Publicidade

sábado, 9 de novembro de 2013 Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Paraolimpíadas | 15:39

A 1.000 dias da abertura, Rio 2016 precisa de mais trabalho e menos festa

Compartilhe: Twitter
Número 1.000 formado no Estádio Mangueirão, em Belém (PA),  por atletas que disputam os Jogos Escolares da Juventude

Número 1.000. referente aos dias que faltam parao Rio 2016, no Estádio Mangueirão, em Belém (PA), formado por atletas que disputam os Jogos Escolares da Juventude

Todo mundo adora uma efeméride. Se for com data redonda, então, aí é que a festa fica completa. Isto posto, é natural todo o barulho que está sendo feito neste sábado, quando faltam exatos 1.000 dias para a abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Mas, a despeito da bonita foto comemorativa divulgada pelo comitê organizador dos Jogos (só não entendi direito o fato de ter sido feita no Mangueirão, em Belém, e não no Maracanã, por exemplo), o momento atual pede mais trabalho e menos festa.

Como bem lembrado por ótima reportagem do jornal Folha de S. Paulo neste sábado, o orçamento final dos Jogos de 2016 ainda não foi definido! Orçados em R$ 28 bilhões quando a candidatura brasileira venceu a eleição, em 2009, ele ainda não teve seus números definitivos anunciados. Só como comparação, os organizadores das Olimpíadas de Londres 2012 anunciaram o orçamento definitivo (R$ 37 bilhões) em 2007, dois anos antes do tal prazo dos 1.000 dias.

O Rio 2016 precisa ainda no tempo que resta para a abertura oficial acelerar (e muito) obras importantes. O ponto mais delicado nesta operação olímpico é o Complexo de Deodoro, que receberá uma quantidade significativa de m0dalidades, como esgrima, pentatlo moderno, hipismo (saltos, CCE e adestramento), ciclismo BMX e mountain bike, tiro esportivo e canoagem slalom. A licitação das obras nem foi feita ainda e a inauguração será somente no primeiro semestre de 2016.

E no próprio Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, há importantes instalações cujas obras nem saíram do papel, como a arena de handebol (que está em fase de licitação), que deve ficar pronta apenas no segundo semestre de 2015, e o centro aquático (com licitação prevista para ocorrer em 2014), que precisa estar erguido até o primeiro trimestre de 2016.

É muita coisa pra pouco tempo, convenhamos.

Isso tudo só torna as tolas bravatas de Eduardo Paes, ao dizer que o Rio deixará Barcelona 1992 no chinelo, ainda mais patéticas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

6 comentários | Comentar

  1. 56 ronaldo 12/11/2013 9:20

    Caríssimo colunista;
    o seu texto ás vezes acaba lembrando o saudors GERALDO BRETAS; talvez poucas pessoas tenham conhecido pela grandes polêmicas de suas declarações (era sãopaulino). A geração do Juca deve lembrar!!!

  2. 55 Cleber 10/11/2013 13:20

    O Rio de Janeiro tem nas mãos a oportunidade da mudança com os Jogos Olímpicos, mas o tempo não perdoa ninguém. O tempo tá correndo, as obras não estão saindo, pelo que parece alguns planos nem sairão da prancheta. Este sossego das autoridades, esta calma em afirmar que tudo dará certo entristece e revolta. Quanto mais apertado os prazos, mais caro ficará as obras, e mais dinheiro sairá dos contribuintes para pagar tudo. Vai dar tempo, talvez, mas a que preço?

  3. 54 Karl Heis 10/11/2013 11:35

    É que carioca é vagabundo por natureza.

  4. 53 carioca 10/11/2013 9:27

    QUAL É A CREDIBILIDADE DA FOLHA DE SÃO PAULO ?
    VAI QUEBRAR A CARA , CHUPETA DE BALEIA !
    O ETERNO COMPLEXO DE SÃO PAULO NÃO MORRE !

  5. 52 Julinho Roberto 10/11/2013 8:18

    Amigo, pessoas como o Paes nunca são tolos. Eles são é muito espertos.
    Tolos somos nós, que pagamos os impostos e levamos essa gente ao poder.

  6. 51 Marcos 10/11/2013 7:04

    Tá louco, jornalista? Falar em TRABALHO no Rio? Anátema.
    O Rio é apenas festa, festa, arrastão, jantares de governantes em Paris, fofocas e folga.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.