Publicidade

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012 Mundiais, Seleção brasileira | 13:47

Mundial só serve para testar nova geração da natação do Brasil

Compartilhe: Twitter

Guilherme Roth é um dos integrantes da nova geração do Brasil no Mundial da Turquia

Com o início nesta quarta-feira do Campeonato Mundial de piscina curta (25 m), que está sendo realizado em Istambul (Turquia), certamente veremos uma cena que se tornou comum nesta competição: vários nadadores brasileiros subindo ao pódio. E com o final de ano se aproximando e a consequente falta de eventos importantes nos esportes olímpicos, não será surpresa vermos os feitos da turma brasuca serem exaltados por torcedores e até mesmo na imprensa. Exaltados com um certo exagero, diga-se de passagem.

O grande mérito deste Mundial, e que felizmente foi percebido pelos coordenadores técnicos da CBDA (Confederação Brasileira de Esportes Aquáticos), é utilizá-lo como um grande laboratório para colocar atletas sem grande experiência internacional em ação num grande evento. Apenas isso! É o que está sendo feito na Turquia, acertadamente, onde a seleção brasileira é formada por alguns veteranos e muitos integrantes da nova geração, já de olho nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Não faz sentido ficar batendo bumbo para uma competição desfalcada de grandes astros da natação mundial, só por faturar uma dezena de medalhas. E olhe que estão em Istambul feras como o americano Ryan Lochte, o francês Florent Manaudou e a italiana Federica Pellegrini. Mas vamos falar a verdade, eles estão competindo já com a cabeça em 2013, pois o objetivo de todos eram as Olimpíadas de Londres 2012.

E não é apenas este blogueiro que pensa desta forma. O ex-nadador olímpico Rogério Romero (que também foi colunista do iG durante os Jogos de Londres)  também acha que há uma supervalorização do Mundial de piscina curta. Confira a opinião de Romero, que conversou com o Espírito Olímpico:

“Acredito que o Mundial de piscina curta surgiu de uma demanda para a natação ter mais campeonatos importantes todo ano. Assim, ao contrario de 93 para cá, quando surgiu a primeira edição de curta, temos mundial todo ano, além das demais competições, como Copa do Mundo, Pan, Europeu, Pan Pacifico e Olimpíadas. Para mim, acabou banalizando um pouco o status de campeão mundial e as grandes estrelas tiveram que priorizar alguns picos na temporada. Como os Jogos Olímpicos continuam sendo a referencia neste esporte, aqueles que tem como objetivo uma boa participação neles, acabam desprezando os eventos em piscina semi-olímpica.

Concordo que é uma oportunidade para novos talentos despontarem, não apenas no Brasil, mas no mundo. Recentemente li que as provas de 50 m não olímpicas (ou seja, fora o livre) não servirão mais para compor a seleção. Isso também vai de encontro à estratégia de priorizar eventos olímpicos. Nada mais acertado, porém demorado e feito depois da pressão de alguns técnicos.”

Autor: Tags: , , , , , , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Guilherme Guido fatura a primeira medalha brasileira no Mundial de natação | CrystalTube 13/12/2012 19:06

    […] Espírito Olímpico: Mundial da Turquia só serve para testar nova geração do Brasil […]

  2. 53 Guilherme Guido fatura a primeira medalha brasileira no Mundial de natação 13/12/2012 18:53

    […] Espírito Olímpico: Mundial da Turquia só serve para testar nova geração do Brasil […]

  3. 52 Folha Hoje | Guilherme Guido fatura a primeira medalha brasileira no Mundial de natação 13/12/2012 18:27

    […] Espírito Olímpico: Mundial da Turquia só serve para testar nova geração do Brasil […]

  4. 51 Dois brasileiros avançam para as finais no Mundial de piscina curta | CrystalTube 12/12/2012 19:07

    […] Espírito Olímpico: Mundial da Turquia só serve para testar a nova geração do Brasil […]

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.