Publicidade

Arquivo de março, 2013

domingo, 31 de março de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Seleção brasileira | 12:28

A pior derrota de Hortência

Compartilhe: Twitter

Hortência não ocupa mais a direção do basquete feminino na CBB

Poucas pessoas na história do basquete mundial tiveram uma carreira tão vitoriosa quanto Hortência Marcari. Maior cestinha do Brasil, campeã mundial em 1994, vice-campeã olímpica em Atlanta 1996, campeã pan-americana em Havana 1991, campeã mundial de clubes, integrante do Hall da Fama do basquete em Springfield. Um currículo brilhante. Mas todos estes feitos dentro de uma quadra de basquete não se repetiram quando Hortência passou a atuar como dirigente.

Sua gestão como diretora de basquete feminino na CBB (Confederação Brasileira de basquete), nos primeiros quatro anos do mandato de Carlos Nunes, foi uma sucessão de equívocos. E com uma característica marcante: a frequente troca de treinadores. Paulo Bassul, Carlos Colinas, Ênio Vecchi e Luiz Cláudio Tarallo foram os técnicos da era Hortência na CBB.

E pelo menos dois deles (Bassul e Vecchi) caíram por causa da aposta da dirigente numa jogadora:  Iziane Marques, a ala de algum talento e gênio intempestivo, que um dia recusou-se a entrar em quadra pela seleção por ter ficado no banco (pré-olímpico de Madri, em 2008), sob o comando de Bassul. O irônico é que faltando menos de uma semana para o início das Olimpíadas de Londres 2012, quando a seleção feminina fazia série de amistosos na França, Hortência foi obrigada a cortar Iziane, sua principal jogadora, por indisciplina. Ela levou um namorado para o quarto do hotel onde a equipe estava concentrada.

A notícia que saiu na última semana, dando conta que Hortência foi “rebaixada” na entidade, passando a ocupar agora uma protocolar “diretoria de assuntos institucionais” (Vanderley Mazzuchini acumulará a direção do masculino e feminino), significa sua maior derrota no basquete. E não estranharei se nas próximas semanas, Hortência anunciar sua saída da entidade.

Seria mais justo e digno com a história daquela que já foi chamada de “Rainha do basquete”, se a CBB, ao invés do “rebaixamento”, demitisse Hortência. Sem dramas ou mágoas. Vida que segue.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 25 de março de 2013 Imprensa, Olimpíadas | 08:00

O legado de Nicolau Radamés Creti ao jornalismo poliesportivo

Compartilhe: Twitter

Capa do livro "Vitória", que conta a história do primeiro ouro olímpico do vôlei brasileiro

É difícil demais falar algo sobre alguém tão querido e que partiu cedo demais. A tela do computador vira um branco total. Por isso, não é fácil escrever sobre a morte de Nicolau Radamés Creti, um dos melhores amigos que fiz no jornalismo, desde que entramos juntos na Faculdade Cásper Líbero, há exatos 30 anos.

A dor pela partida precoce de um grande companheiro, ocorrida no último sábado (23/3), após uma dura batalha contra um câncer, dificulta ainda mais essa tarefa. Outros colegas fizeram com mais talento e competência tocantes relatos a respeito da convivência e de suas recordações com o Nicolau, como o Luís Augusto Simon, o Menon, em seu blog no UOL, o Daniel Bortoletto, em sua coluna no Diário Lance!, ou o Diário de S. Paulo, jornal onde ele trabalhou por 19 anos.

Se falar da perda pessoal é quase impossível para mim, é mais fácil tentar analisar o que o adeus do Nicolau deixará para o jornalismo poliesportivo do Brasil. Nicolau Radamés foi uma dos maiores repórteres esportivos que conheci. Tornou-se uma referência na cobertura dos esportes poliesportivos (termo moderno para o que a gente costumava chamar antigamente nas redações de “esporte amador”, ou seja, tudo o que não era futebol), mais especificamente no vôlei, no qual foi setorista por anos.

E é justamente nesse ponto que o Nicolau fez a diferença, algo que não vejo com muita frequência nas redações atuais. Em um tempo onde não havia celular ou internet, ele ia a treinos, ficava horas fazendo uma “ronda” no telefone assim que chegava na redação, ligando para TODOS os clubes ou dirigentes atrás de informação, e nunca terminava o dia sem uma matéria. Muitas vezes, furando a concorrência. Era um “farejador de furos”, como definiu certa vez o Menon.

Com toda essa dedicação, não foi à toa que após cobrir “in loco” as Olimpíadas de Barcelona 1992, ele escreveu, ao lado de Cida Santos, outra grande repórter, o livro “Vitória”, contando a saga da conquista da medalha de ouro da seleção masculina de vôlei, a primeira do Brasil em esportes coletivos na história olímpica. Este é, sem dúvida alguma, o melhor livro já escrito no país sobre esportes olímpicos até hoje, com depoimentos emocionantes dos 12 jogadores daquela seleção e do técnico José Roberto Guimarães.

E não foi apenas no vôlei que o Nicolau mostrou seu talento. Cobriu como poucos o esporte olímpico, “cavando” ótimas reportagens em modalidades que ninguém dava atenção, como a ginástica rítmica desportiva (GRD) ou o hipismo CCE, sempre trazendo ótimos personagens e informações precisas. E quando precisava, também sabia ser contundente. Não foram poucas as ocasiões em que o vi debatendo de forma dura com Carlos Nuzman, desde os tempos em que ele presidia a CBV. Mesmo assim, Nuzman sempre o respeitou.

Ainda tentando digerir a realidade de não ter mais este velho amigo ao meu lado, tenho uma única esperança: que os jovens jornalistas, espalhados pelas redações deste Brasil e que apreciam a cobertura do poliesportivo, se inspirem e repitam o exemplo de Nicolau Radamés Creti. Ele foi um dos grandes, tenham certeza disso.

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 22 de março de 2013 Almanaque, Histórias do esporte, Ídolos, Olimpíadas, Vídeos | 15:55

Antes de Bolt, havia Pietro Mennea…

Compartilhe: Twitter

Pietro Mennea se prepara para a largada nas eliminatórias dos 200 m em Seul 1988, ano de sua despedida

Para quem acha que competições de velocidade em atletismo só combinam com atletas negros dos Estados Unidos e da Jamaica, atenção: houve uma época em que ninguém foi mais rápido nos 200 metros do que o italiano Pietro Mennea, dono do recorde mundial durante 17 anos, e que morreu nesta última quinta-feira, aos 61 anos, de causas não reveladas.

Mennea foi uma verdadeira lenda para o atletismo mundial. Primeiro, por se tratar de um italiano, país que não tem tradição nas provas rápidas de pista. Além disso, o recorde cravado na Cidade do México, em 1º de setembro de 1979, 19s72, demorou quase duas décadas para ser superado. O feito coube a outro extraordinário atleta, Michael Johnson, em 1996, às vésperas das Olimpíadas de Atlanta (quando, por sinal, quebraria o recorde novamente).

Outro ponto que comprova a importância de Pietro Mennea na história dos 200 m é que seu antigo recorde permanece entre as dez melhores marcas nesta prova em todos os tempos, quase 34 anos depois.

Nos Jogos de Moscou 1980, Pietro Mennea alcançou seu maior feito na carreira, ao ganhar a medalha de ouro nos 200 m, em uma chegada emocionante, superando o britânico Allan Wells nos metros finais. Mennea ainda conquistou outras duas medalhas de bronze olímpicas, no revezamento 4 x 400 m (em 80) e nos 200 m (em Munique 1972). Disputou cinco edições consecutivas dos Jogos Olímpicos, tendo participando ainda de Montreal 1976, Los Angeles 1984 e despedindo-se em Seul 1988, aos 36 anos.

Após a aposentadoria, tornou-se político ligado aos partidos de centro-esquerda e professor universitário de direito. Sua morte comoveu a Itália, tanto que no amistoso entre Brasil e a seleção italiana, na última quinta-feira, foi prestado um minuto de silencio em sua homenagem.

Ao falar de Pietro Mennea, imediatamente me lembro do ótimo filme “Homens Brancos Não Sabem Enterrar” (1992), do cineasta americano Spike Lee, que contava a história de dois jogadores de basquete de rua (Woody Harrelson e Wesley Snipes) e brincava com a ideia de que somente os negros conseguiriam fazer aquelas incríveis enterradas durante o jogo. Pois bem, se visse o filme, Mennea poderia perfeitamente bater no peito e dizer: “Homens brancos também sabem correr”.

Reveja a incrível vitória de Pietro Mennea na final olímpica dos 200 metros em Moscou 80:

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 18 de março de 2013 Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas | 16:15

O que restou do Estádio Célio de Barros

Compartilhe: Twitter

O Estádio Célio de Barros, que virou um verdadeiro canteiro de obras, ao lado do Maracanã

Observe bem a imagem acima. A foto, registrada em oportuna reportagem do portal ahe!, novo parceiro para a cobertura de esportes olímpicos do iG, exibe o que restou do tradicional Estádio Célio de Barros, palco que durante muitos anos recebeu algumas das mais tradicionais competições do atletismo brasileiro. Aquela pista que já viu Adhemar Ferreira da Silva, Aída dos Santos, João Carlos de Oliveira (o João do Pulo) e Joaquim Cruz, só para ficar em alguns dos monstros sagrados do atletismo brasileiro, competiram lá.

O Célio de Barros já teve sua morte decretada pela própria prefeitura do Rio, justamente no período que antecede a realização dos Jogos Olímpicos de 2016. Em seu lugar, será erguido um estacionamento para atender ao público que comparecerá ao Maracanã durante a Copa do Mundo de 2014. Hoje, ao invés de receber atletas, tornou-se um grande canteiro de obras.

A CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) vem tentando de todas as formas impedir a demolição do Célio de Barros. O novo presidente da CBAt, Toninho Fernandes, assumiu na última sexta-feira e encaminhou um documento ao governador Sérgio Cabral, assinado por atletas, alguns deles medalhistas olímpicos, treinadores e dirigentes, solicitando a revisão dos planos.

Veja trecho da carta da CBAt enviada ao governo do Rio:

“…Como é sabido, o Governo do Rio de Janeiro anunciou a demolição do histórico estádio, para construir em seu lugar, um estacionamento ou algo similar. Ao mesmo tempo, em resposta a um apelo do presidente da IAAF, o governador respondeu que o Atletismo ganharia uma nova praça, mais moderna, próxima ao Maracanã.

No entanto, o Governo do Estado não apresentou nenhum projeto para o novo estádio, nem informou o prazo em que esta nova praça estaria à disposição dos atletas e treinadores, que não têm outro espaço para fazer sua preparação à Olimpíada do Rio 2016.

Por outro lado, chegou ao conhecimento da CBAt que a área citada pelo Governo do Rio para novo estádio não é a adequada. Assim, continuam os movimentos da comunidade atlética, principalmente a carioca, em prol do ‘Célio de Barros’.

A CBAt, as seis associações continentais de atletismo e o presidente da IAAF, Lamine Diack, já alertaram o Governo do Estado para os prejuízos que sofrerá a cidade-sede dos próximos Jogos, por conta desse sério problema enfrentado pelo principal dos esportes olímpicos.

Apelamos ao Governo do Rio de Janeiro para que repare essa injustiça à modalidade que inúmeras glórias trouxe ao Rio de Janeiro, entre tantas outras, as medalhas olímpicas de José Telles da Conceição, Robson Caetano da Silva e Arnaldo de Oliveira Silva.

Manaus, AM, em 15 de março de 2013.”

Pena, ao menos para a CBAt e toda a comunidade do atletismo, que a carta enviada ao digníssimo governador do Rio terá efeito ZERO para evitar o fim do Célio de Barros.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 15 de março de 2013 Ídolos, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas | 21:41

Dois tristes retratos do Brasil Olímpico

Compartilhe: Twitter

Peço atenção para as duas fotos que serão colocadas abaixo e que servem para ilustrar bem o país que será a sede das Olimpíadas de 2016:

Lagoa Rodrigo de Freitas, local da seletiva da seleção de remo, infestada de peixes mortos

A imagem, exibida em sites e jornais brasileiros, além de portais estrangeiros, como o do jornal inglês “The Guardian”, exibindo as águas da Lagoa Rodrigo de Freitas repleta de peixes mortos, coincidentemente mesmo local onde etsá sendo realizada a seletiva da seleção brasileira de remo, é daquelas cenas que envergonha qualquer um.

A campeã mundial Fabiana Beltrame, por exemplo, disse que mal conseguia competir por causa do cheiro insuportável. Detalhe: a Lagoa Rodrigo de Freitas será a sede das provas de remo nas Olimpíadas do Rio, em 2016. Será que em três anos o poder público do Rio de Janeiro conseguirá evitar que cenas bizarras como essa se repitam em plenos Jogos?

Ginásio onde o campeão olímpico nas argolas Arthur Zanetti treina, em São Caetano do Sul

Já a foto acima demonstra bem como é a estrutura que os atletas brasileiros têm à disposição. No caso, um campeão olímpico. Excelente reportagem do companheiro Maurício Nadal, do iG Esporte, mostra o local de treinamento de Arthur Zanetti, o primeiro ginasta brasileiro a conquistar uma medalha de ouro, em Londres 2012, em São Caetano do Sul. As imagens são impressionantes. Um ginásio velho, com equipamentos caindo aos pedaços e muito apertado.

Depois de Zanetti e seu técnico, Marcos Goto, reclamarem muito, o Ministério do Esporte e a prefeitura de São Caetano resolveram se mexer e irão ao menos construir uma nova academia de musculação, enquanto um novo ginásio não é erguido.

É de se espantar como num lugar como esse pôde sair um campeão olímpico. Só o talento e a força de vontade de Zanetti e  de seu treinador explicam esse milagre.

E ainda vem dirigente querendo bater no peito e dizer que o Brasil será em breve uma potência olímpica….

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 12 de março de 2013 Ídolos, Imprensa, Isso é Brasil, Olimpíadas, Pan-Americano, Seleção brasileira | 17:41

Um herói cinquentão que orgulha o Brasil

Compartilhe: Twitter
Getty Images

Joaquim Cruz comemora a conquista do ouro dos 800m nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984

Quando este blog nasceu, há pouco mais de dois anos (mais precisamente dois anos e 11 dias), a foto que ilustrava o post era justamente a do cidadão que nesta terça-feira completa 50 anos. Graças à uma oportuna lembrança do companheiro Luís Araújo, aqui do iG Esporte, a efeméride não passou em branco, registrando desta forma o aniversário de Joaquim Cruz, o único brasileiro campeão olímpico no atletismo em uma prova de pista.

Joaquim Cruz assombrou o mundo ao derrotar os favoritos britânicos Sebastian Coe e Steve Ovett e faturar o ouro em Los Angeles 1984. Só isso já seria o bastante para que ele fosse reverenciado em todas as praças esportivas deste país pela eternidade. Um garoto pobre, nascido em Taguatinga, cidade sem tradição alguma em atletismo, derrubando dois monstros sagrados das provas de meio fundo. Mas eis que Cruz foi para Seul 1988 e se não fosse um erro estratégico seu e de seu compatriota Zequinha Barbosa, acabou perdendo o ouro para o queniano Paul Ereng. Ainda assim, ganhou uma medalha de prata.

Duas medalhas olímpicas. Ainda assim, Joaquim Cruz nunca recebeu a devida consideração aqui no Brasil, em minha opinião. Pelo contrário, foi taxado maldosamente de “bichado” por algumas pessoas. Na verdade, ele sofreu com diversas contusões no calcanhar de aquiles e também por alergias, que o tiraram de ação em inúmeras provas. Não fosse isso, talvez Cruz tivesse um currículo ainda mais brilhante.

Na dúvida, basta consultar a lista das melhores marcas de todos os tempos nos 800 m no site da Iaaf (Federação das Associações Internacionais de Atletismo) e verá o nome de Joaquim Cruz com o 13º melhor tempo da história, 1min41s77, obtido no meeting de Colônia, em 1984, quando ficou a míseros quatro centésimos do então recorde mundial de Sebastian Coe.

Entrevistei Joaquim Cruz algumas vezes ao longo de minha carreira. Sempre rendeu ótimos papos. Embora meio arredio, nunca se furtou em dar sua opinião sobre as precárias condições do atletismo brasileiro ou mesmo sobre temas mais delicados. Em Seul, por exemplo, ele deixou claro que estranhava a performance assombrosa de Florence Griffth-Joyner, que naquelas Olimpíadas ganhou o ouro nos 100 e 200 m e ainda bateu o recorde mundial nas duas provas. Nas entrelinhas, Cruz achava que Florence obteve seus feitos graças ao doping. Pressionado pela repercussão de sua entrevista, acabou recuando. Apenas dez anos depois, em 98, a velocista americana morreu de ataque cardíaco, com somente 39 anos, sob circunstâncias nunca esclarecidas. Apenas coincidência ou o brasileiro sabia do que falava?

Pude ainda acompanhar o último grande feito de Joaquim Cruz nas pistas. Sem expectativa, ele chegou para disputar os Jogos Pan-Americanos de Mar del Plata, em 1995. Como de costume, estava retornando após uma temporada em que ficou boa parte afastado cuidando de suas lesões. Inscrito para a prova dos 1.500 m, Cruz largou bem, mas não conseguiu se distanciar dos adversários. Apenas nos últimos 200 m que ele conseguiu dar uma arrancada decisiva, conquistando a medalha de ouro com direito a recorde pan-americano e emocionando a todos que estavam no estádio.

Com toda esta história, Joaquim Cruz deveria ser figura obrigatória em qualquer projeto que envolvesse a organização das Olimpíadas do Rio, em 2016, ou mesmo na preparação das seleções brasileiras de atletismo. Por incrível que pareça, isso nunca aconteceu. Hoje, Joaquim Cruz trabalha na formação de novos atletas do atletismo para o comitê olímpico americano. Sorte deles, azar o nosso.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 8 de março de 2013 Jogos Sul-Americanos, Olimpíadas, Pan-Americano, Política esportiva | 19:27

O papel de Hugo Chavez no esporte da Venezuela

Compartilhe: Twitter

O campeão olímpico Ruben Limardo, ouro na esgrima, cumprimenta Hugo Chavez no retorno da delegação da Venezuela de Londres

É indiscutível a importância do presidente venezuelano Hugo Chavez, que morreu última terça-feira, vítima de um câncer, na história da América Latina. Concorde-se ou não com sua ideologia política, é inegável a melhora na qualidade de vida da população carente venezuelana. Basta ver as fotos mostrando a multidão que acompanhou seu funeral e velório para se ter uma ideia de sua popularidade.

Mas Chavez também teve um papel fundamental na evolução do esporte olímpico da Venezuela. É visível o crescimento do país a partir do momento em que ele chegou ao poder, em 2002.  Com forte apoio estatal, especialmente em modalidades individuais, a Venezuela passou a deixar de ser conhecida apenas como o “país do beisebol” e começou a se destacar em outras modalidades. Ainda de forma tímida, é verdade, mas algo que não pode passar incógnito.

Para os Jogos de Londres 2012, por exemplo, o país investiu em sua preparação olímpica, segundo dados do Ministério do Esporte venezuelano, R$ 709 milhões, mais do que o Brasil investiu para a competição. Mesmo não mostrando o mesmo desempenho brasileiro em terras britânicas (foram 17 medalhas no total e três de ouro), a Venezuela conseguiu acabar com um jejum de 44 anos e conquistar sua segunda medalha de ouro na história, com Rubén Limardo, na esgrima. O outro ouro veio com Francisco Rodriguez, no boxe, nos Jogos da Cidade do México 1968.

Em outras competições poliesportivas, como Pan-Americanos e Sul-Americanos, o crescimento da Venezuela foi constante no período Chavez. Veja os números abaixo:

Jogos Sul-Americanos

Medalhas antes de Chavez assumir
Cuenca 1998 – 126 (50 ouro/ 47 prata/ 29 bronze)

Medalhas após Chavez assumir
Brasil 2002 – 231 (97 ouro/ 70 prata/ 64 bronze)
Buenos Aires 2006 – 278 (96 ouro/ 85 prata/ 97 bronze)
Medellín 2010 – 263 (89 ouro/ 77 prata/ 97 bronze)
No geral: 1191 (443 ouro/ 370 prata/ 378 bronze)

Jogos Pan-Americanos

Medalhas no último Pan antes de Chavez assumir
Winnipeg 1999 – 40 (7 ouro/ 16 prata/ 17 bronze) – 8º no geral

Medalhas após Chavez assumir
Santo Domingo 2003 – 64 (16 ouro/ 21 prata/ 27 bronze)
Rio de Janeiro 2007 – 70 (12 ouro/ 23 prata/ 35 bronze)
Guadalajara 2011 – 72 (12 ouro/ 27 prata/ 33 bronze)
No geral: 524 (85 ouro/ 182 prata/ 257 bronze)

Olimpíadas

Medalhas antes de Chavez assumir
Los Angeles 1984 – 3 (3 bronze)

Medalhas após Chavez assumir
Atenas 2004 – 2 (2 bronze)
Pequim 2008 – 1 (1 bronze)
Londres 2012 – 1 (1 ouro)
No geral: 12 (2 ouro/ 2 prata/8 bronze)

Mas o maior feito do período em que Hugo Chavez comandou a Venezuela não está propriamente no esporte de competição. Desde o ano passado, uma nova lei passou a assegurar o direito ao esporte na Constituição do país. Segundo esta lei, toda empresa com um  determinado faturamento tem que destinar 1% de seu lucro a um fundo de desenvolvimento do esporte. Além disso, torna obrigatória a realização das aulas de educação física nas escolas e estipula a eleição direta pelos dirigentes esportivos pelos próprios atletas.

Apenas para ficar neste último item, dá para ver que o Brasil esportivo tem o que aprender com a Venezuela de Hugo Chavez.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 7 de março de 2013 Isso é Brasil, Política esportiva | 18:38

Novo recurso é negado e Coaracy será reeleito na CBDA

Compartilhe: Twitter

A Justiça assegurou uma eleição sem oposição e Coaracy Nunes continua no poder

A data oficial, de acordo com o estatuto, prevê que no próximo sábado, 9 de março, será realizada a próxima eleição na CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos). Mas na prática, podemos dizer que nesta quinta, dia 7/3, Coaracy Nunes foi reeleito para mais um (!!!) mandato à frente da entidade, cargo que ocupa desde 1988. A decisão da Justiça Estadual do Rio de Janeiro em negar recurso que permitiria que Julian Romero, criador do movimento “Muda, CBDA” pudesse concorrer como chapa de oposição.

O ex-nadador olímpico e advogado de Romero, Eduardo Fischer, publicou uma carta aberta para informar o resultado do recurso e manifestar seu desapontamento com a decisão.

“Depois de fornecermos vastos argumentos sobre a possível e evidente ilegalidade do estatuto da CBDA, um despacho de míseras 2 (duas) linhas, sem aprofundar-se no cerne da questão, é, no mínimo, desrespeitoso. Teremos que seguir descontentes com os ‘mandos e desmandos’ autoritários e ditatoriais do Sr. Coaracy por mais um período eletivo. Ao final desse, serão de quase 3 décadas!

Um tiro de canhão na democracia!

Ao menos eu e meus companheiros do MUDA CBDA, em especial o Sr. Julian Aoki Romero, poderemos dormir com a consciência tranqüila, sabendo que fizemos tudo que estava ao nosso alcance para que existisse uma oposição ao Sr. Nunes Filho.

Mas não pensem que nós desistimos! NÃO! Isso NUNCA! JAMAIS!

Continuaremos nossa batalha em prol do desporto aquático brasileiro, na luta contra as ações e omissões que fogem da moralidade, legalidade, ética e bons costumes.”

Antes de se preocupar em ser um “país olímpico”, o Brasil deveria, por obrigação, se tornar um “país democrático” em suas entidades esportivas. Algo que infelizmente está MUITO DISTANTE de se tornar realidade.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 6 de março de 2013 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas | 11:40

A culpa pelos ginastas desempregados não é (só) do Flamengo

Compartilhe: Twitter

Jade Barbosa, Diego e Daniele Hypólito falam sobre o fim da equipe de ginástica do Flamengo

Um drama recorrente no esporte brasileiro, a cena de ver atletas olímpicos de alto rendimento sem clube é sempre triste e revoltante. Quando isso ocorre em pleno ciclo olímpico para as Olimpíadas que serão organizadas no próprio país, no Rio de Janeiro, em 2016, o caso é ainda mais dramático. Não foi diferente, portanto, o sentimento que me tomou ao ver a revolta e perplexidade dos integrantes da equipe de ginástica do Flamengo, ao tomarem conhecimento da decisão do clube em acabar com o patrocínio da modalidade, ocorrido nesta terça-feira.

Além dos ginastas – entre eles algumas das estrelas da modalidade no Brasil, como os irmãos Diego e Daniele Hypólito, Jade Barbosa e Sérgio Sasaki – a equipe de judô também foi desativada. Seguiram o mesmo caminho da equipe de natação, cuja maior estrela era Cesar Cielo, fechada no final de 2012.

Os culpados por mais este crime no esporte olímpico brasileiro são vários, não se pode apontar o dedo apenas para um deles.

O primeiro culpado é o clube. É claro que o Flamengo tomou esta decisão pensando apenas na planilha de custos. Ninguém em seu juízo perfeito sairia fechando equipes olímpicas, com atletas de ponta e ídolos em suas modalidades, cujo retorno de imagem é sempre o maior possível. A decisão foi estritamente do ponto de vista de dinheiro.

O Flamengo é um clube com problemas financeiros históricos, fruto de gestões pífias e incompetentes. Mas o maior pecado dos dirigentes rubro-negros foi anunciar esta decisão EM MARÇO, com o segundo trimestre do ano em pleno andamento. Quando a natação acabou, em dezembro de 2012, já estava na cara que os demais esportes olímpicos teriam o mesmo fim. Agora, no primeiro ano do ciclo olímpico, estes atletas terão inúmeras dificuldades para encontrar um novo clube.

O segundo culpado é o governo, na figura do Ministério do Esporte. A falta de uma política esportiva ampla, que não seja preocupada apenas com grandes eventos ou programas de incentivo que muitas vezes demoram para alcançar o atleta, também é responsável pelo drama dos ginastas, judocas e nadadores flamenguistas.

Só para lembrar: no ano passado, com toda pompa, a presidenta Dilma Rousseff anunciou a criação do Bolsa Pódio, programa que promete repassar até R$ 1 bilhão até 2016 a atletas, treinadores, preparadores físicos etc. O valor individual pode chegar até a R$ 15 mil/mês, dependendo de cada atleta. Mas até agora, ficou só na promessa. Dizem que as inscrições serão abertas agora em março. Dizem…

Por fim, o terceiro culpado é o COB (Comitê Olímpico Brasileiro). Por mais que a entidade diga que não tem responsabilidade na gestão das modalidades  (tarefa que segundo ele pertence às confederações), o COB é quem comanda o esporte brasileiro. E desde 2003, passou a ter a chave do cofre, quando começou a receber os recursos da Lei Agnelo/Piva. Nunca o esporte do Brasil teve tanto dinheiro. Mas o COB falha ao não cobrar as entidades de uma forma mais contundente.

A única certeza é que entra tantos culpados, os atletas olímpicos desempregados do Flamengo são as grandes vítimas. Triste filme repetido tantas vezes.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 4 de março de 2013 Isso é Brasil, Olimpíadas | 15:04

A "cidade olímpica" e o choro de Monica

Compartilhe: Twitter

A atleta dos saltos ornamentais, Monica Lages, chora ao falar sobre a demolição do Julio Delamare

Aquilo que seria o sonho de qualquer atleta, ter a realização de uma edição dos Jogos Olímpicos em sua cidade, está se transformando em um pesadelo em relação ao Rio de Janeiro, que se prepara para receber as Olimpíadas de 2016. Depois do drama vivido pelos integrantes do ciclismo, com o inacreditável fechamento de um milionário velódromo, e especialmente do atletismo, com a quase certa demolição do tradicional Célio de Barros, o sufoco chega agora aos atletas que treinam no Parque Aquático Júlio Delamare.

Em comum com os colegas do atletismo, os nadadores terão o antigo complexo, também localizado ao lado do Estádio do Maracanã, colocado abaixo para que em lugar seja construído um estacionamento e um shopping. O acordo de privatização do estádio, palco da final da Copa do Mundo de 2014, já prevê a demolição das duas instalações tradicionais do Rio de Janeiro.

Na última sexta-feira, o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas realizou um seminário na sede da ABI (Associação Brasileira de Imprensa), chamado “O Maraca é nosso”. Entre os depoimentos, destacou-se o emocionante relato da atleta de saltos ornamentais Monica Lages do Amaral, de 17 anos, integrante da seleção brasileira da modalidade. Leia abaixo e reflita.

“Estou há 13 anos treinando diariamente. Tão perto das Olimpíadas na minha cidade, que pode ser a minha primeira, o processo vai ser interrompido. Querem passar a gente para o (Parque Aquático) Maria Lenk, mas lá não tem estrutura para os saltos. Só que não há ninguém preocupado com isso além da gente. O foco para 2016 não está em medalhas, mas no dinheiro”

Diante do que disse a jovem Monica, fica a pergunta no ar: dá pra levar a sério um país (ou uma cidade) que destrói sonhos de seus atletas apenas para atender a interesses nada edificantes?

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última