Publicidade

quarta-feira, 25 de maio de 2011 Isso é Brasil | 23:04

Nada justifica o "bullying" do judô

Compartilhe: Twitter

Jigoro Kano teria ficado indignado com as barbaridades feitas contra Lucas Ribeiro

Se você der uma busca no santo Google, descobrirá que a definição de judô é “modo suave” ou “caminho da suavidade”. Pois nada disso parece significar alguma coisa para alguns integrantes do Projeto Futuro, agora chamado Centro de Excelência Esportiva, no complexo esportivo do Ibirapuera. Com certeza o criador do judô, Jigoro Kano, ficaria horrorizado com as atrocidades cometidas contra o garoto Lucas Gongora Ribeiro, de apenas 16 anos, que relatou ter sido vítima de trotes e humilhações pelos atletas veteranos que também integram o Centro de Excelência.

Ninguém aqui é ingênuo a ponto de achar que não existe trote no esporte. Isso é normal, até natural, em equipes de diversas modalidades. No vôlei, por exemplo, um dos castigos “publicáveis”, por assim dizer, é fazer com que os novatos na seleção brasileira sejam os responsáveis em carregar o carrinho com as bolas, para o aquecimento da equipe, em treinos e jogos. Mas estes “rituais de passagem” existem em todo lugar. O que não dá é extrapolar todos os limites do bom senso.

O diretor do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, o coronel Luiz Flaviano Furtado, apresentou alguns argumentos que quase me fizeram cair da cadeira, para justificar atitudes “normais”, como lavar o quimono de todos os demais judocas, agressão com ripas de madeira e depilação à força.  “Em qualquer atividade militar, sempre existe a hierarquia. O mais antigo tem certa precedência sobre os mais novos. Ele falou de lavar quimono. Entre os militares, os mais novos geralmente engraxam os coturnos dos mais antigos”, explicou o coronel Furtado.

Engraçado, achei que o Centro de Excelência preparava atletas e não sobreviventes de deploráveis cenas de bullying esportivo. Lá foram formados alguns dos grandes ídolos olímpicos brasileiros, como Aurélio Miguel, Maurren Maggi, Thiago Camilo e Henrique Guimarães.

Tomara que o jovem Lucas Ribeiro consiga esquecer o que estes pseudo-judocas fizeram com ele. Do contrário, o esporte brasileiro corre o risco de perder um talento, por pura imbecilidade alheia.

Veja também:

Pan de judô: reação brasileira em Guadalajara

O drama de João Derly

O velho “Ibira”, de cara nova

Autor: Tags: , , , , , , , ,

5 comentários | Comentar

  1. 55 Danúsio 24/11/2011 6:31

    BULLYING É SINÔNIMO DE DESRESPEITO, IGNORÂNCIA E IDIOTICE. ESSAS DOENÇAS TÊM QUE SER CURADAS É NO TATAME. QUEM AS PRATICA DEVE SER LEVADO À PROVA NUM OCTÓGONO DO VALE TUDO. É SÓ UMA QUESTÃOZINHA DE CORAGEM.

  2. 54 Danúsio 24/11/2011 6:25

    ANTIGAMENTE HAVIA RESPEITO PELO PRINCIPIANTE PARA QUE O MESMO CRIASSE UMA IDEIA POSITIVA DA ARTE A QUAL IA PRATICAR; HOJE TUDO É HUMILHAÇÃO E DESAFETO; O QUE RESTA NO CORAÇÃO HUMANO NESTES ÚLTIMOS DIAS É ÓDIO E INIQUIDADE. ESTÃO TRANSFORMANDO A ARTE DE VIVER SE DEFENDENDO EM FORMA EGOÍSTA DE MATAR. QUANTA ABERRAÇÃO.

  3. 53 Hedwiges 26/05/2011 12:31

    Onde esse país vai parar? Bullyng até num lugar, que a meu ver, deve formar cidadãos e atletas profissionais??? Ainda mais no judô??? Essa não é a filosofia desta arte oriental, muito pelo contrário. Com os comentários infelizes que proferiu, este Cel. Luiz Flaviano Furtado só prova que não é a pessoa mais indicada para ocupar o cargo de Diretor desta Instituição, que deveria sim, pregar a garra, a superação, a competitividade, dentro de parâmetros onde imperem o respeito pelo ser humano.
    Por favor, Aurélio Miguel, Flávio Canto, Thiago Camilo, mesmo atletas de outras modalidades, façam alguma coisa por esse garoto Lucas Gangora. Uma promessa do nosso esporte não pode cair pela banalidade e inconsequência de quem deveria zelar pela imagem do Centro de Excelência Espotiva. E voce, Lucas Gangora, não desista, não permita que a inveja e o lado mesquinho de pseudos atletas ofusquem o brilho de uma futura estrela dos tatames.

  4. 52 Nicolau Radamés Creti 26/05/2011 10:54

    Sr. vereador Aurélio Miguel: aguardo seu pronunciamento com urgência sobre esse assunto. É um absurdo e não pode ficar barato. Isso não é um trote inocente e não tem nada a ver com o esporte

  5. 51 ronaldo 26/05/2011 8:04

    ótimo comentário;
    avisa o politico Aurelio Miguel ou melhor entrevistar

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.