Publicidade

quinta-feira, 13 de setembro de 2012 Isso é Brasil, Olimpíadas | 13:38

Esporte brasileiro ficará mais rico para evitar mico nas Olimpíadas de 2016. Mas vai dar tempo?

Compartilhe: Twitter

Aldo Rebelo já tinha cobrado antes uma melhor posição do Brasil no quadro de medalhas

E o governo brasileiro resolveu se coçar e botar a mão na massa, ou no bolso, para ser mais específico. Nesta quinta-feira, a presidenta Dilma Rousseff anunciará, em meio a uma homenagem aos medalhistas nas Olimpíadas e Paralimpíadas de Londres 2012 o Plano Brasil Medalha 2016. Através do Ministério do Esporte, serão feitos investimentos de R$ 1 bilhão até 2016, com o objetivo de colocar o país entre os dez primeiros do quadro de medalhas das Olimpíadas e entre os cinco primeiros das Paralimpíadas que ocorrerão no Rio de Janeiro, daqui a quatro anos.

Na teoria, sensacional. Nunca antes na história deste país (frase nova essa, hein?), o esporte brasileiro teve tanto dinheiro à disposição. Mas a dúvida que fica martelando em minha cabeça: vai resolver de fato todos os nossos problemas este dinheiro todo?

Para uma parte dos envolvidos, sim. Pelo plano que será lançado, estão previstas a criação de uma Bolsa Pódio, que poderá repassar até R$ 15 mil a atletas que ocupam os 20 primeiros lugares dos rankings mundiais em suas modalidades. Além disso, haverá investimento na equipe multidisciplinar dos atletas e até em compra de equipamentos. Esta é a parte boa da história.

O que para mim não parece fácil de atingir é a tal meta traçada pelo governo. Antes dos Jogos de Londres, o ministro Aldo Rebelo já tinha acenado com esta colocação do Brasil entre os dez primeiros do quadro de medalhas como uma meta a ser buscada. Acho justo, o problema é que o plano que o governo colocará em prática no próximo ciclo olímpico parece com algo desesperado para se evitar um grande vexame nos Jogos do Rio 2016.

No esporte, simplesmente despejar dinheiro em busca de resultados de expressão não funciona. No esporte olímpico então, a coisa é ainda mais complicada. Só para tomar um exemplo recente, a Grã-Bretanha, que cumpriu brilhante campanha em casa agora, começou a fazer um investimento pesado após fracassar em Atlanta 1996, ou seja, 16 anos depois.

Portanto, o segredo é trabalho a longo prazo. Não serão estes endinheirados quatro anos que vão tirar o Brasil do 22º lugar do ranking olímpico para se tornar Top 10. É bom que isso fique bem claro na hora de cobrarem resultados em 2016.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Valter Dias Lopes 14/09/2012 7:49

    É necessário um trabalho de base feito através das escolas , incluindo e ensinando a maioria dos alunos os diversos esportes . Da quantidade sai a qualidade , alem disso , tiramos crianças e adolescentes das ruas e da ociosidade .

  2. 53 Rádio Povo – Sistema Pazzi de Comunicação | Aumento de verba e promessa de CTs animam atletas e dirigentes 13/09/2012 19:46

    […] Espírito Olímpico: Brasil aumenta investimento para evitar mico olímpico. Mas vai dar tempo? […]

  3. 52 Primeira Página | Aumento de verba e promessa de CTs animam atletas e dirigentes 13/09/2012 19:45

    […] Espírito Olímpico: Brasil aumenta investimento para evitar mico olímpico. Mas vai dar tempo? […]

  4. 51 Alan 13/09/2012 16:09

    Deveriam ter começado esse trabalho 4 anos atrás, mas estávamos discutindo se deveria ou não ter olímpiadas no Brasil. Tem gente discutindo até hoje.

    Enquanto isso, o autodrómo novo não foi resolvido, o parque olímpico não começou a construção, a perimetral continua em pé e em 4 anos querem colocar o Brasil no top 10 de medalhas.

    2016, será aquela ladainha de novo igual a 2012, e eu vou pensar, um trabalho sério no nosso esporte nos daria resultados fantástico.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.