Publicidade

terça-feira, 15 de maio de 2012 Olimpíadas, Pré-Olímpico, Seleção brasileira | 18:11

Boxe brasileiro vive momento histórico

Compartilhe: Twitter

Adriana Araújo (de azul) será a primeira brasileira a disputar o boxe feminino olímpico em Londres

Nenhuma modalidade merece tanto festejar um bom resultado nas Olimpíadas de Londres 2012 quanto o boxe. Relegado à condição de “primo pobre” dos esportes de combate, perdendo longe em prestígio para o judô no terreno olímpico – nem vou citar os badalados MMA/UFC no campo profissional atualmente, porque aí a derrota é ainda mais vexatória -, o boxe olímpico brasileiro passa por um momento especialmente feliz. E ainda por cima, resolveu fazer história no esporte brasileiro.

Primeiro, veio com a conquista de Everton Lopes, campeão mundial em 2011, na categoria até 64 kg (Meio Médio Ligeiro), o primeiro obtido por um boxeador amador do Brasil. Depois, veio a brilhante participação da equipe nacional no Pré-Olímpico das Américas, realizado no Rio de Janeiro, há uma semana. No torneio, o Brasil classificou quatro pugilistas, que ao lado dos que já estavam assegurados pelo Mundial, somam um total de sete boxeadores, recorde brasileiro na história olímpica da modalidade.

Nesta terça-feira, o feito histórico coube a uma mulher, Adriana Araújo, que ao avançar para as quartas de final do Mundial de Qinhuangdao, na China, tornou-se a primeira brasileira a participar do primeiro torneio olímpico feminino de boxe na história dos Jogos. Não é pouca coisa, especialmente por se tratar de uma categoria com poucas praticantes e onde o preconceito ainda é muito forte.

Não sei se estes bons resultados irão se traduzir em medalhas em Londres. Mas é inegável que o boxe olímpico brasileiro trilha um caminho certo e que tem tudo para se transformar em importantes vitórias nos próximos anos.

Autor: Tags: , , , , , ,

5 comentários | Comentar

  1. Marcelo Laguna 17/05/2012 15:15

    Cara Eliana, acho que você não leu o texto, ou o interpretou da forma que quis.

    Primeiro, em nenhum lugar do texto eu deixo claro se tenho ou não preferência por modalidade X, Y ou Z – isso não vem ao caso. Depois, ressaltei claramente que Adriana conseguia um feito histórico, justamente na primeira olimpíada na qual o boxe feminino era disputado. Ou não se trata de um feito histórico?

    Cobri dois Jogos Olímpicos com muito orgulho e estou permanentemente buscando informações a respeito de todas as modalidades, o que é uma obrigação de qualquer jornalista. Mas acho sinceramente que vc precisa aprender a interpretar textos corretamente.

    Abraços

  2. 55 Eliana 17/05/2012 10:57

    o boxe feminino n podia ter conquistado uma vaga antes pq é a primeira vez q tem boxe fem nas olimpiadas. pra quem tem cobriu 2 jogos olimpicos como diz o perfil do sr. marcelo laguna é muita falta de conhecimento. da pra notar que ele é fã de mma, mas pelo amor de deus, mma é profissional, boxe feminino é amador. sera q o sr. marcelo pensa que se colocar o mma na noticia ele vai ser mais lida?

  3. Marcelo Laguna 17/05/2012 15:22

    Caro Flavio,

    O sucesso do MMA esta acima de preferências pessoais, basta notar que a emissora de TV mais portante do Brasil até criou um reallity show graças ao Ibope que a modalidade tem. E você vai concordar comigo que o boxe profissional passa pelo seu momento de menor popularidade, com falta de ídolos carismáticos. Nesta situação, o MMA acabou ocupando este espaço com os fãs de lutas.

    Abraços

  4. 54 Flavio 16/05/2012 12:51

    Apenas uma observação. O MMA só tem essa fama acima do boxe aqui no Brasil. Acho que o autor deveria pesquisar um pouco. Alguns jornalistas no Brasil até para falar de boxe colocam o MMA no texto. Por que será?

  5. 53 Eduardo Coelho 15/05/2012 23:58

    Boa Sorte aos atletas em Londres!!!

  6. 52 jcb 15/05/2012 20:54

    RETIFICANDO!! SAÚDE NO BRASIL!!

  7. 51 jcb 15/05/2012 20:53

    O BOXE BRASILEIRO É IGUAL A SAÚDE DO BRASIL!!
    NINGUÉM LIGA!!!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.