Publicidade

segunda-feira, 16 de setembro de 2013 Mundiais, Olimpíadas, Seleção brasileira | 17:44

Após 'susto' do COI, luta faz seu Mundial de olho em mudanças

Compartilhe: Twitter

Amit Kumar, da Índia (de vermelho) e Hassan Rahimi (Irã) disputam a final dos 55 kg, categoria livre

Pouco mais de uma semana depois de ter sido confirmada pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) no programa das Olimpíadas de 2020, em Tóquio, e de 2024, a luta olímpica ainda tenta se recuperar do susto em plena disputa do Mundial da modalidade, que começou nesta segunda-feira em Budapeste, na Hungria. Mas a competição – que conta com uma delegação de nove atletas do Brasil, nas categorias livre, greco-romana e luta feminina – servirá especialmente para que o esporte consiga se moldar às exigências feitas pelo COI e que por pouco não custaram sua exclusão no programa olímpico.

Desde o último domingo, o conselho executivo da FILA (Federação Internacional de Lutas Associadas) está reunido para discutir um plano de ação com  objetivo de modernizar a modalidade, uma críticas da comissão do COI que havia votado pela exclusão da luta olímpica, em fevereiro. “A FILA não chegou a fazer um acordo com o COI, mas está consciente que as mudanças precisam ser feitas ou estamos arriscados no futuro a nunca mais termos nossa posição de esporte principal dos Jogos ou passarmos por uma situação semelhante à que tivemos agora”, disse Pedro Gama Filho, presidente da CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas) e um dos mais ativos dirigentes na briga pela manutenção das lutas no programa olímpico.

A atuação do sérvio Nenad Lalovic, que assumiu a presidência da FILA no último mês de fevereiro, também foi apontada pelo dirigente brasileiro como fator importante para a decisão do COI. Isso porque de forma rápida foram implantadas algumas mudanças na modalidade assim que ele tomou posse, segundo Gama Filho. “De mais importante, houve o aumento de duas categorias femininas já para os Jogos de 2016, no Rio, e a diminuição de uma categoria masculina em cada estilo, para promover uma maior igualdade. Também foi criada uma comissão de atletas, com direito a voto no Bureau da FILA, e que será escolhida pelos próprios lutadores”, disse o brasileiro.

Relembre: COI rasga sua própria história ao excluir a luta dos Jogos

A entidade tornou ainda seu departamente de arbitragem um órgão independente, conseguindo assim mais autonomia. E por fim, alterou de forma profunda algumas regras dos combates, para facilitar o entendimento do esporte ao público. “O atleta com estilo mais ofensivo, que se arrisca mais, leva vantagem clara. Também não há mais o sorteio que decidia os rounds em caso de empate e houve uma própria mudança na estrutura do combate, agora disputado em três rounds com placar acumulativo”, disse Gama Filho.

As novas categorias que passarão a participar do programa olímpico no Rio de Janeiro serão aprovadas ao longo do congresso do comitê executivo da FILA, que está sendo realizado em Budapeste.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.