Publicidade

quinta-feira, 21 de julho de 2011 Ídolos, Isso é Brasil, Olimpíadas, Seleção brasileira | 20:32

As mudanças que virão a partir da absolvição de Cesar Cielo

Compartilhe: Twitter

Cesar Cielo agora está livre para brigar pelo bicampeonato mundial em Xangai

Passadas várias horas da notícia da absolvição do campeão olímpico e mundial Cesar Cielo – na verdade, a manutenção da pena de advertência que havia sido aplicada pela CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) – e dos também nadadores Henrique Barbosa e Nicholas Santos, já é possível fazer uma análise mais fria sobre o episódio que abalou as estruturas do esporte olímpico do Brasil nas últimas semanas.

Uma coisa parece clara para mim: continuo com a certeza absoluta que se não tivesse um currículo brilhante, onde constam uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim-08 e dois títulos mundiais obtidos em 2009, na cidade de Roma, Cesar Cielo estaria arrumando as malas para voltar da China para o Brasil, trazendo na bagagem uma suspensão, nem que fosse relativamente leve, algo como os três meses que pediu a Fina (Federação Internacional de Natação), em seu recurso à CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Nem mesmo o fato de Henrique Barbosa e Nicholas Santos, que nem se comparam em termos de conquistas a Cielo, terem sido absolvidos também modifica esta minha linha de pensamento. É claro que por terem ingerido o mesmo suplemento alimentar indicado por Cielo, e com a argumentação de contaminação cruzada ter sido aceita na CAS, eles teriam que escapar do gancho também. O único que não tinha salvação era Vinícius Waked, que por ter sido condenado anteriormente, foi considerado reincidente e acabou condenado por um ano.

Caberá a Cielo, agora aliviado por manter o sonho de brigar pelo bicampeonato mundial em Xangai e olímpico em Londres, no ano que vem, mostrar maturidade e sangue frio. Maturidade para encarar os jornalistas sem qualquer tom de revanchismo, por conta das inúmeras reportagens que foram publicadas até agora, questionando o caso de doping. Como ele se manteve absolutamente em silêncio após a divulgação do exame positivo, não sei sinceramente como irá reagir às inevitáveis perguntas que os jornalistas do mundo inteiro certamente lhe farão em Xangai.

O sangue-frio citado no parágrafo acima tem a ver com a reação que o resultado do julgamento irá despertar nos rivais. Ainda logo depois da divulgação do doping, o francês Alain Bernard disse que achava que pena havia sido bem leve. Depois, o canadense Brent Hayden usou de ironia para pedir uma punição maior ao brasileiro. Cielo precisará saber conviver com olhares atravessados e comentários às escondidas dos rivais das piscinas. E ter que superar tudo isso para continuar em busca de seus grandes resultados.

Por fim, a última mudança que deverá acompanhar o desfecho do caso Cielo: a partir de agora, será bem complicado para a CAS querer aplicar uma pena de suspensão para casos idênticos ao de Cielo e seus colegas. Por exemplo, o que ocorreu com Daynara de Paula, que também teve doping por furosemida em virtude de uma contaminação cruzada. Exatamente como Cesar Cielo. Só que ela foi acusada de negligente, ficou meio ano afastada das piscinas e nem poderá sonhar com uma participação nas Olimpíadas de Londres.

Nestes casos, a diferença que faz uma medalha de ouro olímpica é fundamental e, por que não dizer, cruel com os mortais.

Veja também:

>>Doping vai ganhando  de goleada no esporte brasileiro

>>E Cielo falou. Para os franceses…

>>O doping e a hipocrisia

Autor: Tags: , , , , , , ,

3 comentários | Comentar

  1. 53 PauloRick 23/07/2011 22:58

    A mídia do Brasil, não é brasileira, só pode se dopar se for dos EUA. O que deve prevalecer são os fatos, e eles indicam que o pretenso doping foi involuntário, então não pode haver punição, erraram de modo claro ao punir um dos atletas envolvidos, todos deveriam ter sido absolvidos. O resto é opinião, como bunda, cada um tem a sua.

  2. Marcelo Laguna 23/07/2011 19:39

    Fernanda,

    Seus argumentos são válidos e também merecem uma reflexão. Mas permito insisitir em meu ponto de vista inicial: tivesse ali no banco dos réus um atleta “comum” e não um supercampeão como o Cielo, em uma situação idêntica, inclusive em relação ás provas, e o sujeito sairia de lá punido, mesmo com uma pena mínima de uns 3 meses.

    Obrigado pelo comentário e volte sempre

  3. 52 Fernanda Perazz 23/07/2011 13:39

    Marcelo,

    se os nadadores conseguiram provar – com análises técnicas, e não apenas com argumentos, palavras – que houve contaminação cruzada e que, no caso, não poderiam ter evitado, por que a CAS não poderia confirmar a advertência da CBDA? Não seria mais correto esperar a CAS divulgar os detalhes do processo, daqui a alguns dias, para confirmar quais foram as provas apresentadas, antes de julgar que a medalha de ouro de Cesar Cielo pesou na decisão?
    Sei que existe uma jurisprudência, mas é preciso lembrar que essa tão falada jurisprudência, em que todos se apoiam para criticar a decisão do CAS, serve para o juiz ter uma base, em casos semelhantes precedentes, para fazer o seu julgamento. De forma alguma a jurisprudência deve ser o único fator a guiar uma decisão, ignorando todos os outros fatores pertinentes a cada caso em particular.
    Se as provas da inocência deles foram suficientemente claras, não seria injusto dar uma pena maior apenas para seguir a jurisprudência existente? Se você, como bom jornalista que é, for mais a fundo no caso, especialmente depois que a CAS divulgar o processo, poderá encontrar diferenças claras entre o caso dos quatro nadadores, e os de julgamentos anteriores. Talvez Cesar Cielo é que tenha aberto agora uma nova jurisprudência. E não acho que isso afetará as decisões da CAS, apenas mostra que existem possibilidades diferentes para casos diferentes.

    Abraço!

  4. Marcelo Laguna 22/07/2011 1:18

    Oi Leonardo

    Não sou advogado, falo como leigo, mas me parece que comunicar que usa o suplementou ou não não costumava – até agora pelo menos – influenciar as decisões do CAS. Portanto, eu parto de um presuposto básico, o da jurisprudência: se vale para um, por que não vale para outro?

    Em relação aos rivais, a minha dúvida é quanto o Cielo, que já demonstrou ter uma força mental muito forte, conseguirá suportar esta pressão.

    Abraços

  5. 51 Leonardo Rodrigues 21/07/2011 21:50

    Boa noite Marcelo!

    Olha, existem diferenças entre os casos do Cielo e Daynara. O Cielo comunica a FINA que utiliza o suplemento a base de cafeína a 4 anos. A Daynara, não. A quantidade da substância dopante encontrada nos exames também.

    Quanto aos rivais, podem até olhar atravessado ou fazer comentários às escondidas, nos degraus mais baixos do pódio.

    Abração!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.