidente da Comissão de Atletas Olímpicos na Assembleia Geral. E o que isso significa? Muito pouco, para não dizer nada.

Primeiro, porque o próprio COB não sabe dizer se a última reeleição de Nuzman já se enquadra de acordo com a nova lei. Há divergências até mesmo entre juristas. Por isso, o atual dirigente que teoricamente deveria deixar o cargo em 2020, poderá permanecer no poder até 2024. Segundo ponto que mostra a pouca utilidade destas mudanças é dizer que os atletas terão poder de voto, como afirma a entidade em seu comunicado. Apenas o presidente da Comissão de Atletas poderá votar (atualmente este cargo é de Emanuel Rego, do vôlei de praia) e duvido que este atleta, que foi colocado no cargo por influência do COB, irá votar contra qualquer interesse da atual diretoria.

Resumo da ópera: comemore as mudanças no estatuto do COB, mas com moderação.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 22:11

O final feliz de Adriana Araújo e a arte de engolir sapos

Compartilhe: Twitter
Mauro José da Silva, Adriana Araújo e Ricardo Leyser, secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte: cachimbo da paz

Mauro José da Silva, Adriana Araújo e Ricardo Leyser, secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte: cachimbo da paz no boxe olímpico do Brasil

A definição do retorno à seleção brasileira de Adriana Araújo, medalhista de bronze na categoria até 60 kg no boxe feminino das Olimpíadas de Londres 2012, não poderia vir em melhor hora para o Brasil. Ainda sem ter assimilado a decisão dos irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão em optarem pelo profissionalismo, a CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe) finalmente recebeu um alento.

Ao lado de Everton Lopes e Robson Conceição, Adriana passa a se tornar, agora com seu retorno assegurado à seleção, em mais uma esperança real de medalha para o Brasil nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Classificada em terceiro lugar no ranking mundial da Aiba (Associação Internacional de Boxe Amador), Adriana Araújo tem enorme potencial para repetir o pódio de Londres ou até mesmo ir mais além.

E pensando no tal plano Brasil Medalhas (que inspirou a criação do Bolsa Pódio), o  Ministério do Esporte não queria de forma alguma ver de fora da equipe nacional nas Olimpíadas um talento como o da lutadora baiana. A meta brasileira, não se esqueçam, é ousada: deixar o país no top 10 do quadro de medalhas em 2016, o que sginificaria terminar os Jogos com cerca de 30 medalhas. Em Londres 2012 foram 17 o total de medalhas brasileiras.

Se do ponto de vista técnico o “acordo de paz” entre Adriana Araújo e Mauro José da Silva, presidente da CBBoxe, foi excelente, fico curioso para saber o saldo que a reunião desta quarta (antecipada aqui no blog) irá causar nas partes envolvidas.

Tanto o dirigente quanto a boxeador baiana são conhecidos pelo gênio forte. O próprio iG registrou, em sua cobertura nas Olimpíadas de Londres, as fortes palavras ditas por Adriana em relação a Silva. “Essa medalha é para calar a boca dele. Ele tentou me tirar da seleção, disse que eu não me classificaria e que não tinha condições de estar aqui. Mas vim e conquistei a medalha de bronze. Ele precisa aprender a valorizar os atletas do Brasil”, disse a boxeadora, logo após ganhar a medalha de bronze olímpica.

Em abril de 2013, quando a saída de Adriana da seleção foi definida, Mauro José da Silva deu o troco na atleta e já tinha a resposta na ponta da língua para justificar o corte: indisciplina. “Ela queria ficar na Bahia, com o técnico dela, mas em janeiro apresentou-se 14 kg mais gorda. Já tínhamos permitido isso outras duas vezes e os resultados foram terríveis”, afirmou na época ao blog.

Nesta quarta-feira, como demonstra a foto feita pela secretaria de alto rendimento do ministério do esporte, que intermediou o acordo, o clima era de paz e amor. “Nunca tive problemas com a CBBoxe. Sempre tive boa relação com as pessoas que trabalham lá. Em minha trajetória na seleção, consegui ser campeã em vários torneios e, com isso, alcancei uma boa pontuação”, disse Adriana, esquecendo-se do que havia declarado menos de dois anos atrás.

Neste ano haverá o Mundial feminino de boxe e certamente Adriana Araújo, se estiver em forma, é candidata à medalha. Vamos aguardar para ver se os sapos que a baiana e o dirigente engoliram na definição deste acordo valeram a pena.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 22:42

Novela entre CBBoxe e Adriana Araújo tem novo capítulo

Compartilhe: Twitter
Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Adiana Araújo comemora vitória em luta que lhe garantiu o bronze em Londres

Será nesta quarta-feira, na sede do Ministério do Esporte, em Brasília, a reunião em que poderá ser sacramentada a paz entre a CBBoxe e a lutadora Adriana Araújo, primeira brasileira a conquistar uma medalha (bronze na categoria até 60 kg) no boxe feminino olímpico, em Londres 2012. Desde o ano passado, o Ministério tenta articular um acerto entre a entidade e Adriana, que entraram em rota de colisão ainda nas Olimpíadas.

Mesmo tendo conquistado um resultado inédito e histórico, Adriana Araújo não economizou nas críticas ao presidente da CBBoxe, Mauro José da Silva, acusando-o de ter tentado tirá-la da seleção feminina antes do Pré-Olímpico. Em abril do ano passado, a lutadora foi excluída da equipe feminina, sob alegação de estar acima do peso e demonstrar indisciplina com os treinadores.

SAIBA MAIS SOBRE O BOXE OLÍMPICO DO BRASIL

>>> Boxe feminino brasileiro vive clima de guerra
>>> Ministério do Esporte tenta acordo de paz entre CBBoxe e Adriana Araújo
>>> Esquiva também se torna profissional e abre crise no boxe

A reunião desta quarta-feira, que deverá começar por volta das 15h, no gabinete do secretário de alto rendimento do Ministério, Ricardo Leyser, será a terceira desde que a crise começou. Desta vez, parece que Adriana Araújo está disposta a ceder em algumas posições que antes pareciam irredutíveis. Ela, por exemplo, exigia treinar em Salvador, sob o comando de Luiz Carlos Dórea, e não treinar com o restante da equipe, em São Paulo.

Resta saber se o presidente da CBBoxe também irá recuar de sua decisão de não mais aceitar Adriana na seleção. Para o ministério, a presença da lutadora é importante no projeto brasileiro de conquistar o maior número de medalhas possíveis nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e terminar no top 10 do quadro de medalhas.

Importante lembrar que mesmo fora da seleção brasileira feminina há quase um ano, Adriana Araújo ainda é a terceira colocada no ranking mundial da Aiba (Associação Internacional de Boxe Amador) na categoria até 60 kg.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014 Histórias do esporte, Jogos de Inverno, Olimpíadas | 17:45

O dia em que um 20º lugar valeu mais do que o 1º

Compartilhe: Twitter
A brasileira Josi Santos cai no choro após completar sua prova no esqui aerials

A brasileira Josi Santos cai no choro após completar sua prova no esqui aerials

O salto foi dado na rampa mais baixa da Rosa Khutor Extreme Park, em Sochi. O grau de dificuldade, portanto, o mais fraco entre todas as concorrentes. Ou seja, era natural esperar que o resultado fosse muito ruim. Ainda assim, a última coisa em que a brasileira Josi Santos estava preocupada nesta sexta-feira era com sua performance na prova do esqui estilo livre, modalidade aerials, pelas Olimpíadas de Inverno. O que ela queria mesmo era homenagear a amiga e companheira de treinos Laís Souza.

VEJA MAIS SOBRE AS OLIMPÍADAS DE SOCHI 2014

>>> Começou a briga por medalhas do esporte mais bacana de Sochi 2014
>>> Empresa faz homenagem às mães dos atletas de Sochi 2014
>>> Conheça os locais de competição de Sochi 2014

Se não tivesse sofrido o trágico acidente no dia 27 de janeiro, quando esquiava livremente em um intervalo dos treinos, em Salt Lake City (EUA), era Laís quem provavelmente estaria no lugar de Josi na prova desta sexta. No acidente, Laís teve uma fratura na terceira vértebra da coluna e está sem movimentos nos braços e pernas. A ex-ginasta olímpica, que desde maio de 2013 integrava um projeto da CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) para buscar novos atletas, já passou por três cirurgias e segue internada no Hospital da Universidade de Miami.

Josi Santos, também ex-ginasta, era companheira de treinos de Laís e estava com ela na hora do acidente. Acabou herdando a vaga da amiga, mas chegou a Sochi consciente de que não teria nenhuma chance de brigar por uma medalha. Por isso, sua única preocupação era não cair na hora do salto. Ao completar a aterrissagem, mostrou a letra “L” com os dedos, em homenagem à Laís, caindo no choro em seguida.

A classificação final das eliminatórias do esqui aerials apontou Josi Santos em 20º lugar, com a nota 49,60, tendo ficado à frente ainda de uma suíça e de uma bielorussa. No fundo, isso pouco importa. Ao conseguir superar um drama pessoal sem tamanho, homenagear a amiga que luta por uma recuperação quase impossível e também completar com dignidade sua participação olímpica, Josi Santos conquistou sua medalha pessoal em Sochi.

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014 Isso é Brasil, Jogos de Inverno, Olimpíadas | 13:54

Polêmica dos trenós do bobslead do Brasil não foi inútil

Compartilhe: Twitter
Um dos trenós do Brasil para os Jogos de Sochi, já com a pintura pronta

Um dos trenós do bobslead do Brasil para os Jogos de Sochi, já com a pintura pronta

Eis que nesta quinta-feira apareceu a imagem dos trenós da equipe brasileira de bobslead que irão competir nas Olimpíadas de inverno de Sochi 2014 pintados e prontos para entrar na pista. Ficou bonito, vamos reconhecer! Os próprios atletas se encarregaram de “envelopar”, como eles mesmos se referem à tarefa de pintar e preparar os trenós para a competição, terminando com a péssima imagem deixada pela equipe brasileira ao fazer o reconhecimento da pista, quando ainda usou o trenó com as cores de Mônaco (de quem foram comprados) e com parte da pintura descascada. Um péssimo cartão de visitas, em minha opinião.

Assim como vários internautas, que deixaram comentários raivosos em um post anterior no qual critiquei a atitude da equipe em entrar na pista em Sochi com o trenós naquelas condições – embora compreenda as dificuldades de um país sem tradição alguma neste esporte em chegar para um evento de alto nível como os Jogos Olímpicos -, integrantes da delegação brasileira também ficaram indignados.

Integrantes da equipe do Brasil "envelopam" um dos dois trenós que serão usados em Sochi

Integrantes da equipe do Brasil “envelopam” um dos dois trenós que serão usados em Sochi

Em entrevistas ao canal Sportv, dadas em dias diferentes, o presidente da CBDG (Confederação Brasileira de Desportos no Gelo), Emílio Strapasson, e o piloto do bobslead masculino, Edson Bindilati, demonstraram revolta com as críticas que surgiram. “A gente conhece muito trenó bonito que não está aqui”, afirmou Strapasson. “A gente não veio pra mostrar trenó bonito desde o começo. Viemos primeiro para reconhecer a pista e nem sabíamos se estávamos classificados até três semanas atrás. E demora para pintar o trenó, não é de um dia para o outro”, justificou Bindilati.

VEJA M AIS SOBRE SOCHI 2014

>>> No estilo “Jamaica Abaixo de Zero”, Brasil paga mico em Sochi
>>> Começou a briga por medalhas do esporte mais bacana das Olimpíadas de Sochi
>>> Conheça os locais de competição de Sochi 2014

Compreensível a indignação dos dois, mas a polêmica em torno do “trenó detonado” do Brasil está muito longe de ser inútil. Mesmo se tratando de uma equipe sem qualquer tradição ou chance de brigar por medalhas, os brasileiros jamais deveriam fazer sua primeira aparição pública com um trenó sem as cores do país e com uma aparência tão ruim. Não é uma preocupação somente com a estética, mas tem a ver com a própria organização do esporte brasileiro. E se a equipe ainda precisava garantir classificação para competir nas Olimpíadas, mais um motivo para que o tal trenó tivesse sido adquirido com mais antecedência e surgisse em condições mais apresentáveis.

Do contrário, a chance de virar motivo de chacota internacional é grande demais.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014 Jogos de Inverno, Olimpíadas | 18:13

Começou a briga por medalhas do esporte mais bacana das Olimpíadas de Sochi 2014

Compartilhe: Twitter
Visão geral da pista do Ice Cube Curling Center, em Sochi

Visão geral da pista do Ice Cube Curling Center, em Sochi: o curling virou atração no Brasil

Nada contra a beleza plástica da patinação artística ou das imagens sensacionais de esportes mais radicais, como o esqui alpino, o snowboard ou mesmo o luge. Mas desde ontem começou o esporte mais legal dos Jogos Olímpicos de Sochi, ao menos na minha opinião: o curling.

Transformado em “vedete” pelo público brasileiro durante os Jogos de Vancouver 2010, o curling é um verdadeiro barato. Com suas roupas chamativas, as indefectíveis vassouras “limpando” o gelo durante o lançamento das pedras (em formato circular e pesando quase 20 kg, lembrando uma chaleira) e até com algumas musas nas equipes femininas, o curling é na verdade um grande jogo de estratégia. Em muitas situações, lembra a bocha, sua prima distante e bastante difundida nos clubes sociais do Brasil.

A modalidade estreou no programa olímpico dos Jogos de inverno em 1924, no masculino, mas  só retornou em 1998, junto com as disputas femininas. Tem como atuais campeões olímpicos as equipes do Canadá, entre os homens, e a Suécia, no torneio das mulheres.

Em Sochi 2014, após dois dias de disputa, Suécia, China e Noruega estão invictos na fase de classificação do torneio masculino, enquanto Suíça e Canadá seguem na liderança no feminino. Como as finais estão marcadas para os dias 20 e 21, muitas pedras ainda irão deslizar pelas pistas do Ice Cube Curling Center.

Autor: Tags: ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última